Alagoas: Movimento LGTB protesta contra a homofobia e a favor da união gay Resposta

Protesto em Alagoas
Milhares de pessoas que trafegam pela Rua do Comércio na tarde desta segunda-feira (31) pararam para observar e expôr sua opinião sobre o protesto realizado pelo Movimento LGBT na capital alagoana. O grupo de homossexuais protesta contra a homofobia e a favor da união civil gay no estado. 

Os curiosos que passavam pelo calçadão olhavam atentamente, aplaudiam e apoiavam a causa, a exemplo da dona de casa Givalda Silva dos Santos que é não tolera o preconceito contra os homossexuais. “Qualquer tipo de preconceito é errado e matar por preconceito não existe. Se a atitude deles é errada não cabe a nós julgamos, e sim, a Deus”, ponderou.
O protesto divulga fotografias de homossexuais brutalmente assassinados, cujos casos ainda não foram solucionados pela Polícia Civil Alagoana. Segundo Dino Alves, do Pró-Vida LGBT, o preconceito ainda é o maior problema dos homossexuais. “Precisamos levar a sério os crimes contra homossexuais. Em Alagoas parece brincadeira matar gay, já que ninguém é severamente punido. Os familiares das vítimas esquecem e os culpados não são punidos”, lamentou Dino Alves, pedindo agilidade nas investigações dos crimes.
“Queremos que as autoridades reconheçam a criminalização da homofobia. Percebemos quando o crime é praticado com gays pelo requinte de crueldade. Não é apenas matar, mas sim humilhar”, colocou Alves, lembrando do caso do gay Jaldilson Junior, assassinado no último sábado no Vergel do Lago. “Jaldilson não foi apenas assassinado. Ele foi amarrarado com fio de ferro elétrico, asfixiado, introduziram objetos no ânus dele e depois deflagraram quatro facadas. Não precisava isso”, afirmou inconformado. “Isso é cruel. Vemos no requinte de crueldade que há ódio”, emendou Dino. 
Ainda de acordo com o representante da categoria, apenas este ano, quatro homossexuais foram brutalmente assassinados em Alagoas, todos com requintes de crueldade. “Precisávamos fechar esse mês triste de janeiro com um protesto. Mas não vamos parar por aqui, queremos que a sociedade entenda que só queremos viver e ser felizes”, disse o homossexual que sonha em consolidar a união estável com o companheiro Bruno Constantino. “Estamos juntos há onze meses, nossas famílias já nos aceitaram, agora será a Justiça”, celebrou. 
Sobre a união entre pessoas do mesmo sexo, o diretor do Pró-Vida LGBT, afirmou que Alagoas já deu um grande passo. “A desembargadora (Elisabeth Carvalho – presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), já aprovou a união civil estável entre pessoas do mesmo sexo. Mas as pessoas ainda não contra. Precisamos mudar a mentalidade das pessoas. Não queremos entrar de branco, vestidos de noiva e noivo na igreja, queremos apenas ter direitos legais”, afirmou sobre a banalização do casamento entre gays.
PLC 122 
Outro objetivo da manifestação é pressionar a aprovação do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 122/2006, de autoria da deputada Marta Suplicy. 
O projeto que torna crime a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero – equiparando esta situação à discriminação de raça, cor, etnia, religião, procedência nacional, sexo e gênero, ficando o autor do crime sujeito a pena, reclusão e multa, foi desarquivado por Suplicy e deve voltar à Câmara para votação, e possível aprovação.
*Com informações do Primeira Edição.

Árabes fogem da homofobia em Nova York Resposta

Nova York é talvez o centro do mundo. A cidade mais moderna do planeta. Lá é possível encontrar todas as tribos. Inclusive para todas as subculturas de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT). Existe grupo de apoio a gays vegetarianos, 62 grupos de religiosos LGBT etc. Lá também rola uma festa para a comunidade LGBT do Oriente Médio, como mostra matéria do “Jornal do Brasil” desta segunda-feira (31/01/11).

A festa tem o nome de “Habibi” (“amado” em árabe). Ela foi criada em 2002 pelo DJ Abraão, um dos fundadores da Sociedade Árabe de Gays e Lésbicas (SAGL).

O grupo cresceu, mas na visão de Abraão, isso não quer dizer que seja um fator positivo, “porque há todas as nacionalidades do Oriente Médio. Os egípcios querem sair com os egípcios, os marroquinos querem sair com os marroquinos. Esse é sempre um problema dos árabes”. Abraão aceitou das entrevista ao JB sem revelar o sobrenome.

O “problema dos árabes” é também brasileiro. Os ursos saem com os ursos, as barbies com as barbies, uma pena, mas quase sempre é assim.

Nos anos 1990, a SAGL se reunia no centro LGBT do West Village. Rolava chazinho e biscoito, um bate-papo, mas a coisa foi ficando chata e surgiu a necessidade de ter uma festa. Afinal, jogação e pegação são necessidades universais de grande parte dos LGBT.

A primeira edição da Habibi aconteceu em um restaurante italiano no sul de Manhattan. Hoje a festa é itinerante, percorre clubes LGBT e heterossexuais. além de bares de narguilé em toda a Manhattan. A festa só não acontece no mês sagrado do Ramadã.

