Homofobia: Assassino de Daniel Zamudio pega prisão perpétua no Chile 1

Daniel Zamudio

Daniel Zamudio

“Condena-se o acusado Patricio Ahumada na qualidade de autor do delito qualificado de Daniel Zamudio à pena de prisão perpétua”, proferiu a sentença nesta segunda-feira o juiz do  Quarto Tribunal Oral de Santiago, no Chile. Ahumada foi considerado mentor do crime e líder do bando que em 2012 espancaram e torturaram o estudante Daniel Zamudio, 24 anos, por ele ser homossexual em um parque da capital chilena. Após mais de 20 dias em coma, Zamúdio faleceu devido aos ferimentos que chegaram a amputar uma de suas pernas.

Alejandro Angulo, Raúl López e Fabían Mora, os outros assassinos foram condenados 7 anos e 15 anos de prisão. Ahumada terá direito a pleitear a liberdade condicional ou redução da pena dentro de 20 anos. “É uma pena exemplar, eles irão apodrecer na cadeia”, afirmou o pai de Daniel, Iván Zamudio, após ouvir a sentença.

Em Março de 2012, a capital do Chile amanheceu atordoada com um crime homofóbico chocante que levou o país a criar uma lei contra crimes de ódio e preconceito contra homossexuais com o nome da vítima. Daniel Zamudio, 24 anos, foi encontrado em um parque de Santiago com sinais de tortura, uma perna quebrada e à beira da morte, com suásticas entalhadas em seu corpo. Após 22 dias entre a vida e a morte, o jovem faleceu no hospital.

As investigações mostraram que o crime foi cometido por um grupo de amigos que apesar de não terem nada de arianos gostavam da ideologia nazista. A crueldade fora real: Zamudio foi queimado com cigarros, apedrejado, atacado com garrafas, teve uma das orelhas cortada, a perna dilacerada. Patricio Ahumada Garay, Alejandro Angulo Tapia, Raul Lopez Fuentes e Fabian Mora Mora foram presos dias depois, após o crime ganhar as manchetes internacionais.

“A Justiça chilena considera este um dos crimes mais graves e prevê a pena máxima, que é prisão perpétua qualificada, ou seja, 40 anos de prisão efetiva antes da tentativa de redução da pena”, disse Jaime Silva, advogado da família Zamudio na época. É esta a condenação que a família espera. Ao anunciar a condenação o juiz descreveu o crime como de “extrema crueldade” e “total desrespeito a vida humana”.

Há um antes e depois nas leis do país depois da morte do belo jovem de classe média que reverteu a opinião pública. O projeto de lei contra a homofobia, parado no país por 7 anos, caminhou rapidamente para a aprovação no ano passado depois do crime, com apoio do presidente Sebastian Piñera. Se fosse hoje, todos os assassinos seriam condenados a prisão perpétua, sem direito a revisão da pena.

Fonte: Lado A

Um Comentário

  1. É uma afronta para a nossa sociedade que crimes como esse aconteça para que só assim possa ser criadas medidas para a extinção desses tipos de ações, sendo homossexual me dói ver casos assim, apesar das punições não trazerem a vida desse garoto. Há de se elogiar o interesse das autoridades chilenas em combater os crimes de homofobia no país, coisa que no Brasil também deveria ter e infelizmente não vemos. Muito pelo contrário! Quantos ainda morrem? Quantos ainda sofrem os mais absurdos tipos de violência? Inúmeros. Infelizmente nada é feito. As pessoas nos dias de hoje se esquecem do enorme valor da vida e acabam tirando a mesma uma das outras como algo natural, sem maiores preocupações com o que pode acontecê-las. Somente Deus para olhar pelo nosso mundo!!!

O que você acha disso?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s