Gays são o grupo mais intolerante da pós-modernidade, diz Silas Malafaia em resposta ao GGB 2


O pastor evangélico fundamentalista Silas Malafaia respondeu à recente ameaça de nudez do Grupo Gay da Bahia (GGB), dizendo que eles são o grupo mais intolerante da pós-modernidade.

“A comunidade gay é que é o grupo social mais intolerante da pós-modernidade. Eles querem ter direito de xingar e achincalhar, mas qualquer um que fale alguma coisa é logo tachado de homofóbico. Eu tenho uma opinião contrária e ela não pode ser cerceada”, disse Silas Malafaia, segundo A Tarde Uol.

O GGB fez as ameaças por ser contra a entrega de um título de Cidadão de Salvador ao pastor que está programada para acontecer no dia 27 de setembro e foi proposta pelo vereador Heber Santana (PSC).

“Eu não tenho medo deles e vou estar aí para receber meu título. Estou só esperando as eleições passarem”, afirmou Silas Malafaia. “Eu estou gostando dessa polêmica. Vai ficar provado quem são os verdadeiros intolerantes, quem é que não suporta crítica”, completou.

O fundador do grupo GGB, Luiz Mott, alega que o pastor Silas não prestou serviços relevantes à sociedade e o considera o “maior inimigo dos LGBTs do Brasil”.

O grupo recebeu o apoio do deputado federal Jean Wyllys e da Comissão de Diversidade Sexual da Ordem dos Advogados do Brasil (AOB).


Eu acho que uma pessoa que propaga o ódio aos gays, como é o caso do pastor Silas Malafaia, não merece receber qualquer título de cidadão de nenhuma cidade do Brasil. Mas se ele vai receber, é porque um vereador, eleito pelo povo, teve essa ideia. Deixa ele receber em paz!

 O que temos que ter é atenção na hora de eleger alguém: ele recebe apoio de fundamentalista? quais são suas propostas para os LGBTs?. 

Além disso, muitos LGBTs precisam estar conscientes de quem são de verdade. Leio muitos escrevendo “homossexualismo” e “opção sexual”. Procurem se informar, para ter argumento suficiente contra os homofóbicos. Procurem no Google, leiam livros. E sempre que algum fundamentalista fizer uma cagada, espalhe pelas redes sociais.


Informação e educação são as melhores armas contra os homofóbicos. E devemos, também, pressionar o Congresso, para que o PLC 122 seja aprovado. É preciso que a homofobia se equipare ao racismo. Isso calaria a boca de muita gente, feito o Malafaia. Assim como um racista não pode falar dos negros, um homofóbico não poderá falar dos gays.


LGBTs prometem tirar a roupa na Bahia contra Silas Malfaria Resposta


Fundador do GGB (Grupo Gay da Bahia), Luiz Mott, disse que se até o dia 27 de setembro, data marcada para concessão do Título de Cidadão de Salvador ao pastor Silas Malafaia, líder da igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, a proposta não for invalidada pela Câmara Municipal, os membros LGBT vão tirar a roupa em protesto na frente do parlamento

Em entrevista ao site Bahia Notícias, o fundador do GGB (Grupo Gay da Bahia), Luiz Mott, disse que se até o dia 27 de setembro, data da solenidade, a proposta não for invalidada pela Câmara Municipal, os membros LGBT vão tirar a roupa em protesto na frente do parlamento.

“A manifestação com o nudismo é a última tentativa do movimento LGBT baiano contra o acinte de se conceder uma honraria desta ao maior inimigo dos LGBTs do Brasil”, afirmou Mott. O fundador do GGB disse ainda que o grupo pretende intensificar as manifestações até a data da honraria. “Antes, vamos tentar impugnar a titulação, já que o regimento da Câmara exige relevantes serviços prestados à cidade, o que não aconteceu com ele (Malafaia)”.

O presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), Toni Reis, com o consentimento de todas as 257 organizações que integram a associação, enviou ofício à Câmara Municipal solicitando a retirada do projeto.

