Câmara do Rio não votará proibição de kit anti homofobia Resposta

O deputado Jair Bolsonaro, autor do projeto que proíbe
o kit anti-homofobia

Depois de uma manobra para retirar da pauta de votação o projeto de lei que proíbe a divulgação de qualquer tipo de material didático com orientações sobre a diversidade sexual nas escolas da capital fluminense, os vereadores contrários à proposta querem promover uma audiência pública para discutir a questão da homofobia e do preconceito.


O Projeto de Lei 1.082/2011, de autoria do vereador Carlos Bolsonaro (PP), deveria ter sido votado nessa terça-feira, em segunda instância, na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, mas duas emendas foram apresentadas ao texto e a proposta precisará voltar a ser apreciada por comissões.


Contrário ao projeto, o vereador Paulo Messina (PV) apresentou uma emenda pedindo a exclusão da palavra “diversidade” da redação. “Foi uma manobra legal. Nosso principal objetivo foi o de ganhar tempo para reflexão sobre o assunto ou o projeto já teria sido aprovado por absoluta maioria”, explicou.
Agora, ele pretende convocar uma audiência pública nos próximos dias com a presença de especialistas em educação para que a população e os vereadores saibam mais sobre a questão da homofobia nas escolas e o papel dos materiais didáticos no combate ao preconceito.
“É absurdo achar que alguém se tornará homossexual se tiver aulas sobre diversidade”, afirmou o vereador. “O projeto proíbe todo o tipo de material. Isso é muito grave. Que cidade será essa se não pudermos combater a intolerância e o preconceito nas escolas?”, questiona Messina.
O vereador Dr. Edison da Creatinina (PV) também entrou com uma emenda para alterar o conteúdo do projeto. Dessa forma, a proposta precisa ser analisada pelas comissões de Educação e Cultura, Justiça e Redação, Direitos Humanos, Direitos da Criança e do Adolescente e Administração, antes de poder ser votada novamente. Cada comissão tem até 14 dias para analisar a proposta.
A assessoria de Carlos Bolsonaro, autor do projeto, informou que a expectativa do vereador é que as emendas sejam derrubadas quando o projeto voltar para a pauta e que o texto original seja aprovado sem alterações.
Durante a sessão de ontem, grupos de defesa dos direitos de gays, lésbicas, bissexuais e travestis protestaram com faixas e cartazes e vaiaram os defensores da proposta. Dos 51 vereadores da casa, 21 votaram a favor do projeto e nove contra, na primeira instância.
*Fonte: Agência Brasil.

Conheça os candidatos do Mr. Gay Mundo. Brasil está bem representado Resposta

O candidato brasileiro, Heverton Martins
Acontece no dia 08 de Abril em Joanesburgo, na África do Sul, mais uma edição do Mr. Gay Mundo. Representantes de 25 países, entre eles o Brasil, concorrem pelo título do homem mais bonito do mundo, título entregue ao sul-africano Charl van den Berg, em 2011. 

Samuel Mark Kneen, da Inglaterra
Dentre os requisitos que os candidatos devem cumprir, estão desfile de traje típico, ensaio fotográfico e até um teste escrito sobre questões relacionadas aos direitos dos homossexuais no mundo. 
Benjamin Michael, representante
 da Austrália
Heverton Martins  é o candidato que vai representar o Brasil. Vencedor do concurso nacional representando Brasília, ele tem 24 anos e o blog acredita que ele tem muitas chances de vencer o concurso esse ano. 
As pessoas também podem votar pelo site do concurso e eleger aquele que mais agrada à primeira vista. Mas a votação pelo site acaba no dia 7 de Abril. Quem você acha que merece levar o título? Clique aqui para ver a lista completa dos candidatos e escolher seu favorito!

Programa ¨Luv MTV¨ vai ter edição bissexual amanhã Resposta

O programa ¨Luv MTV¨, apresentado pela linda Ellen Jabour, continua quebrando tabus e divulgando as diferentes faces da nossa comunidade. O programa, que tem como objetivo formar um casal onde um sortudo ou uma sortuda tem que escolher entre quatro pretendentes, já exibiu edições gays. Mas agora chegou a vez dos bissexuais terem um edição só para eles. 

O programa de amanhã (29/03) vai levar ao palco uma jovem chamada Natália, bissexual e que vai ter que escolher entre dois meninos e duas meninas, com quem ela vai ficar. 
Segundo o diretor do programa, David Feldon, muita coisa apresentada no programa vem da interação com as pessoas que assistem o programa, e que por conta disso, ele percebeu que boa parte do público da atração é bissexual: 
— A gente trabalha bastante com a resposta da molecada no nosso site. Criamos uma rede social onde os candidatos se conhecem e se paqueram, independentemente do programa. Lá, percebemos que tinha um número considerável de pessoas que se dizem bissexuais. Mas os pretendentes da Nat não são todos “bis”. Tem heterossexual e menina gay também. 
Ele adianta que no final, Nat ficou em dúvida entre um menino e uma menina. 
É esperar para ver!

