Felipão se declara a favor do casamento gay Resposta

Felipão

Técnico da Seleção Brasileira, Felipão foi o primeiro convidado do novo “Fantástico” (Rede Globo) e falou sobre futebol, claro, e sobre assuntos polêmicos, como o casamento gay. No vídeo da página do Fantástico não aparece ele falando sobre o tema, mas tem uma matéria, na qual ele diz o seguinte sobre casamento gay: “Eu acho que cada um escolhe a sua opção. Se é feliz tendo uma outra pessoa do mesmo sexo ao lado, seja feliz”.

Não é opção, Felipão, mas os LGBTs agradecem o apoio de um dos homens mais influentes do Brasil ao casamento gay.

Rio sem homofobia capacita policiais para apoio à comunidade LGBT Resposta

Desde junho de 2013, mais de 3,2 mil policiais do Estado do Rio estão aprendendo a acolher melhor a comunidade LGBT tanto nas delegacias quanto nas ruas. O programa estadual Rio Sem Homofobia vem tentando mudar o perfil de atendimento a este público na Jornada Formativa de Segurança Pública e Cidadania LGBT. No total, até o fim do ano, cerca de 8 mil policiais vão passar pelo curso, que está sendo ministrado em todas as Áreas Integradas de Segurança Pública (AISPs), pelo coordenador do programa, Claudio Nascimento, além da equipe dos quatro Centros de Cidadania LGBT no Rio.

Esta é a segunda edição da jornada, que já foi realizada entre 2009 e 2011, e formou mais de quatro mil policiais. De acordo com Nascimento, a iniciativa pioneira no estado, que visa garantir os direitos dos homossexuais, surgiu da necessidade de melhorar a formação dos servidores públicos.

– Trabalhamos os direitos e a cidadania, as práticas respeitosas e cidadãs de atendimento, além das principais demandas do público – afirmou Nascimento.

São realizados, em média, seis encontros mensais da Jornada, nos batalhões e delegacias de todo o estado. Até dezembro, ainda serão realizados cerca de 70 encontros. Na Academia Estadual de Polícia (Acadepol), serão nove encontros. O aluno da Diogo Sobral Cunha acredita que o curso serve para ampliar e reforçar o conhecimento que os aspirantes a policiais civis já recebem nas aulas de direitos humanos durante seis meses.

– A minha turma tem 48 alunos e isso é unanimidade. Todos acham que essas aulas são muito importantes para garantir os direitos da comunidade LGBT. Nós já aprendemos muito nas aulas de direitos humanos – disse o aluno.

Fonte: O Fluminense

Projeto de lei anti-homofobia empaca no Rio de Janeiro e preocupa LGBTs Resposta

O presidente do Grupo Arco-Íris, Julio Moreira, e seu companheiro, Clayton Alexandre Cassiano / Agência O Globo

O presidente do Grupo Arco-Íris, Julio Moreira, e seu companheiro, Clayton Alexandre Cassiano / Agência O Globo

 

Um dos primeiros estados do Brasil a estender aos companheiros homossexuais de servidores estaduais os direitos sobre pensão e previdência reservados aos héteros, o Rio de Janeiro está no meio de um impasse que deixa desprotegidas as minorias sexuais. Tramita há sete meses na Assembleia Legislativa, sob forte oposição da bancada religiosa fundamentalista, um projeto de lei estadual para punir estabelecimentos públicos e privados que discriminarem pessoas em função de sua orientação sexual.

Apresentado ano passado pelo então governador Sérgio Cabral, o PL 2054/2013 quer substituir a lei 3.406, de autoria de Carlos Minc, que vigorou de 2000 a 2012 e foi considerada inconstitucional pelo Tribunal de Justiça numa ação patrocinada por grupos ultraconservadores. A decisão se ateve a um tecnicismo: como a lei previa punições a servidores públicos em caso de manifestações de homofobia, ela deveria ter partido do Executivo.

Os defensores da proposta atualmente em tramitação na Assembleia argumentam que a aprovação de uma lei estadual é fundamental para reforçar o combate à discriminação nos 92 municípios fluminenses. Entre as alegações está o fato de não existir ainda uma legislação de maior abrangência, em âmbito federal, que puna a discriminação contra gays, lésbicas, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros. O texto do projeto apresentado na Alerj prevê advertência e multas, que vão de 50 Ufirs (R$ 127) a 50 mil Ufirs (R$ 127 mil), a estabelecimentos que barrarem ou constrangerem em função de orientação sexual, além de cassação de alvará, em caso de reincidência.

