Artigo: O beijo proibido que o Brasil espera ver, por Tom Phililips Resposta

Gilberto Braga, um dos autores de Insensato Coração. (Foto: Reprodução)
O jornalista Tom Phililip escreveu para o site inglês ¨Guardian¨ sobre a nova novela da Rede Globo, ¨Insensato Coração¨, e contou sobre a expectativa do beijo gay nas novelas, mostrando ainda dados da homofobia no país. Confira o artigo na íntegra:


Triângulos amorosos, corações partidos e uma estrela de reality show, acompanhados por uma otimista trilha sonora de samba. Só podia ser a mais recente novela do Brasil, que estreou na semana passada. Mas ¨Insensato Coração¨,deverá quebrar o molde com pelo menos seis personagens gays. 

“Estamos abordando um tema contemporâneo e pertinente”, Ricardo Linhares, um dos criadores da novela contou ao site de notícias R7; ele disse esperar que a novela ajude a “combater preconceitos e promover a aceitação”. 

A maioria das cidades brasileiras possuem comunidades gays, mas a homofobia e a violência 
persistem. Segundo o Grupo Gay da Bahia, 198 homossexuais foram assassinados no Brasil em 2009, 122 mortes a mais do que há dois anos atrás. 

As novelas muitas vezes chegam perto de 50 milhões de espectadores. Algumas têm tentado mostrar os tabus, tais como saúde mental, toxicodependência e alcoolismo. “Este é um passo à frente”, disse Julio Moreira, presidente dos direitos gays do grupo Arco-Íris, para o jornal Extra. “Os gays sempre foram retratados como (personagens) marginais ou de alguma forma negativa. É importante mostrar a diversidade e levantar questões políticas. ” 

Toni Reis, presidente da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais e transexuais, disse que Insensato Coração é uma oportunidade importante para quebrar estereótipos e trazer visibilidade. É a chance de mostrar uma realidade e um vocabulário que pode influenciar na cultura brasileira como um grande negócio.” 

“Hoje nós somos o país com o maior número de marchas do orgulho gay no mundo … mas a novela da noite atinge todos os lares do Brasil “, disse Reis, que fez história jurídica em 2003 pela obtenção de um visto permanente para seu parceiro britânico. 

Reis disse que a televisão do Brasil geralmente apresenta uma “imagem distorcida” da comunidade gay, com menções à homossexualidade restrito a três tipos de programas: comédia, programas sobre crime e canais religiosos, onde evangélicos pregadores vão contra a homossexualidade. 

Em contraste, entre os personagens gays de ¨Insensato Coração¨, está um advogado, um professor, um jornalista e um comerciante. A obra ainda possui a sua própria boate gay, a luxuosa Barão da Gamboa, inspirada na boate carioca ¨The Week¨, e as iniciais do clube, ¨BG¨, também representam ¨Boate Gay¨.

Fãs gays da novela estão há muito tempo esperando por um beijo nas obras, e em 2005 pensaram que conseguiriam, quando a mídia local anunciou que dois personagens masculinos iam dar um beijo na novela América. A cena acabou sendo cortada, e por isso, houve um protesto com beijos gays no Congresso do Brasil.

Os criadores de Ïnsensato Coração¨ dizem que se os espectadores esperam por um beijo gay, ficarão desapontados. Em uma coletiva de imprensa de lançamento da novela, Gilberto Braga, um dos autores, foi categórico. “O público não está pronto.” 

Reis disse que a decisão mostrou “falta de coragem e ousadia. Beijar é uma demonstração de carinho, e não uma afronta à sociedade. Corrupção, violência, acidentes: estes são afrontas, e são mostrados na TV em excesso “. 

“Eu não acho que vai demorar muito para acontecer um beijo gay em uma novela,” ele acrescentou. “Se não houver um beijo, então isso será um sinal de preconceito.”

Leia também: Gays na TV

Argentina: Mar del Plata se posiciona como destino para público LGBT Resposta

Mar del Plata, Argentina
A oferta de serviços para a comunidade LGBT (Gays, Lésbicas, Bisexuais e Transgêneros) na cidade de Mar del Plata, na Argentina, cada vez mais se afirma como um destino voltado para este público.

