Militares gays uniformizados participam de parada gay nos EUA Resposta

Pela primeira vez na história, membros das Forças Armadas dos Estados Unidos puderam marchar com seus uniformes durante a parada gay de San Diego, realizada neste sábado (21).


Dezenas de soldados e marinheiros marcharam ao lado de um caminhão militar decorado com uma faixa que dizia “Liberdade para servir” e uma bandeira com as cores do arco-íris. Militares vestidos em roupas civis também participaram da parada ao lado de seus colegas uniformizados.

Pessoas que assistiam à parada levaram cartazes com os dizeres “Obrigado pelo serviço”. Uma mulher segurava um cartaz que dizia “Meu filho gay é um oficial da Marinha”.


Em um comunicado enviado a todos os setores das Forças Armadas este ano, o Departamento de Defesa dos EUA informou que permitiria a marcha em San Diego, mesmo que sua política costume proibir a participação de militares uniformizados em paradas.

O Departamento de Defesa disse na última quinta-feira (18) que tomou essa decisão porque os organizadores da marcha em San Diego estavam encorajando os militares a comparecer em seus uniformes e a parada estava ganhando atenção nacional.





Primeiro militar gay se casa nos EUA após fim de proibição Resposta

O tenente da marinha Gary Ross troca alianças com o civil Dan Swezy à meia-noite desta terça-feira Foto: AP


O tenente da marinha estadunidense Gary Ross se tornou na madrugada desta terça-feira o primeiro militar abertamente gay a se casar, aproveitando a queda de uma prática do exército norte-americano que proibia os homossexuais em serviço a exporem sua orientação sexual, informa a agência AP.
Vestindo seu uniforme, Ross, 33 anos, se casou com o civil Dan Swezy, 49 anos, à meia-noite desta terça-feira (20/09) – assim que o veto deixou de valer -, no Estado de Vermont, um dos seis Estados estadunidenses que permitem o casamento gay. Os dois eram parceiros há 11 anos.
Esta terça-feira marca o fim da política militar conhecida como “don’t ask, don’t tell” (não pergunte, não diga, na tradução do inglês), que impedia os gays em serviço de assumirem abertamente a orientação sexual homossexual, e os oficiais de a questionarem. A prática valia desde 1993 e foi derrubada após um decreto assinado pelo presidente Barack Obama em dezembro passado.
Segundo a AP, o Pentágono afirmou que 97% dos militares já passaram por treinamento para se adaptar à nova regulamentação e que desde a segunda-feira já estava aceitando o alistamento de pessoas abertamente homossexuais, embora tenha dito que só iria avaliá-las a partir desta terça.