¨Povo não aguenta mais viado em novela¨, diz autor Aguinaldo Silva Resposta

(Foto: Reprodução)
Mais uma vez o polêmico autor da Rede Globo, Aguinaldo Silva, deu declarações que colocam o gay brasileiro como ¨chato¨, diz que as organizações ativistas só existem para tirar dinheiro do povo e diz que não haverá beijo gay na sua próxima novela ¨Fina Estampa¨, que estréia esse mês. 

A entrevista foi para a revista Veja e Aguinaldo não economizou nas palavras para atacar a comunidade LGBT, as organizações de ativismo gay, e outros nomes conhecidos. Perguntado sobre o que afasta o público das novelas, Aguinaldo respondeu: 

– O povo não aguenta mais viado em novela. Chega! Tem muito. Tem novela que tem seis viados. As pessoas não aguentam mais isso. E geralmente os gays são todos iguais. São cópias dos héteros, querem casar, ter romance, engravidar e parir um filho nove meses depois. São gays chatos. 

A forma impressionante como ele trata os gays é o que impressiona. Imaginem como não se sentiria ao ser chamado de ¨bicha velha paraíba¨, ou ¨cabeça chata¨, formas pejorativas e preconceituosas de se referir a um homossexual que tenha nascido no nordeste do país. 

Ele diz também que vilões desenfreados também cansam o público, pois fazem maldades sem nenhuma justificativa, e citou o exemplo da personagem de ¨Senhora do Destino¨, Nazareth Tedesco, vivida pela atriz Renata Sorra, que era uma vilã ¨engraçadíssima porque tudo o que ela fazia dava errado¨. 

Quando Aguinaldo Silva foi perguntado se teria algum personagem gay em ¨Fina Estampa¨, ele foi categórico: 

– Tem um só, que é o Crodoaldo Valério, que quem está fazendo é o Marcelo Serrado. Eu fiz questão que fosse um ator hétero porque eu acho que ele vai me surpreender. Antes da novela estrear, já tem gay entrando no meu portal e escrevendo que não viu e não gostou porque eu criei um homossexual estereotipado. Como eu falei antes, acho ridículo tratar o gay como um personagem padrão. Eles tem seus códigos, seu universo. São pessoas diferentes. A graça desse personagem é que ele tem uma paixão devastadora pela Teresa Cristina (Cristiane Torloni), que o trata miseravelmente mal. Alguns gays têm essa mania de venerar as mulheres que o maltratam. Eu queria mostrar esse tipo de gay. As pessoas vão odiá-lo porque vai fazer mil maldades em nome dela, porque ele adora aquela mulher que é um horror, ela é péssima. 

E continuou, falando sobre o beijo gay nas novelas: 

– Eu estou começando a ficar irritado com essa coisa do beijo gay. Acho que tem uma torcida para que não aconteça, para que o assunto continue durando, mas as pessoas não aguentam esse assunto e se depender de mim ele acabou. A novidade é essa: não vai ter beijo gay em Fina Estampa, pode escrever. Não tem lugar no mundo em que os gays sejam mais ousados do que no Brasil. Aqui os gays não respeitam as fronteiras. Eles chegam no hétero e cantam mesmo, e se colar, colou. Porém, existe essa hipocrisia de você não poder mostrar um beijo gay na televisão. Por debaixo do pano vale tudo, mas publicamente é essa coisa hipócrita. A sociedade brasileira é assim e a tevê não quer correr o risco de perder o público. 

Concordo com a última frase de Aguinaldo, a sociedade brasileira é hipócrita! E também são os autores de novelas e emissoras de TV. Dizer que os gays do Brasil são ousados, é verdade. Os gays brasileitos têm que cobrar sim, mostrar que estão ali, porque nunca são respeitados! Gay no Brasil não tem vez, a não ser que seja um profissional bem sucedido e tenha certo destaque na sociedade. É por isso que o gay no Brasil tem mesmo que lutar pelos direitos e os grupos ativistas têm que buscar cada vez mais colocar o gay em evidência, porque nesse país, a população ignorante só aprende depois de muito ver e saber a verdadeira realidade do gay, pois como a maioria da população é analfabeta e burra, os meios de comunicação deveria ter um papel maior na educação do pensamento do povo ao invés de somente fazer com que as pessoas fiquem mais dementes. 

Aguinaldo Silva também deu a sua opinião a respeito das críticas que a Rede Globo recebeu por querer interferir na obra de Gilberto Braga e acabar com o romance dos personagens Eduardo e Hugo em ¨Insensato Coração¨: 

– Tem um grupo gay da Bahia que diz que eu sou o inimigo número um dos homossexuais. Dizem que nas minhas novelas os homossexuais são estereotipados. Essas entidades são todas um saco, todas elas tem interesses econômicos, vivem à custa do governo ou daquelas empresas alemãs que por má consciência financiam qualquer coisa. Claro que existem negros bandidos como existem brancos bandidos. A cor dos personagens não devia importar para essas entidades. Eles deviam combater as diferenças, mas para eles interessa grifar as diferenças. Se você bota hoje em dia uma bandida disfarçada de enfermeira, trinta sindicatos de enfermagem espalhados pelo Brasil te processam. Aí você tem que se preocupar com a audiência em Rondônia, em Tocantins… E não dá, porque você ainda tem uma novela para escrever. 

Esses grupos, Aguinaldo, servem para tentar diminuir um pouco o preconceito no país, para impedir que somente um lado da sociedade seja mostrado. Talvez você como um gay bem sucedido que vive na Europa e não precisa de salário mínimo para sobreviver, não precisa se envolver com isso. Mas existe uma outra parte, Aguinaldo, que precisa de atenção e ter suas vidas contadas e mostradas sim, pessoas que levam tiro em paradas do orgulho LGBT, que são espancadas em portas de boates, que são assassinadas por serem homossexuais, que diferente de você, não vivem dentro de casa escrevendo, pois precisam ir à luta para conseguir sobreviver nesse país selvagem que é o Brasil. 

Aquele velho ditado, enquanto não acontece comigo, que se foda o resto!

Confira o vídeo ¨Homofobia Sim¨, que está virando novo hit da Internet 1

Fabrício Mira (Foto: Reprodução)
Está circulando no YouTube o vídeo ¨Homofobia Sim¨, protagonizado e dirigido por Fabrício Mira, em que ele ataca a comunidade LGBT e faz elogios ao deputado homofóbico Jair Bolsonaro e a deputada Myrian Rios, defendendo ainda o dia do orgulho hétero. Mas antes de fazer qualquer comentário, sugerimos que você assista o vídeo até o final!!

