Militares gays uniformizados participam de parada gay nos EUA Resposta

Pela primeira vez na história, membros das Forças Armadas dos Estados Unidos puderam marchar com seus uniformes durante a parada gay de San Diego, realizada neste sábado (21).


Dezenas de soldados e marinheiros marcharam ao lado de um caminhão militar decorado com uma faixa que dizia “Liberdade para servir” e uma bandeira com as cores do arco-íris. Militares vestidos em roupas civis também participaram da parada ao lado de seus colegas uniformizados.

Pessoas que assistiam à parada levaram cartazes com os dizeres “Obrigado pelo serviço”. Uma mulher segurava um cartaz que dizia “Meu filho gay é um oficial da Marinha”.


Em um comunicado enviado a todos os setores das Forças Armadas este ano, o Departamento de Defesa dos EUA informou que permitiria a marcha em San Diego, mesmo que sua política costume proibir a participação de militares uniformizados em paradas.

O Departamento de Defesa disse na última quinta-feira (18) que tomou essa decisão porque os organizadores da marcha em San Diego estavam encorajando os militares a comparecer em seus uniformes e a parada estava ganhando atenção nacional.





Travesti processa jogador do Internacional por transfobia Resposta


O atacante Diego Forlán, recém-contratado pelo Internacional, foi acusado de transfobia. Uma travesti uruguaia entrou na Justiça para pedir uma indenização de US$ 700 mil, o equivalente a R$ 1,4 milhão.
A bomba foi divulgada pelo jornalista Angel de Brito, do programa de TV argentine Bien de Verano. Ele comprovou através de documento, inclusive, que Fórlan não se apresentou para a audiência de reconciliação sobre o caso.
A ação judicial partiu da travesti Andrés Fabián Guelmo, que acusou Forlán de danos morais, discriminação racial e sexual e danos à imagem pública. O document do processo não especificou as circunstâncias que motivaram a denúncia.
Após o termino do relacionamento com a ex-noiva, a modelo argentina Zaira Nada, surgiram rumores de que o jogador estaria se relacionando com um homem.
No começo do mês, o jogador declarou que gostaria de namorar uma uruguaia.
Na semana passada, a revista Caras uruguaia divulgou o perfil de quem seria a nova namorada de Forlán: a jogadora de hóquei Paz Cardoso, que também é estudante de Medicina.

Julia Volkova, ex-t.A.t.U., volta a apostar em temática bissexual na carreira solo Resposta

Você se lembra da morena Julia Volkova, da dupla t.A.t.U.? Fora do projeto desde março de 2011, a russa aquece os motores para o lançamento de Didn’t Wanna Do It, primeiro single de sua carreira solo, que volta a apostar na temática bissexual que voltou a atenção de todo o mundo para o t.A.t.U..
Julia – que agora assina com “J” mesmo, em vez do “Yulia” dos tempos na dupla – protagonizou um dos mais famosos beijos gays da história do entretenimento, com a parceira de dupla Lena Katina, no clipe da faixa All The Things She Said (veja no fim da postagem).
Assumidamente bissexual, Julia pretende voltar o foco mais uma vez para a temática LGBT no novo single, com previsão de lançamento para o fim deste mês. O clipe da música, que também estreia nos próximos dias, foi filmado em Cuba.
Didn’t Wanna Do It é o carro-chefe do primeiro álbum de Julia, ainda sem data confirmada de lançamento.
Ouça um trecho da canção, liberado exclusivamente no Brasil para o site Virgula Música, clicando aqui.

Unaids diz que conservadorismo atrapalha combate à aids no Brasil Resposta

Pedro Chequer

No mesmo dia em que o Ministério da Saúde, depois de seis meses, reconheceu que errou ao censurar um vídeo de prevenção contra a aids de seu site, por conter cena gay, o governo brasileiro foi duramente criticado pelo conservadorismo ao tratar do assunto. Segundo o coordenador do Programa Conjunto das Nações Unidas Para HIV/aids (Unaids) no Brasil, o país corre risco de retrocesso nessa área devido ao conservadorismo religioso. Leia na reportagem de Ericka Sá*, do DW Brasil:

A América Latina é a região com maior índice de acesso à terapia antirretroviral, atingindo cerca de 70% da população, afirmou nesta quarta-feira (18/07) o coordenador do Unaids (Programa Conjunto das Nações Unidas para o HIV/Aids) no Brasil, Pedro Chequer, durante apresentação de um novo relatório sobre os avanços no combate à doença, em Brasília.