Brasil: Facebook ‘de Jesus’ permite discutir aborto e casamento gay Resposta

(Foto: Reprodução)

Os usuários brasileiros ganharam uma nova opção de rede social. Trata-se do CristaoBook – uma espécie de Facebook, só que a partir de uma perspectiva cristã da vida. Ele não se resume a isso, no entanto. De acordo com o criador e dono do site, o web designer carioca e evangélico Armando Louder, o viés religioso não define o CristaoBook. “Ele é muito mais do que isso. Ele é um ambiente saudável e organizado para todos os tipos de discussão”, afirmou aoTerra, antes de complementar: “tendo em mente que o tema central é Jesus”.

Com “todos os tipos de discussão”, Armando se refere inclusive a questões pouco apreciadas pela ótica cristã da realidade, como o casamento homossexual e a legalização da maconha e do aborto, por exemplo. “Eu acho superválido e bacana que exista a discussão. O que importa é a intenção com que determinadas exposições são feitas. Se for com seriedade, não tem por que não acontecer”, exemplificou Armando, ao afirmar que, devido à própria experiência com o Facebook, ele sentiu a necessidade de criar um ambiente “sério” que abarcasse as discussões das pessoas que, cada vez mais, estão buscando um tipo de espiritualidade na vida.

A rede social tem 15 dias de existência e mais de 5 mil usuários cadastrados. A média de entrada diária é de 200 pessoas, mas cerca de 20% dos novos seguidores do site são, na verdade, perfis falsos que têm a intenção de “desorganizar” os rumos do CristaoBook, segundo dados do próprio site. A estrutura ainda é pequena: até agora, foram gastos R$ 1,5 mil em recursos próprios, com 2 processadores Intel L5630, 48 GB de memória RAM e um novo servidor, adquirido nos últimos dias. “Em 3 meses, vamos multiplicar o número de usuários. Por isso, precisamos crescer”, previu.

Para alcançar a almejada organização, o criador do site aposta na presença de “vigias”, que nada mais são do que moderadores que guiam as conversas. Não existe, porém, a intenção de censurar conteúdo. “Não chegaríamos ao ponto de influenciar alguém ou mudar os rumos de uma discussão de forma impositiva”, disse. Para isso, a rede social pretende criar aplicativos que, cada vez mais, consigam dar conta de bloquear palavrões e ofensas não somente à fé cristã, mas, principalmente, quando um usuário agir de forma ofensiva com outros. Atualmente, o site conta com somente dois moderadores: o próprio dono e a mulher dele, parceira também de negócios.

Facebook X CristaoBook
Questionado se o CristaoBook recebeu a benção de Mark Zuckerberg, do Facebook, Armando foi honesto: “na verdade, eu nem sei se eles sabem da nossa existência. Eu não fui atrás para pedir autorização”. O Terra foi e confirmou a suspeita do dono do CristaoBook. A assessoria do Facebook no Brasil afirmou que iria checar o novo site antes de ter algum posicionamento ou tomar alguma atitude. Das possibilidades, a mais drástica seria o pedido de retirada do CritaoBook do ar. Não por Zuckerberg não ser religioso – até mesmo porque não se sabe a inclinação da fé do CEO – mas porque o CristaoBook usa, além de parte do nome “Facebook”, o mesmo layout, cores e gerenciamento da rede social com o maior número de usuários do planeta.

Apesar do sucesso e de ser um bom negócio a existência de um “Facebook” cristão em um País em que a fé cristã é altamente difundida, não há um objetivo de lucro – pelo menos por enquanto. “Ainda não vieram nos procurar para fazer acordos de publicidade. Alguns ministérios de louvor entraram em contato para saber se poderiam usar o espaço para divulgar livros, músicas e encontros”, falou Armando. Antes de pensar no futuro – e no dinheiro – , o dono do CristaoBook quer cultivar a experiência de comunhão em um ambiente aberto às diferentes discussões, todas sob o olhar de Jesus, para fidelizar o público. “Eu ainda acho que com boas ideias e boas palavras, nós alcançamos boas soluções”.

*Fonte: Terra.

Facebook exclui foto de beijo gay Resposta

O Facebook decidiu remover uma fotografia de dois homens se beijando e o ato virou polêmica. 
A foto é do grupo de arte gay espanhol “Visible Culture LGBT”, cuja intenção era difundir um documentário que visa a criação de um Museu de Cultura Gay na Espanha. 

“Para eles, um beijo entre dois homens é uma questão delicada”, disse o organizador do projeto, Pablo Peinado, ao El País sobre a atitude. Ele acredita que a imagem deve ser considerada ofensiva para o Facebook.
A rede social deixa claro em suas regras que as imagens publicadas “não devem fazer referência a temas políticos, sexuais ou outras questões delicadas” e em email enviado à organização, alega que a fotografia do beijo gay foi eliminada por “violar as normas de publicidade do Facebook” . No entanto, afirmou depois que a exclusão pode ter acontecido devido a erros técnicos e pretende investigar o caso. 
*Com informações do site Virgula.

