Bafão na novela Fina Estampa. ¨Marida de aluguel¨ é transexual. Resposta

Fina Estampa: ¨Marida de aluguel¨ é transexual
Mais um assunto vai dar o que falar na novela de Aguinaldo Silva, Fina Estampa. Uma das ¨maridas de aluguel¨ que trabalha para Griselda, personagem de Lilian Cabral, é transexual.

A cena, que vai ao ar no capítulo de amanhã, vai mostrar Quinzé (Malvino Slavador) entrando no vestiário da loja de Pereirão e encontrar Fabrícia (Luciana Paes) trocando de roupa. Por um momento, o rapaz fica apreciando a beleza da moça, que está de costas, mas no momento em que ela se vira, ele se assusta, dando um grito de pavor.

Assustado, ele conta a cena para a mãe:
¨Entrei no vestiário achando que não tinha ninguém lá, e, quando vejo, está a Fabrícia, ou melhor, o Fabrício. Fabrícia é homem!”.
E então, ela aparece e diz:
– Transexual: é esse o nome!
Ela ainda conta para Griselda que falsificou todos os documentos para conseguir trabalhar na loja de ¨maridas de aluguel¨, e Pereirão diz que vai pensar no que fazer com a situação.
Imperdível!!!

Para jornalista, Crô dissemina a homofobia na TV Resposta


A jornalista Maristela Benedet escreveu artigo publicado no site Engeplus, em que acusa o personagem Crô, da “Fina Estampa” (Rede Globo), escrita por Aguinaldo Silva, de disseminar a homofobia na TV. Você concorda? Leia o artigo na íntegra:

Crô dissemina a homofobia na TV

“E lá se vão os tempos áureos das telenovelas, onde os autores Ivani Ribeiro, Janete Clair, Dias Gomes garantiam a fórmula de sucesso nos enredos românticos e final feliz dos mocinhos. A sociedade mudou e os folhetins também. Se contribuíram com essa mudança ou criaram novos modelos e valores? Este é outro debate. O fato é que sem perder a receita consagrada, novos conceitos foram conquistando espaço e comercializados nas tramas. 


A telenovela vende ideologia. O merchandising ora sutil nos produtos, ora explícito nos personagens ditos excluídos por grupos sociais, persuadem o comportamento de quem está do outro lado da telinha. Um desses casos no ar, na novela Fina
Estampa da Rede Globo, é o gay Crô, interpretado pelo ator Marcelo Se rado. Com técnica na arte digna de elogios, Crô é carregado de estereótipos. Oculto nas suas tiradas de humor “inocentes” reforça o preconceito e dissemina o aumento das agressões contra homossexuais.


Crô é caricato – usa e abusa de trejeitos – às vezes vulgar e cheio de afetação. Deixa transparecer seus “casos” amorosos e vida promíscua. Passa a idéia que todos gays são vagabundos, onde não existe aqueles com relação estável, com família, pai, mãe, irmã, emprego fixo onde “rala” desde cedo.  Não são brasileiros cumpridores dos seus deveres com a nação, votando, consumindo, produzindo riquezas e pagando impostos. Enquanto entidades travam luta pela igualdade de tratamento entre pessoas do mesmo sexo e fim da discriminação, um do programa favoritos dos brasileiros prejudica com força essa mudança. A homofobia não é considerada crime, e sua presença exposta de forma negativa na mídia, fica no imaginário e produz mais violência. 


O escritor e diplomata Alexandre Vidal Porto, mestre em Direito pela Universidade Harvard reflete: “É triste, um veículo prestar tal
desserviço à consolidação da cidadania. A imagem desrespeitosa que a televisão brasileira difunde dos homossexuais pode dar lucro às emissoras e aos atores, mas causa prejuízo ao Brasil porque solapa os esforços do governo e da sociedade no combate ao ódio e à intolerância. É necessário recordar a noção de responsabilidade social que as redes de televisão têm o dever de preservar”.