A festa foi ganhando forç a medida que as reuniões presenciais do grupo foram enfraquecendo, já que todos se encontravam online. Hoje ela chega a atrair 300 pessoas. Árabes de todas as classes sociais.

Muitos árabes encontram na festa uma forma segura de se divertir, linge do preconceito que sofrem por parte de alguns estadunidenses, devido aos ataques de 11 de Stembro.

LGBT muçulmanos enfrentam dificuldades para conciliar religião e sexualidade. Na maior mesqueta da cidade e uma das mais progressistas, o Centro Cultural Islâmico de Nova York, o imam Ali Shamsi adotou a política do “não pergunte que eu não respondo”, comum em Igrejas Católicas brasileiras.

“A homossexualidade, o adultério e a fornicação são pecados muito graves, mas você não precisa falar sobre isso – diz Ali. Fica entre você e o Criador. Gays e lésbicas são aceitos, desde que não falem nada.

Britney Spears é madrinha de casamento gay nos EUA Resposta

Britney Spears como dama de honra em casamento gay nos EUA
A cantora pop americana Britney Spears foi subiu mais uma vez ao altar. Mas desta vez, não é ela quem está casando. Ela foi dama de honra do casamento de um amigo gay em Miami.

Brent Miller, que é assistente e amigo pessoal de Britney, casou com o ator Frank Lionetti, e a cantora estava lá por eles! A cantora estava acompanhada do noivo dela, Jason Trawick, e os dois aproveitaram os poucos dias da viagem para aproveitarem em clima romântico.
O casamento aconteceu no Monastério Espanhol de Miami e Britney fez todas as obrigações de uma dama de honra.

Presidente homofóbico do Irã ataca mais uma vez os homossexuais Resposta

Ahmadinejad: ataque contra os gays
O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, continua a atacar os homossexuais, segundo a agência de notícia da República Islâmica. 

“Perguntaram-me [na Universidade de Columbia em 2007] porque eu reprimo os homossexuais no Irã?”, Disse Ahmadinejad em Yazd última quinta-feira. “Eu respondi que não temos tantos homossexuais no Irã porque acreditamos que este ato é contra o espírito humano e da humanidade.” 
Durante seu discurso na Universidade de Columbia, o líder iraniano disse: “No Irã não temos homossexuais como em seu país.” 
A cidade de Teerã baniu todas as atividades envolvendo pessoas do mesmo sexo, com punição de pena de morte para as relações do mesmo sexo masculino,e 100 chibatadas para mulheres que mantém relações lésbicas. Após serem advertidas 3 vezes, lésbicas são executadas. 
Leia também: 
Seis iranianos foram enforcados na semana passada, quatro destes foram executados por supostos crimes sexuais. especialistas iranianos dizem que tais crimes podem incluir a homossexualidade e o adultério. 
Enquanto em Teerã também se aplica a pena de morte por adultério, o governo tem intensificado sua estratégia violenta anti-gay nos últimos seis anos. Em 2005, dois adolescentes supostamente gays foram enforcados publicamente. 
Muitos na comunidade LGBT fugiram para a Turquia em 2010 por causa da perseguição.

EUA: Illinois se torna hoje o décimo segundo estado americano a reconhecer a união civil entre casais homossexuais Resposta

Pat Quinn, governador de Illinois
O governador de Illinois, Pat Quinn vai assinar durante uma cerimônia na tarde desta segunda-feira (31/01), o que vai ser um marco na legislação de direitos de uniões civis, dando aos casais gays de Illinois muitos dos direitos legais concedidos aos casais heterossexuais. O acontecimento histórico será realizado perante uma multidão de pessoas no Centro Cultural de Chicago.

“Nosso maior problema agora é a resposta das pessoas que querem estar lá para testemunhar a cerimônia. Eles consideram que isto é parte da história do estado”, disse o Representante do Estado, Greg Harris.
Com a assinatura de Quinn, Illinois se torna o décimo segundo estado ou distrito dos EUA que vai reconhecer juridicamente as relações entre pessoas do mesmo sexo, seja através de uniões civis ou casamento.
A deputada estadual Deborah Mell disse que a atitude é ¨ótima para o estado e para o avanço de uma verdadeira igualdade. Ela foi responsável por fazer um apelo emocional para que seus colegas políticos a favor do projeto de lei. A Assembleia Geral aprovou a legislação no início de dezembro de 2010.
A nova lei entra em vigor a partir do dia 1º de junho de 2011, no entanto, ainda há trabalho a ser feito antes da primeira união civil ser reconhecida. A Secretaria Estadual de Saúde Pública está trabalhando nos documentos que serão necessários para as pessoas interessadas em uniões civis.
A lei não reconhece casamentos homossexuais, mas vai proporcionar os mesmos direitos do cônjuge para parceiros do mesmo sexo, quando se trata de substituição de tomada de decisão para tratamento médico, adoções, acidentes e seguros de saúde.
O evento de hoje vai contar com a presença prefeito de Chicago, Richard M. Daley, o Presidente do Senado de Illinois John Cullerton, o Presidente da Câmara, Mike Madigan, entre outros políticos.
O defensor e co-fundador dos direitos gays de Illinois, Rick Garcia, comemora:
– Estou muito feliz que o governado está assinando esta lei. Este projeto nos coloca um passo mais perto da plena igualdade.