Documentário sobre bullying finalmente vai estrear sem classificação etária Resposta

Depois de muita polêmica em torno do novo documentário ¨Bully¨ (entenda o que aconteceu clicando aqui), finalmente o filme vai ser lançado sem classificação etária, o que faz o diretor Lee Hirsch acreditar que as crianças irão querer ver o filme, e cabe aos cinemas decidir se deixam elas entrarem ou não. 

O documentário mostra os ataques incessantes de assédio moral no sistema escolar americano e vai ser lançado na próxima sexta-feira em Los Angeles e Nova York, sem nenhuma classificação. A decisão na verdade de permitir a entrada de crianças vai caber aos donos dos cinemas. Isso porque decidiram retirar a classificação do filme que antes só poderia ser visto por maiores de 17 anos. 
A jovem lésbica, Katy Butler, responsável por arrecadar cerca de meio milhão de assinaturas pedindo a reclassificação do filme, comemora a decisão: 
– Eu estou feliz que ¨Bully¨ irá manter a sua autenticidade e será um retrato fiel do que milhares de jovens sentem todos os dias. 
Sobre a decisão de não ter editado a linguagem utilizada pelos adolescentes no filme, o diretor explica: 
– A pequena quantidade de linguagem no filme, que é responsável pela classificação para maiores de 17 anos, está lá porque é real. É o que as crianças que são vítimas de bullying encaram todos os dias. Todos os que nos apóiam vêem isso e estamos gratos pelo apoio que temos recebido. Eu sei que as crianças vão vir então vai depender dos cinemas deixarem ou não elas entrarem.

Deputado do Nepal pede ao Facebook que inclua opção de ¨terceiro gênero¨ na rede social Resposta

Sunil Babu Pant – Primeiro político abertamente
 homossexual do Nepal
Um deputado e ativista dos direitos dos homossexuais no Nepal pediu Facebook para incluir uma terceira opção para pessoas que não se identificam como homem ou mulher.

Suni Babu Pant disse que escreveu para os fundadores do Facebook, Mark Zuckerberg e Chris Hughes, pedindo uma opção como ¨terceiro gênero¨ ou ¨outros¨ quando alguém se inscrever na rede social, porque segundo ele, as pessoas que não se identificam como homens ou mulheres continuam a ser marginalizadas por conta essas opções do Facebook.
Pant afirmou que não recebeu qualquer resposta do Facebook, mas continua esperançoso.
Pant é o único membro do parlamento abertamente gay no Nepal e tem feito campanha pelos direitos dos gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros no país do Himalaia.

Candidata a Miss Universo Canadá é desclassificada por ter nascido homem Resposta

A bela Jenna Talackova foi desclassificada do concurso Miss Universo por ter nascido homem. A candidata de 23 anos foi convidada a deixar o concurso do Miss Universo Canadá depois que os jurados descobriram a origem dela.

Jenna começou o tratamento com hormônios, para mudar de sexo, com 14 anos. E foi submetida à cirurgia em 2010.

– Tudo o que eu posso dizer é que eles me desclassificaram porque eu não nasci “naturalmente” – disse a canadense, em entrevista ao Vancouver Sun.

Jenna disse em entrevista que a desclassificação não tinha sentido, porque ela sempre se sentiu mulher. Acrescentou ainda que era uma questão de “direitos humanos”.

Os organizadores do evento acreditam que foram enganados pela modelo, que não contou nada sobre ter nascido homem.

Segundo informações do jornal Mirror, a atual Miss Universo Canadá, Denis Davila, saiu em defesa do concurso.

– Ela se sente como uma verdadeira garota, e é uma verdadeira garota. Ela não esperava que as pessoas pudessem questionar isso. Mas as regras do concurso são muito claras e não existem possibilidades de voltar atrás nisso – explicou Denis.

*Com informações do Extra Online

Promoção!! Quer ganhar o novo álbum da Madonna ¨MDNA¨? Veja como participar: Resposta

A rainha do pop está de volta e o blog Entre Nós vai sortear o novo CD da Madonna, ¨MDNA¨, incluindo as faixas Give Me All Your Luvin’ e Girl Gone Wild. 

Para participar, é simples. Basta curtir a página do Entre Nós no facebook:
e responder a pergunta: se você tivesse apenas 1 chance para fazer uma pergunta para a Madonna o que perguntaria?
Mande sua resposta com seu nome completo e o link do seu perfil do facebook para:
oblogentrenos@gmail.com 
A melhor resposta vai levar o novo cd MDNA da rainha do pop. 
MAS NÃO SE ESQUEÇA, PARA A SUA PARTICIPAÇÃO SER VÁLIDA, VOCÊ DEVE CURTIR A PÁGINA DO ENTRE NÓS NO FACEBOOK E ENVIAR SUA RESPOSTA, SEU NOME COMPLETO E SEU PERFIL NO FACEBOOK PARA O E-MAIL INFORMADO!!!
Não perca tempo. A promoção se encerra no dia 2 de Março às 23:00.