O melhor acesso à terapia antirretroviral ajudou a reduzir o número anual de mortes relacionadas à aids na América Latina de 63 mil para 57 mil em dez anos.

Parte deste cenário positivo se deve ao Brasil. “Já nos anos 1990, contrariando a opinião de instituições como o Banco Mundial e também da Europa e dos Estados Unidos, o país adotou uma política de Estado e, apesar de adversidades financeiras, mantém essa posição”, comentou Chequer. Ele disse que a meta de zerar, em três anos, as infecções em crianças pode ser alcançada.

O relatório também destaca a autossuficiência brasileira no financiamento do programa de combate ao HIV, o vírus causador da aids. Segundo o Ministério da Saúde, o país produz hoje 10 dos 20 medicamentos distribuídos no tratamento e o país conseguiu uma economia de 95 milhões de dólares entre 2007 e 2011. Segundo Chequer, essa queda está relacionada com a diminuição de preços de medicamentos não produzidos no país. Mas ele adverte: “Há a necessidade de se utilizar mais as flexibilidades do acordo de Doha e fazer com que os países possam produzir genéricos localmente, independentemente da existência de patentes”.

Conservadorismo religioso

Chequer lembrou que o Brasil é referência em campanhas de conscientização, mas ressaltou que o país corre o risco de um retrocesso nessa área devido ao conservadorismo religioso. “Na medida em que procura atender demandas de alguns segmentos sociais, o Brasil corre risco de retrocesso. Mas confiamos na equipe técnica do Ministério da Saúde e no entendimento que o país tem sobre os direitos humanos. Entendemos isso como uma situação passageira.”

Ele estava se referindo a um recente episódio em que um vídeo da campanha de prevenção à Aids voltado para jovens gays, lançado este ano pelo governo brasileiro em parceria com a ONU, deixou de ser exibido na televisão aberta, ficando restrito a ambientes fechados, como boates. A medida sofreu críticas de movimentos de defesa dos direitos dos homossexuais.

O coordenador brasileiro da Unaids também criticou a suspensão da distribuição nas escolas da rede pública de kits com material educativo para conscientizar crianças e jovens a respeito da diversidade de opções sexuais. Em resposta, o representante do Ministério da Saúde, Dirceu Greco, garantiu que “a política brasileira continua caminhando no sentido do respeito aos direitos humanos”, mas ressaltou que o país é composto de três poderes, fazendo referência às atribuições distintas do Legislativo, Executivo e Judiciário.

Chequer lembrou ainda que o Brasil é o país onde há mais crimes homofóbicos no mundo, seguido de México e Estados Unidos. “Esperamos que a sociedade civil se mobilize e o Congresso aprove a lei que criminaliza a homofobia. É uma lacuna importante e esperamos que aconteça ainda em 2012”, disse o coordenador do Unaids no Brasil, referindo-se ao projeto que está atualmente em tramitação no legislativo brasileiro.

Comprimido controverso

Apesar de a Unaids ter elogiado a recente decisão do governo norte americano de aprovar o uso de terapia antirretroviral para prevenir a transmissão do HIV, o representante do programa no Brasil disse que é uma notícia que deve ser recebida com ressalvas.

“Há outras pesquisas que têm tanta ou maior relevância do que esta, como aquelas que estudam o uso de retrovirais para reduzir o risco de transmissão entre parceiros sexuais”, disse Chequer. “Seria ético destinar milhões de comprimidos a pessoa que não estão infectadas em detrimento de 8 milhões que necessitam de tratamento e ainda não têm acesso?”, questionou. Ele lembrou que ainda não é possível produzir a quantidade de medicamento necessária para tratar todos os infectados.