Sob o argumento de que faz parte do Conselho Econômico e Social da Organização das Nações Unidas, a ABGLT se diz na missão de “promover ações que garantam a cidadania e os direitos humanos de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais, contribuindo para a construção de uma sociedade democrática, na qual nenhuma pessoa seja submetida a quaisquer formas de discriminação, coerção e violência, em razão de suas orientações sexuais e identidades de gênero”.

A ABGLT argumenta que o título a Silas Malafaia contrariaria essa diretriz, pelo fato de o pastor ter feito declarações no programa televisivo “Vitória em Cristo”, em seu site na internet e em audiências públicas na Câmara dos Deputados, consideradas ofensivas aos gays.

Citam entre elas: “a homossexualidade é uma rebelião consciente contra o que Deus estabeleceu na Criação” e “Se toda prática deturpada, pecaminosa, imoral for legalizada, onde vai parar a nossa sociedade? Se a sociedade legalizar suas aberrações, ela se destruirá. Um erro moral nunca pode ser um direito civil”.

Beleza a ABGLT e o GGB têm toda a razão e o direito de protestar contra a concessão do título de Cidadão de Salvador ao pastor fundamentalista Silas Malafaia. Mas o Luiz Mott chamou Claudia Leitte para ser madrinha da Parada Gay deste ano, em Salvador. É um pouco contraditório.

GGB realiza o Oscar Gay e premia Marco Nanini, Edmundo e Toninho Cerezo. Dilma Rousseff recebe Troféu Pau de Sebo por contribuir com a homofobia e bullying. Confira outros vencedores: Resposta

A Presidenta Dilma Rousseff ganha
Troféu Pau de Sebo. (Reprodução)

O Grupo Gay da Bahia (GGB), realiza há 22 anos o prêmio Oscar Gay, contemplando os simpatizantes da causa LGBT com o Troféu Triângulo Rosa, que faz referência ao distintivo usado pelos nazistas nos campos de concentração para identificar os prisioneiros homossexuais. Hoje, o Triângulo Rosa se tornou o símbolo internacional do orgulho gay LGBT. São agraciados com esse troféu, entidades e personalidades que de alguma forma, lutaram e apoiaram os direitos humanos dos homessexuais. 

Mas a premiação também elege os que vão contra, os que não apóiam e que de certa forma contribuem para que os direitos dos homossexuais sejam banidos. O Troféu Pau de Sebo, é entregue àqueles que são vistos como os inimigos dos gays. 
Este ano, muitos receberam o Troféu Triângulo Rosa. Entre os vencedores estão os Ministros do Supremo Tribunal Federal e Superior Tribunal de Justiça pela legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo, os Governadores do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo, o ator Marco Nanini por se assumir homossexual, o jogador Edmundo e o técnico Toninho Cerezo, por declararem apoio aos seus filhos gay e transexual, respectivamente, Jean Wyllys, entre outros. 
Já o Troféu Pau de Sebo premiou entre outros, a Presidente Dilma Rousseff e o Ministro da Saúde Alexandre Padilha, pelo veto ao kit anti-homofobia e ao filme de prevenção da AIDS para gays no carnaval e por declarações homofóbicas, vários deputados, senadores e vereadores, e o ator Marcelo Serrado, que interpreta o personagem gay ¨Crô¨, de Fina Estampa, por declarar ser contra o beijo gay na TV. 
O fundador do GGB, Luiz Mott, disse que ¨infelizmente, esse ano, coube à Presidenta da República o primeiro lugar dentre os que pisaram na bola da cidadania LGBT. Nunca antes, na história deste país, um presidente ganhou o Troféu Pau de Sebo. Lula e FHC foram homenageados com o Triângulo Rosa, e até Collor, por ter sido o primeiro presidente a falar em cadeia nacional no Dia Mundial da Aids. O veto da presidenta Dilma ao kit anti-homofobia, deixou de capacitar mais de seis milhões de jovens contra o bullying escolar. Há poucos dias um menino de 9 anos se enforcou no Espírito Santo por não agüentar o assédio moral dos demais estudantes. Que este puxão de orelha estimule a Presidenta a liberar imediatamente o kit anti-homofobia e o filme de prevenção da Aids para Gays. O Brasil continua ocupando o primeiro lugar no ranking de assassinatos de LGBT: 272 “homocídios” em 2011 e só nestes dois primeiros meses de 2012 já foram documentados 73 execuções, uma morte a cada 20 horas, quando nos anos anteriores era um assassinato a cada três dias.¨ 
Confira a lista completa dos vencedores do Troféu Triângulo Rosa e Pau de Sebo, no site do GGB, clicando aqui.

