Áustria nega refúgio a homossexual afegão por “não parecer gay” Resposta

Leaders Meet In Brussels For European Council Meeting - Day One

Primeiro ministro da Áustria, Sebástian Kurz.

Veja você que absurdo! Um afegão de 18 anos pediu asilo na Áustria alegando sofrer perseguição por ser gay, mas recebeu resposta negativa do escritório de estrangeiros e refugiados de Viena. Motivo? Ele não parecia ser homossexual o suficiente. Isso mesmo! A informação é da revista Falter.

“A maneira de caminhar, sua atitude e sua forma de se vestir não dão a entender em absoluto que possa ser homossexual. Ao não sê-lo, não tem nada a temer ao retornar ao Afeganistão”, diz o relatório. E não para por aí. Os funcionários austríacos alegaram que, por ter brigado com outros meninos, o jovem “tem potencial de agressão que não cabe esperar em um homossexual”. Segundo os avaliadores, “os homossexuais são mais sociáveis”. Por fim, os funcionários não acreditam no jovem quando ele afirma que beijou meninos que não eram gays, porque, se fosse verdade, “teriam levado uma tremenda surra”.

O retorno do jovem ao seu país significa risco a sua vida. Mas o primeiro-ministro, Sebastián Kurz, da extrema-direita, que formou uma coalizão de governo com o Partido Liberdade (FPO), fundado nos anos 1950 por oficiais de SS nazista parece não se importar.

Como vocês sabem, existem homossexuais efeminados, não efeminados, com diversas características, assim como gays.