Greco disse que não existe pílula mágica e alertou para outro aspecto negativo do uso amplo do novo medicamento: o risco de os usuários do comprimido se sentirem tão seguros com a promessa de proteção e suspender outros métodos de prevenção, como a camisinha.

Num gesto que arrancou risos dos repórteres durante a coletiva em Brasília, Greco tirou dos bolsos dezenas de preservativos. O gesto teve como objetivo, segundo Greco, chamar a atenção para o risco e para dizer, também, que não basta ter o preservativo do bolso, mas é preciso ter a consciência de que o preservativo é hoje a maneira mais eficiente de evita Aids.

*Revisão: Alexandre Schossler

Léo Áquilla diz que assumiu homossexualidade depois de ser apedrejada no Capão Redondo Resposta


Em conversa com Vavá e Ângela Bismarchi no celeiro de “A Fazenda 5” (Record) nesta terça-feira (17), Léo Áquilla contou que assumiu ser gay para os pais depois que foi apedrejada no bairro Capão Redondo, localizado na zona sul de São Paulo, onde morava durante a adolescência.

Léo contou para os colegas de confinamento que tomou a decisão de sair do bairro depois que  teve um irmão assassinado e outro baleado.
“Nessa época eu já estava muito amedrontada, foi quando eu fui apedrejada”, disse. “Eu pensei: Mataram um irmão, balearam o outro, eu sou a próxima vítima”.
Segundo a performer, ao decidir sair do Capão Redondo ela precisou contar que era gay aos pais. “Na época eles entenderam. Eu disse: “não vou ficar aqui, não vou para o caixão porque não quero me separar de vocês'”, lembrou.

Ministério da Saúde finalmente admite que errou ao censurar vídeo com cena gay no carnaval Resposta


O diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Dirceu Greco, disse nesta quarta-feira (18) que a política brasileira de enfrentamento à doença continua caminhando no sentido do respeito aos direitos humanos. Durante o lançamento do relatório global sobre aids, ele admitiu, entretanto, que o país registra “acidentes de percurso”, como o caso do vídeo de prevenção ao HIV com foco em homossexuais que foi retirado do site do ministério sob o argumento de que seria apenas para veiculação em ambientes fechados e frequentados pelo público gay.
O ocorrido foi mencionado pelo coordenador do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids) no Brasil, Pedro Chequer, como um risco de retrocesso para o país. Ele avaliou que o vídeo integrou uma das melhores campanhas de prevenção ao HIV voltada para populações consideradas vulneráveis, por ser direto e objetivo.
“Nosso caminho está marcado. A posição brasileira nos fóruns internacionais é a mais ouvida, porque respeitamos a diversidade e lutamos contra a homofobia”, disse o representante do ministério, Dirceu Greco. “O retrocesso nós vamos segurar”, completou.
Greco lembrou que cerca de 250 mil brasileiros vivem com o vírus HIV sem saber e destacou que o foco do governo federal atualmente é o diagnóstico da doença em grupos vulneráveis. Segundo ele, cerca de 30 mil pessoas iniciam o tratamento antirretroviral no país a cada ano.

Reportagem: Paula Laboissière, da Agência Brasil

Programa Na Moral oficializará união estável de lésbicas Resposta

O Programa Na Moral (Globo) debaterá a homossexualidade. Além do debate, haverá uma cerimonia oficializando a união estável homoafetiva de duas mulheres. 


Aline e Simone estão juntas há 17 anos.  A desembargadora Maria Berenice Dias celebrou a  a união das duas. Convidados e plateia se emocionaram.

A DJ convidada será Glória Pires. A atriz vai revelar como a homossexualidade é tratada em sua família. Ela interpreta a paisagista e urbanista lésbica Lota de Macedo no filme Flores Raras. Lota foi responsável pela construção do Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro. Além do trabalho reconhecido até hoje, ela teve um relacionamento, na década de 50, com a poetisa estadunidense e ganhadora do Prêmio Pulitzer, Elisabeth Bishop. Na obra, ainda em produção, a australiana Miranda Otto interpreta a escritora.