Mudança para agradar a evangélicos

Depois de passar pelas comissões e de receber nada menos que 117 emendas ainda no ano passado, o projeto ganhou um defensor de peso: o próprio deputado Minc (PT-RJ), autor da lei original invalidada. Ele critica o pesado lobby religioso no Legislativo estadual e já cogita até fazer concessões, incluindo no texto punições para discriminação religiosa ou étnica.

— Quando a lei original foi derrubada pela Justiça, o argumento era de que, como definia punições também para o funcionário público que discriminasse, a iniciativa tinha que ser do Executivo. Por isso o ex-governador Sérgio Cabral reapresentou o texto. Agora, no entanto, o problema é político. Há muitos deputados evangélicos que não querem a aprovação — critica.

Para Júlio Moreira, presidente do Grupo Arco-Íris, que milita pelos direitos civis de minorias sexuais, a expectativa é grande pela aprovação da proposta. Ele crê que o projeto faz justiça à antiga lei suspensa, uma das primeiras aprovadas no país, de caráter “educativo e de cidadania”.

— A proposta em tramitação agora mostra que é preciso acolher a todos, em qualquer espaço público. Ela não leva em conta um viés econômico, que trata de poder de consumo, mas aborda a questão da cidadania, educando mais do que punindo — pondera o ativista, que diz, no entanto, estar temeroso: — Neste momento de pré-eleição, acho muito difícil que o projeto seja aprovado, uma vez que existe um forte cenário de barganha política. Como é um tema delicado, não deve passar neste momento.

O coordenador do programa estadual Rio Sem Homofobia, Cláudio Nascimento, discorda: ele afirma crer que há chances de o projeto ser aprovado na Casa. Nascimento admite existirem fortes obstáculos em função do alto número de emendas apresentadas, que acabaram atrasando a tramitação. No entanto, o ativista observa que os acréscimos e as modificações e não partiram de um número muito amplo de parlamentares.

— Tudo é possível, mas estou confiante. É fundamental a aprovação da nova lei. Hoje, para se ter ideia, 40% das denúncias que chegam para nós no Rio Sem Homofobia são de discriminação por orientação sexual. Contamos com a sensibilidade da Assembleia. Não estamos inventando nada, a lei existiu por 12 anos — lembra.

‘Eu voto contra’, diz opositora da ideia

Se depender de uma ala considerável da Alerj, no entanto, os obstáculos serão mesmo grandes. A própria vice-presidente da Comissão de Combate à Discriminação e Preconceitos de Raça, Cor, Etnia, Religião e Procedência Nacional, Rosângela Gomes (PRB), defende a derrubada da matéria. Ela chegou a participar, no final do mês passado, de uma reunião na Alerj que discutiu o projeto, a convite do deputado Carlos Minc, presidente da mesma comissão, mas se retirou logo no início do encontro. A parlamentar alega que, apesar de ser contra qualquer tipo de discriminação — “a índios, negros, mulheres ou pessoas pela sua orientação sexual” —, sua formação conservadora não lhe permite apoiar a iniciativa:

— A gente tem que respeitar a posição dos proprietários de estabelecimentos comerciais, que não são obrigados a receber dois homens se beijando. Eu voto contra. Que eu saiba ainda não existe o terceiro sexo. Não tenho nada contra a pessoa, mas a minha visão conservadora é essa.

Quem faz coro é o deputado Flávio Bolsonaro (PP), filho de Jair Bolsonaro, um dos mais conhecidos representantes do ultraconservadorismo na Câmara dos Deputados, em Brasília. Segundo ele, não há diferença entre discriminar um gay ou um hétero num estabelecimento aberto ao público, como um restaurante. Para o deputado estadual, o que os militantes querem é levantar uma bandeira ideológica e política:

— Não é uma bandeira social, é palanque político. Os militantes ficam querendo justificar seus salários bancados pelas ONGs que vivem disso (defender os homossexuais). A pessoa que agride tem que ser responsabilizada independentemente da sexualidade de quem é agredido.