Fabrício Mira é um diretor carioca que está se tornando conhecido por porduzir vídeos pornôs de ¨cunho político¨, em que critica políticas públicas, polícia e a sociedade carioca.

Em alguns de seus vídeos ele aparece fazendo sexo com travestis e mulheres. A intenção desse vídeo, que é revoltante nos primeiros minutos, fica claro no final, mas divide opiniões quanto seu conteúdo.

Assista ao vídeo e dê a sua opinião:

Primeiro casamento gay é realizado em Alagoas 2

(Foto: Reprodução)
Tapete vermelho, altar, música romântica, salgados, docinhos, champanhe, convidados e o tradicional bolo de casamento enchem os olhos de qualquer noiva que deseja fazer do casamento um momento inesquecível. Imaginem então, quando o casamento tem duas noivas…

Foi nesse clima que o casal Luciana Lima, 27, e Viviane Rodrigues, 32, pronunciou o clássico sim em uma cerimônia, conduzida por um orador espiritual, que celebrou, na noite de ontem, o casamento das duas noivas. Ou usando a linguagem do casal, “uma noiva-noiva e uma noiva-noivo”. A festa foi organizada em dois meses.

De acordo com as noivas, esse foi o primeiro casamento gay feminino de Alagoas, o primeiro do Nordeste e o terceiro do Brasil. As duas admitem que ao contratarem serviços como buffet e decoração se depararam com o espanto de alguns empresários. Mas logo foram explicando, de forma diplomática, que a partir daquele casamento, os empresários estariam abrindo mais um leque de opções para atender a um público segmentado que tende a crescer cada vez mais.

Luciana Lima é cantora. Na noite alagoana, ela embala corações – hetero ou homossexuais – apaixonados cantando MPB e Pop Rock. Viviane Rodrigues é enfermeira. As duas estão juntas há um ano e quatro meses. Passaram a dividir um apartamento depois de um mês de iniciada a relação que, segundo elas, “irá durar para sempre”, disseram ao trocar olhares apaixonados.

O casal concedeu entrevista a O JORNAL, enquanto se preparava em um salão de beleza para fazer um making off às vésperas do casamento. A pedido delas, o local, a data e horário do casamento não foram divulgados. Ambas temem a reação da família e de pessoas homofóbicas. A festa é apenas para os amigos.

Elas já oficializaram a relação homoafetiva no cartório. Desde então, usam aliança. Viviane Rodrigues, inclusive, teve direito a licença matrimonial no trabalho. Ela é servidora pública estadual.

*Com informações de O Jornal Alagoas.

Lady Gaga vai ser ministra no casamento de duas lésbicas Resposta

Agora que Nova York permite a igualdade no casamento, Lady Gaga está pensando seriamente em literalmente casar seus amigos gays. Ela quer ser a ministra do casamento de sua professora de ioga, que é lésbica: 

– Elas me pediram para casá-las. Então, sim. Vou fazer isso. É um casamento privado, mas elas estão muito orgulhosas disso. Elas esperaram muito tempo para legitimar o seu amor. 

Gaga se diz muito feliz com a nova legislação, e disse que ela como ativista, está animada com as coisas que estão acontecendo e que vai continuar a luta pela igualdade junto com todos os seus amigos e pessoas de sua geração para continuar a lutar pelos direitos iguais.

Beyonce diz que se inspira em seus fãs gays Resposta

Durante uma entrevista para o site gay ¨PrideSource¨, a cantora Beyonce disse que se inspira nos seus fãs gays: 

– Eu sempre tive essa ligação (com gays). A maioria do meu público é composta por mulheres e os meus fãs gays, e eu já vi um monte de meninos mais novos crescendo com a minha música. 

Em um outro trecho ela afirma que a música ¨Girls (Run the World)¨, pode ser relacionado aos gays, e que se juntarem os gays e as mulheres, eles iriam dominar o mundo. E ela continua: 

– Eu tenho o meu estilista e meu maquiador, e todas as histórias e as gírias que eles usam eu tento colocar na minha música. Nós inspiramos um ao outro. Como eu disse, nós somos um. 

E mais: 

– Se tem alguém que é corajoso e fiel a si mesmo, são meus fãs gays. A quantidade de confiança e destemor que os levam a fazer o que talvez não seja o que seus pais esperam que você faça ou o que a sociedade pode pensar que é diferente…Ser corajoso, diferente e ser você mesmo – é tão bonito.

Pesquisa americana aponta que 1 entre 3 gays não se assume no local de trabalho por medo de discriminação Resposta

Uma porcentagem alarmante de pessoas homossexuais enfrentam preconceito no emprego e muitas vezes decide não revelar sua orientação sexual no local de trabalho, de acordo com uma perquisa realizada pelo Instituto Williams, nos Estados Unidos. 

De acordo com uma revisão de estudos recentes e antigos, O instituto anunciou ontem (25/07), que 38% das lésbicas, funcionários gays e bissexuais assumidos, relataram que já foram assediados no trabalho por causa de sua orientação sexual. Mais de um terço dos entrevistados disseram que não eram assumidos para niinguém no ambiente de trabalho.

Pesquisas voltadas especificamente para trabalhadores transgêneros nos últimos anos descobriram a discriminação no emprego ainda maior: um estudo de 2011, por exemplo, descobriu que 78% dos funcionários trans relataram pelo menos uma forma de assédio no trabalho, com cerca de metade já ter passado por discriminação na contratação, promoção e retenção. 

Entre os entrevistados, 42% haviam sofreram algum tipo de discriminação no emprego em algum momento de suas vidas, e 27% apenas durante o período de cinco anos anteriores à pesquisa. 

De acordo com um dos autores do estudo, Christy Mallory, ¨estes novos dados mostram que ainda é arriscado assumir a homossexualidade no local de trabalho. Portanto, não é surpreendente que os dados também mostram que um terço dos empregados gays não são para qualquer pessoa no local de trabalho.¨ 

Por causa do medo de serem discriminados, muitos funcionários LGBT escondem suas identidades, ganham menos e têm menos oportunidades de emprego do que os heterossexuais.

Brad Pitt é convidado para participar de corrida gay Resposta

Os organizadores de uma corrida direcionada ao público gay convidaram Brad Pitt para iniciar o evento.

O grupo de caridade ¨Gay Men’s Health¨ convidou o ator de Hollywood, Brad Pitt, para se juntar aos corredores em uma maratona que acontece na Escócia, no dia 19 de agosto. 