Nos bastidores, a atriz tirou foto com Maria Rita e Fúlvia. Convidadas do programa, as duas tiveram a conversão de união estável para casamento civil recentemente aprovada, em segunda instância, no interior de São Paulo. O programa vai ao ar nesta quinta (19), logo após a novela Gabriela.

Thiago Martins torce para que seu personagem se envolva com Roni em “Avenida Brasil” e sonha em interpretar um gay no cinema 1


O ator Thiago Martins (23) está no ar como o Leandro, na novela Avenida Brasil (Globo). Leandro vive um triângulo amoroso envolvendo o amigo Roni (Daniel Rocha) e a periguete Suelen (Isis Valverde). Apesar de torcer para que seu personagem termine com a Suele, Thiago acha que seria legal que ele tivesse um relacionamento gay com Roni antes:
“O Leando é louco pela Suelen e eu torço para que eles fiquem juntos, mas seria muito bacana se ele e o Roni se envolvessem, em uma novela do João [Emanuel Carneiro] tudo pode acontecer”, disse o ator ao jornalista Renato Damião, do UOL.


O ator disse que já se perdoou pelo que o Vinícius (personagem homofóbico da novela Insensato Coração fez: “Foi um presente enviado por Deus pelas mãos do Gilberto [Braga] e do Denis [Carvalho]. Por casa da novela, muitas questões importantes relacionadas a homofobia foram debatidas, essa foi a maior recompensa de ter feito o personagem.”

Vontade de ser gay no cinema
Thiago disse que tem “muitos amigos gays” e que eles o ajudaram muito na época de Insensato o “informando sobre questões dos direitos dos gays”. Depois ele foi “chamado para participar de passeatas gays”. O ator ainda disse quer “muito interpretar um gay no cinema”.
Apesar de sabermos que a direção da emissora não permite beijo gay e nenhuma cena da carícia entre personagens do mesmo sexo, o blog torce para que todos os sonhos do Thiago sejam realizados. O gatinho merece!

Nepal se prepara para reconhecer ‘terceiro sexo’ Resposta

Katmandu, 14 jul (EFE) – As transexuais do Nepal aguardam com ansiedade a aplicação de uma lei que deixará de considerá-los como ‘homens’ ou ‘mulheres’ para reconhecê-los como ‘outros’, categoria que consagra oficialmente o ‘terceiro sexo’ no país.

O porta-voz do Ministério do Interior do país, Shankar Koirala, lembra que a decisão ainda está pendente e não é possível estimar o tempo do processo, que ao longo do tempo também pode registrar os homossexuais.

‘Aqueles que solicitarem, poderão ser incluídos’, destaca Koirala. O próximo passo do governo é enviar circulares a 75 escritórios responsáveis por emitir os certificados de cidadania.

Manisha Dhakal, 37 anos, que gosta de ser reconhecida como ‘ela’, será uma das beneficiadas pela futura lei, já que seu documento de identidade, emitido quando tinha 16 anos, diz que é do sexo masculino. ‘Ia à escola vestida de menino. Não jogava futebol, como faziam os outros meninos. Gostava das bonecas’, diz.

A decisão do governo foi impulsionada após uma sentença do Tribunal Supremo de 2007, que exigia o reconhecimento dos membros do ‘terceiro sexo’, em alusão aos transexuais e aos hermafroditas.
Mas o governo demorou cinco anos para colocar a lei em prática. Alguns ministros de Interior se recusavam a reconhecer as minorias sexuais, explica Sunil Babu Pant, o mais conhecido ativista do setor, no Nepal.

‘Se o Nepal tivesse começado a tramitar os papéis logo após a decisão do tribunal, teria sido o primeiro país do mundo a fazê-lo’, ressalta Pant, único deputado abertamente homossexual no Parlamento recém-dissolvido do país.

Desde então, Austrália, Nova Zelândia e Argentina começaram a registrar pessoas na categoria ‘terceiro sexo’, enquanto o Paquistão também reconheceu esse direito, mas sua aplicação ainda está pendente.

Até agora, apesar da falta de ação governamental, três nepaleses receberam o certificado na categoria ‘outros’, mas isso só ocorreu porque funcionários públicos decidiram correr o risco de agir a partir da decisão judicial.