Opinião

Está na Constituição que todos devem ser tratados da mesma maneira, então é um verdadeiro absurdo um estabelecimento comercial permitir que casais heterossexuais se beijem e troquem carícias e casais homoafetivos não. Isso é discriminação. Como pode a vice-presidente da Comissão de Combate à Discriminação e Preconceitos de Raça, Cor, Etnia, Religião e Procedência Nacional defender uma coisa dessas. Claro que pode, a comissão não trata, pelo menos no nome dela não consta ORIENTAÇÃO SEXUAL e IDENTIDADE DE GÊNERO. Rosângela Gomes é negra, imagina se um estabelecimento impedisse os negros de entrarem lá só por causa da cor de suas peles? Vamos enviar uma mensagem, via Twitter, para a deputada, protestando? O twitter dela é @rosangelasgomes. O email dela é rosangelagomes@alerj.rj.gov.br

Já o Flávio Bolsonaro é um caso perdido, nem adianta mandar mensagem para ele.

Não se trata de opinião conservadora, mas de direitos humanos, é lamentável que algumas pessoas ainda vejam os LGBTs como aberrações.

Então quer dizer que um casal homoafetivo não pode demonstrar carinho em público, pois pode ser expulso de um estabelecimento comercial no Rio de Janeiro? É bom lembrar que a cidade do Rio é um dos destinos mais procurados por LGBTs, a cidade perderá turistas e consequentemente, dinheiro, se o PL 2054/2013 não for aprovado.

Com informações do jornal O Globo

#Clanessa: ‘Vou dar presente no Dia dos Namorados para Vanessa’, revela Clara Resposta

Vanessa e Clara participam do programa Altas Horas deste sábado (Foto: TV Globo/Altas Horas)

Vanessa e Clara participam do programa Altas Horas deste sábado (Foto: TV Globo/Altas Horas)

 

No sábado, 19/04, o casal Clanessa participa do programa Altas Horas e comenta que tipo de relação elas têm. “Eu nunca vivo de rótulos. A gente tem uma amizade colorida”, afirma a campeã do Big Brother Brasil 14.

Clara faz questão de salientar que a relação delas não precisa ter um rótulo e que o importante é que o sentimento existe. Mesmo sem assumir nada, ela revela: “Eu vou dar um presente no Dia dos Namorados para Vanessa”.

Segundo a terceira colocada no reality, ela e Vanessa estão sofrendo muita pressão para assumir o namoro e está dificultando muito as coisas. “Está muita pressão em cima da gente e assim não vai rolar de jeito nenhum”, comenta.

Durante o programa, Clara também explica o fim de seu casamento com o francês Fabien. “A gente está dando um tempo, porque foi muita informação tanto para ele, quanto para mim, mas continuamos amigos”, afirma.

A sister ainda reconhece que o ex-marido passou por maus bocados enquanto ela estava dentro da casa. “Acho que ele aguentou a barra bem forte aqui fora e eu fiquei bem orgulhosa, mas preciso focar na minha carreira e ele também tem que cuidar dos seus negócios”, ressalta.

O Altas Horas com Cauã Reymond também terá as participações de Clara, Vanessa, Fernando & Sorocaba, João Neto & Frederico e Cesar Menotti & Fabiano. O programa vai ao ar no sábado, logo após o Zorra Total.

Em Família: #Clarina: Maioria dos telespectadores quer Clara e Marina juntas Resposta

gio-taina

Ao contrário do que pensam os conservadores, não existem verdades permanentes. Tudo muda inevitavelmente, inclusive nas novelas. Pensar que, em 1998 (há 16 anos apenas), o destino dos casais de mulheres, na telinha continuava sendo trágico, a exemplo da novela Torre de Babel (1998/99), onde as personagens de Christiane Torloni e Silvia Pfeifer morrem numa estranha explosão. Hoje, os casais de homens ou de mulheres homossexuais não só não morrem nas novelas como até mesmo estão segurando a audiência da teledramaturgia da Globo. A última novela, Amor à Vida, teve em sua reta final como ponto alto o relacionamento entre os personagens Félix e Nico, com uma enorme torcida por um final feliz com direito a beijo de verdade. E rolou. Além disso, diversos outros personagens gays faziam parte da trama de Walcyr Carrasco.

