Mundo parece não se importar com homofobia na Rússia Resposta

Para o ator Stephen Fry, o presidente russo, Vladimir Putin, está transformando os gays em “bodes expiatórios, como Hitler fez com os judeus”

Para o ator Stephen Fry, o presidente russo, Vladimir Putin, está transformando os gays em “bodes expiatórios, como Hitler fez com os judeus”

Sexta-feira passada o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, negou boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno, que acontecerá em Sochi, na Rússia. O presidente estadunidense disse que deseja que os gays conquistem medalhas nas Olimpíadas e pediu que a Rússia receba bem os gays e lésbicas.

Depois de Obama, no sábado, o primeiro-ministro britânico David Cameron também descartou boicote aos jogos olímpicos.

Para quem não sabe, está rolando em Moscou o Mundial de Atletismo.

Uma pena que os países que participam do Mundial de Atletismo e que participarão dos Jogos Olímpicos de Inverno na Rússia não tenham boicotado nenhum dos dois campeonatos. E o Comitê Olímpico Internacional (COI) também não parece muito preocupado com a homofobia na Rússia.

A Rússia, onde qualquer tipo de manifestação ou propaganda gay sofrem punição, é hoje um dos países mais homofóbicos do mundo. Lá os gays estão sendo torturados e o governo nada faz contra isso, muito pela contrário, como escreveu o ator Stephen Fry, o presidente russo, Vladimir Putin, está transformando os gays em “bodes expiatórios, como Hitler fez com os judeus”. Ao não boicotarem os Jogos de Inverno, os países que participarão parecem concordar com isso.

Príncipe Harry salva soldado gay de ataque homofóbico Resposta

Príncipe Harry salva soldado gay de ataque homofóbico

Príncipe Harry salva soldado gay de ataque homofóbico

O príncipe Harry salvou um soldado britânico gay de um ataque homofóbico por integrantes de um regimento de infantaria. O caso teria ocorrido em 2008 durante um exercício militar no Canadá. A revelação foi publicada na edição deste domingo (9/6), do tabloide “Daily Mail”.

James Wharton contou ao jornal que procurou o príncipe após ser ameaçado por seis soldados. A conversa teria ocorrido quando os dois estavam dentro de um tanque durante o treinamento.

“Eu subi na torre [do tanque] e falei com Harry o que exatamente tinha acontecido. Ele disse: certo, eu vou resolver isso de uma vez por todas”, disse  Wharton, que tinha 21 anos à época, ao tabloide.

O soldado contou ainda que Harry procurou os militares e advertindo-os dizendo que a eles que seriam punidos severamente se continuassem com as ameaças.

Wharton, que deixou o Exército britânico no início deste ano, disse que nunca irá se esquecer da atitude do príncipe.“Eu sempre serei grato ao Harry. Nunca vou esquecer o que aconteceu”.

Casamento gay supera novo obstáculo no Parlamento britânico 1

A Câmara dos Lordes britânica se pronunciou nesta terça-feira (4/6) contra uma emenda que poderia enterrar o projeto de lei promovido pelo governo para legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo na Grã-Bretanha.

Após um debate de dois dias que confirmou as profundas divisões na Câmara Alta do Parlamento, apenas 148 membros se pronunciaram a favor da emenda para impedir uma segunda leitura, enquanto 390 votaram a favor de levar o processo adiante.

O texto já foi aprovado em 21 de maio, na Câmara dos Comuns, depois de um acordo entre o governo de coalizão do conservador David Cameron e a oposição trabalhista para compensar uma tentativa dos deputados da ala mais dura dos “Tories” de afundar o projeto.

Os críticos do casamento homossexual argumentam que sua legalização destruirá o conceito tradicional do matrimônio. Já seus defensores insistem na necessidade da igualdade.

O resultado da votação desta terça-feira foi recebido com entusiasmo do lado de fora do Parlamento por um grupo de manifestantes favoráveis à iniciativa.

“Essa é uma vitória para o amor, o casamento e a igualdade”, comemorou Peter Thatchell, um conhecido defensor da causa gay.

O projeto de lei propõe a legalização do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo na Inglaterra e no País de Gales. Também permitirá a união no religioso, com a única exceção sendo para a Igreja Anglicana oficial.