O convite se deve ao fato de Brad Pitt ser um assumido defensor dos direitos dos homossexuais, e o ator deve estar na cidade em que ocorre o evento para filmar cenas de um próximo trabalho. 

O gerente de desenvolvimento do grupo ¨Gay Men’s Health¨, Tom Lusk, escreveu para o ator e disse que todos estavam conscientes de que Brad tem sido muito sincero em suas declarações sobre o casamento entre homossexuais e na crença de que todos devem ser reconhecidos em uma sociedade democrática. 

¨Com isso, convidamos você a sinalizar o início da corrida. E se você quiser participar, claro que isso não seria um problema¨, dizia um trecho da carta. 

O ator disse uma vez que somente iria se casar com a namorada Angelina Jolie, quando todos tiverem o mesmo direito que ele, que também chegou a doar quantias em dinheiro para campanhar a favor do casamento gay na Califórnia.

Também no início desse mês, Brad Pitt disse que Nova York tomou uma atitude de coragem quando passou a conceder direitos iguais aos seus cidadãos, em referência à lei que permite que casais do mesmo sexo possam se casar no estado. E foi mais longe: 

– Mas é direito constitucional de cada americano se casar com a pessoa que ama, não importa o estado que ele habita. Nenhum Estado deve decidir quem pode se casar e quem não pode. 

Falou e disse, Brad!

Nova York prevê benefício econômico com casamentos gay Resposta

Noivas se casam em NYC. (Foto: Douglas Gamma)
As empresas de Nova York esperam que a cidade se torne um destino escolhido para casamentos homossexuais, o que pode resultar em benefícios para hotéis, bufês e toda a cadeia produtiva do setor turístico.

A NYC & Co, agência oficial de turismo da “Big Apple”, já lançou uma campanha global de marketing para atrair homossexuais, agora que eles podem se casar legalmente na cidade.

Hotéis e restaurantes também estão de olho nessa clientela. O Crowne Plaza da Times Square, por exemplo, oferece transporte em limusine e dois ingressos para um show na Broadway.

No domingo, primeiro dia dos casamentos homossexuais legalizados na cidade, as filas formadas por gays e lésbicas davam a volta no quarteirão em torno de um cartório em Manhattan.

“Terá um enorme impacto, economicamente falando, sobre a indústria dos casamentos como um todo”, disse Gina Monick, gerente do sofisticado bufê Abigail Kirsch.

Um recente relatório do Senado de Nova York estimou que os casamentos homossexuais representarão a injeção de 391 milhões de dólares na economia do Estado nos primeiros três anos — um dinheiro altamente bem-vindo, num momento em que os EUA lutam para se recuperar de uma grave recessão.

*Com informações do site Reuters Brasil.

Juíza se casa com outra mulher em Santa Catarina Resposta

Juíza e sua esposa


A juíza Sônia Maria Mazzetto Moroso, titular da 1ª Vara Criminal de Itajaí (SC) assinou no sábado o documento que a torna casada com Lilian Regina Terres, servidora pública municipal. Esta é a primeira união civil homoafetiva registrada em Santa Catarina, após a decisão do STF.

A primeira do Brasil ocorreu em Goiânia (GO), no dia 9 de maio, entre Liorcino Mendes e Odílio Torres. Até agora, ninguém da magistratura brasileira tinha antes, assumido publicamente esse tipo de relacionamento.

É a primeira pelo menos no Estado de Santa Catarina e eu sou a primeira juíza brasileira a assumir, comemorou Sônia.

Ela e Lilian já tinham um relacionamento estável antes da união oficial. Elas se uniram no dia 29 de maio do ano passado, numa cerimônia abençoada pela religião umbandista.

O juiz Roberto Ramos Alvim, da Vara de Família da comarca, autorizou o casamento civil das duas mulheres. O ato foi, então, celebrado no Cartório Heusi.

Familiares e amigos delas acompanharam a cerimônia. Rafaello, filho da juíza Sônia, também estava presente e ansioso pela união. O meu filho me chama de mãe e se dirige à Lilian como mamusca, conta Sônia.

Com o casamento, Lilian e Sônia decidiram acrescentar os sobrenomes uma da outra, ficando Sônia Maria Mazzetto Moroso Terres e Lilian Regina Terres Moroso.

*Informações do “Correio do Brasil

Agressões e mortes exigem criminalização "urgente" da homofobia, defendem especialistas Resposta


Crimes recentes e chocantes como a agressão a pai e filho confundidos com um casal gay em São João da Boa Vista (SP), no último fim de semana, ou o assassinato do operador Danilo Rodrigo Okazuka, 28, em Barretos, nesta terça (19), representam picos de violência que só podem ser revertidos caso se defina, “com urgência”, uma legislação específica que criminalize a homofobia.

A opinião é compartilhada por juristas e advogados especialistas em segurança pública e na defesa dos direitos de minorias consultados pelo UOL Notícias nessa terça-feira (20) – um dia depois da morte de Okazuka, segundo a polícia, por motivação homofóbica, e um dia após o juiz em São João ter negado a prisão preventiva de um dos agressores confessos do pai do jovem de 18 anos. Ele abraçava o próprio filho em uma feira agropecuária da cidade, pouco antes do ataque, e instantes depois de ter sido abordado por um grupo que questionava se eles eram um casal homossexual. O rapaz se feriu sem gravidade, mas o pai perdeu a maior parte da orelha direita.

Os três especialistas ouvidos pela reportagem se mostraram preocupados com a frequência de casos – que se “popularizaram” na mídia principalmente após sucessivos ataques a gays na avenida Paulista, no ano passado, em São Paulo –e com a violência empregada contra pai e filho no interior paulista. Paralelamente, no Congresso brasileiro, o projeto de lei complementar que criminaliza a homofobia, o 122/2001, não tem sequer perspectiva de ser levado a votação, ante a grande resistência à matéria principalmente entre as bancadas religiosas. Mês passado, porém, o STF (Supremo Tribunal Federal) aprovou a união civil entre pessoas do mesmo sexo.

“Insensibilidade” na magistratura


Para Walter Maierovitch, desembargador do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) e presidente e fundador do Instituto Brasileiro Giovanni Falcone de Ciências Criminais, a recente aprovação de mudanças nos critérios para prisões preventivas pode reforçar a conduta de criminosos que agem também contra as chamadas minorias.

