Homofobia: Jovem gay é atacado por grupo neo-nazista no Chile e tem corpo marcado por suásticas. Ricky Martin se pronuncia. Resposta

Daniel Zamudio: Orelha queimada e suásticas marcadas no corpo

Um jovem homossexual chileno está em coma após ter sido atacado por um grupo neo-nazista, que também marcou suásticas em seu corpo e arrancou parte de uma orelha. 


Em um comunicado, o Movimento de Integração e Libertação Homossexual (MOVILH) disse que o ataque ocorreu na semana passada e que o jovem, identificado como Daniel Zamudio, de 24 anos, está em coma no em um hospital em Santiago do Chile. De acordo com o comunicado, ¨o ataque foi tão brutal que os agressores marcaram o corpo do jovem com símbolos neo-nazistas, uma das agressões mais graves e dramáticas já conhecidas. 
O presidente do MOVILH, Rolando Jiménez, disse que se preocupa com os ataques no Chile: 
– É muito grave que existam no Chile, grupos neo-nazistas que agem sem nenhuma impunidade, e que existe, entre outros motivos, porque o governo chileno ainda não percebeu o quanto esses grupos sçao perigosos. 
Daniel Zamudio
Quem também se manifestou sobre o ataque foi o cantor Ricky Martin, que mostrou sua solidariedade em uma mensagem no twitter: ¨Sem mais ódio e sem mais discriminação. Espero que a justiça seja feita agora. Muita luz para Daniel e sua família. # Fuerzadanielzamudio”, escreveu o cantor.
De acordo com o relatório anual realizado pelo Movilh, a entidade mais ativa em defesa dos homossexuais no Chile, em 2011 houveram 186 queixas e casos de discriminação, 48 a mais que em 2010. Tais casos incluem o assassinato de três pessoas por causa de sua orientação sexual, agressão física ou verbal perpetrada por 13 civis e cinco casos de abuso policial.

¨Povo não aguenta mais viado em novela¨, diz autor Aguinaldo Silva Resposta

(Foto: Reprodução)
Mais uma vez o polêmico autor da Rede Globo, Aguinaldo Silva, deu declarações que colocam o gay brasileiro como ¨chato¨, diz que as organizações ativistas só existem para tirar dinheiro do povo e diz que não haverá beijo gay na sua próxima novela ¨Fina Estampa¨, que estréia esse mês. 

A entrevista foi para a revista Veja e Aguinaldo não economizou nas palavras para atacar a comunidade LGBT, as organizações de ativismo gay, e outros nomes conhecidos. Perguntado sobre o que afasta o público das novelas, Aguinaldo respondeu: 

– O povo não aguenta mais viado em novela. Chega! Tem muito. Tem novela que tem seis viados. As pessoas não aguentam mais isso. E geralmente os gays são todos iguais. São cópias dos héteros, querem casar, ter romance, engravidar e parir um filho nove meses depois. São gays chatos. 

A forma impressionante como ele trata os gays é o que impressiona. Imaginem como não se sentiria ao ser chamado de ¨bicha velha paraíba¨, ou ¨cabeça chata¨, formas pejorativas e preconceituosas de se referir a um homossexual que tenha nascido no nordeste do país. 

Ele diz também que vilões desenfreados também cansam o público, pois fazem maldades sem nenhuma justificativa, e citou o exemplo da personagem de ¨Senhora do Destino¨, Nazareth Tedesco, vivida pela atriz Renata Sorra, que era uma vilã ¨engraçadíssima porque tudo o que ela fazia dava errado¨. 

Quando Aguinaldo Silva foi perguntado se teria algum personagem gay em ¨Fina Estampa¨, ele foi categórico: 

– Tem um só, que é o Crodoaldo Valério, que quem está fazendo é o Marcelo Serrado. Eu fiz questão que fosse um ator hétero porque eu acho que ele vai me surpreender. Antes da novela estrear, já tem gay entrando no meu portal e escrevendo que não viu e não gostou porque eu criei um homossexual estereotipado. Como eu falei antes, acho ridículo tratar o gay como um personagem padrão. Eles tem seus códigos, seu universo. São pessoas diferentes. A graça desse personagem é que ele tem uma paixão devastadora pela Teresa Cristina (Cristiane Torloni), que o trata miseravelmente mal. Alguns gays têm essa mania de venerar as mulheres que o maltratam. Eu queria mostrar esse tipo de gay. As pessoas vão odiá-lo porque vai fazer mil maldades em nome dela, porque ele adora aquela mulher que é um horror, ela é péssima. 