O primaz da Igreja da Inglaterra, o arcebispo de Canterbury Justin Welby, que ocupa uma cadeira na Câmara, afirmou hoje durante o debate que o casamento entre pessoas do mesmo sexo “abolirá” a instituição atual e a substituirá por outra mais fraca que “não será nem igualitária, nem eficaz”.

O debate continua agora na Câmara dos Lordes. Se alguma emenda for apresentada, o texto voltará para a Câmara dos Comuns. A previsão é que, se aprovado, os primeiros casamentos poderão começar a ser realizados em meados de 2014.

Até agora, 14 países legalizaram o casamento entre pessoas do mesmo sexo, entre eles Argentina, Espanha e Uruguai.

Grã-Bretanha permitirá união civil gay entre prisioneiros de segurança máxima Resposta

Carcereiro tranca cela da prisão de segurança  máxima de Belmarsh,  localizada em Londres.
Prisioneiros de segurança máxima gays poderão ter autorização para se casar (união civil) com seus parceiros dentro de presídios da Grã-Bretanha, desde que arquem com todos os custos, informa o jornal britânico The Daily Mail. 

O assunto veio à tona quando a mãe de um prisioneiro de “categoria A”, como são conhecidos os detentos mais perigosos da Grã-Bretanha, escreveu a uma revista circulada entre os presídios do país manifestando o desejo de seu filho de se casar com seu companheiro, preso no mesmo local. 
“Meu filho está preso como um detento de categoria A e me revelou a vontade de se casar com outro preso de ‘categoria A’ que está na mesma cadeia. Eu gostaria de saber se ele teria permissão para isso, e, se sim, quanto tempo levaria para organizar tudo? As cerimônias de união civil homossexual são permitidas na prisão, sobretudo para presos de ‘categoria A’?”, indagou a mãe, que não quis ser identificada.
Desde 2004 a Grã-Bretanha permite a união civil entre homossexuais, mas até o momento não havia nenhum precedente da aplicação da lei a detentos.
Entre os presos “mais perigosos” do sistema carcerário britânico estão assassinos, serial killers, estupradores e condenados por atividades terroristas. Entre os presídios de segurança máxima mais conhecidos estão os de Belmarsh, em Londres, e de Long Worcestershire, no centro do país.
Um porta-voz do Serviço Nacional de Gerenciamento Carcerário confirmou ao Daily Mail que as uniões civis serão liberadas.
“A ordem do Serviço Prisional 4445 determina os procedimentos para todos os detentos que desejem obter uma união civil e os critérios para que a cerimônia de registro seja feita dentro ou fora da prisão, considerando que haverá uma avaliação de risco antes da permissão”, disse.
Entre os requisitos que devem ser preenchidos estão a idade mínima de 16 anos, a comprovação de que os dois homens não sejam parentes e que não já sejam casados com alguém.
Segundo as autoridades britânicas, cada preso tem direito a um número limitado de convidados para as cerimônias, desde que a lista seja aprovada pelo diretor do presídio.

*Com informações da BBC Brasil.

O casamento gay é como a escravidão, diz líder católico 2

Católico mais antigo da Grã-Bretanha, o cardeal Keith O´Brien condenou
o casamento entre pessoas do mesmo sexo como uma ¨aberração¨,
comparando o ato à escravidão e ao aborto.
O cardeal Keith O’Brien disse que os países que legalizam o casamento gay deveriam se envergonhar por ir contra a “lei natural”, e não devem considerar as suas ações como um progresso. Ele disse que as uniões do mesmo sexo eram o ¨fim do limite¨ e que isso levaria à ¨degeneração da sociedade em imoralidade.¨ 


Em uma série de comentários polêmicos, ele disse à Rádio BBC que se o casamento do mesmo sexo for legalizado, mais aberrações aconteceriam e a sociedade iria se degenerar ainda mais em imoralidade. 
A entrevista foi realizada depois que o cardeal escreveu um artigo onde ele compara o casamento gay à escravidão. Ele escreveu: 

¨Imagine por um momento que o governo tenha decidido legalizar a escravidão, mas garantiu que ninguém será obrigado a ter um escravo. Será que essas garantias inúteis iriam acalmar a nossa fúria? Eles justificariam a quebra de um direito humando fundamental? Ou será que eles iriam simplesmente usar palavras que mascaram um grande erro? Eu acho que é um exemplo muito bom do que pode acontecer em nosso próprio país no tempo presente.¨