Os membros do ‘terceiro sexo’ também foram computados como tais quando foi realizado o último censo no país, mas os ativistas denunciam que tais dados não apareciam quando os resultados foram publicados.

‘Os funcionários não tinham a devida formação. Alguns chegavam a pedir certificados de cidadania e, em alguns casos, pediam que o cidadão em questão tirasse a roupa’, acusa Pant.

Embora ainda persista no Nepal o estigma associado ao terceiro sexo, as coisas estão mudando lentamente neste país de religião hindu.

Pant criou em 2001 a Sociedade Diamante Azul (Blue Diamond Society), que apoia os direitos de gênero e as minorias sexuais. ‘Nos 1990, após sair da escola, tinha de ir a parques buscar pessoas como eu, mas agora temos isso’, conta a transexual Dhakal, em referência a essa organização, na qual trabalha.

Graças à sociedade, Dhakal pôde ter uma conversa sincera com seus pais e convencê-los que não a casassem, o que é um desafio em uma sociedade onde a maioria dos casamentos são arrumados por familiares.
‘Em uma sociedade hindu, o gênero se associa ao casamento: um homem se casa com uma mulher, e vice-versa’, explica Pant.
As novas medidas do governo também permitirão a gays e lésbicas escolherem a opção distinta a homens e mulheres. ‘Vamos encorajar gays e lésbicas a escolherem a opção neutra. Mas a decisão deve ser de cada um’, enfatiza Pant.

Adolescentes são apreendidos por morte de gay no Sergipe Resposta


Dois adolescentes de 15 e 17 anos foram apreendidos na tarde da última quinta-feira (12) no município de Estância, em Sergipe. Eles são suspeitos de envolvimento no homicídio do professor de dança, de 39 anos, que foi assassinado a facadas na madrugada de domingo (8) dentro da própria casa. Segundo a delegada Michele Araújo dos Santos, os adolescentes confessaram o homicídio.

“Os jovens foram à residência da vítima para pegar a motoneta para ir a uma festa. Eles beberam na casa e como o professor não queria emprestar o veículo, porque o adolescente já havia se envolvido em acidente de trânsito, começou uma discussão. Então o mais novo deu dois golpes de canivete no pescoço do professor que teria ficado desnorteado. A partir de então o mais velho continuou a golpeá-lo com uma faca grande”, relata o explica o delegado Hugo Leonardo de Oliveira Melo que também investiga o caso.

Ainda de acordo com Hugo Leonardo, depois do homicídio os rapazes tomaram banho na casa do coreógrafo e foram para uma festa de motoneta. A polícia chegou aos suspeitos através do depoimento de pessoas próximas à vítima e de ligações anônimas. O celular do coreógrafo foi encontrado com o jovem de 15 anos e a motoneta estava na casa do rapaz de 17 anos, já parcialmente desmontada.


Em troca de benefícios

“O mais velho morava com uma moça e tinha um filho, mas disse que mantinha relações sexuais com o professor em troca de bens materiais e de poder utilizar a motoneta da vítima. Já o mais novo também era beneficiado com bebidas em festas, mas disse que não se relacionava com o coreógrafo”, explica o delegado Hugo Leonardo de Oliveira Melo que também investiga o caso.

Os adolescentes estão na Delegacia de Estância em celas separadas até que sejam transferidos para a Unidade Socioeducativa de Internação Provisória (Usip) na capital sergipana.

Marcello Novaes brinca: Se eu fosse bissexual as coisas estivessem mais fáceis Resposta

Em entrevista ao jornal O Globo, o ator Marcello Novaes falou sobre o seu trabalho na novela Avenida Brasil (Rede Globo) e também sobre a sua vida pessoal que, segundo ele, seria melhor se ele fosse bissexual.
  
Aos quase 50 anos, depois de dois casamentos com a empresária Sheyla Beta e a atriz Letícia Spiller, ele está solteiro: “Meus pais são casados há mais de 50 anos, e eu pensava que, para ser feliz, a gente precisava ter uma carreira, uma casa, uma mulher e filhos. Sempre fui casado e namorei, era uma atrás da outra. Mas não é assim e meu sofrimento agora é zero. Eu sou hetero, quero sim uma mulher, entendeu? Se eu fosse bissexual talvez as coisas estivessem mais fáceis… Infelizmente, gosto de mulher, vou fazer o quê?”.