De acordo com Pablo de León, presidente da Câmara de Comércio Gay e Lésbica da Argentina (CCGLAR), existe um grande interesse comercial em instalar-se na cidade. O executivo afirmou que a CCGLAR calcula que 15% do total de turistas integram a comunidade LGBT.

A cidade é uma das mais atrativas para estrangeiros, segundo levantamento da câmara. ¨Pedimos para que os entrevistados apontassem o destino preferido entre uma lista. Os brasileiros elegeram Mar del Plata como a terceira preferida, depois de Buenos Aires e Bariloche¨, explica León.

O perfil da comunidade LGBT permitiu o crescimento deste segmento de turismo no destino. Estes turistas normalmente têm alto poder aquisitivo, se interessam por moda, viajam em grupo ou em casal e não tem filhos.

*Com informações de Hôtelier News

Pais gays dos EUA preferem o sul do país para criarem seus filhos Resposta

Foto: Reprodução

Ser gay em Jacksonville, uma cidade do sul da Flórida já foi um problema no passado. A maioria das pessoas mantinham a sua sexualidade para si mesmos, e eles foram alertados para o perigo de serem abertamente homossexuais, quando uma igreja gay foi bombardeada na década de 1980. Atualmente, existem oito igrejas que abertamente recebem bem os fiéis gays. Uma, inclusive, recebe casais com filhos.

As mudanças podem parecer surpreendente para uma cidade onde as igrejas têm uma longa história de condenação contra a homossexualidade. Mas, como os demógrafos mostram através de dados recentes do Censo, eles descobriram que Jacksonville é o lar de uma das maiores populações de pais gays nos Estados Unidos. 
Além disso, os dados mostram que a criação de filhos entre casais do mesmo sexo é mais comum no sul do que em qualquer outra região, de acordo com Gary Gates, um demógrafo da Universidade da Califórnia, em Los Angeles. Os casais homossexuais em Arkansas, Louisiana, Mississippi e Texas são mais propensos a estarem aumentando o número de filhos do que estados como Nova York e Nova Inglaterra. 
Casais homossexuais negros ou latinos têm duas vezes mais chances do que os brancos a terem mais crianças, de acordo com Gates, que usou dados do Censo conhecido como Pesquisa da Comunidade Americana. Além disso, os homens gays têm filhos, em média, três anos antes que os homens heterossexuais, de acordo com dados do censo.
Em 2009, a pesquisa estimou que haviam 581 mil casais do mesmo sexo nos Estados Unidos, não contando os gays solteiros. Cerca de um terço das lésbicas são mães, e um quinto dos homens homossexuais são pais. E 32 por cento dos casais homossexuais em Jacksonville estão criando filhos, perdendo apenas para San Antonio, que tem 34 por cento. 
Ainda assim, pais gays que são casados enfrentam obstáculos legais. A Flórida não reconhece o casamento entre pessoas do mesmo sexo, nem como parceria doméstica. Até recentemente, o estado foi um dos poucos no país que proibiu expressamente a adoção por casais gays. 

Revista gay da Índia provoca revolução Resposta


Quando os primeiros exemplares da revista gay “Fun” chegaram na banca em Nova Delhi, Ram Naresh, dono da banca, exibiu as revistas discretamente para evitar uma ofensa, mas os clientes têm esgotado as edições a cada mês.


A publicação lustrosa, lançada em julho do ano passado, combina fotos de modelos jovens posando apenas de cueca com artigos sobre o que vestir em um encontro, discute sobre problemas sexuais e os últimos lançamentos de carros. Naresh disse que sempre fica sem nenhum exemplar, e que pede mais revistas o tempo todo. 

Essa cultura homossexual continua a ser chocante para a maioria dos índianos, que muitas vezes tratam o assunto como um grande tabu. Mesmo indianos de alto nível social não são abertamente gays ou lésbicas, inclusive nos domínios do esporte, política ou entretenimento. O sexo gay foi legalizado em 2009 e o perfil dos homossexuais na Índia tende a aumentar à medida que o país rapidamente abraça muitos aspectos do estilo de vida ocidental. 