E continuou, falando sobre o beijo gay nas novelas: 

– Eu estou começando a ficar irritado com essa coisa do beijo gay. Acho que tem uma torcida para que não aconteça, para que o assunto continue durando, mas as pessoas não aguentam esse assunto e se depender de mim ele acabou. A novidade é essa: não vai ter beijo gay em Fina Estampa, pode escrever. Não tem lugar no mundo em que os gays sejam mais ousados do que no Brasil. Aqui os gays não respeitam as fronteiras. Eles chegam no hétero e cantam mesmo, e se colar, colou. Porém, existe essa hipocrisia de você não poder mostrar um beijo gay na televisão. Por debaixo do pano vale tudo, mas publicamente é essa coisa hipócrita. A sociedade brasileira é assim e a tevê não quer correr o risco de perder o público. 

Concordo com a última frase de Aguinaldo, a sociedade brasileira é hipócrita! E também são os autores de novelas e emissoras de TV. Dizer que os gays do Brasil são ousados, é verdade. Os gays brasileitos têm que cobrar sim, mostrar que estão ali, porque nunca são respeitados! Gay no Brasil não tem vez, a não ser que seja um profissional bem sucedido e tenha certo destaque na sociedade. É por isso que o gay no Brasil tem mesmo que lutar pelos direitos e os grupos ativistas têm que buscar cada vez mais colocar o gay em evidência, porque nesse país, a população ignorante só aprende depois de muito ver e saber a verdadeira realidade do gay, pois como a maioria da população é analfabeta e burra, os meios de comunicação deveria ter um papel maior na educação do pensamento do povo ao invés de somente fazer com que as pessoas fiquem mais dementes. 

Aguinaldo Silva também deu a sua opinião a respeito das críticas que a Rede Globo recebeu por querer interferir na obra de Gilberto Braga e acabar com o romance dos personagens Eduardo e Hugo em ¨Insensato Coração¨: 

– Tem um grupo gay da Bahia que diz que eu sou o inimigo número um dos homossexuais. Dizem que nas minhas novelas os homossexuais são estereotipados. Essas entidades são todas um saco, todas elas tem interesses econômicos, vivem à custa do governo ou daquelas empresas alemãs que por má consciência financiam qualquer coisa. Claro que existem negros bandidos como existem brancos bandidos. A cor dos personagens não devia importar para essas entidades. Eles deviam combater as diferenças, mas para eles interessa grifar as diferenças. Se você bota hoje em dia uma bandida disfarçada de enfermeira, trinta sindicatos de enfermagem espalhados pelo Brasil te processam. Aí você tem que se preocupar com a audiência em Rondônia, em Tocantins… E não dá, porque você ainda tem uma novela para escrever. 

Esses grupos, Aguinaldo, servem para tentar diminuir um pouco o preconceito no país, para impedir que somente um lado da sociedade seja mostrado. Talvez você como um gay bem sucedido que vive na Europa e não precisa de salário mínimo para sobreviver, não precisa se envolver com isso. Mas existe uma outra parte, Aguinaldo, que precisa de atenção e ter suas vidas contadas e mostradas sim, pessoas que levam tiro em paradas do orgulho LGBT, que são espancadas em portas de boates, que são assassinadas por serem homossexuais, que diferente de você, não vivem dentro de casa escrevendo, pois precisam ir à luta para conseguir sobreviver nesse país selvagem que é o Brasil. 

Aquele velho ditado, enquanto não acontece comigo, que se foda o resto!

Pai e filho são agredidos por grupo depois de serem confundidos com casal gay Resposta

O cúmulo do preconceito fez mais vítimas inocentes em decorrência do ódio de grupos homofóbicos. Um homem de 42 anos e seu filho de 18 anos, que tinham acabado de sair de um show no município de São João da Boa Vista, em São Paulo, foram atacados brutalmente por um grupo de sete jovens por estarem abraçados. Ele chegou a perder parte de sua orelha por causa da agressão.


Segundo ele, que não quis se identificar, o ataque aconteceu no local que acontece a Exposição Agropecuária Industrial e Comercial (EAPIC). Por estar abraçado com o filho, o grupo pensou que os dois fossem namorados por estarem abraçados. Eles questionaram se eles eram gays, mas o homem, que não quis se identificar, tentou explicar que o rapaz era seu filho, e o grupo mesmo depois de iniciar uma discussão, se afastou.

Porém, cinco minutos depois eles voltaram, e começaram em um ato covarde, atacar os dois. O homem disse que levou um soco e desmaiou, e quando acordou as pessoas disseram que ele estava sem a orelha.