Descrevendo o casamento do mesmo sexo como ¨o fim do limite¨, ele também usou a Lei do Aborto como um exemplo do que poderia acontecer, alegando que haveriam cerca de sete milhões de abortos e ¨mais aberrações¨. 
Respondendo às acusações de que seu uso da linguagem, incluindo a palavra “grotesco”, foi um exagero, ele disse: 
– Eu não estou dizendo que é grotesco, mas talvez para algumas pessoas pode parecer grotesco. Eu não acho que tudo seja exagero. Eu acho que estou entregando o ensinamento da Igreja Cristã que existe há mais de 2.000 anos e estou fazendo o meu melhor para transmiti-lo de uma forma que muitas pessoas possam ouvir. Eu acho que se o Reino Unido aderir o casamento do mesmo sexo vai ser realmente uma vergonha para o nosso país. Estamos tentando redefinir algo que tem sido conhecido e reverenciado por séculos e tornando-se algo bastante diferente. Isso está mudando toda a noção do que é o casamento e o que é uma família. Afeta crianças que nascem, que têm direito a um pai e mãe. 
Seus comentários levaram diversas pessoas a se manifestarem na internet, onde alguns o acusam de ser intolerante e incoerente, além de ter um discurso de ódio.

Inquérito apura suicídio de pai que virou ativista após filho se matar por bullying Resposta

Roger e Dominic
Um pai que virou ativista contra a prática de bullying após o suicídio do filho adolescente deixou um bilhete de despedida no Facebook e também se matou, de acordo com informações obtidas durante um inquérito na Grã-Bretanha. 


Roger Crouch, de 55 anos, foi encontrado pela esposa, Paola, após ter se enforcado na garagem de sua casa, no dia 28 de novembro do ano passado.
A investigação sobre sua morte concluiu, esta semana, que Roger nunca havia superado a dor do suicídio de Dominic, seu filho de 15 anos, um ano e meio antes.

A morte do rapaz, que teria sofrido com rumores de que era gay, fez com que Roger se tornasse uma figura importante nas campanhas contra o bullying no país, recebendo inclusive o prêmio de herói do ano da ONG Stonewall, de defesa de Lésbicas, Gays e Bissexuais, em 2011.
Depressão
Segundo a esposa de Roger e mãe de Dominic, Paola Crouch, o marido continuou a sofrer variações de humor e surtos de depressão devido ao suicídio do filho.

‘Havia muita morte em sua vida’, disse ela.
Ao ouvir o depoimento de psiquiatras que disseram que seu marido havia sido ‘tomado pela dor’, Paola disse: ‘Acho que é o que se poderia chamar, de uma forma antiquada, de um coração partido.’
Antes de se enforcar, Roger deixou uma mensagem no Facebook que dizia: ‘Au Revoir (Até a vista, em francês), Adeus – ou talvez À Bientôt (Até logo, em francês).’

Durante a audiência sobre a morte dele, o responsável pelo inquérito, David Dooley, mencionou a campanha de Roger Crouch contra o bullying.
‘Claramente, ele se dedicou muito à campanha por seu filho e por outros que teriam sofrido com bullying. Mas, no fim, ele acabou tomado pela dor devido à morte de seu filho. De acordo com as evidências, tenho certeza de que ele decidiu por fim à própria vida.’
‘Verdade ou consequência’
Em maio de 2010, Dominic Crouch pulou de um prédio de seis andares, perto da escola onde estudava.
Uma investigação, seis meses depois, revelou que durante um jogo do tipo ‘verdade ou consequência’, em uma viagem escolar, Dominic havia beijado outro menino. Acredita-se que, depois disso, um vídeo do jogo tenha sido circulado na escola.
Dominic não havia mencionado para a família que estava sendo atormentado pelos colegas, mas em um dos bilhetes que deixou, o jovem escreveu: ‘Querida família, Sinto muito mesmo pelo que estou prestes a fazer. Eu tenho sofrido muito com bullying ultimamente e muita coisa foi dita sobre mim que não é verdade.’

Fonte: BBC