O sucesso da revista “Fun” contrasta com o de “Bombay Dost (Amigo de Bombay), a primeira revista gay da Índia, que sobreviveu por 12 anos a partir de 1990, mas fechou até um recente relançamento. Outros pequenos sinais da crescente importância da comunidade gay foi incluir personagens do mesmo sexo em cartões do dia dos namorados e o filme de Bollywood, ¨Dostana¨, em que uma mãe acolhe o suposto namorado de seu filho na casa dela. 


Existem hoje, pelo menos oito impressos e revistas on-line destinados a lésbicas e gays na Índia, incluindo a “Jiah” (Coração), uma publicação na Internet que Ápia Kumar, de 26 anos, começou no ano passado.

“Eu queria um meio de comunicação, não para que eu pudesse empurrar anúncios e vender 
batom “, disse Ápia. ¨As pessoas escrevem me pedindo para que eu as envie a revista. O anonimato da internet ajuda imensamente em fazer com que as pessoas se sintam seguras e 
parte de uma comunidade.¨

Jiah, que é composta por voluntários, fica longe de fotografias de nu e fantasias sexuais, e aposta na poesia e em guias de viagem gay-friendly. “Eu não quero incluir qualquer conteúdo visivelmente sexual, uma vez que temos bastante jovens leitores, quero que os pais deles também sejam capazes de ler¨, finalizou Kumar. 

Marchas do orgulho gay tornaram-se eventos anuais bem-humorados em várias cidades, mas Kumar disse que muitos de seus leitores vêm de cidades onde as pessoas conservadoras 
acreditam que a homossexualidade é uma doença. 

As páginas da moda de “Fun” dificilmente são material de campanha militante, mas Manvendra Singh Gohil, editor da revista, acredita que seu tom confidente também ajuda na causa da igualdade homossexual. 

“Revistas indianas sempre ostentaram o corpo feminino, agora é hora de exibir o corpo masculino “, disse Gohil, um descendente gay de uma família real no Oeste da Índia. “As coisas estão mudando gradualmente. Quando eu me assumi gay em 2006, minha família me deserdou. Hoje, eu vejo os pais juntos com seus filhos nas marchas do orgulho gay¨, finalizou.

EUA: União civil entre casais homossexuais será possível ainda este mês, em Ilinois Resposta

Pat Quinn, govenador de Ilinois
O governador democrata do estado de Illinois, nos Estados Unidos, Pat Quinn, vai assinar a lei que permite a união civil de casais homossexuais no dia 31 de janeiro, no Centro Cultural de Chicago. 

O projeto foi aprovado pelo Senado Estadual com 32 votos a favor contra 24, no dia primeiro de dezembro. No dia anterior, a Câmara dos Deputados aprovou o projeto com 61 votos a favor contra 52. O projeto de lei chama-se ¨Ato de Proteção da Liberdade Religiosa e União Civil de Illinois¨, e dá aos casais de gays e lésbicas o reconhecimento de relação, representando uma tentativa de forçar entidades religiosas a oferecerem a bênção da união, mesmo em desacordo com seus ensinamentos. 
Apesar da formulação, a medida enfrentou forte oposição da Conferência Católica de Illinois, assim como a Organização Nacional do Casamento, que é baseada em Washington.
Uma pesquisa realizada em outubro do ano passado descobriu que dois terços dos prováveis eleitores em Illinois são a favor de uniões civis ou igualdade no casamento para casais do mesmo sexo. 
Quando a medida entrar em vigor no dia primeiro de julho deste ano, Illinois irá juntar-se com Nova Jersey, Califórnia, Nevada, Oregon e Washington, estados que oferecem os mesmos direitos em uniões civis entre casais homossexuais. 
Somente Massachusetts, Iowa, Vermont, Connecticut, New Hampshire, e Washington, D.C. concedem a igualdade no casamento completo, embora não tendo o reconhecimento federal por conta do Ato de Defesa do Casamento, de 1996.