Amor verdadeiro: Juntos há 60 anos, dois homens morrem com duas semanas de diferença entre um e outro Resposta

Shaun O´Brien e Cris Alexander
Eles se conheceram em Nova York. Um bailarino e o outro fotógrafo, se apaixonaram e decidiram morar juntos. Isso seria uma história simples de mais um casal que se apaixona e decide ficar juntos para sempre se não fosse o fato de que o dançarino Shaun O´Brien e o fotógrafo Cris Alexander tiveram que esperar por 60 anos para que pudessem se casar legalmente em sua cidade natal. 

O casamento entre gays só foi permitido em Nova York no ano passado, e eles decidiram se casar oficialmente. 
Juntos há mais de 60 anos, os dois morreram com uma diferença de apenas duas semanas entre um e outro. 
Em declaração para o jornal The New York Times, uma amiga do casal disse que ¨se existe uma causa para a morte de O´Brien, com certeza seria por motivo de coração partido, já que seu ex-marido morreu duas semanas antes¨. 
A notícia pode parecer difícil, mas os dois viveram o amor verdadeiro por muitos anos. E com certeza, essa história não deve terminar por aqui.

Conheça Roniquito, o personagem gay de Avenida Brasil Resposta

Daniel Rocha (Foto: Divulgação Rede Globo)

Como já era de se esperar, a nova novela das nova da Rede Globo, Avenida Brasil, estréia hoje e já existe pelo menos um personagem gay na trama. 
Roniquito, vivido pelo ator Daniel Rocha, viverá o drama de sair do armário para o seu pai Diógenes, presidente do clube de futebol Divino. A dificuldade do personagem será exatamente essa, a de dizer para o pai que ele é gay e não quer ser jogador de futebol.
Acho que muitos já passaram pelo mesmo problema. (Pelo menos esse blogueiro que vos fala, rs).
Em entrevista para o jornal carioca Extra, Daniel fala da expectativa de sua estréia em novelas, e fala um pouco do seu personagem:
– Vai ser um dilema, principalmente, por ele ter um pai machista e morar no subúrbio, onde a comunidade é mais fechada, e o pessoal tem um pouco menos de instrução. Na Zona Sul, aceitariam de uma forma mais liberal. Roniquito vai viver grandes contradições.
Particularmente eu discordo dessa análise que Daniel faz entre o subúrbio e a zona sul do Rio. Na minha experiência posso garantir que não existe lugar que aceite mais ou aceite menos os homossexuais. Já vi muitas vezes pessoas do subúrbio aceitarem os gays e viverem muito bem com essa questão. Por outro lado, já passei por uma experiência terrível em uma universidade da zona sul junto com meu outro amigo e parceiro do blog Rafa Zveiter. Na minha opinião, não existe diferença entre a aceitação das pessoas do subúrbio e da zona sul.
O personagem Roniquito (que nome!), vai se apaixonar pelo colega de time Leandro, vivido pelo ator Thiago Martins. Daniel acredita que essa paixão vai ajudar o personagem a se descobrir melhor.
Aguardem cenas do próximo capítulo.

Em entrevista, Sandy defende o casamento entre gays Resposta

(Foto: Reprodução)
Em entrevista para o jornal O Globo do último sábado (24/03), a cantora Sandy disse que é a favor do casamento entre gays e da descriminalização do aborto.

A cantora que já tinha causado polêmica em sua entrevista para a revista Playboy, sobre sexo anal, agora parece que causou mais burburinho. O motivo de as pessoas se estranharem com seus comentários é que a maioria ainda pensa que Sandy não cresceu e por isso, acabam se surpreendendo com declarações adultas e bem pensadas feitas pela cantora.
Sobre o casamento homoafetivo, Sandy declarou:
– Vejo como uma coisa natural. Sou a favor do casamento gay. Acho que todo mundo tem os mesmos direitos: de ser feliz. O problema maior hoje é a homofobia, crime hediondo, cruel. A gente, às vezes, fica focada nos grandes centros, e esquece que, no interior do País, nos redutos atrasados, a homofobia está presente de forma muito mais selvagem, diante da ausência do Estado.
Não poderíamos esperar uma opinião diferente dela, já que graned parte dos seus fãs é formada por gays. Sobre o aborto, ela disse que defende a descriminalização, principalmente se a gravidez representar risco para a mãe ou para o bebê.
Sandy será a protagonista do episódio de ¨As Brasileiras¨, que vai ser exibido esta semana. 
Sobre os planos para televisão, ela comenta:
– Eu estava brincando de ser atriz. Nesses momentos, posso ser chamada de atriz, mas não tenho essa formação. Não tenho a pretensão de virar a Fernanda Montenegro da noite para o dia. 
Menina esperta!

