Lindsay Lohan fala pela 1ª vez sobre namoro com Samantha Ronson Resposta

Lindsay Lohan fala pela 1ª vez sobre relacionamento com Samantha Ronson

Se existe um romance que causou barulho em Hollywood com certeza foi o de Lindsay Lohan e Samantha Ronson. Por volta de 2007, o namoro das duas durou cerca de dois anos entre idas e vindas; em 2011, elas tentaram reconciliar-se no meio de muitas discussões públicas, mas sem sucesso.

Depois surgiram muitos rumores e acusações dos dois lados, Lindsay agora decidiu falar pela primeira vez sobre o fim do relacionamento. Numa entrevista para a US Weekly, Lindsay revelou o que toda a gente queria saber: “Eu preciso me amar primeiro antes que de amar alguém, e naquele momento eu estava passando por uma série de problemas. Duas pessoas dependentes químicas não podem ficar juntas. Fim da história.

Lindsay e Samantha, na época do namoro.

“Somos amigas agora. Simples assim, como tudo começou e como deveria ter continuado”. Antes de se relacionarem, as duas eram amigas inseparáveis. Ainda na entrevista, a atriz comentou que assumir um relacionamento lésbico não é fácil: “Eu fui corajosa o suficiente para dizer: ‘Sim, eu gosto de uma mulher!’ Isso a colocou numa situação em que ela passou a ser atacada todos os dias, e não foi justo.

“Como eu fiquei? Com o coração partido. Isso foi há três anos, foi o meu último relacionamento sério”. Terminanda a entrevista, a estrela ainda falou de quem é a culpa de ela ser uma “menina que só arranja confusões”: “Os jovens passam por altos e baixos, começam a fumar cigarros, em um momento eu parei para pensar: ‘Porque é que permito amigos falsos e tantas más influências ao meu redor?’.

“Eu estava sozinha e não percebi isso. É por isso que eu voltei para minha casa em Nova Iorque. Nunca me sinto sozinha lá. Posso ver a minha família e tenho pessoas boas na minha vida”.

Já sobre um conselho que daria para si mesmo se tivesse 16 anos de idade, Lindsay, atriz de ‘Liz & Dick’, mostra que amadureceu muito: “Não beba e dirija. E tem cuidado com quem anda!”.

Democrata lésbica favorita à Prefeitura de Nova Iorque 2

Fotografia © REUTERS/Eduardo Munoz

Christine Quinn, uma democrata lésbica de 46 anos, poderá suceder a Michael Bloomberg caso este não se volte a apresentar à Câmara de Nova Iorque, segundo uma sondagem publicada na terça-feira (20).

Presidente do Conselho Municipal, Christine Quinn surge em primeiro lugar no estudo da universidade Quinnipiac, com 32% das intenções de voto nas primárias previstas para setembro de 2013. Mais do que a soma dos seus quatro adversários.

O candidato democrata, seja ele qual for, ganharia frente aos republicanos apontados como candidatos á presidência da Câmara de Nova Iorque, revela a mesma sondagem.

Michael Bloomberg, independente desde 2007 depois de ter sido republicano, é mayor de Nova Iorque desde janeiro de 2002. Reeleito duas vezes, não pode disputar um quarto mandato.

Apesar de nenhum ser oficial, fala-se numa dúzia de possíveis candidatos à sua sucessão, entre democratas e republicanos. Quinn é a favorita do lado democrata e Ray Kelly, o chefe da polícia da cidade, de 71 anos, é o republicano com mais intenções de voto.

*Reportagem: Helena Tecedeiro, do DN Globo

Leitor e namorado são agredidos por casal homofóbico e polícia diz: “se vira” 4

Namorado de leitor foi agredido

O blog recebeu uma denúncia do leitor Lucas Sousa, 18, morador de Mogi Das Cruzes (SP), pelo email oblogentrenos@gmail.com. Ele e o namorado foram agredidos por um casal homofóbico e na hora de fazer o B.O., a polícia disse para eles se virarem. Um absurdo! Confira:

Leitor agredido

Meu nome é Lucas, tenho 18 anos e meu namorado Jair e tem 30. Anteontem (18/11) estávamos indo embora do Parque Centenário, um casal caçoou e veio para cima de nós. Nós nos defendemos. Eu caí no chão com a namorada do cara, que veio me agredir. Levei chutes na cabeça por parte da polícia. Depois de tudo isso, os policiais levaram os agressores para a estação de trem e eu pedi para fazer um B.O. e eles se recusaram, mandaram eu e meu namorado “nos virarmos”. 

Meu corpo só está dolorido demais, minha cabeça dói com dois calombos e minha boca inchada, mas quem sofreu agressão mais visível foi meu namorado, a foto é do olho dele.

Sou de Mogi das Cruzes, o fato foi ocorrido ao lado da faculdade UMC, no ponto de ônibus. Somos só mais dois de muitos que foram negligenciados.

Cantor Frank Ocean conta como viveu a experiência de sair do armário Resposta

Cantor é eleito a personalidade mais inspiradora de 2012

Numa rara entrevista, Frank Ocean reconheceu que a noite em que assumiu que era gay foi uma das mais difíceis da sua vida.