Maristela Benedet – jornalista

Criticado por ser contra beijo gay na novela, Marcelo Serrado desabafa no Twitter Resposta


Após declarar em entrevista a Folha de São Paulo, ser contra o beijo gay na novela “Fina Estampa” (Globo, emissora que censura cenas de homoafetividade em sua teledramaturgia), o ator Marcelo Serrado recebeu várias críticas em seu twitter.


Na tarde deste domingo (08/01), Serrado terminou desabafando em sua página na rede social: 
“Cada um emiti (sic) a opinião que quiser, ok? Algumas pessoas são extremamente grosseiras aqui no tweet quando são contrariadas. Peace and love. Eu disse que sou contra o preconceito e a favor de união estável e que as barreiras tem que ser quebradas aos poucos. Leiam a minha matéria da Folha de hoje antes de falar besteira, ok? Pra finalizar, tenho vários amigos gays que saem comigo e a minha filha juntos, ok?”, escreveu o intérprete de Cro, o mordomo gay do folhetim das 21h. 


Marcelo Serrado em entrevista para a colunista Mônica Bergamo, afirmou que o beijo gay é uma cena que tem que ser mostrada aos poucos. “Isso é algo que tem que ir quebrando aos poucos. Não quero que minha filha (Catarina, de 7 anos) esteja em casa vendo beijo gay às nove da noite [na TV]. Que passe às 23h30”. Quando questionado sobre a união estável, o ator se mostrou favorável e não admite cenas de agressão aos homossexuais. “Isso é fundamental. Acho um absurdo quando vejo cenas de homofobia”.

Lamentáveis as declarações do ator Marcelo Serrado. Ele tem, sim, o direito de dizer o que pensa e nós temos o direito, a partir do momento em que ele é uma pessoa pública e deu uma declaração pública, de emitir nossa opinião.

Um beijo é uma declaração de amor, por isso não existe mal algum em qualquer criança ver um beijo entre homens ou entre mulheres.

Caio Castro tem “fama de veado” e fez comentário com conhecimento de causa Resposta



O galã e aspirante a ator (porque para ser ator de verdade, precisa atuar, coisa que o rapaz não sabe, apesar de estar em uma novela das 21h, da Rede Globo, mistério que somente o diretor de núcleo Wolf Maia pode solucionar), que atende pelo nome de Caio Castro fez um comentário considerado por muitos como homofóbico. Disse ele: “Se você não tem fama de pegador e é solteiro, fica com fama de veado. Então, antes pegador que veado, né?”


Não gente, o galã não foi preconceituoso, ele foi realista, pois vivemos em um país machista que ainda pensa dessa forma. Só faltou o Caio dizer que ele mesmo tem fama de veado, não porque não pega ninguém, mas por algumas fotos que rolam na internet. E, uma vez com fama de veado, sempre com fama de veado, não adianta dar declarações infelizes para tentar reverter a situação, Caio.


Entenda o caso:


A frase polêmica do galã, “Antes pegador que veado, né?” foi dada à revita “QUEM”, após a seguinte pergunta: “Você tem fama de pegador. É verdade?” A resposta de Caio, transcrita na íntegra nas páginas da revista foi: “É o que dizem. Não acho que sou pegador. Mas vou te falar uma parada também, se você não tem fama de pegador e é solteiro, fica com fama de veado. Então, antes pegador que veado, né? Falam tanto, o povo é muito curioso.”

O ator esclareceu que disse a frase sem a intenção de agredir ou de ferir ninguém, até porque, frisa, é “totalmente contra qualquer tipo de preconceito, seja qual for”. “Usei a expressão para falar da minha fama de pegador, apenas, e não de forma pejorativa”.


Globo censura cena gay em "Fina Estampa" Resposta


A TV Globo continua censurando a sua teledramaturgia. Agora foi em “Fina Estampa”. A direção cortou uma parte da cena em que dois homens apareciam na cama, debaixo dos lençóis. A informação é da colunista do jornal “O Globo”, Patrícia Kogut.