Ricky Martin fala sobre casamento gay e mostra família na ‘Vanity Fair’ espanhola Resposta

 O cantor Ricky Martin aparece ao lado de seus filhos, os gêmeos Matteo e Valentino, e de Carlos Alvarez, seu companheiro há quatro anos, em uma entrevista concedida à edição espanhola da ‘Vanity Fair’, adiantou nesta quarta-feira a revista.



Na entrevista, o cantor porto-riquenho, que se nacionalizou Espanhol há quatro meses, fala sobre a lei espanhola de casamento entre homossexuais, que depende apenas de um recurso do Tribunal Constitucional, e afirma que se for aprovada: ‘agora, como cidadão espanhol, levantaria e me juntaria a minha comunidade’.

Ricky Martin, que reconheceu publicamente sua homossexualidade em 2010, também aborda suas antigas relações. ‘Me deitei com mulheres, me apaixonei por elas e senti coisas maravilhosas. Não me arrependo das minhas relações. Me ensinaram muito, homens e mulheres’, afirma.
O artista, que em breve retornará aos palcos da Broadway com o musical ‘Evita’, ainda esmiúça seu relacionamento com o economista Carlos Alvarez, com quem assegura ter vivido coisas ‘lindas’. ‘É de uma cumplicidade, de um entendimento e, ao mesmo tempo, de uma liberdade…’.
Nesta entrevista, incluída na edição de abril da ‘Vanity Fair’ espanhola, o cantor explica como escolheu a doadora dos óvulos para seus filhos e porque rejeita a expressão ‘barriga de aluguel’.
‘Vi a foto e me perguntei: Quem é esta mulher tão angelical, tão transparente? Eu não aluguei uma barriga. Essa expressão é utilizada por fundamentalistas conservadores. Me emprestaram uma barriga e não paguei por ela’, confessa o cantor, que reconhece: ‘Daria minha vida à mulher que me ajudou a trazer a meus filhos ao mundo’.

STM decide manter condenação de militares que assumiram relação gay Resposta


O Superior Tribunal Militar (STM) decidiu manter, ao julgar recurso nesta quarta-feira (21/03), a condenação do sargento do Exército Laci de Araújo e do ex-sargento Fernando Alcântara de Figueiredo. Os dois ficaram conhecidos por terem assumido a homossexualidade e uma relação estável de 13 anos.
Embora condenados à prisão em regime aberto por um ano e três meses (Araújo) e por oito meses (Alcântara), os militares poderão recorrer da decisão em liberdade.
Ao G1, Fernando Alcântara afirmou que ele e seu companheiro vão recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF), alegando cerceamento de defesa.
A história dos militares foi revelada pela revista “Época”, em maio de 2008. Araújo foi condenado a um ano, três meses e 15 dias de prisão por não ter se apresentado ao serviço (deserção), exatamente após a publicação da matéria em que ele revelou ser homossexual. O sargento havia alegado, na ocasião, que não se apresentou por motivos de saúde.
O STM também decidiu que Alcântara deve ficar preso por oito meses por desacato. No dia seguinte à prisão do companheiro, ele afirmou em entrevista ao Jornal Nacional que Laci havia sofrido maus tratos e tortura ao ser transferido da prisão em São Paulo para Brasília.
Eles foram condenados em primeira instância em 2010 e recorreram ao STM. A defesa dos militares alegou falta de provas e que não houve intenção de cometer irregularidades. Os advogados afirmaram ainda que Araújo seria portador de “transtorno de personalidade”.
A maioria dos ministros entendeu que houve intenção dos militares de “denegrir” a imagem do Exército. “Os sargentos sabiam que os militares da escolta eram inocentes e mesmo assim insistiram em dizer, em rede nacional, que os militares cometeram as agressões. O sargento Laci teve o dolo [intenção] de caluniar”, afirmou o ministro do STM Francisco José da Silva Fernandes.
‘A gente não volta atrás’

Os dois militares afirmam que os sinais de torutra de Laci Araújo foram identificados em parecer da Procuradoria Federal de Direitos do Cidadão.
Para Alcântara, a decisão do STM vai ajudá-los a ter sucesso na denúncia contra o Exército Brasileiro, feita à Comissão Interamericana de Direitos Humanos, em Washington.

“A gente não volta atrás nos nossos argumentos porque eles representam a luta de outras pessoas que sofrem tortura nos quartéis pelo Brasil”, disse o ex-sargento.

Sidney Magal: ‘Já fui muito cantado por homens’ Resposta


Sidney Magal prestigiou a pré-estreia do musical “Priscilla, Rainha do Deserto” no teatro Bradesco, em São Paulo, e falou da importância do espetáculo. “Priscila é o emblema maior de toda essa loucura, descontração. Acho que o preconceito é uma coisa já ultrapassada. O mundo está livre, aberto para que as pessoas sejam felizes!”, disse.
Magal contou que nunca teve nenhum tipo de intolerância com drag queens e nem com homossexuais. “Nunca foi problema para mim, já fui muito cantado por homens, trabalhei na noite por muitos anos, com vários travestis, prostitutas, artistas em geral. Isso não me fez ter medo de nada, porque somos todos iguais, somos todos seres humanos maravilhosos”, comentou.