E você o que achou da ideia de o moço virar bi?

Globo proíbe funcionários de falarem sobre relacionamento entre Zeca Camargo e Raí Resposta

A direção da TV Globo enviou email para a cúpula de todas as suas organizações, incluindo rádios e jornais, afirmando que está proibida qualquer citação, nota ou reportagem em que haja associação dos nomes do jornalista e âncora do “Fantástico” e o ex-jogador Raí.


Leia: Mulher afirma que já pegou Penélope Nova

Há algum tempo rola um boato sobre um suposto namoro entre os dois. Raí recentemente se separou da esposa e, dizem que foi para viver com o Zeca. Se for verdade, os dois deveriam assumir o relacionamento e acabar com esse mistério todo. Seria um belo casal.

*Com informações do jornalista Leo Dias, de O Dia.

Site responde tweets homofóbicos enviados para Frank Ocean com mensagens de paz Resposta

O rapper Frank Ocean tem recebido diversas mensagens homofóbicas pelo Twitter desde a semana passada, quando admitiu ter se apaixonado por outro homem quando tinha 19 anos.
Por isso, o desenvolvedor sueco Jacob Åström criou o site Hate Tweets To Frank Ocean[Tweets de Ódio Para Frank Ocean, em tradução livre], que encontra os posts homofóbicos e sugere uma resposta automática para os usuários preconceituosos.
Qualquer usuário do Twitter pode usar o site, que inclui uma mensagem pré-definida, mas customizável, em inglês. “Não importa quem você ama, o fato de você amar é o que realmente interessa”, diz a mensagem.
Em um longo texto publicado em seu site oficial, Ocean admitiu que seu primeiro amor foi um homem. Segundo o rapper, os dois se conheceram há cerca de quatro anos, mas o sentimento nunca foi correspondido.

“Passamos aquele verão, e o verão depois daquele, juntos todos os dias. Quando percebi que estava apaixonado, foi terrível. Não havia como fugir, como negociar com o sentimento. Não havia escolha. Foi o meu primeiro amor”, revelou.

“Eu contei ao meu amigo como eu me sentia, e chorei enquanto falava. Ele deu uns tapinhas nas minhas costas, e disse palavras amáveis. Ele fez o melhor dele, mas não admitiu sentir o mesmo. Estava tarde e ele iria encontrar a namorada dele. Demorou três anos para ele me contar a verdade sobre o sentimento dele”, relembrou.
Channel Orange, o primeiro álbum oficial de Frank Ocean, acaba de sair nos Estados Unidos.

Marido de Ana Maria Braga é candidato a vereador: "Representarei gays, periguetes e evangélicos" 1


Marcelo Frisoni, conhecido pelo casamento com a apresentadora Ana Maria Braga, vai se candidatar novamente ao cargo de vereador de São Paulo pelo PP. Em entrevista à revista Veja São Paulo desta semana, ele diz que vai representar as periguetes, gays e evangélicos.
“Sou [o candidato das periguetes], mas também representarei evangélicos e gays”, declarou ele, explicando o motivo de ter levado mais de 30 meninas vestidas de shortinho e camiseta em sua campanha no centro da cidade, na semana passada.
Segundo ele, na ocasião, não havia apenas periguete. “Havia [também] sessenta pastores com a Bíblia na mão me apoiando, mas só falaram das meninas porque é moda ser periguete”. 
Marcelo diz que pagou apenas um lanchinho, refrigerante e “bancou a condução para as apoiadoras”, e negou que vá levar Ana Maria Braga para pedir votos. “Não vou expor a Ana a isso. Amo minha mulher, mas ela não me dá votos”. 
Vale lembrar que em 2008 ele tentou se candidatar, mas recebeu pouco mais de 4.000 votos.

Como uma pessoa pode querer representar segmentos da sociedade tão diversos? E o que seria representar as periguetes?