O homem e o jovem foram levados para a Santa Casa, atendidos e liberados. O filho teve apenas ferimentos leves.

O delegado do 1º Distrito da Polícia Civil, Fernando Zucarelli, disse que foi aberto um inquérito e agora estão tentando identificar os agressores. Além de agressão, o grupo que atacou pai e filho podem responder por discriminação, mesmo a homofobia não sendo crime.

A organização da EAPIC disse que haviam 150 seguranças e policiais militares no evento, e que vão colaborar com as investigações.

Uma coisa é certa: esses covardes nunca agem sozinhos, porque não se garantem. Precisam atacas em bandos, porque não são homens o suficiente de arrumarem brigas sozinhos. COVARDES!

Bolsonaro volta a atacar os gays na Câmara e afirma sofrer preconceito por ser heterossexual Resposta

Bolsonaro: novo ataque contra kit anti-homofobia
O deputado homofóbico Jair Bolsonaro (PP-RJ), voltou a fazer críticas ao kit anti-homofobia, em audiência pública desta quarta-feira na Câmara, sobre segurança pública. Parece que qualquer espaço que este cidadão tem para falar, ele ataca os gays, mesmo quando o assunto não tem nada a ver com questões LGBT.

Enquanto discursava, Bolsonaro disse que nenhum pai ¨tem orgulho de ter um filho gay¨, e fez criticou a possibilidade de distribuição de livros com temática LGBT para crianças e adolescentes na escola, e disse que o plano nacional LGBT é algo ¨vergonhoso¨.
A deputada Manuela D’ávila (PCdoB-RS), que presidia a mesa, disse ao deputado que ofensas não seriam aceitas durante a audiência e acusou Bolsonaro de se fazer de ingênuo e que o objetivo dele era atingir o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), gay assumido e defensor dos direitos LGBT.
Bolsonaro, super descontrolado, afirmou que estava sofrendo preconceito por ser heterossexual.
Durante a audiência pública, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, também se pronunciou e mandou um recado para Bolsonaro. Ele disse que é preciso respeitar a orientação sexual de todos, e ainda lembrou que na antiguidade, a homossexualidade era bem aceita dentro dos exércitos, em referência ao deputado que pe capitão reserva do Exército.
¨Vemos a violência que há contra os homossexuais. E acho que vossa excelência não aprova isso¨, afirmou o ministro.

Homofobia em festa da faculdade Resposta

As universitárias foram empurradas contra uma mesa.
Depois, levaram tapas e socos. (Foto: Ana Amaral)
Na mesma semana em que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) julgará um dos mais emblemáticos casos sobre união homossexual, duas universitárias lésbicas foram vítimas de homofobia durante uma festa universitária, em Natal. A estudante de Administração Neiara Oliveira, de 22 anos, curtia a festa da calourada da Universidade Federal do Rio Grando Norte (UFRN), junto com a companheira, na segunda-feira, quando foi surpreendida por rapazes que não aceitaram a troca de beijos entre as moças. Elas foram empurradas contra uma mesa e levaram tapas e socos.

De acordo com Neiara, ela estava acompanhada de sua namorada, que é estudante de arquitetura, e mais dois amigos, que saíram para cumprimentar conhecidos em um outro local. Foi então que elas trocaram beijos e foram repreendidas por um grupo de rapazes ´bem aparentados`, que fizeram piadas e se reportaram a ambas em tom de deboche. ´Eles ameaçaram filmar o nosso momento de descontração e seguiram com piadas. Logo a seguir, um deles, o agressor, foi ao meu ouvido esoltou palavras ofensivas`, contou.
Inconformada com a situação, Neiara puxou a namorada do tumulto e foi tomar satisfações com um dos rapazes. Além de agressões verbais, a estudante relata que foi jogada pelo jovem para cima de uma mesa e agredida com murros e tapas. No desespero, a companheira da vítima tentou defender a namorada e também foi jogada sobre a mesa, sendo agredida até a chegada dos amigos que as acompanhavam. A estudante de arquitetura sofreu diversos arranhões. Diante da cena assustadora, as jovens solicitaram o apoio da Polícia Militar, que chegou ao local após a fuga do agressor e do grupo que o acompanhava na festa. Apesar das diligências realizadas no local, os suspeitos não foram encontrados. Elas foram aconselhadas a registrar boletim de ocorrência, mas até a tarde de ontem não haviam feito o B.O.
´Não sei se faremos o Boletim de Ocorrência, mas o importante é que esse caso seja registrado pela imprensa para que uma situação homofóbica não aconteça novamente`, desabafou Neiara. O agressor, que não teve a identidade confirmada, foi procurado pelas vítimas e por seus amigos nas páginas de rede sociais, mas até o fechamento desta reportagem não havia sido localizado. (Correio Braziliense e Diário de Natal) 
* Com informações do Diário de Pernambuco.