Mulher pode ter que dividir pensão com gay Resposta


O Supremo Tribunal Federal dará a palavra final em processo que gay exige dividir a pensão  recebida pela mulher que tinha relação estável com o namorado dele. A mulher só soube do relacionamento extraconjugal quando o companheiro dela morreu e o namorado gay apresentou na Justiça pedido de pensão por morte.


A ação foi negada pela Justiça do Sergipe, estado onde ocorreu o triângulo amoroso. TJ-SE havia decidido pela impossibilidade de reconhecimento da relação homoafetiva diante da existência de declaração judicial de união estável entre o morto e uma mulher em período concomitante. Segundo a decisão colegiada da corte sergipana, “o ordenamento jurídico pátrio não admite a coexistência de duas entidades familiares”, situação considerada pelos juízes estaduais sergipanos como análoga à bigamia.


Ao receber o recurso do namoradogay, o Supremo reconheceu “a existência de repercussão geral na questão constitucional alusiva à possibilidade de reconhecimento jurídico de uniões estáveis concomitantes (sendo uma delas de natureza homoafetiva e outra, de natureza heteroafetiva), com o consequente rateio de pensão por morte”.


O relator do caso, o ministro Ayres Britto sublinhou a importância do caso sob o ponto de vista econômico e social. Com essa posição ele venceu os votos contrários dos ministro Marco Aurélio Mello e Cezar Peluso.

*Reportagem: O Dia

Fundador do Grupo Gay da Bahia chama presidente Dilma de homofóbica Resposta

Dilma Rousseff
GGB divulga vídeo de críticas à Dilma Rousseff.

Depois de conferir o troféu Pau de Sebo à presidente Dilma Rousseff por considerá-la inimiga da causa gay, o GGB (Grupo Gay da Bahia) voltou a fazer severas críticas à gestão da petista. O fundador da organização, o antropólogo Luiz Mott, divulgou um vídeo em que ataca os posicionamentos tomados pela presidente nestes quase 15 meses de governo. As principais queixas foram relacionadas ao veto do kit anti-homofobia nas escolas.
“Infelizmente, nunca tivemos no Brasil uma presidente ou presidenta tão homofóbica como a senhora”, disparou no começo do vídeo. Logo em seguida, Mott entra naquilo que ele considera como os grandes equívocos do governo para o avanço das causas LGBTT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais). “Esse Kit não foi inventado de última hora. Teve pesquisa, apoio do Unesco, do Conselho de Psicologia, e custou R$ 2 milhões aos cofres públicos. Mais de 6 milhões de jovens deixaram de ser capacitados para respeitar, mais de 3 mil professores e de 6 mil escolas”.
Em outro momento, o decano do movimento gay responsabiliza a presidente pela morte do menino Rolliver de Jesus, de 12 anos, que se enforcou com um cinto da mãe por causa de homofobia no ambiente escolar. “Cometeu o suicído por sua causa! Ele não aguentava mais o bullyng nas escolas. Mas a senhora tem a mão suja de sangue não apenas por esse adolescente”, acusou.
Mott também comentou as declarações de Dilma de que o governo não faria propaganda de homossexuais: “Não queremos privilégios, queremos direitos iguais. E o que o seu governo faz é propaganda dos heterossexuais. Tudo o que é da causa gay é vetado pelo governo. É ignorância falar em opção sexual. Não é opção, é orientação”.
Além de Dilma, ele falou sobre a decisão do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, de proibir a veiculação dos filmes de prevenção à Aids para gays no carnaval. “Entre os gays e, sobretudo, entre os jovens gays o nível de contaminação de HIV chega à 11%, enquanto que entre os héteros é de 1%. E proibiu um filmete que não havia sequer beijo gay, enquanto a televisão mostra cena de sexo. Vetou pela homofobia”.
Outro ponto foi a onda de violência contra gays no Brasil. O antropólogo mencionou o episódio do espacamento de uma casal homossexual na Estação Pirajá, em Salvador: “Nós estamos no fundo do poço em termos de direitos humanos para os homossexuais. Queremos uma nação livre, justa e igualitária. Reconheça o mal feito e que foi um equívoco. Libere o kit, libere o filme de prevenção aos gays”. De acordo com o levantamento feito pelo GGB, somente em 2012, foram mortos 81 homossexuais no Brasil, um a cada de 20h. 

Presidente da Libéria que recebeu Prêmio Nobel da Paz defende lei que penaliza gays Resposta

Ellen Johnson Sirleaf
A vencedora do Prêmio Nobel da Paz, presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf, defende uma lei que criminaliza os atos homossexuais e disse que seu povo gosta de ser do jeito que são.