Australianos falam em preconceito contra héteros na Vila: "gays podem ficar juntos" Resposta


Russel Mark, atleta do tiro da Austrália, reclamou nesta segunda de um suposto preconceito contra os heterossexuais na Vila Olímpica. O esportista queria dividir um quarto em Londres com Lauryn, sua esposa e companheira de seleção, mas não foi autorizado. Para ele, os casais gays recebem privilégio nos Jogos.

“A parte estúpida disso, que eu tentei mostrar para eles, é que existem toneladas de casais gays nos Jogos Olímpicos que ficarão no mesmo quarto. Então, nós estamos sendo discriminados porque somos héteros”, disse Russel Mark ao Daily Mail.


Segundo o atleta, o Comitê Olímpico Australiano negou o seu pedido especial, e disse que se ele quisesse ficar com a esposa teria de deixar a Vila e alugar um quarto de hotel às suas custas. Em seu Twitter, no último domingo, ele confirmou que os cartolas de seu país vão manter a posição de separá-lo da mulher.

“Se Mick Diamond e eu fôssemos gays isso seria um problema?”, escreveu Mark, referindo-se a um companheiro da equipe de tiro, com quem ele provavelmente dividirá o quarto na Vila. 

Esta não é a primeira polêmica em que Russel Mark se envolve no caminho para Londres. Em maio deste ano, ele apostou com um fã na internet que desfilaria na cerimônia de abertura com um “manquíni” caso não tivesse razão em uma discussão sobre as regras do futebol. Ele perdeu e foi pressionado a aparecer em Londres com a peça que ficou famosa com Borat, personagem do ator Sascha Baron Cohen. 

No fim, ele disse que sua mulher Lauryn pagaria a aposta por ele. A declaração chamou a atenção dos fãs para a atleta, que foi convidada a fazer um ensaio sensual na revista “Zoo”, posando de biquini com uma arma. Para Lauryn, o ensaio ajudou a irritar os dirigentes do país, que teriam barrado o pedido do casal por isso. 

“Eles estão chateados comigo, mais do que qualquer outra coisa, com o ensaio. É muito difícil para eles. O que eu estou pedindo não é tão complicado, mas é óbvio que o Comitê tem um problema com isso”, disse Lauryn. 

Gays nos quadrinhos podem ajudar a combater a homofobia, diz autora na Comic-Con Resposta


Em maio deste ano, a Marvel anunciou que realizaria o primeiro casamento gay das HQ’s, com o herói Estrela Polar e o namorado Kyle como protagonistas. Menos de um mês depois, a DC Comics tirou o personagem Lanterna Verde do armário. Apesar de as notícias serem recentes, a história da cultura LGBT nos quadrinhos já tem 40 anos, comemorados com discussão na Comic-Con, nesta sexta (13).




Leia: Iphone ganha primeiro jogo com super-herói gay


Em conversa com o UOL, a veterana dos quadrinhos gays alternativos, Trina Robins diz que ao levar o assunto para o mainstream com histórias de personagens da Marvel e DC, as duas maiores editoras de quadrinhos dos EUA, “podem ajudar a combater a homofobia.”

“Eu moro em San Francisco, que é bastante amigável para os gays, mas em grande parte dos estados americanos, as pessoas são muito preconceituosas”, explica. “Sempre vão existir pessoas homofóbicas, mas os quadrinhos podem ajudar a entender melhor esse momento.”
O momento a que Robins se refere é o apoio do governo americano e do presidente Barack Obama aos casamentos entre pessoas do mesmo sexo. “É claro que os lançamentos nessa época são uma boa hora para ganhar dinheiro, mas também é sobre mostrar a diversidade desses heróis, tornar o universo mais rico”, completa.

Para James Robinson, autor do quadrinho “Earth 2”, em que Allan Scott revela sua sexualidade, disse que ainda precisa “tomar muito cuidado quando escreve esse tipo de história”. “Acho que nos últimos dez anos melhorou muito, mas infelizmente a América ainda tem dificuldades para aceitar os gays, por isso ainda tenho medo de criar vilões, acho que as pessoas agora precisam de bons exemplos.”