Agora, em Em Família, de Manoel Carlos, é o romance entre Marina e Clara que tem despertado (literalmente) a atenção da audiência, com torcida para que o flerte chegue logo aos finalmentes e as belas fiquem juntas. Ao som do tema Só Vejo Você (ouvir abaixo), na voz da cantora Tânia Mara, as atrizes Tainá Müller e Giovanna Antonelli, com delicadeza e sensualidade, têm construído uma versão bem consistente de duas mulheres mutuamente apaixonadas. Rola química entre elas. O resultado pode ser conferido pela enquete que o GShow fez sobre com quem Clara deve ficar, onde Marina ganha de goleada de Cadu (marido de Clara). Confira abaixo texto do GShow, sobre o caso Clarina (junção de Clara e Marina), e também vote para o romance das duas se concretizar.

Míriam Martinho

#Clarina! Atrizes exaltam romance, e Antonelli dá pitaco sobre beijo das duas
Sob holofotes dos telespectadores e com quase 80% de aprovação dos internautas, Giovanna Antonelli e Tainá Müller comentam história de amor
Com uma resposta muito positiva do público, o romance entre Marina (Tainá Müller) e Clara(Giovanna Antonelli) tem sido mais do que aguardado pelos telespectadores de Em Família. Na enquete que está sendo realizada pelo Gshow, na qual os internautas devem responder com quem acreditam que Clara deve ficar, a fotógrafa ganha com um número bastante expressivo de Cadu (Reynaldo Gianecchini), o marido de Clara.

No início das gravações, Giovanna disse que pretendia contar uma história de amor que fosse muito além das questões sexuais. E ela acredita que tem feito esse trabalho. “Estamos conseguindo, mas ainda acho que está cedo. O beijo (das personagens) é o de menos. Se chegar lá, é porque as pessoa estão acreditando na história”, aponta a atriz que dá vida a Clara. Ela ainda completa: “O casal está trilhando o caminho que a gente construiu desde o começo”.

Tainá, que afirmou não criar expectativa quanto à resposta do público antes de a novela estrear, se diz satisfeita com o retorno que tem recebido e compartilha da opinião da companheira de cena. “As pessoas têm me abordado nas ruas e o mais surpreendente é que, além dos jovens, muitas pessoas mais velhas falam comigo, sejam elas a favor do romance ou não. Isso é uma confirmação de que a ideia está sendo comprada. É uma demonstração de que o público comprou essa história. Eu, como atriz, fico muito feliz com isso”, revela a intérprete de Marina.

Além das ruas, Giovanna e Tainá contam que acompanham as redes sociais e estão a par da torcida de “Clarina”, nome do casal dado pelos internautas, que une as iniciais de Clara e as últimas letras de Marina. Toda esta mobilização do público tem uma explicação para Giovanna. “A última novela das 21h (Amor à Vida) abriu as portas. Acho que agora as pessoas conseguem falar mais livremente sobre o tema”, acredita a atriz.

O futuro de Clara e Marina

Com a doença de Cadu, a fotógrafa e a dona de casa caíram em mais uma encruzilhada. Tainá afirma que, certamente, é um obstáculo a ser ultrapassado, mas que não significa que seja limitador do romance. “O que faz a dramaturgia são os conflitos e, sem dúvida, esse vai ser outro grande desafio para as duas. A trama envolve essas problemáticas e precisa delas para ir se resolvendo”, explica. “A Marina já deixou muito ‘claro’ o que ela quer”, se diverte com o trocadilho. “Eu acho, inclusive, que ela está sendo muito compreensiva neste momento, dando apoio, independente das intenções que tem com a Clara. Ela tem respeitado e colocado a saúde do Cadu antes de qualquer outra coisa, sendo flexível”, defende.

Será que Marina vai até o fim, mesmo com todas essas dificuldades? E Clara vai largar o maridão em busca de novas aventuras? Fique ligado e não perca as próximas cenas de “Clarina”! E você? Acha que Clara deve ficar com quem? Clique aqui e vote!

Opinião

Se a maioria dos telespectadores quer um romance entre Clara e Marina, então que role logo e que Manoel Carlos não nos enrole, e só deixe para elas serem felizes no último capítulo.