Em uma entrevista conjunta com Tony Blair, que ficou visivelmente desconfortável com os seus comentários, Sirleaf disse que ela e o país que representa têm ¨certos valores tradicionais em sua sociedade que gostariam de preservar¨. 
A legislação da Libéria classifica a ¨sodomia voluntária¨ como um delito que deve receber punição de até um ano de prisão, porém dois novos projetos de lei foram e teriam como alvo penalizar a homossexualidade com sentenças muito mais duras.
Blair, que estava em visita à Libéria, por ser o fundador de uma insituição de caridade que visa fortalecer os governos africanos, se recusou a comentar sobre as observações de Sirleaf.
Quando perguntado se um bom governo e os direitos humanos andam ed mãos dadas, o ex-ministro inglês disse que não teria uma resposta para essa pergunta: 
– Uma das vantagens de fazer o que eu faço agora é que eu posso escolher as questões que eu falar e as que eu não quero. Para nós, as prioridades são em torno de energia, estradas e entrega de trabalhos. 
Durante seus 10 anos como primeiro-ministro, Blair tornou-se um campeão pela igualdade jurídica dos gays, através de leis sobre uniões civis e levantando questões sobre a proibição de gays nas forças armadas.
Mas os direitos dos gays, segundo ele, não eram algo que ele estava preparado para se envolver como conselheiro para os líderes africanos.
Com Sirleaf sentada à sua esquerda, Blair se recusou a dar qualquer conselho sobre as reformas dos direitos dos homossexuais. Ele soltou uma risada abafada quando Sirleaf o interrompeu para deixar claro que Blair e sua equipe só foram autorizados a fazer o que ela disse que podia. 
Não houve condenações recentes no âmbito da lei de sodomia, de acordo com o mais recente relatório do Departamento de Estado dos direitos humanos dos Estados Unidos. No entanto, ativistas anti-gays promoveram dois projetos novos que levariam a legislação muito mais longe. Alguém poderia alterar o código penal para tornar uma pessoa culpada de um crime de segundo grau se ele ou ela “seduz, incentive ou promova outra pessoa do mesmo sexo a se envolver em atividades sexuais” ou “propositalmente se envolva em atos que despertam ou tendem a despertar uma outra pessoa do mesmo sexo para ter relações sexuais “, passível de uma pena de prisão de até cinco anos.
O segundo projeto de lei – elaborado pela ex-mulher do ex-presidente Charles Taylor – faria o casamento gay um crime punível com até dez anos de prisão. Jewel Howard Taylor disse que ¨[A homossexualidade] é uma ofensa criminal, não é um coisa de africano. É um problema em nossa sociedade e consideramos o comportamento sexual desviante como algo criminal. Estamos apenas tentando reforçar nossas leis locais. Esta não é uma tentativa para acabar com os homossexuais.¨
A homossexualidade já é ilegal em 37 países africanos. Em Uganda, um projeto de lei propondo penas privativas de liberdade para a homossexualidade é ainda considerada, apesar de já não ser mais aplicada a pena de morte. Dez mulheres foram recentemente detidas nos Camarões acusadas de serem lésbicas, enquanto na Nigéria, as atividades homossexuais são punidas com até 14 anos de prisão.
Sirleaf, de 73 anos, recebeu Prêmio Nobel da Paz no ano passado por seu trabalho na campanha pelos direitos das mulheres. Em 2006 se tornou a primeira presidente da África do sexo e foi eleita para um segundo mandato no ano passado. 
Após 14 anos de guerra civil que terminou em 2003, a Libéria é ainda um dos países mais pobres do mundo.

Grã-Bretanha permitirá união civil gay entre prisioneiros de segurança máxima Resposta

Carcereiro tranca cela da prisão de segurança  máxima de Belmarsh,  localizada em Londres.
Prisioneiros de segurança máxima gays poderão ter autorização para se casar (união civil) com seus parceiros dentro de presídios da Grã-Bretanha, desde que arquem com todos os custos, informa o jornal britânico The Daily Mail. 

O assunto veio à tona quando a mãe de um prisioneiro de “categoria A”, como são conhecidos os detentos mais perigosos da Grã-Bretanha, escreveu a uma revista circulada entre os presídios do país manifestando o desejo de seu filho de se casar com seu companheiro, preso no mesmo local. 
“Meu filho está preso como um detento de categoria A e me revelou a vontade de se casar com outro preso de ‘categoria A’ que está na mesma cadeia. Eu gostaria de saber se ele teria permissão para isso, e, se sim, quanto tempo levaria para organizar tudo? As cerimônias de união civil homossexual são permitidas na prisão, sobretudo para presos de ‘categoria A’?”, indagou a mãe, que não quis ser identificada.
Desde 2004 a Grã-Bretanha permite a união civil entre homossexuais, mas até o momento não havia nenhum precedente da aplicação da lei a detentos.
Entre os presos “mais perigosos” do sistema carcerário britânico estão assassinos, serial killers, estupradores e condenados por atividades terroristas. Entre os presídios de segurança máxima mais conhecidos estão os de Belmarsh, em Londres, e de Long Worcestershire, no centro do país.
Um porta-voz do Serviço Nacional de Gerenciamento Carcerário confirmou ao Daily Mail que as uniões civis serão liberadas.
“A ordem do Serviço Prisional 4445 determina os procedimentos para todos os detentos que desejem obter uma união civil e os critérios para que a cerimônia de registro seja feita dentro ou fora da prisão, considerando que haverá uma avaliação de risco antes da permissão”, disse.
Entre os requisitos que devem ser preenchidos estão a idade mínima de 16 anos, a comprovação de que os dois homens não sejam parentes e que não já sejam casados com alguém.
Segundo as autoridades britânicas, cada preso tem direito a um número limitado de convidados para as cerimônias, desde que a lista seja aprovada pelo diretor do presídio.