Suécia: Menindo de 6 anos é esfaqueado por gostar da cor rosa Resposta

Um menino de 6 anos de idade foi vítima de bullying porque ele gostava de usar roupas cor de rosa, foi esfaqueado no pescoço em sua pré-escola no centro da Suécia.

O menino, identificado apenas como Oskar, foi alvo dos ataques porque ele gostava de roupa rosa, unhas bem feitas e balé. Ele também fez queixa a seus pais dizendo que os colegas o chamavam de ¨gay¨e ¨menina¨. 
Um jornal local disse que Oskar foi esfaqueado em um incidente na semana passada na escola. A faca usada no ataque não era afiada e o menino não foi seriamente ferido, mas ele tinha um ferimento visível no pescoço.
Funcionários da escola descreveram a situação como um “pequeno incidente”.
Os pais de Oskar disseram à publicação que retiraram o menino da escola e fizeram uma queixa contra a instituição na agênica governamental que supervisiona pré-escolas.
“Eu não quero deixar meu filho em uma escola que considera um golpe com uma faca como um ¨pequeno incidente¨, disse a mãe do menino.

Política: Duas vitórias para a comunidade LGBT Resposta

Marco Maia – Novo Presidente da Câmara dos Deputados (Foto: Reprodução)
A comunidade LGBT do Brasil pode se considerar vitoriosa em relação a dois fatos que marcaram o início do novo governo de 2011.

O primeiro é que o Ministro do Superior Tribunal de Justiça, Luiz Fux, foi indicado pela presidenta Dilma Roussef para ocupar a 11ª vaga de Ministro do Supremo Tribunal Federal.
E o histórico de Fux é favorável às causas LGBT, já que no ano passado ele foi um dos que votaram a favor de um casal lésbico do Rio Grande do Sul que prentendia adotar duas crianças. Ele é citado como um político friendly, a favor dos direitos dos homossexuais.
A segunda grande notícia é que o deputado homofóbico Jair Bolsonaro, que se candidatou à Presidência da Câmara dos Deputados, realizada na noite de ontem (01/02), obteve apenas 9 votos a seu favor e perdeu com grande diferença para o petista Marco Maia. Em seu discurso, Bolsonaro frisou mais uma vez ser contra ao kit anti-homofobia nas escolas e disse que os gays não acrescentam em nada na sociedade. 
Seu discurso homofóbico nada adiantou, e Marco Maia foi eleito o novo Presidente da Câmara com 375 votos.
Claro que, esses resultados não dizem necessariamente que algo vai ser realmente feito em relação aos direitos LGBT. Cogita-se que a união gay no Brasil será um dos primeiros temas a ser discutido no STF, mas só em saber que o homofóbico foi derrotado, e é criticado por vários outros deputados, já é motivo de vitória.
Nós aqui no blog torcemos que, cada vez mais, possamos ser ouvidos e ter nossos direitos reconhecidos. Será 2011 um ano de avanços para todos nós? Esperamos…

Mais um jovem gay comete suicídio por ser vítima de bullying Resposta

Lance Lundsten

Mais uma vida chega ao fim. No último sábado (15/01), o jovem gay Lance Lundsten, de 18 anos, se matou após sofrer ataques de bullying por conta de sua homossexualidade. Ele era estudante e segundo amigos, sofria ataques extremos de bullying e assédio por parte de pessoas na escola durante anos, no estado de Minnesota nos EUA.
Por volta das 10 horas da noite de sábado, o gabinete do xerife respondeu a uma chamada de emergência na residência da família. Quando os policiais chegaram, descobriram que Lance necessitava de cuidados médicos de emergência. Lance foi transportado para o Douglas County Hospital, onde morreu mais tarde.


O escritório do xerife confirmarou que eles acreditavam que a morte do jovem foi um suicídio. O xerife não quis confirmar a natureza da emergência médica. Lundsten tinha revelado no Facebook que ele era gay, e alguns alunos do seu colégio disseram que ele foi muito criticado por sua orientação sexual.
Os amigos de Lance criaram um novo grupo no Facebook após a notícia da morte dele. Mesmo a escola não ter ajudado Lance a sobreviver ao assédio moral, o grupo de amigos está fazendo pressão para fazer a sua parte. A página diz: “Aqui é para ajudar quem precisa de defesa. O pessoal da escola não está nos protegendo, cabe aos estudantes se ajudarem mutuamente. “