Parada Gay de Nova York espera 1 milhão com o tema "Orgulhosos e Poderosos" Resposta

Oficiais participam da Parada Gay de 2010
em Nova York. (Foto: Douglas Gamma)
A NYC&Company – órgão oficial de turismo da Cidade de Nova York, anuncia a contagem regressiva para um dos maiores eventos GLBT do mundo. A Semana do orgulho Gay 2011 (Pride Week) ocorre sob o lema “Orgulhosos e Poderosos” com oito dias de eventos. As festividades têm início com o tradicional Rally do Rumsey Playfield, no Central Park, dia 18 de junho. E terminam com o lendário Dance at The Pier 54, que reúne multidões no Hudson River Park, em 26 de junho.

A Heritage of Pride, que organiza as atividades desde o Stonewall em 1969 (primeiro movimento em defesa do orgulho gay) fará a apresentação dos eventos que promovem Nova York como uma das cidades mais gay-friendly do mundo. Chris Frederick, diretor da organização explica que o tema “Proud and Powerful” tem tudo a ver com o momento em que o Pride se encontra atualmente. “No ano passado observamos uma mudança de comportamento. Ficou cada vez mais evidente que o infame “não pergunte, não conte a ninguém” está desaparecendo. Com a defesa do casamento e muitas outras conquistas para a comunidade gay, estamos extremamente orgulhosos pela liberdade de mostrar o que somos. Nunca antes na História estivemos tão fortes e poderosos”, conclui Frederick.
Para comemorar tanta liberdade e incentivar um número recorde de participantes, a Heritage se uniu ao Morgans Hotel Group, para oferecer pacotes exclusivos para a NYC Pride 2011 a partir de US$189. Site: http://www.morganshotelgroup.com/en-us/email-special-offers/hudson-pride
“Estamos muito orgulhosos em anunciar um evento, que faz de Nova York um dos destinos mais procurados e amados pelos gays de todo o mundo” – celebra George Fertitta, CEO da NYC & Company “Nosso convite se estende a todos os visitantes GLBT, heteros e simpatizantes que queiram festejar a energia única da cidade e conferir uma semana que celebra o amor e o respeito”.
*Com informações do Portal Fator Brasil.

Ator Alexandre Nero quer interpretar personagem gay Resposta

Alexandre Nero (Foto: Reprodução)
O ator Alexandre Nero disse em entrevista que sonha em interpretar um personagem gay. Ele não se importa se for um personagem caricato ou mais discreto. Segundo ele, essa oportunidade seria uma realização profissional:

– Tenho vontade de interpretar um gay e não me importo se ele for caricato. Não gosto de personagens caricatos, mas depende do tipo de programa. Além disso, há gays extremamente masculinizados e outros mais femininos, não existe uma regra de comportamento.
Alexandre disse ainda que é fã do seriado norte-americano ¨Will & Grace¨, que também tem temática gay e é exibido pelo canal pago Sony Entertainment: 
– Adoro o personagem dessa série! Ele é extremamente caricato e extremamente bem feito. Ser caricato não é problema. Pedro Cardoso é caricato e é um grande ator.

Gisele Tigre fala sobre beijo gay em ¨Amor e Revolução¨ Resposta

Gisele Tigre e Luciana Vendramini (Foto: Reprodução)
A atriz Gisele Tigre que recentemente protagonizou o primeiro beijo gay em um novela brasileira com a atriz Luciana Vendramini, falou em uma entrevista sobre a repercussão da cena da novela ¨Amor e Revolução¨, do SBT. Segundo ela, a cena foi repetida apenas duas vezes, e foi algo natural, por ter uma certa intimidade com Luciana:

– Eu e a Luciana temos muita química. A gente sai pra jantar, fazer compras, a gente se diverte. E ter prazer no trabalho é essencial.
Gisele também comentou sobre a repercussão do beijo. Ela tinha noção que estava fazendo parte de uma cena polêmica, mas se surpreendeu com as mensagens de apoio e positivas que ela recebeu pela primeira cena de beijo gay de sua carreira. 
A atriz disse que o sucesso foi tão grande, que as coisas não devem ficar só no beijo:
– O diretor já nos disse que era para a gente se preparar para as cenas mais ousadas, inclusive cenas de cama.

Maioria nos EUA aprova casamento gays, aponta pesqisa Resposta

Pela primeira vez, a maior parte da população nos Estados Unidos (EUA) – 53% – diz acreditar que o casamento entre pessoas do mesmo sexo deveria ser legalizado, garantindo aos casais gays os mesmos direitos que os dos heterossexuais, de acordo com pesquisa realizada pelo instituto Gallup.

Segundo o estudo, o aumento se deu entre cidadãos que apoiam os democratas ou independentes. A visão entre os republicanos não mudou, de acordo com a pesquisa, realizada entre os dias 5/05 e 8/05. O Gallup começou a fazer pesquisas sobre o tema em 1996.

O aumento de 9% na porcentagem em relação a 2010 é o maior registrado até então. Em 1996, dois terços dos estadunidenses eram contra o casamento gay, com apenas 27% a favor. Em 2004, o apoio já havia subido para 42%, com pequenas alterações ano a ano.

O apoio dos democratas subiu 13 pontos em relação ao ano passado, e o dos independentes aumentou dez. Agora, 69% dos democratas aprovam a medida, além de 59% dos independentes, contra 28% dos conservadores.

A aprovação ao casamento gay diminui conforme a idade dos entrevistados avança, com 70% das pessoas entre 18 e 34 anos a favor e 39% favoráveis entre os que têm mais de 55 anos.

Em relação ao ano anterior, o apoio à legalização aumentou entre os mais jovens, entre 18 e 34 anos, e entre os homens com menos de 50.

A posição favorável é mais alta entre os que vão à igreja frequentemente, entre os católicos e protestantes, e entre os solteiros.

Grande parte da legislação que regula o casamento gay ocorre em nível estadual. Cinco Estados –Connecticut, Iowa, Massachusetts, New Hampshire, Vermont e o distrito de Columbia — já permitem os casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Grande parte dos outros Estados o proíbem.

*Com informações da “Folha”