A cena em questão é o flagra que a sobrinha de Crô (Marcelo Serrado) dá no tio ao pegá-lo com outro homem em sua cama. Ao ar foi apenas a personagem de Milena Toscano flagrando o tio, a cama é mostrada rapidamente e mal se vê que Crô está acompanhado.

A cena original escrita por Aguinaldo Silva previa que Vanessa veria o calcanhar do affair de Crô e uma tatuagem de escorpião tatuada no local. A tatuagem seria uma pista para identificar o namorado misterioso que, ao que tudo indica, é um dos saradões que aparecem jogando vôlei na praia. No texto de Aguinaldo também fica indicado que todos da turma do vôlei usam tornozeleira.



É isso, lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais que insistem em ver novela, devem se contentar em serem retratados de maneira caricata e superficial.

Com informações da “Capa”

¨Povo não aguenta mais viado em novela¨, diz autor Aguinaldo Silva Resposta

(Foto: Reprodução)
Mais uma vez o polêmico autor da Rede Globo, Aguinaldo Silva, deu declarações que colocam o gay brasileiro como ¨chato¨, diz que as organizações ativistas só existem para tirar dinheiro do povo e diz que não haverá beijo gay na sua próxima novela ¨Fina Estampa¨, que estréia esse mês. 

A entrevista foi para a revista Veja e Aguinaldo não economizou nas palavras para atacar a comunidade LGBT, as organizações de ativismo gay, e outros nomes conhecidos. Perguntado sobre o que afasta o público das novelas, Aguinaldo respondeu: 

– O povo não aguenta mais viado em novela. Chega! Tem muito. Tem novela que tem seis viados. As pessoas não aguentam mais isso. E geralmente os gays são todos iguais. São cópias dos héteros, querem casar, ter romance, engravidar e parir um filho nove meses depois. São gays chatos. 

A forma impressionante como ele trata os gays é o que impressiona. Imaginem como não se sentiria ao ser chamado de ¨bicha velha paraíba¨, ou ¨cabeça chata¨, formas pejorativas e preconceituosas de se referir a um homossexual que tenha nascido no nordeste do país. 

Ele diz também que vilões desenfreados também cansam o público, pois fazem maldades sem nenhuma justificativa, e citou o exemplo da personagem de ¨Senhora do Destino¨, Nazareth Tedesco, vivida pela atriz Renata Sorra, que era uma vilã ¨engraçadíssima porque tudo o que ela fazia dava errado¨. 

Quando Aguinaldo Silva foi perguntado se teria algum personagem gay em ¨Fina Estampa¨, ele foi categórico: 

– Tem um só, que é o Crodoaldo Valério, que quem está fazendo é o Marcelo Serrado. Eu fiz questão que fosse um ator hétero porque eu acho que ele vai me surpreender. Antes da novela estrear, já tem gay entrando no meu portal e escrevendo que não viu e não gostou porque eu criei um homossexual estereotipado. Como eu falei antes, acho ridículo tratar o gay como um personagem padrão. Eles tem seus códigos, seu universo. São pessoas diferentes. A graça desse personagem é que ele tem uma paixão devastadora pela Teresa Cristina (Cristiane Torloni), que o trata miseravelmente mal. Alguns gays têm essa mania de venerar as mulheres que o maltratam. Eu queria mostrar esse tipo de gay. As pessoas vão odiá-lo porque vai fazer mil maldades em nome dela, porque ele adora aquela mulher que é um horror, ela é péssima. 

E continuou, falando sobre o beijo gay nas novelas: 

– Eu estou começando a ficar irritado com essa coisa do beijo gay. Acho que tem uma torcida para que não aconteça, para que o assunto continue durando, mas as pessoas não aguentam esse assunto e se depender de mim ele acabou. A novidade é essa: não vai ter beijo gay em Fina Estampa, pode escrever. Não tem lugar no mundo em que os gays sejam mais ousados do que no Brasil. Aqui os gays não respeitam as fronteiras. Eles chegam no hétero e cantam mesmo, e se colar, colou. Porém, existe essa hipocrisia de você não poder mostrar um beijo gay na televisão. Por debaixo do pano vale tudo, mas publicamente é essa coisa hipócrita. A sociedade brasileira é assim e a tevê não quer correr o risco de perder o público. 