Pela alteração vigente desde o último dia 4, por exemplo, pessoas que cometerem crimes leves –aqueles puníveis com até quatro anos de prisão –, e nunca antes condenadas por outro delito, só serão presas em caso de condenação final, em situações de violência doméstica ou quando houver dúvida sobre a identidade do acusado. Não é o caso, portanto, do agressor confesso do interior paulista.

“Atravessamos um momento muito difícil, e a opinião pública quer mudanças. Mas infelizmente temos leis equivocadas e morosidade na Justiça, o que só faz aumentar o sentimento de impunidade e a sensação de medo”, destacou. Na avaliação do jurista, mesmo que o conjunto de leis nem sempre atenda a demanda a contento, também há “a insensibilidade de muitos magistrados que, cada vez mais, adotam uma linha ideológica perigosa”: “Uma prisão dessas [em caso de homofobia] nada tem a ver com prisão de sentença final, é uma medida de segurança social. Manter soltas pessoas que violam direitos elementares, que não conseguem ter uma visão de sociedade igualitária, é algo muito perigoso —são crimes de caráter grave, ou, como no caso desse pai agredido, gravíssimo: são pessoas que não conseguem dominar os próprios impulsos”, defende.

Maierovitch se diz contrário à criminalização da homofobia por avaliar –a partir de outros países que criminalizaram, por exemplo, o uso de entorpecentes –que a medida não reduziria os casos. Mas ressalvou: “Ainda que eu não acredite que criminalizando se vá reduzir o número de casos, estamos em um estágio perigoso legitima, sim, a criminalização. É pela educação e por mudanças culturais que isso se resolve, mas esses bandos têm saído impunes e não dá para a sociedade ficar sem uma resposta”.

Reforço na luta pela criminalização


Para a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), situações como as registradas em Barretos e São João da Boa Vista não tiram a força da discussão sobre a criminalização.

“Temos uma legislação estadual em São Paulo [a lei 10.948/2001] que pune homofobia na esfera administrativa – com multas e outras sanções, por exemplo, a quem discrimina essas minorias no comércio. Mas não há nada no sentido de criminalizar, por isso precisa haver lei federal”, pondera a presidente da comissão de Diversidade Sexual e Combate à Homofobia da OAB-SP, Adriana Galvão. “E o Congresso tem que refletir sobre isso, pois daqui a pouco não teremos mais o limite do respeito em nenhum aspecto – senão é muito simples uma pessoa simplesmente caminhar, conversar e outros acharem que, homossexual, ela tem que ser agredida”, destacou.

Conforme a advogada, a comissão foi criada em janeiro deste ano e, de março até semana passada, recebeu pelo menos 38 denúncias de supostas vítimas de homofobia. O número é considerado alto pela comissão. “Não há o Estatuto do Idoso, o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), a Lei Maria da Penha? Precisamos sim de uma lei que proteja o homossexual, pois está em grupo que é vitimizado –inúmeras vezes, verbalmente, mas é disso que deriva uma agressão física”, concluiu.

Estatuto LGBT


A presidente da comissão da Diversidade Sexual na OAB nacional, a gaúcha Maria Berenice Dias, disse que até o final do mês que vem a ordem apresentará um projeto de Estatuto da Diversidade Sexual que trata dos direitos da população de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT).

Especialista em direito de famílias formadas a partir da união homoafetiva, a advogada explicou que o estatuto tratará não apenas de adoção por casais do mesmo sexo, como a punição para atos de discriminação ou preconceito contra homossexuais.

“Fatos como o desse pai agredido infelizmente acontecem e só evidenciam a necessidade de uma legislação específica –a falta de lei é que dá a sensação de impunidade e legitima esse tipo de ação. Afinal, as pessoas podem ter uma convicção pessoal ou religiosa, mas não podem afrontar o direito do outro”, definiu.

*Reportagem UOL Notícias

Estudo revela a importância das telenovelas no combate à homofobia Resposta


Em contraste às censuras das direções da Rede Globo e do SBT, à abordagem dos gays em suas novelas “Insensato Coração” e “Amor e Revolução”, estudo mostra que os gays da teledramaturgia contribuem para que parte da audiência atribua mais qualidades boas aos LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros). A maioria das pessoas continua assistindo aos folhetins depois de o personagem gay aparecer.


Leia também: Globo e SBT censuram suas novelas e Agnaldo Silva concorda


Ateus e agnósticos são os que mais rechaçam tramas do gênero, seguidos por evangélicos, apesar de esse número afetar pouco a audiência final. É o que revela a dissertação de mestrado Os efeitos de personagens LGBT de telenovela na formação de opinião dos telespectadores sobre a homossexualidade, defendida em 2009 na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), pelo jornalista, professor de Comunicação da Uninove e mestre em comunicação e semiótica, Welton Trindade.


Trindade provou que a telenovela tem atuação educativa e transformadora na opinião dos telespectadores heterossexuais a respeito da causa LGBT, contribuindo para a diminuição da homofobia. O levantamento foi realizado no Distrito Federal, com 260 telespectadores heterossexuais de novelas, com mais de 16 anos, que assistiram a uma das seis produções das nove nos anos de 2004 a 2008, na Globo. As proporções de sexo, idade, classe social foram planejadas exatamente de acordo com o perfil de audiência da trama das 9. horas O número de 260 pesquisados foi considerado ideal por cálculos de proporcionalidade dos quase 488 mil telespectadores do DF.


Considerando 51,8% dos pesquisados sem convivência com gays, mas todos assistindo a tramas e personagens LGBT, “a telenovela coloca mais da metade dos telespectadores em contato com um universo que extrapola seu cotidiano, trazendo-lhes novas questões para lidar. E conhecendo-as, deixam de estranhá-las”, diz Trindade.


A respeito da reação dos espectadores quando personagens gays aparecem, 23% dos entrevistados afirmaram que passaram a aceitar os gays com o tempo. Dentre estes que mudaram de opinião, 18,6% citaram os meios de comunicação como causa. “O fato de ter ‘convivido’ com homossexuais na telenovela causou importantes mudanças nos telespectadores”, afirmou a pesquisa, que ainda mostrou que 39,4% dos questionados passaram a atribuir mais qualidades boas a LGBT por influência dos folhetins.