Militantes criam abaixo assinado contra a decisão de ter Cláudia Leitte como madrinha da Parada Gay de Salvador Resposta

Cláudia Leitte. (Reprodução)

Assim que o Grupo gay da Bahia (GGB) anunciou que Cláudia Leitte seria a madrinha da Parada do Orgulho Gay de Salvador, milhares de críticas vindo de diversas partes do país começaram a tomar proporção, inclusive na página de Luiz Mott, fundador do GGB.


Em um post em seu perfil no Facebook, Mott tentou explicar a escolha de Cláudia Leitte com algo do tipo ¨ela errou, e devemos perdoá-la. O mais importante é termos alguém como ela para divulgar nossa parada¨. Eu, entre muitos outros, fui um dos que não concordei com a escolha.

Agora, militantes criaram um abaixo-assinado online onde ativistas e simpatizantes da causa pretendem fazer com que a organização do evento para repensar a idéia. O motivo da contrariedade dos militantes, seria uma declaração que Cláudia deu no passado, quando perguntada o que faria se tivesse um filho gay, a qual ela respondeu que isso não iria acontecer pois o filho deles seria muito macho, e que só tem homem na família. Como se os gays não fossem homens. Enfim. Mesmo depois de Cláudia ter tentado se redimir em seu blog pessoal, sua desculpa só serviu para reinterar que ela não tem nenhum envolvimento com a causa LGBT.

Mesmo depois da infeliz declaração, Cláudia tentou se redimir, pedindo desculpas em seu blog pessoal, mas os militantes não esquecem. Quer dizer, nem todos.

A pergunta que eu faço é: Como o grupo Gay da Bahia, junto com seu presidente, convida uma pessoa que fez tal declaração e deixou a grande maioria dos gays revoltados, para ser a madrinha da Parada Gay? Eu não gostaria de ter a cantora como representante ou como madrinha de nada.

No documento online, é explicado os motivos da rejeição à escolha de Cláudia: ¨Neste ato, nós militantes em defesa da plena cidadania e igualdade de direitos LGBTs, envolvidos na luta pelo combate a homofobia e a transfobia, solicitamos ao prof. dr. Luiz Mott e demais representantes do GGB (Grupo Gay da Bahia), pessoas com admirável histórico de luta, de reconhecido esforço e incansáveis na defesa dos direitos humanos dos homossexuais no Brasil, que repensem a escolha da cantora Cláudia Leitte para ser a madrinha da 11ª Parada LGBT da Bahia”.

Para ler a íntegra do documento e/ou assinar o abaixo assinado, basta clicar AQUI.

E você, o que acha? Assista ao vídeo polêmico com as declarações do marido e de Cláudia:

BA registra 6 mortes ligadas à homofobia em 2012, diz entidade Resposta

A associação GGB (Grupo Gay da Bahia) divulgou nota afirmando que seis homossexuais já foram assassinados na Bahia neste ano em crimes relacionados à homofobia.
De acordo com a entidade, o Estado é, há seis anos consecutivos, campeão de crimes homofóbicos.
Das seis mortes registradas em 2012, quatro foram em Salvador e as outras duas, no interior baiano. Na capital, foram assassinados duas lésbicas, um travesti e um gay. Os dois crimes mais recentes ocorreram na última quinta-feira (19), no interior. 