Para Nicola Scott, que ilustrou a história do Lanterna Verde em parceria com Robinson, a história também tenta acabar com o perfil de um estereótipo gay. “O estilo tem que seguir a personalidade do personagem, não sua sexualidade. Um personagem pode ser gay e não ser feminino, ou vice-versa, eles não precisam parecer um casal, o beijo tem que ser algo natural.”

Alyson Bechdel, autora de histórias de personagens lésbicas como “Dykes to Watch Out For”, concorda que introduzir o assunto mostrando histórias com personagens bonzinhos é uma boa solução. “O que importa é que está acontecendo uma mudança orgânica, um envolvimento que pode ajudar a movimentar a sociedade.”

Mulher afirma que já pegou Penélope Nova Resposta


Tem uma mulher afirmando por aí que teve um relacionamento homossexual com Penélope Nova, apresentadora de TV que participa do reality show “A Fazenda 5” (Record).

E que fez de tudo para tentar estragar o casamento da fazendeira com Marcelo Steinle, com quem ela está há oito anos.

Mas a assessoria da ex-VJ nega tudo.

Segundo a jornalista Fabíola Reipert, do portal R7, Rycardo Leonavicius, assessor da peoa, ficou tenso ao receber uma ligação do blog.

Já foi logo dizendo que Penélope havia deixado avisado, antes de entrar em A Fazenda, que era para desmentir esse tipo de história.

– Não é verdade. Se ela tivesse ficado com mulher, admitiria numa boa. Ela é apaixonada pelo marido.

Escola do sertão de Pernambuco combate o bullying homofóbico através da educação Resposta


Vem de Petrolândia (429 km do Recife), cidade que fica no sertão de Pernambuco, um dos maiores exemplos de trabalho escolar de combate ao bullying contra alunos de orientação sexual diferente.


Os alunos do Ensino Médio da Escola Maria Cavalcanti Nunes participaram de atividades da disciplina da Filosofia entre elas a votação do Projeto de Lei 122/06, da deputada Iara Bernardi (PT), que torna a homofobia crime.



Antes da votação simulada, os estudantes assistiram ‘a um debate entre um pastor evangélico contra o projeto, e um estudante de Direito defensor dos direitos das pessoas de orientação sexual diferente.


Um grupo de estudantes assumiu o papel de 16 deputados. Depois da análise da proposta a votação revelou a aprovação do projeto por 9 votos a favor e 6 contra.


”A gente percebe que existe um certo tabu quando o assunto é homossexualidade, então foi muito importante discutir” explicou o aluno Lucas Monteiro em entrevista para a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Educação.


A idéia foi do professor Daniel que comemorou o sucesso das atividades como sendo “uma aula de respeito e democracia”.

Está aí um bom exemplo de que a educação pode evitar a homofobia. Fica a dica, presidenta Dilma Rousseff.

Banda francesa usa pornô gay em seu clipe Resposta

A banda de new wave parisiense The Aikiu quer causar com seu primeiro album, que será lançado neste ano.
E se há um jeito de gerar burburinho para um álbum debut é lançar um vídeo clipe com cenas de pornô gay com imagens sobrepostas da banda tocando seus instrumentos. Instrumentos musicais, que fique claro!

O conceito porn SFW (safe for work) pode não ser inteiramente novo, mas continua valendo demais.

O EP “Pieces of Gold” da banda Aikiu já foi lançadovia Sony Music France.

Site gay incentiva Tom Cruise a "sair do armário" Resposta


O site Manhunt, uma rede de encontros entre gays, publicou um convite aberto para Tom Cruise, incentivando-o a  “sair do armário” e convidando o ator a se tornar usuário, com direito a uma conta vitalícia. Ao longo da carreira do astro, sempre houve boatos em torno de sua orientação sexual e, agora, com o divórcio de Katie Holmes, as especulações aumentaram.
Na carta, o presidente da empresa diz: “Agora que você percebeu que o casamento tradicional é uma missão impossível, talvez seja hora de explorar outros caminhos”.
Para finalizar, oferece um email para contato, caso Cruise aceite a proposta de se integrar à rede e, quem sabe, encontrar um novo companheiro. Confira o convite: