É adiada data de entrada em vigor do casamento igualitário em São Paulo União Resposta

Mário Grego e Gledson Perrone protagonizaram o primeiro casamento entre pessoas do mesmo sexo em São Paulo no mês de agosto de 2012 (Foto: Brazil Photo Press)

Mário Grego e Gledson Perrone protagonizaram o primeiro casamento entre pessoas do mesmo sexo em São Paulo no mês de agosto de 2012 (Foto: Brazil Photo Press)

O Tribunal de Justiça publicou no dia de 18 de dezembro que o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo passaria a valer em todo o Estado a partir do dia 18 de fevereiro, então, os cartórios teriam dois meses para se adequarem e estar habilitados e dispostos a realizarem as uniões.

Mas a Corregedoria de Justiça mudou os planos e esticou o prazo em mais duas semanas. Segundo o site Mix Brasil, a Corregedoria afirmou que não existe a menor possibilidade de sustar a decisão do Tribunal de Justiça.

O órgão recebeu muitas sugestões para aperfeiçoar a lei e garantir que todos os cartórios a cumpra. A partir da análise de sugestões de advogados, tabeliões e juízes, a Corregedoria compilou quatro novos (e longos) provimentos sobre o casamento igualitário. Esses provimentos detalharão como os cartórios deverão tratar casais do mesmo sexo e também, segundo o site, tornarão ainda mais clara a obrigação de que todos os cartórios deverão registrar as uniões. A Corregedoria vai publicar os quatro provimentos antes do dia 1° de março para que os cartórios tenham tempo de se adequarem e cumprirem a decisão.

Ainda segundo a Corregedoria, o adiamento em duas semanas só servirá para normatizar e melhorar o serviço que garantirá o casamento civil de casais do mesmo sexo.

Primeiros casamentos
A All Out e a Campanha pelo Casamento Civil Igualitário no Brasil querem acompanhar de perto os primeiros casamentos para comemorar essa conquista. Os grupos procuram casais do mesmo sexo que vão se casar nesse dia em qualquer parte do estado de São Paulo.

Se você conhece alguém, entre em contato: info@allout.org.
Página da All Out: http://www.allout.org/pt
Página da Campanha pelo Casamento Civil Igualitário: http://casamentociviligualitario.com.br/

O casamento igualitário no mundo
O casamento entre pessoas do mesmo sexo, que teve seu projeto de lei aprovado pelo Parlamento francês, já foi legalizado em dez países no mundo, entre eles Argentina e Espanha.

Este é o estado mundial da legislação sobre casamento igualitário:

– Brasil: Aprovada a união homoafetiva pelo Supremo Tribunal Federal, lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais vem conquistando no poder judiciário permissões para converter as uniões em casamento e a adoção.

– Argentina: No dia 15 de julho de 2010, a Argentina se tornou o primeiro país da América Latina a autorizar o casamento igualitário. Casais do mesmo sexo têm os mesmos direitos que os de sexo oposto e podem adotar crianças.

– Holanda: Após criar em 1998 uma união civil aberta para LGBTs, a Holanda foi, em abril de 2001, o primeiro país que autorizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo. As obrigações e os direitos dos cônjuges são idênticos aos dos heterossexuais, entre eles a adoção.

– Bélgica: O casamento igualitário foi legalizado em junho de 2003. Casais do mesmo sexo têm os mesmos direitos que os casais de sexo oposto. Em 2006, obtiveram o direito de adoção.

– Espanha: O governo socialista de José Luis Rodríguez Zapatero legalizou em julho de 2005 o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Estes casais, casados ou não, também têm a possibilidade de adotar.

– Canadá: A lei sobre o casamento igualitário e o direito de adoção entrou em vigor em julho de 2005. Anteriormente, a maioria das províncias canadenses já autorizava a união entre pessoas do mesmo sexo.

– África do Sul: Em novembro de 2006, o país se tornou o primeiro do continente africano a legalizar a união entre duas pessoas do mesmo sexo por ‘casamento’ ou ‘união civil’.

– Noruega: Uma lei de janeiro de 2009 estabeleceu a igualdade de direitos entre todas as pessoas do país, incluindo o casamento, a adoção e a fertilização assistida.

– Suécia: Pioneira em matéria de direito à adoção, desde maio de 2009 a Suécia permite o casamento, inclusive o religioso, de pessoas do mesmo sexo. Desde 1995, os casais já eram autorizados a realizar a ‘união civil’.

– Portugal: Uma lei que entrou em vigor em junho de 2010 modificou a definição de casamento ao suprimir a referência ‘de sexo diferente’. Mas exclui o direito à adoção.

– Islândia: A lei que autoriza o casamento igualitário vigora no país desde junho de 2010. Até então, LGBTs podiam se unir legalmente, mas a união não era um verdadeiro casamento. A adoção passou a ser autorizada em 2006.

Em outros países, como nos Estados Unidos e no México, o sistema federal faz com que o casamento entre pessoas do mesmo sexo esteja autorizado em parte do território. Este é o caso do distrito federal do México e dos estados americanos de Iowa, Connecticut, Massachussetts, Vermont, New Hampshire e da capital Washington.

Outros países adotaram legislações com relação à união civil, que concedem direitos mais ou menos amplos para lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (adoção, filiação), em particular a Dinamarca, que abriu caminho em 1989 ao criar a ‘união registrada’, a França ao instaurar o Pacto Civil de Solidariedade (PACS) em 1999, a Alemanha (2001), Finlândia (2002), Nova Zelândia (2004), Reino Unido (2005), República Tcheca (2006), Suíça (2007), Irlanda (2011), Colômbia e Uruguai.

No Uruguai e na Colômbia, projetos de lei foram enviados ao poder legislativo, mas os Parlamentos dos dois países ainda não os aprovaram.

“Não há diferença”, diz Daniel Radcliffe sobre personagem gay Resposta

Daniel Radcliffe estrela edição de março da 'Out Magazine' (Foto: Reprodução)

Daniel Radcliffe estrela edição de março da ‘Out Magazine’ (Foto: Reprodução)

Daniel Radcliffe é a estrela da edição de março da revista LGBT Out Magazine. Durante a entrevista, o astro de Harry Potter, falou sobre seu mais novo filme, Kill Your Darlings. No longa, ele interpreta o poeta gay Alan Ginsberg. A produção chamou atenção do público e crítica no Festival de Sundance.

Quando indagado sobre a repercussão causada pelas cenas de sexo, Daniel minimizou: “Você nunca vê um ator gay sendo questionado sobre como é interpretar um hétero – que eu saiba, pelo menos, não existe diferença na forma como as pessoas heterossexuais e homossexuais se apaixonam”.

O astro frisou que entende a surpresa do público ao vê-lo em filmes com temas distantes do universo fantástico do bruxinho inglês. “Eu sempre disse que isso é um longo processo, de um jeito que pode durar a vida inteira”, opinou. Para ele é importante “provar para as pessoas que ele está neste ramo para um longo tempo”.

“Eu não estava apenas querendo ficar famoso enquanto podia e depois sair. Eu amo quase todos os aspectos desta indústria e eu quero estar nela, e se eu pudesse cair morto no set de filmagens aos 80 anos, é assim que eu gostaria de morrer.”, garantiu.

E acrescentou ainda que nem todos os longas da saga Harry Potter são de sua preferência. “Eu certamente não assistiria o número três, eu não assistiria os dois primeiros, eu não iria assistir o quatro. Eu definitivamente não iria assistir o seis”, finalizou.

Cantora Leilah Moreno fará lado feminino de Michael Jackson em musical Resposta

24fae0cf4e190078d5b9896e00870cd9_XL

Com 14 bailarinos brasileiros, o musical Thriller Live será visto em São Paulo e Belo Horizonte a partir do dia 22 após uma temporada no Rio de Janeiro. Aqui no Brasil, a missão de representar o lado feminino de Michael Jackson foi dada a bela cantora Leilah Moreno. São 33 músicas em cena para retratar o período de auge da carreira do cantor, o ano de 1984. O próprio Michael viu o musical em Londres e aprovou. Veja abaixo entrevista com o diretor do espetáculo Adrian Grant:

Silas Malafaia irá processar o Avaaz 1

silas-malafaia-entrevista-ao-NYT

O pastor fundamentalista Silas Malafaia processará o Avaaz, site no qual são publicados abaixo-assinados como o que pede a renúncia do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), com mais de 1 milhão de assinaturas. Circula no Avaaz uma moção contra Malafaia. Chama-se “Pela cassação do registro de psicólogo do sr. Silas Lima Malafaia”. Logo depois que essa moção começou a ser assinada, um fiel do pastor montou uma moção semelhante, mas de apoio a Malafaia. Esta última foi retirada do ar ontem. Malafaia se revoltou: “Printei tudo e passei para meu advogado. Vou para o pau contra o Avaaz. Vou processar eles sem pena”. O pastor relatou a origem da crise com o site de abaixo-assinados. Diz ele: “No último dia 9, um evangélico iniciou uma moção em meu apoio. O abaixo-assinado pedindo a cassação do meu registro tinha 55 mil assinaturas. O a meu favor passou. Estava com 65 mil. Ainda há pouco, o Avaaz mandou um e-mail para o evangélico dizendo que ia tirar a moção dele do ar, porque não era do interesse deles. Ora, depois de dez dias de exposição negativa da minha imagem e só quando é ultrapassado pelos que são a meu favor?”. Malafaia também processa a revista Forbes, que lhe atribuiu um patrimônio de US$ 150 milhões. Ele diz que é de US$ 6 milhões. A diferença é que ele pretende processar a Forbes nos Estados Unidos. O Avaaz será acionado no Brasil, diz o líder evangélico.

Para participar do abaixo-assinado exigindo a cassação do registro de psicólogo dessa criatura acesse http://www.avaaz.org/po/petition/Pela_cassacao_do_registro_de_psicologo_do_Sr_Silas_Lima_Malafaia/

*Informações: Felipe Patury, da Época

Rafael Correa, presidente reeleito do Equador, defende gays em discurso Resposta

Rafael Correa

Rafael Correa

Eleito para o terceiro mandato, o presidente do Equador, Rafael Correira, pediu desculpas “a comunidade de orientação gay por uma gafe homofóbica cometida no início do ano”.

Correa quis deixar claro que se esforça para que as pessoas da diversidade sexual tenham igual tratamento como outros cidadãos.

Ele admitiu que admira as pessoas de condição sexual diferente e reconheceu que são nascidos e criados “com estigmas”, mas que vai trabalhar para erradicá-los.

Durante a eleição presidencial, o charmoso presidente equatoriano enfrentou oposição de diversos candidatos, dentre eles, o pastor evangélico fundamentalista Nelson Zavala, do PRE, manteve até o final de seus atos de campanha sua postura em relação a lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais, que segundo ele sofrem de “desorientação sexual”. “Estas pessoas precisam de um governo que as ajude a ser um homem ou uma mulher de verdade”, afirmou.

Para você ver, baixaria não é exclusividade de eleições brasileiras.

*Com informações do Toda Forma de Amor

Casal de mulheres sofre ataque homofóbico dentro de um trem em São Paulo 2

Casal sofreu agressão homofóbica

Casal sofreu agressão homofóbica

Na sexta-feira (15/2), entre as 06:25h às 06:30h da manhã, um casal de mulheres foi agredido dentro de um trem na cidade de São Paulo. O incidente ocorreu na linha 9 esmeralda da CPTM entre as estações Santo Amaro e Granja Julieta. Segundo as vítimas, que são casadas a mais de dois anos, elas estavam dentro do trem quando um rapaz, com uma mochila enorme nas costas, entrou no vagão empurrando uma delas e, ao ser perguntado se não poderia carregar a mochila pelas mãos, que inclusive é a recomendação nesse caso, o mesmo passou a agredi-la verbalmente com palavras de baixo calão e alto teor homofóbico, logo em seguida o agressor passou a agredir a vítima fisicamente socando várias vezes seu rosto. A vítima preferiu não revidar para não agravar ainda mais a situação.

Por mais absurdo que possa parecer, ao olhar para as pessoas que assistiam ao ocorrido, a vítima observou, incrédula, que as mesmas riam da situação.

Um boletim de ocorrência (BO) foi registrado e agora esperamos que alguma providência seja tomada, não é possível que esse tipo de coisa fique impune. Apesar de sabermos que, na grande maioria das vezes, é exatamente isso o que acontece. Mas, com nossa mobilização e força, esperamos que, pelo menos desta vez, algo seja feito. As vítimas, além do vídeo (disponível abaixo) entraram e contado com várias pessoas via redes sociais e até o momento já contamos com várias manifestações de solidariedade e presteza.

*Informações: Julio Marinho, do Nossos Tons