Comunidade Homofobia Não refaz mapa do casamento gay pelo mundo. Veja como está 2

561168-561106713920732-91689847-npng

O mapa do casamento gay no mundo: já já entram França e Inglaterra aí

 

Os meninos e meninas da comunidade Homofobia Não, do Facebook, refizeram o mapa do casamento gay no mundo após a aprovação da lei no Uruguai. Agora são doze países onde o casamento gay é permitido: Uruguai, Argentina, Canadá, Noruega, Dinamarca, Islândia, Bélgica, Holanda, Suécia, Portugal, Espanha, França e África do Sul.

O mapa também aponta para os países que possuem conquistas parciais (com Estados que aprovaram o casamento e outros que não, como Brasil e México): Estados Unidos, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Austrália, Nova Zelândia, Finlândia, Alemanha, República Tcheca, Suíça, Áustria, Hungria, Croácia, Sérvia, Eslováquia e Eslovênia.

Há ainda os países que proíbem por lei expressa tais uniões: Marrocos, Argélia, Líbia, Egito, Saara Ocidental, Sudão do Sul, Etiopia, Somalia, Quenia, Unganda, Tanzânia, Zâmbia, Moçambique, Zimbabwe, Malawi, Angola, Namíbia, Botswana, Suazilandia, Lesoto, Guiana, Malásia, Papua Nova Guiné, Afeganistão, Paquistão, Turquemenistão, Uzbequistão, Mianmar, Bangladesh e Butão.

E os que penalizam com morte atos homossexuais: Arábia Saudita, Iêmen, Emirados Árabes, Irã, Mauritânia, Nigéria e Sudão.

Padres colombianos teriam encomendado a própria morte depois que um deles descobriu ser portador do vírus da AIDS, afirma promotoria. Eles seriam gays. Resposta

Os padres Rafael Piatiga e Richard Piffano.
Dois padres colombianos que foram encontrados mortos a tiros na capital Bogotá há um ano atrás, teriam contratado seus próprios assassinos. 


Segundo os promotores do caso, os sacerdotes tinham feito um pacto de suicídio depois que um deles foi diagnosticado com AIDS, mas decidiram contratar um assassino porque não teriam coragem de fazer sozinhos. 
Parentes dos sacerdotes mortos insistem em dizer que os dois foram vítimas de um assalto à mão armada. Eles negaram relatos de que os padres eram envolvidos em um relacionamento gay. Um homem dono de um bar gay na Colômbia, teria reconhecido um dos padres como frequentador assíduo do lugar.
Dois dos possíveis assassinos estão sendo processados ​​depois que ligações feitas dos telefones dos sacerdotes levaram aos dois suspeitos.
O padre Richard Piffano, 37, e o padre Rafael Reatiga, 35, foram encontrados mortos a tiros em um carro no sul de Bogotá em janeiro de 2011.
Os promotores alegam que as vítimas pagaram cerca de $8.500 dólares (aproximadamente 14.500 reais) aos pistoleiros, para que os matassem e dessem a entender que tudo não passou de uma tentativa de assalto. 
Para a igreja católica, homossexualidade e suicídio são proibidos de acordo com a Bíblia.