Associação apoiada por Elton John e George Michael combaterá a homofobia no mundo Resposta

George e Elton
Bisi
A associação Kaleidoscope, apadrinhada pelos cantores Elton John e George Michael e apoiada pelos três principais partidos britânicos, anunciou nesta terça-feira (13/09), em Londres, seu objetivo de combater o aumento da homofobia ao redor do mundo.


A associação é um projeto internacional com sede na capital britânica que nasceu após uma série de ataques a lésicas e gays em alguns países da Commonwealth, que foram colônias britânicas no século XIX. 

Segundo a associação, em 38 dos 54 países membros da Commonwealth, a homossexualidade continua sendo condenada. As penas vão desde 25 anos de prisão a prisão perpétua.

Este grupo de peso, que foi apresentado nesta terça-feira no Parlamento britânico, destacou que enquanto na América e na Europa os direitos dos homossexuais avançam, no resto do mundo o retrocesso é preocupante.


Um dos membros fundadores da associação e primeiro gay que falou publicamente sobre sua sexualidade na Nigéria, Bisi Alimi, explicou que como resultado de seu discurso em uma televisão nacional foi amarrado e espancado em sua própria casa em Lagos.

“Fui obrigado a abandonar meu país. Meu sonho é que outros como eu sejam livres para viverem rodeados do carinho dos amigos e da família”, disse Alimi, lembrando que mais de um terço dos países do mundo ainda têm em vigor leis contra a homossexualidade.


Em janeiro, um ativista dos direitos gay em Uganda, David Katofue, foi assassinado depois que sua foto apareceu na capa de um jornal acompanhada de incitações homofóbicas, e na semana passada três homens foram executados no Irã por serem homossexuais.


A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, advertiu em maio que os crimes de ódio contra lésbicas, gays, bissexuais e transexuais estão aumentando ao redor do mundo.


A nova associação pretende usar “a pressão internacional de maneira efetiva”, através do Governo britânico e da União Europeia (UE), para impedir a aprovação de leis homofóbicas.


Uma das maiores preocupações da Kaleidoscope será que os serviços de imigração sejam mais tolerantes com os homossexuais que pedem refúgio no Reino Unido porque correm risco de vida em seus países, disse Lance Price, antigo assessor de imprensa do Governo britânico e um dos fundadores da associação.

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, deu as boas-vindas à Kaleidoscope e qualificou de “espantosos” o preconceito e a violência com a qual são tratadas muitas pessoas em alguns países devido a sua orientação sexual.


Cameron disse que espera que o Reino Unido esteja na vanguarda das reformas e da pressão internacional na luta contra a homofobia. 

Estiveram no evento, também, Nick Clegg, vice-primeiro ministro britânico e Ed Miliband, líder da oposição. O cantor George Michael não foi, pois estava em turnê na Itália.

Com informações da Efe e da TV.Net

Clint Eastwood defende casamento gay, Leonardo DiCaprio não acha o assunto importante Resposta

Clint mudou com o tempo e hoje está menos conservador
Mostrando que está menos conservador, o ator Clint Eastwood saiu em defesa do casamento entre pessoas do mesmo sexo durante uma entrevista na edição de outubro da revista GQ. O assunto surgiu quando o ator e diretor falava sobre seu novo filme, “J. Edgar”, uma cinebiografia de J. Edgar Hoover, diretor do FBI por 48 anos. Hoover é considerado o responsável por transformar o FBI numa força policial eficiente e desde a década de 1940 enfrentou questionamentos quanto a sua sexualidade.



“Eu não estou nem aí para quem quer se casar com quem! Por quê não? Estamos nos preocupando com assuntos com os quais não deveríamos nos preocupar. Apenas de a todo mundo a chance de viver a vida que quiser”, disse Eastwood.
O cowboy durão que se tornou um dos mais respeitados diretores de Hollywood fala ainda sobre a mudança em suas posições políticas desde a juventude até hoje.
“Eu era um republicano de Eisenhower quando comeceu aos 21 anos, porque ele havia prometido acabar com a Guerra na Coreia. Com o passar dos anos, percebi que havia uma filosofia republicana que me agradava. Mas eles perderam isso. E os libertários têm mais isso. Pois o que eu realmente acredito é, vamos gastar um pouco mais de tempo deixando todo mundo em paz.”

Leonardo não o assunto importante
Leonardo DiCaprio, que interpreta Hoover no filme, também acha exagerada a importância que se dá ao debate sobre o casamento gay.


“Isso é revoltante, ver as pessoas se focarem nesse tipo de coisa”, disse DiCaprio, “Enquanto isso, há o aquecimento global e todas essas assustadores e ameaçadoras coisas acontecendo com o futuro da economia”.

Leonardo, se esquivar de um assunto importante, que diz respeito aos direitos de outros seres humanos e medir a importância de assuntos, colocando uns para escanteio, não é uma attitude bacana. A luta por direitos iguais é justa e importante!


Bola for a de Leonardo DiCaprio e sábias palavras do Clint Eastwood. Direitos iguais, sim! Merecemos!