Com informações de Um Outro Olhar

Danielle Winits: “Ninguém é obrigado a expor a sua sexualidade” Resposta

DnielleWinits

Longe dos palcos desde a trágica temporada do musical “Xanadu”, em que despencou do teto em cima da plateia por causa de um dos cabos, Danielle Winits está radiante com sua volta aos palcos, desta vez numa comédia. “É muito bom mudar”, confirma ela, que ainda não se recuperou totalmente do susto. Agora, Danielle encarna uma agente de talentos que precisa encobrir a homossexualidade de seu cliente na peça “O cachorro riu melhor”, com direção de Cininha de Paula e texto adaptado por Artur Xexéo. Muito comum no meio artístico, o tema merece ser tratado com respeito, segundo a atriz. “Ninguém é obrigado a expor sua sexualidade”, ela acredita. Confira a entrevista que a loira deu ao jornal O Globo:

O GLOBO: Como está sendo a volta aos palcos depois de “Xanadu”? Ficaram feridas?

DANIELLE WINITS: Vinha fazendo muitos musicais. Adorei que o Sandro Chaim (produtor) me chamou para esta comédia. A gente tá se divertindo muito… Ficam traumas de algumas coisas do “Xanadu”, mas virei essa página.

O GLOBO: Você interpreta uma agente de atores que precisa esconder a homossexualidade de um cliente?

DANIELLE WINITS: É uma agente que tenta manipulá-lo. Já vi isso acontecer, embora nunca tenha passado por isso. A minha personagem não respeita a opção dele. E ele acaba encaminhado para uma vida dupla.

O GLOBO: O que você acha de gente como Daniela Mercury, que resolveu sair do armário publicamente?

DANIELLE WINITS: Se ela está feliz, eu acho válido. Ela pode ajudar muitas pessoas com essa atitude. Existe o preconceito. Acho que ninguém é obrigado a expor sua sexualidade. As pessoas têm suas limitações e seus quereres. A gente tem que respeitar. Você não precisa se expor se não quiser. Cada um tem um registro familiar e uma história diferente e deve fazer como se sentir confortável.

Com adaptação de Artur Xexéo e direção de Cininha de Paula, a comédia conta a história de uma agente de atores que faz de tudo para colocar em evidência seu pupilo, mas ele se apaixona por um garoto de programa e ela acha que o melhor caminho é esconder do público a sexualidade do cliente.

 

O cachorro riu melhor

Tempo de Duração: 90 minutos

Classificação: Não recomendado para menores de 14 anos
Texto: Douglas Carter Beane
Adaptação: Artur Xexéo
Direção: Cininha de Paula
Elenco: Danielle Winits, Julio Rocha e outros

 

Teatro dos Quatro (Gávea, Rio de Janeiro)
De 17 abr 2014 até 27 jul 2014
sex e sáb 21:30 | qui 21:00 | dom 20:00
qui R$ 60.00; sex R$ 70.00; dom R$ 80.00; sáb R$ 90.00

Frases típicas de homofóbicos que se dizem amigos dos gays 1

As frases típicas dos homofóbicos que possuem homofobia velada, geralmente começam com “Não tenho nada contra, mas…”.

“Ele é gay, mas ninguém diz, se veste igual a todo o mundo”, parece um elogio, mas na verdade é uma ofensa velada.

“Não tenho preconceito, tenho até amigos que são gays”. A condescendência dessa frase não a impede de ser homofóbica e ofensiva.

“Tudo bem ser gay, mas não precisa ficar desmunhecando”. A não aceitação da orientação sexual se reproduz em frases como essa.

“Adoro gays, mas não gosto que fiquem se beijando na minha frente”. A troca pública de afeto Ainda causa incômodo em pessoas que se dizem simpatizantes da comunidade LGBT.

“Pode ser lésbica, mas não precisa se vestir como homem”. Por que tanto desconforto com o modo de se vestir de alguém?

Todos os gays deviam ser como Ricky Martin”. A imposição de padrões heteronormativos aparece nas frases de homofobia velada.

Vocês podem não se tocar ou beijar? Meus filhos não vão entender.” É mesmo tão difícil explicar para uma criança um gesto de carinho entre duas pessoas do mesmo sexo?

Não precisa ficar contando para todo mundo que você é gay.” Pode ser homossexual, mas fique quietinho no seu canto. Este é o recado que essa frase passa.

Ele é tão bonito que nem parece que é gay”. Beleza é uma característica exclusiva dos heterossexuais.

Outra frase que eu detesto é “Que desperdício. Se fosse homem…” Além de revelar um desespero da mulher por um parceiro, afirma que o gay não é homem.

E você tem alguma frase de homofobia velada que detesta? Conte para o blog. Comente.

Com informações do iGay