Com informações de ” O Povo Online”

Processos por homofobia em São Paulo neste ano já superam 2010 Resposta

Não é por exagero da imprensa e nem por imposição dos ativistas LGBT que a mídia está noticiando mais crimes homofóbicos. Infelizmente, esta é uma realidade, pelo menos no estado de São Paulo. A Secretaria de Justiça e Defesa da Cidadania de São Paulo instaurou neste ano, até o momento, 40 processos por desrespeito a Lei Estadual 10.948 de 2001 que proíbe a discriminação por orientação sexual. O número já é maior do que os 33 processos inciados em 2010. A coordenadora de Diversidade Sexual da secretaria, Heloísa Gama, atribui o aumento a divulgação da lei. “As pessoas têm procurado denunciar mais. Nós também estamos fazendo um trabalho maior de divulgação da lei”, ressaltou.

Segundo ela, a secretaria está fazendo campanhas de conscientização no interior do estado. “Porque nós estamos recebendo um número de denúncias no interior que está preocupando. A gente tem sentido que o número de denúncias tem aumentado”. Os denunciados podem sofrer um processo administrativo com penas que variam da advertência até a aplicação de multas.

Na última sexta-feira, um grupo agrediu pai e filho ao confundi-los com um casal gay em São João da Boa Vista, município da região de Campinas. A polícia da cidade está apurando o crime, no qual o pai teve parte da orelha decepada. Ele passou hoje (19) por exames no Instituto Médico Legal (IML).

Para Heloísa, desde o ano passado tem havido um acirramento do debate em torno dos direitos dos homossexuais e transexuais. “Nós temos sentido que desde o ano passado essas questões têm sido mais discutidas. Por outro lado, tem tido uma animosidade muito grande de alguns setores religiosos. E essa animosidade acaba fomentando violência”.

A identificação específica das ocorrências envolvendo violência contra essa população é apontada pela coordenadora com uma necessidade para fortalecer o combate a esses crimes. Atualmente, lembra Heloísa, as ocorrências policiais registram esses fatos apenas como agressões ou ameaças, sem a identificação da motivação homofóbica. “Essa é uma luta do movimento LGBT [Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais] há muitos anos. Ter um dado estatístico mais fidedigno, até para poder combater”.

Além da divulgação da lei contra homofobia, a secretaria investe em ações de capacitação de policiais e funcionários públicos para tentar contornar o problema. De acordo com Heloísa, também existem ações voltadas para o público LGBT. “Você tem que mostrar para o seguimento LGBT que você não pode aceitar passivamente e não denunciar quando você sofre uma discriminação homofóbica”.

*Com informações da Agência Brasil

Aguinaldo Silva tem razão Resposta

Autônomo de 42 anos teve parte de sua orelha decepada
Ontem (19/07), o editor de Entretenimento da “Folha de São Paulo”, Ricardo Feltrin, publicou reportagem dizendo que as direções da Globo e do SBT orientaram os autores a “baixar a bola” de personagens gays. A desculpa: estaria havendo uma “overdose” do tema. Na prática, as emissoras estão censurando a teledramaturgia. Antes da censura, porém, para ganhar audiência e criar o hábito de telespectadores LGBT (uma parcela considerável do IBOPE), anunciaram que teria um núcleo gay (“Insensato Coração, novela da Globo) e beijo lésbico e gay (“Amor e Revolução”, novela do SBT). Depois, cortaram cenas. A Globo há três semanas interveio na novela das 21h, vetando ousada e propagada cena gay em motel, entre o casal Hugo (Marcos Damigo) e Eduardo (Rodrigo Andrade). O SBT – que cortou a cena de beijo entre dois homens: Jeová (Lui Mendes) e Chico (Carlos Artur Thiré). A reportagem também cita o autor da próxima novela das 21h (“Fina Estampa) da Globo, Aguinaldo Silva. Segundo Feltrin, ele teria sido informado há três meses pela emissora de que deveria evitar polemizar com o assunto (gay) em sua próxima novela. A reportagem ainda diz que a Record, seguindo orientação da Igreja Universal do Reino de Deus, não aborda homossexualidade em suas novelas.

Hoje (20/07) pela manhã, Aguinaldo postou em seu twitter: “Não é verdade que falaram comigo sobre isso. Ninguém me pediu para ‘baixar a bola do gay’ em ‘Fina Estampa’. Eu mesmo evito chocar o público por minha conta, a responsabilidade é minha”. Eu, chocado com a frase do ex-ativista dos direitos dos LGBT, que foi editor do primeiro jornal gay do país, “O Lampeão”, perguntei: “Chocar o público? Como assim? Você acha que um beijo gay chocaria alguém?” Aguinaldo, que só segue uma pessoa, claro, não desceu do seu pedestal e não me respondeu. Mas talvez ele tenha razão.

O Brasil aceita, durante uma semana, peitos, bundas. No carnaval. Passada a folia, nada de palavrão. Tem condomínio multando morador que xinga! Isso mesmo! Se o cara estiver chateado e gritar “merda”, uma senhora pode denunciá-lo e ele será multado! Beijo gay então… O mesmo Brasil que não quer saber dos gays, também não quer saber, claro, da violência que eles sofrem. Esse lance de homofobia é algo criado pelos LGBT. Eles escolhem serem diferentes! Querem afrontar! Deve tem sido violentados na infância e por isso são pedófilos. Eles, certamente, tiveram um relacionamento péssimo com seus pais! Querem levar nossas crianças para o mal caminho! Querem fazer propaganda do homossexualismo com esse kit gay!

Chocados? Mas isso que grande parte da população pensa, Aguinaldo Silva tem razão! A presidenta Dilma não me deixa mentir, o senador Magno Malta não me deixa mentir, o deputado Jair Bolsonaro não me deixa mentir, a vereadora Myrian Rios não me deixa mentir, o pastor Silas Malafaia não me deixa mentir, a TV Record não me deixa mentir. Então por que se preocupar?

Pode ser que uma parte da população de bem, de família, tenha mudado de opinião ontem. É que um pai de família estava abraçado ao seu filho heterossexual e teve a orelha arrancada por um agressor que acho que os dois fossem um casal gay! Sim. Ele disse, antes de agredir: podem se beijar, a Lei permite! Claro que a Lei permite. E a Lei permite também que este mesmo agressor continue em liberdade, mesmo depois de provada a agressão e de fotos e vídeos do homem sem a orelha serem divulgadas pela TV e pela internet. Foi um juiz que disse isso, é a Lei! Segundo o juiz Heitor Siqueira Pinheiro, uma lei de 1989 não autoriza a prisão temporária para o crime de lesão corporal. Talvez por isso skinheads espanquem negros, homossexuais, travestis e sejam logo soltos. Talvez por isso eles voltem a espancar. Mas já que um pai de família perdeu a orelha em uma agressão gratuita, ele nem era gay, pode ser que algum heterossexual tenha se sensibilizado e queira saber de alguns números:

Não existe registro oficial nos Boletins de Ocorrência e Laudos do IML sobre a violência e discriminação contra a população LGBT. No estado do Rio de Janeiro existe, mas precisa ser nacional, para ter política de combate a este fenômeno. O montante de assassinatos de lésbicas, gays e travestis no Brasil, segundo dados do Grupo Gay da Bahia, aumentou 31,3% em 2010, em comparação a 2009. Foram 260 casos contra 198 do ano anterior.

Não para por aí. Veja números de pesquisas sobre a violência contra LGBT no Brasil: 60 % dos LGBT brasileiros já foram discriminados, 20% já foram espancados, 60% dos profissionais de educação não sabem lidar com LGBT, 87% dos brasileiros têm preconceito contra LGBT, 40 % dos adolescentes masculinos não querem estudar com LGBT. São números assustadores, que estão disponíveis no site a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT). Números que foram enviados à presidenta Dilma Rousseff, logo após ela vetar o kit do Programa “Escola sem Homofobia”. Números do MEC, da UNESCO, do INEP, da FIPE etc. Números confiáveis.

É urgente que a lei que criminaliza a homofobia seja aprovada. Mas a bancada fundamentalista do Senado conseguiu pressionar e agora está havendo uma negociação para colocar todos os tipos de preconceito em uma mesma balança. O Decreto 109-A, de 17 de janeiro de 1890, que estabelece a Laicidade do Estado, e o respeito a todas as religiões, qualquer que seja sua denominação, e o respeito aos ateus e às ateias não está sendo respeitado!

É preciso que tenha uma campanha contra o bullying e toda a forma de discriminação. Claro que não só os gays são discriminados, mas é preciso que tenha uma lei que deixe bem claro que não se pode discriminar ninguém por conta da orientação sexual e nem por conta da identidade de gênero. Qual é o problema? Quem se incomoda com isso? Só quem quer continuar a discriminar, claro!

Se você, independente de ser heterossexual, gay ou bissexual, quer continuar tendo o direito de abraçar e beijar, seu filho ou namorado, acesse http://bit.ly/pKhUwy e assine a carta que será enviada aos parlamentares que estão tratando da criminalização da homofobia! Cobre do deputado e do senador que você elegeu e informe os seus amigos a respeito do tema. Ninguém escolhe ser gay, heterossexual ou bissexual. E pouco importa o que leva (se é que algo leva) alguém a ter um comportamento diferente da maioria. Escolhemos, sim, entre respeitar ou próximo ou sair dando porrada em quem julgamos diferentes de nós.

ABGLT envia nota à direção da Rede Globo pedindo liberdade artística dos autores e que permaneçam com casal gay Resposta

A Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transsexuais (ABGLT),enviou nota encaminhada ao Diretor de Entretenimento da Rede Globo, Manoel Martins, a respeito da reportagem do jornal ¨Folha de S. Paulo¨, que publicou que os autores da novela ¨Insensato Coração¨, foram chamados para uma reunião com Manoel Martins, que pediu que os autores ¨esfriasse¨ a relação homossexual do casal ¨Eduardo e Hugo¨ e não fizessem apologia pela criação de uma lei que pune a homofobia.

Na nota,assinada pelo presidente da associação, Toni Reis, é pedido para que a emissora considere a liberdade artística dos autores e diz que os homossexuais também são parte do público que acompanha a novela e merece ser levado em consideração.

Confira a nota de Toni Reis na íntegra:


¨À Direção-Geral da Rede Globo
A/C Sr. Manoel Martins
Diretor-Geral de Entretenimento


Assunto: Novela Insensato Coração


Prezados Senhores, Prezadas Senhoras


A Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais – ABGLT, criada em 31 de janeiro de 1995, rede nacional que atualmente congrega 237 organizações, vem manifestar sua preocupação em relação a notícias veiculadas hoje em relação à novela Insensato Coração.

Segundo informações publicadas na Folha de São Paulo hoje (19/17), os autores da novela, Gilberto Braga e Ricardo Linhares, foram informados na semana passada da determinação da Rede Globo de que a história dos homossexuais Eduardo e Hugo “fosse completamente esfriada” e “foram instruídos a não carregarem bandeira política, a pararem de fazer apologia pela criação de uma lei que puna a homofobia.”

Ora, até agora a novela Insensato Coração tem prestado um grande serviço retratando de forma real diversas situações em que a população gay vive, seja nos relacionamentos e na convivência diária entre si e com a sociedade em geral, seja na manifestação de atitudes favoráveis ou contrárias aos gays por parte de outras pessoas, seja na ocorrência da violência psicológica e física motivada por homofobia.

Entendemos que, longe de estar fazendo uma apologia, a novela está cumprindo um papel importantíssimo como veículo informativo, servindo para desmistificar a homossexualidade perante a sociedade em geral, contribuindo para modificar as atitudes que fazem prevalecer a homofobia. Censurar neste momento parte do teor que já vinha sendo anunciado pela própria emissora mesmo antes da novela ir ao ar, nos parece um recuo que apenas serve para referendar a mensagem que a própria novela estava passando: a homofobia ainda está predominante em nossa sociedade.

O debate sobre a criminalização da discriminação e da violência homofóbicas está bastante presente na sociedade atualmente. A novela tem retratado este fenômeno. Hoje mesmo, foi noticiado que um homem de 42 anos teve metade da orelha decepada após ser agredido por um grupo de jovens que pensaram que ele e o filho de 18 anos fossem um casal gay, pois estavam abraçados (fonte http://oglobo.globo.com/cidades/mat/2011/07/18/pai-filho-sao-confundidos-com-casal-gay-agredidos-por-grupo-em-sao-joao-da-boa-vista-sp-924936932.asp)

Na referida reportagem da Folha de São Paulo, a assessoria da Globo teria informado o jornal que “a televisão é um veículo de massa que precisa contemplar todos os seus públicos e faz parte do papel da direção zelar para que isso aconteça”. Pois, somos um destes públicos e, seguindo a mesma lógica, por isso mesmo não seria desarrazoado contarmos com esta representação na novela.

Em fevereiro deste ano recebemos uma correspondência da Rede Globo que levanta pelo menos dois pontos de relevância para a presente discussão:

“Estimular que os autores abordem causas de interesse da sociedade, promovendo princípios, valores e direitos universais, é sem dúvida papel de uma empresa de comunicação consciente de sua responsabilidade social, uma vez que o convite à reflexão sobre a realidade por meio da ficção contribui com a transformação social… Entretanto, apontar de que maneira exatamente isto deve ser feito…, condicionando a liberdade criativa, é algo que vai além do desejável, sendo a novela uma obra ficcional autoral. É exatamente a livre expressão artística o principal ingrediente da fórmula do sucesso.”

Com base nas considerações acima, vimos por meio deste solicitar à direção da Globo para que prevaleça a livre expressão artística dos autores da novela Insensato Coração, mantendo a trama por eles escrita, preservando o senso de humanidade e a responsabilidade social da emissora rumo a uma sociedade que prime mais para os valores do respeito, da paz e da harmonia entre homens e mulheres, independente da orientação sexual ou identidade de gênero.

Na expectativa de sermos atendidos, estamos à disposição.

Atenciosamente

Toni Reis
Presidente¨



Padre pede que igreja examine seu ânus para provar que ele não é homossexual Resposta

O seminarista sendo abraçado pelo padre: Suspeita.

Um padre espanhol, separado de sua paróquia católica depois de imagens questionáveis dele vieram àtona, está indo ao extremos para provar que ele não é homossexual, afim de salvar sua posição dentro da igreja.
Andreas Garcia Torres, 46, era um padre em uma cidade próxima ao sul de Madrid, chamada Fuenlabrada. Em uma tentativa extravagante paraprovar que ele não é gay, Torres disse:

– Eu disse a eles (da diocese) para medirem o meu ânus e verem se ele está dilatado.

Parece uma comédia, mas não é!
A foto em questão é de Torres comum seminarista cubano de 28 anos de idade. Ambos os homens sãovistos sem camisa com o braço de Torres em torno do aluno. Torres tem uma explicação para a imagem:

-Eu tenho uma amizade normal com este menino. Não há nada. Este foi o único dia que eu estive com ele. E tiramos uma foto de nós mesmos, sem camisas, foi assim que tudo isso começou.

A diocese tem ido a extremos em suas investigações e exigiu que Torres faça exames de HIV e passe por tratamento psiquiátrico.

O casamento do mesmo sexo foilegalizado na Espanha em julho de 2005, tornando-se o terceiro paísdo mundo a realizar a união entre homossexuais. AIgreja Católica se opôs à ratificação da presente lei, e naquele tempo, as manifestações a favor e contra o casamento homossexual atraiu milhares de espanhóis de todo o país.

Quantidade de procura para o primeiro dia de casamento gay em NY faz estado realizar ¨loteria¨ Resposta

Com milhares de pedidos de pessoas querendo participar do primeiro dia de casamentos do mesmo sexo em Nova York, o gabinete do prefeito informou nesta terça-feira (19/07), que estabeleceria uma loteria para selecionar 764 casais. 

A nova lei que permite a união civil entre casais homossexuais em Nova York começará a valer no próximo domingo (24/07), um mês depois que foi aprovada. 

O prefeito Michael Bloomberg, a porta-voz do Conselho Chhristine Quinn e o senador Michael McSweeney disseram em um comunicado conjunto que a loteria seria implementada, ¨devido à alta demanda por serviços de casamento no domingo, 24 de julho, 2011.¨ 

Autoridades da cidade receberam 2.661 pedidos de serviços de casamento, no domingo, incluindo 1.728 de casais do mesmo sexo. A loteria está aberta para entradas ao meio-dia de hoje e até o meio-dia de quinta-feira (21/07), com um desenho separado para cada um dos cinco distritos da cidade. Os vencedores serão notificados na sexta-feira, 22. 

O prefeito comemorou: 

– Vamos fazer história no domingo, com os olhos da nação mais uma vez voltando-se para a cidade de Nova York. Fizemos nossa lição de casa, e é claro que o número de casais que querem casar no domingo é mais do que os escritórios poderiam possivelmente segurar. A última coisa que queremos é fazer os casais esperarem na fila por horas e horas, apenas para afastar a virada sobre o que supostamente seria o dia mais feliz de suas vidas. A melhor maneira de determinar quem tem a chance de casar no domingo e garantir que todos possam planejar adequadamente o seu próprio grande , é através de um sistema de loteria imparcial. 

O estado de Nova York seguiu o caminho de Iowa, New Hampshire, Massachusetts, Connecticut e Vermont em aprovar o casamento gay, após uma enquete realizada em março que revelou que 53 por cento dos americanos são a favor do casamento gay. 

Alguns estados, como a Califórnia oferecem a união civil entre pessoas do mesmo sexo, mas não os direitos do casamento. Isso significa que as partes têm alguns direitos legais como casais casados, mas não todos.

Senado Americano elege primeiro juiz assumidamente homossexual Resposta

J. Paul Oetken é o primeiro gay assumido a ser confirmado como juiz na bancada federal dos Estados Unidos.
O Senado americano fez história na última segunda-feira segunda-feira (18/07), confirmando o primeiro homem homossexual assumido na história a assumir a bancada federal.

Com uma votação de 80 votos contra 3, J. Paul Oetken tornou-se juiz federal. Oetken foi nomeado em janeiro pelo presidente Obama para fazer parte do Tribunal Distrital dos EUA no Distrito Sul de Nova York. Ele não é o primeiro gay no tribunal federal. O juiz Vaughn Walker, da Califórnia, que votou contra a Proposição 8, também assumiu a homossexualidade recentemente.

No entanto, ele não revelou sua sexualidade antes de assumir o cargo. Deborah Batts, lésbica assumida, também faz parte do tribunal federal, mas foi somente nomeada, em vez de confirmada.

Ter pessoas abertamente gays em tais posições de respeito é vital para a aceitação continuada da comunidade LGBT no país. Isso permite que todos nós sejamos vistos como cidadãos da nação, ao invés de uma subcultura misteriosa que deve ser separada das massas.

O senador democrata Chuck Schumer, de NY, elogiou Oetken no plenário do Senado por seu trabalho excepcional legal, ao mencionar sua orientação sexual:

– Como o primeiro homem abertamente gay a ser confirmado como um juiz federal e servir no banco federal, ele será um símbolo do quanto temos conseguido no país apenas nas últimas décadas. E mais importante, ele dará esperança a muitos talentosos jovens advogados que, até agora, pensavam que seus caminhos poderiam ser limitados devido à sua orientação sexual. Quando Paul se tornar o juiz Oetken, ele vai ser a prova viva para todos aqueles jovens advogados que realmente as coisas melhoram (em referência à campanha It Gets Better, destinada a gays que pensam em desistir da vida por causa da orientação sexual).