O cantor revelou ter se sentido motivado a fazer o anúncio ao mundo, através do Tumblr, depois que um jornalista ouviu o álbum  Channel Orange, e começou a escrever de forma “muito inofensiva” um texto sobre o número de vezes que nomes masculinos apareciam nas letras dele. À GQ, Ocean abriu a alma sobre o que sentiu no momento:

“Foda-se. Falem sobre isso, não falem sobre isso. Acabou-se o mistério. Vai em frente”, recordou.

Na mesma noite, Ocean confessa ter chorado “como um bebê”. “Foi como se todas as frequências se tivessem alterado para mudar a minha cabeça”, acrescentou.

“Todos os receptores passaram a receber um sinal diferente e estava feliz. Não sentia tanta felicidade há muito tempo”, reconheceu Frank Ocean para quem “há magia na verdade, honestidade e abertura”.

O álbum Channel Orange foi editado uma semana depois, com primeiros lugares nas tabelas americana e inglesa de vendas.

E como foi a sua experiência de sair do armário. Deixe um comentário sobre isso para nós.

Revista Galileu lista cantor como a personalidade mais inspiradora de 2012

Coragem Oceânica*

A ascensão de Frank Ocean é um sinal de que os tempos, como Bob Dylan cantou, estão mudando. A passos curtos e por vezes reacionários, mas estão mudando sim. O cantor lançou o que muita gente vem considerando o disco do ano: não importa se Channel Orange é soul, R´n´B, ou hip-hop, o que importa é que, música atrás de música, o que se ouve é quase um tratado do bom gosto e da elegância sonora. Mas ele não está na lista pela música.

Poucos dias antes de seu aguardado cd de estreia, ele publicou uma mensagem na internet afirmando que era homossexual. Isso não deveria ser algo notável mas, pelo menos por enquanto, ainda é. Frank Ocean não é exatamente um rapper, mas flutua no meio – canta em duas músicas do disco que Jay-Z e Kanye West gravaram juntos – e integra o grupo de hip-hop Odd Future, conhecido por suas letras agressivas, um tipo de som que o Sex Pistols faria hoje, se eles fossem negros. As letras do cd de Frank tratam do amor entre homens com a mesma naturalidade que as bilhões de músicas românticas já escritas na História do pop. Assumir qualquer tipo de feminilidade nesse mundinho agressivo por natureza é colocar a carreira – e a vida, e o status – em risco. Uma coragem que muito rapper macho jamais teria.

*Por João Mello

Dia Nacional de Valorização da Família deveria incluir LGBT 1

Silas Malafaia: “A fortaleza da família depende das relações heterossexuais”

As críticas aos meios de comunicação e ao novo projeto de Código Penal em discussão no Senado foram a tônica da sessão solene na última terça (20) em homenagem ao Dia Nacional de Valorização da Família, comemorado ontem (21).

A realização da sessão foi proposta pelo líder do PSC, deputado Andre Moura (SE); pelo presidente da Frente Parlamentar Evangélica, deputado João Campos; e pelo deputado Arolde de Oliveira (PSD-RJ). Os três se revezaram na presidência da sessão, que contou com a participação de lideranças religiosas, principalmente evangélicas.

O discurso mais aplaudido foi o do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus. “Família é homem, mulher e sua prole. Dê ao resto o nome que quiser, mas não é família”, disse. “A fortaleza da família depende das relações heterossexuais”, acrescentou.

Vergonhoso

Vergonhoso, mas previsível o discurso dos deputados evangélicos. Esse grupo de deputados visa a tomada do poder e reger o Estado através de leis que sigam os valores de suas igrejas. Esquecem-se de que o Brasil é um Estado laico, porém religioso, basta pensar nos feriados católicos. Como assim? Entenda melhor clicando aqui.

Novas famílias

De que família estão falando os deputados e pastores? Houve uma evolução do conceito de família ao longo do tempo. Basta ver o papel da mulher, por exemplo, que não tinha nenhuma função no passado, a não ser a de ser genitora e cuidadora do lar. Nem se divorciar elas podiam, pois seriam discriminadas pela sociedade. Basta assistir à novela “Lado a Lado” (Rede Globo), que se passa em 1907, para ver como era a realidade das mulheres naquela época.

É bem verdade, que nem sempre foi assim, a mulher já teve um papel importantíssimo na história, no período Paleolítico, “desconhecia-se o vínculo entre sexo e procriação Os homens não imaginavam que tivessem alguma participação no nascimento de uma criança, o que continuou sendo ignorado por milênios. A fertilidade era característica exclusivamente feminina, estando a mulher associada aos poderes que governam a vida e a morte.” Quem quiser saber mais sobre o assunto, basta ler “O Livro do Amor”, da psicanalista Regina Navarro Lins. É ótimo.

Hoje em dia, casais homoafetivos já possuem o direito de oficializarem as suas uniões. Foi o Supremo Tribunal Federal que decidiu. Um julgamento que entrou para a História. Casais homossexuais já podem adotar crianças em muitos casos e tem gente conseguindo realizar o casamento civil igualitário. O Poder Judiciário tem atropelado o Congresso, no bom sentido, caminhando junto com a sociedade. Os tempos estão mudando, independente de os pastores esbravejarem ou não.

Dia Nacional de Valorização da Família deveria incluir lésbicas e gays, fica a dica para o Senado.