França permitirá doação de sangue de homens homossexuais Resposta


A França autorizará gays a serem doadores de sangue, o que até hoje não era permitido no país pela crença de que havia um risco superior de contaminação de Aids, afirmou nesta quinta-feira (14) a ministra da Saúde, Marisol Touraine.


Por ocasião do Dia Mundial do Doador de Sangue, Marisol se mostrou partidária de “rever a política” que impede homossexuais de doarem.
“O critério não pode ser a orientação sexual”, afirmou a ministra, acrescentando que “isso por si não constitui um risco”.
A titular da pasta de Saúde argumentou que, no entanto, “a grande varidade de relações e de parceiros constitui um fator de risco, seja qual for a orientação sexual ou o gênero da pessoa”.
Entidades de defesa dos homossexuais da França reivindicavam há anos acabar com o que consideram uma forma de discriminação, mas até agora só haviam recebido negativas de diferentes governos.
A justificativa para não permitir as doações de sangue de homossexuais se baseava na maior porcentagem de soropositivos que se registra em pessoas do grupo.

Fonte: EFE

Conheça Roniquito, o personagem gay de Avenida Brasil Resposta

Daniel Rocha (Foto: Divulgação Rede Globo)

Como já era de se esperar, a nova novela das nova da Rede Globo, Avenida Brasil, estréia hoje e já existe pelo menos um personagem gay na trama. 
Roniquito, vivido pelo ator Daniel Rocha, viverá o drama de sair do armário para o seu pai Diógenes, presidente do clube de futebol Divino. A dificuldade do personagem será exatamente essa, a de dizer para o pai que ele é gay e não quer ser jogador de futebol.
Acho que muitos já passaram pelo mesmo problema. (Pelo menos esse blogueiro que vos fala, rs).
Em entrevista para o jornal carioca Extra, Daniel fala da expectativa de sua estréia em novelas, e fala um pouco do seu personagem:
– Vai ser um dilema, principalmente, por ele ter um pai machista e morar no subúrbio, onde a comunidade é mais fechada, e o pessoal tem um pouco menos de instrução. Na Zona Sul, aceitariam de uma forma mais liberal. Roniquito vai viver grandes contradições.
Particularmente eu discordo dessa análise que Daniel faz entre o subúrbio e a zona sul do Rio. Na minha experiência posso garantir que não existe lugar que aceite mais ou aceite menos os homossexuais. Já vi muitas vezes pessoas do subúrbio aceitarem os gays e viverem muito bem com essa questão. Por outro lado, já passei por uma experiência terrível em uma universidade da zona sul junto com meu outro amigo e parceiro do blog Rafa Zveiter. Na minha opinião, não existe diferença entre a aceitação das pessoas do subúrbio e da zona sul.
O personagem Roniquito (que nome!), vai se apaixonar pelo colega de time Leandro, vivido pelo ator Thiago Martins. Daniel acredita que essa paixão vai ajudar o personagem a se descobrir melhor.
Aguardem cenas do próximo capítulo.

Ignorância sobre a transmissão do HIV continua, aponta pesquisa britânica Resposta

Uma pesquisa britânica sugere que uma em cada cinco pessoas não sabem que o HIV pode ser transmitido através do sexo gay desprotegido.

A pesquisa com cerca de 2.000 pessoas, feita pelo National AIDS Trust, também descobriu que o mesmo número de entrevistados nãosabiam que relações heterossexuais sem proteção pode levar à transmissão do vírus. 
Pessoas da África e do Caribe foram os menos propensos a entender que o sexo gay desprotegido era uma maneira de transmissão, em 49% dos entrevistados, em comparação com 20% por cento de outras localidades
É o quarto ano que esse levantamento vem sendo publicado e os pesquisadores disseram erradamente, mais pessoas atualmente acreditam que o HIV pode ser transmitido através do beijo (9%) ou cuspindo (10%). Estes números dobraram desde 2007, quando a pesquisa apontou 4 e 5 por cento, respectivamente. 
Sessenta e sete por cento das pessoas disseram ter simpatia por portadores de HIV e 74 por cento acreditavam que eles deveriam ter o mesmo nível de apoio e respeito das pessoas com câncer. Onze por cento não tinha simpatia, e subiu para 30 por cento o número de infectados com o HIV através do sexo desprotegido. 
Deborah Jack, presidente executiva da National AIDS Trust, afirma que ¨é certamente positivo ver que a maioria do público têm atitudes favoráveis em relação às pessoas com HIV, mas ainda há enormes lacunas na consciência do que significa viver com o HIV no Reino Unido hoje¨. 
E continua:
– É extremamente importante que as incursões são feitas em termos de educar o público em geral para que possamos erradicar o preconceito que ainda existe em torno do HIV. Além de melhorar o conhecimento sobre o HIV, o trabalho intensivo também precisa entrar na luta contra os julgamentos, muitas vezes profundamente enraizados e nas crenças que as pessoas têm sobre o HIV e os infectados.