Como combinar turismo exótico com casamento gay Resposta

(Foto: Binod Joshi/AP)
O Rio de Janeiro pode ter sido considerado o destino mais “gay-friendly” do mundo no ano passado em eleição internacional online, mas o Nepal quer se firmar como o cenário ideal, exótico e romântico para gays se casarem em templos budistas. Atraídas por essa combinação, duas americanas, Courtney Mitchell, 41, e Sarah Welton, 48, se tornaram as primeiras lésbicas dos Estados Unidos a celebrar um casamento num templo hindu, seguindo todos os rituais tradicionais (elas são a primeira e a segunda à esquerda na foto que abre este post, clicada por Binod Joshi / AP).

Aconteceu em junho, num templo nas colinas perto da capital nepalesa, Katmandu. Elas trocaram guirlandas ao som de mantras entoados por um jovem sacerdote hindu. Courtney é professora de psicologia na Universidade de Denver, e estava vestida de noivo, com calças largas e um chapéu típico, alto, todo bordado. Sarah, que é advogada, estava vestida de noiva, com um sari vermelho e joias nepalesas.

O Nepal quer abocanhar um pedaço maior do turismo global gay, avaliado em 670 milhões de dólares. No ano passado, foi aberta a primeira agência de viagens destinada apenas a homossexuais, chamada Pink Mountain (Montanha Rosa). Um dos chamarizes é exatamente a cerimônia religiosa no Nepal para estrangeiros cujos países proíbem o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Em dezembro de 2007, o Supremo Tribunal nepalês mandou o governo garantir a gays e lésbicas os mesmos direitos civis dos heterossexuais. Um passo enorme depois da longa era maoísta, quando a repressão sexual era violenta.

Hoje, nessa agência especializada, um pacote de uma semana de viagens – incluindo um casamento com direito a todos os rituais – custa 11 mil dólares. Quem mais procura o pacote turístico-amoroso são americanos. Mas há casais gays da China, Canadá e Alemanha em busca do mesmo album de recordações.

O Nepal parece buscar a vanguarda em relação a assuntos de gênero. Um novo censo nacional incluiu “o terceiro sexo” – para englobar pessoas que não se sentem homens nem mulheres.

Mas, claro, lá também há quem se arrepie com esses novos tempos: “Este é um ataque contra nossa cultura”, diz Basudev Krishna Shastri, astrólogo que comanda a Campanha Nacional de Consciência Religiosa. “Não precisamos promover o turismo gay para atrair estrangeiros homossexuais. Basta promover nossa cultura única e original, e nossas montanhas”.

O que você acha? Fica feliz com a descriminalização sexual e a tolerância a outros tipos de amor, que não entre um homem e uma mulher? Ou ainda se choca com os casamentos e beijos em público entre gays e preferiria fingir que o amor homossexual não existe – ou, como diz o radical e estridente Bolsonaro, seria uma aberrração?

Saia do armário e opine, sem ofensas.

*Com informações da Revista Época online.

¨Beijo gay só lá em casa¨, diz o autor Aguinaldo Silva Resposta

O autor Aguinaldo Silva (Foto: Reprodução)
Durante entrevista no evento ¨Cenas de um Autor¨, Aguinaldo Silva, autor de novelas da Rede Globo, falou sobre a polêmica que envolve o beijo gay na tv aberta. 

O entrevistador foi Christiano Cochrane, filho da jornalista Marília Gabriela, e o evento ocorreu no Solar de Botafogo, no Rio. 

Aguinaldo, homossexual assumido, foi direto e disse: 

– Beijo gay só vai ter lá em casa. O público não quer ver isso. A voz do povo é a voz de Deus. 

Aguinaldo também foi perguntado sobre sua próxima novela, Fina Estampa, que irá substituir Insensato Coração. Ele não quis dar muitos detalhes, pois disse que o pouco que contou, já foi copiado em outras novelas.

Para a Rede Globo, gays só servem para ser piada. Emissora veta abordagem homossexual em Insensato Coração. Resposta

Crime homofóbico pode. Amor entre gays não pode! Essa é a Globo. 

Chamados para uma reunião com o diretor geral de entretenimento da Rede Globo, Manoel Martins, os autores da novela Insensato Coração, Gilberto Braga e Ricardo Linhares, foram proibidos de continuar abordando a homofobia na novela, e inclusive de defender a lei que criminaliza a homofobia. 

Manoel Martins pediu que o romance entre Eduardo e Hugo, personagens vividos por Rodrigo Andrade e Marcos Damingo, respectivamente, fosse esfriado na trama. 

Em nota, a Rede Globo informou que ¨a televisão é um veículo de massa que precisa contemplar todos os seus públicos e faz parte do papel da direção zelar para que isso aconteça¨. 

O interessante é que o assassinato de um jovem gay cometido por um homofóbico não foi tema da reunião. A cena continua, os ataques homofóbicos continuam, mas o amor e a relação entre dois homens não pode continuar. 

Acho que está chegando a hora de fazer um boicote também na emissora hipócrita que é a Rede Globo. A intenção dos autores foi a melhor possível, inclusive sempre é. Mas a alta direção da emissora sempre vem e corta a possibilidade de fazer com que esse país evolua. Principalmente por ser a televisão um veículo de massa, formadora de opiniões, é que ela tem a obrigação de ajudar na evolução da sociedade, de mostrar os caminhos que levam à uma sociedade mais igualitária e melhor. 

Quem iria imaginar que em pleno ano de 2011, um simples beijo gay seria causa de CENSURA na televisão? O mundo gay está na nossa cara o tempo todo, nos jornais, em programas de humor (fazendo dos gays motivo de piada), nas rádios, na internet. Os gays estão nas ruas, em paradas gays que levam 4 milhões de pessoas para uma das avenidas mais importantes do país. E agora qual o motivo de essas emissoras criarem essa polêmica toda em torno de algo que todo mundo já está cansado de saber que existe há muito tempo? 

A emissora tida como poderosa, justifica essas atitudes colocando a culpa no telespectador que, segundo ela, NUNCA ESTÁ PREPARADO para ver tal cena. E pelo visto, se depender da Rede Globo, nunca vai estar. 

Uma vergonha ver que ao invés de estimular o pensamento e contribuir para uma convivência melhor entre as diferenças, o que a televisão está fazendo a cada dia, é alienar a população, e mostrar que gay só serve para ser piada nos humorísticos ou mortos por homofóbicos.