No município de Barreiras (848 km de Salvador), um gay de 37 anos foi apedrejado, assassinado e teve seu corpo jogado em um rio.
E em Itororó (sul da Bahia, a 550 km da capital), um gay de 19 anos foi morto a tiros na porta de sua casa.
Na nota, o GGB afirma que a impunidade é um incentivo ao aumento da violência contra os homossexuais.
“A comunidade homossexual, que representa 10% de nossa população, está em pânico e não suporta mais o clima de insegurança”, diz, na nota, o antropólogo Luiz Mott, fundador do grupo.
A entidade pede “ações radicais de controle da homofobia” e ameaça denunciar o governo baiano à OEA (Organização dos Estados Americanos) caso não haja iniciativas para melhorar o quadro.

Informações: Gazetaweb

Paraíba: estado mais homofóbico do Brasil e nenhuma prisão Resposta



A Paraíba é o estado brasileiro onde a polícia mais registrou crimes homofóbicos em 2011 e o Nordeste é a região brasileira onde a homofobia é mais frequente. A informação é do vice-presidente da Instituição Movimento do Espírito Lilás – Mel, Renan Palmeira, acrescentando de janeiro até outubro deste ano, 18 homo-sexuais foram assassinados e em nenhum dos casos o agressor foi preso e os crimes continuam impunes.
Renan informou que o levantamento foi feito pela Associação GLBT do Brasil, que também apontou outros três estados nordestinos como os lideres em ocorrências de crimes homofóbicos no País.
Segundo a pesquisa, “no mesmo período Pernambuco também registrou 18 casos de homofobia, mas como a população da Paraíba é bem inferior a do nosso vizinhos, nós acabamos ficando com o primeiro lugar”, comentou.
O vice-presidente do Mel informou que em terceiro lugar ficou o estado da Bahia com 16 casos em depois Alagoas com 15, o que dá ao Nordeste a condição de região mais violenta no que diz respeito a homofobia e o estudo mostrou que 46 por cento dos crimes acontecem na região.
Renam Palmeira disse que isso pode ser conseqüência de uma cultura machista e cheia de preconceitos, um fato que foi confirmado por uma pesquisa feita pelo IBGE para traçar o mapa da homofobia no País este ano.
Ele advertiu que falta no País uma política de combate a homofobia e sim iniciativas que ele também considera importante, mas que não resolve e nem acaba com o problema. No caso da Paraíba, lembrou que existe a delegacia de Crimes Homofóbicos e o Centro de Referência GLBT, mas o estado é o líder nacional em ocorrências.
“Em nosso estado acontecem crimes este ano em João Pessoa, em Bananeiras, Sousa, campina Grande, Queimadas, Cabedelo, satã Rita e Patos. Nós tivemos o caso de Daniel Oliveira o Ninete assassinado a facadas e do professor Valdery em Campina Grande. O caso do Gordo Marx morto na Praia do Jacaré e outros casos”, salientou.
Ele acrescentou que os casos acontecem por causa da impunidade e da falta de leis que assegurem a cidadania GLBT. Renan informou que no dia seis de novembro vai acontecer em João Pessoa a 10ª Parada GLBT pela “Livre diversidade sexual”, que vai se realizar na praia do Cabo Branco.
Renan Palmeira contou que na próxima sexta-feira, o Mel vai realizar uma panfletagem no Centro da cidade e adiantou que eles encaminharam um documento ao deputado federal pela Bahia, o professor Jean Willians, que esta articulando uma sessão especial para discutir o problema na Câmara dos deputados, em Brasília.
Ele disse que a intenção é levar para a sessão especial o Secretário de Segurança Pública, Claudio Lima e a Secretaria da Diversidade Humana, Iraê Lucena. A data ainda vai ser definida.

Esta é a segunda pesquisa sobre homofobia este ano. Em agosto, o Grupo Gay da Bahia, disse que a Bahia é o estado brasileiro mais homofóbico (leia aqui). Em setembro, um estudo apontou o estado de São Paulo como o campeão de queixas contra homofobia (leia aqui). Como não existe estatística oficial no Brasil sobre crimes homofóbicos, fica difícil de ter um retrato fiel da homofobia, algo esencial para um comabte eficaz. 

Com informações do Paraiba.com.br