Concordo com a última frase de Aguinaldo, a sociedade brasileira é hipócrita! E também são os autores de novelas e emissoras de TV. Dizer que os gays do Brasil são ousados, é verdade. Os gays brasileitos têm que cobrar sim, mostrar que estão ali, porque nunca são respeitados! Gay no Brasil não tem vez, a não ser que seja um profissional bem sucedido e tenha certo destaque na sociedade. É por isso que o gay no Brasil tem mesmo que lutar pelos direitos e os grupos ativistas têm que buscar cada vez mais colocar o gay em evidência, porque nesse país, a população ignorante só aprende depois de muito ver e saber a verdadeira realidade do gay, pois como a maioria da população é analfabeta e burra, os meios de comunicação deveria ter um papel maior na educação do pensamento do povo ao invés de somente fazer com que as pessoas fiquem mais dementes. 

Aguinaldo Silva também deu a sua opinião a respeito das críticas que a Rede Globo recebeu por querer interferir na obra de Gilberto Braga e acabar com o romance dos personagens Eduardo e Hugo em ¨Insensato Coração¨: 

– Tem um grupo gay da Bahia que diz que eu sou o inimigo número um dos homossexuais. Dizem que nas minhas novelas os homossexuais são estereotipados. Essas entidades são todas um saco, todas elas tem interesses econômicos, vivem à custa do governo ou daquelas empresas alemãs que por má consciência financiam qualquer coisa. Claro que existem negros bandidos como existem brancos bandidos. A cor dos personagens não devia importar para essas entidades. Eles deviam combater as diferenças, mas para eles interessa grifar as diferenças. Se você bota hoje em dia uma bandida disfarçada de enfermeira, trinta sindicatos de enfermagem espalhados pelo Brasil te processam. Aí você tem que se preocupar com a audiência em Rondônia, em Tocantins… E não dá, porque você ainda tem uma novela para escrever. 

Esses grupos, Aguinaldo, servem para tentar diminuir um pouco o preconceito no país, para impedir que somente um lado da sociedade seja mostrado. Talvez você como um gay bem sucedido que vive na Europa e não precisa de salário mínimo para sobreviver, não precisa se envolver com isso. Mas existe uma outra parte, Aguinaldo, que precisa de atenção e ter suas vidas contadas e mostradas sim, pessoas que levam tiro em paradas do orgulho LGBT, que são espancadas em portas de boates, que são assassinadas por serem homossexuais, que diferente de você, não vivem dentro de casa escrevendo, pois precisam ir à luta para conseguir sobreviver nesse país selvagem que é o Brasil. 

Aquele velho ditado, enquanto não acontece comigo, que se foda o resto!

¨Beijo gay só lá em casa¨, diz o autor Aguinaldo Silva Resposta

O autor Aguinaldo Silva (Foto: Reprodução)
Durante entrevista no evento ¨Cenas de um Autor¨, Aguinaldo Silva, autor de novelas da Rede Globo, falou sobre a polêmica que envolve o beijo gay na tv aberta. 

O entrevistador foi Christiano Cochrane, filho da jornalista Marília Gabriela, e o evento ocorreu no Solar de Botafogo, no Rio. 

Aguinaldo, homossexual assumido, foi direto e disse: 

– Beijo gay só vai ter lá em casa. O público não quer ver isso. A voz do povo é a voz de Deus. 

Aguinaldo também foi perguntado sobre sua próxima novela, Fina Estampa, que irá substituir Insensato Coração. Ele não quis dar muitos detalhes, pois disse que o pouco que contou, já foi copiado em outras novelas.