*Com informações da BBC Brasil.

‘Não somos mais explorados’, diz preso gay sobre ala especial em MT Resposta


A discriminação e a exploração sexual foram alguns motivos que levaram um reeducando homossexual, de 38 anos de idade, a deixar a ala masculina do Centro de Ressocialização de Cuiabá e passar a integrar a ala exclusiva para gays e travestis. “A falta de respeito é muito grande e vi que mudando de ala poderia assumir a minha verdadeira identidade. Aqui, não somos mais explorados”, declarou em entrevista ao G1. O espaço no presídio está em funcionamento há quase um ano e abriga atualmente 15 detentos. A ala dos homossexuais permite a separação dos que assumem esta orientação sexual ou quem tem identidade de gênero feminina dos demais presos.
O reeducando, que prefere não se identificar, relatou que foi preso por tráfico de drogas há quase um ano e ficou alguns meses cumprindo pena em cela masculina. “Era muito complicado. Não podia me vestir e nem colocar acessórios femininos. Era obrigado a usar roupas masculinas. Além disso, havia muita exploração sexual”, ressaltou. Por conta disso, o detento disse que pediu à coordenação do presídio para que fosse para a ala especial.

Ele foi aprovado na triagem realizada por psicólogos e atualmente participa do projeto “Resgatando a Dignidade”, que consiste em realizar trabalhos artesanais como a confecção de objetos de decoração em tecido e jornal. Os detentos também aprendem a fazer acessórios femininos, pintura em tela, trabalhos em madeira e customizar camisetas. O projeto é realizado pelo Centro de Referência de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros, da Secretaria estadual de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh).

O preso gay conta que antes de ser preso trabalhava como cabeleireiro e viu no projeto a oportunidade de aprender novas coisas. “Sou cabeleireiro e hoje gosto muito de fazer enfeites, tapetes e trabalhos artesanais. É uma grande oportunidade que posso desenvolver quando sair daqui”, pontuou. Ele conta que trabalha no projeto pelo menos oito horas por dia e que já produziu mais de 15 tapetes feitos de retalhos. “Tento permanecer o máximo de tempo possível nos cursos oferecidos”.

Para outro preso homossexual, o curso voltado para a culinária e cozinha é o mais interessante. “Trabalhei como garçom, pizzaiolo e descobri o curso de cozinha. Aproveito o projeto para melhorar a performance”, brincou o detento. Ele relata ainda que foi casado por 10 anos e teve uma filha. No entanto, logo após a separação da esposa, assumiu sua orientação sexual.
Com 34 anos de idade e com 16 anos de condenação, o detento declarou que também ficou preso por cinco meses na ala masculina e passou por humilhações. “Não aguentava mais ser humilhado e discriminado pelo fato de ser gay. Por isso pedi para me mudarem de ala”, explicou.
Vendas
A equipe de reportagem do G1 teve acesso à ala e acompanhou o trabalho desenvolvido por eles, que recebem o benefício da redução de um dia na pena para cada três dias trabalhados. De acordo com a gerente da unidade prisional, Alvair Maria Barbosa, todo o material utilizado no trabalho realizado pelos presos foi doado por empresas privadas. O artesanato produzido pelos detentos homossexuais, segundo ela, é vendido nas feiras e eventos realizados pela Grande Cuiabá.
Espaço exclusivo
De acordo com a Sejudh, Mato Grosso é o segundo estado a criar o atendimento à comunidade carcerária LGBT e o primeiro a normatizar medidas protetivas como políticas públicas. Uma ala especial para o público LGBT já existe desde 2009 em um presídio de Belo Horizonte (MG).
Para a coordenadora regional do Centro de Referência LGBT, Cláudia Cristina Carvalho, a ideia é retirar os reeducandos homossexuais da situação de risco e de violência. Porém, garante que não há privilégio aos presos que integram a ala e nem que ocorra segregação. “Tratam-se de pessoas que já lutam contra a violência sexual e psicológica. Com esse espaço, eles podem ter a oportunidade de apresentar a sexualidade e não são mais obrigados a se vestir, por exemplo, como homens da forma como as outras alas masculinas exigem”, observou.