Lésbicas são agredidas pela polícia e população em Paris e autoridades não fazem nada Resposta


Paris, princípios de agosto de 2012, um casal canadense composto por uma mulher transexual, Marie-Eve Baron e a sua companheira de origem francesa, Claire Giroudeau, foi selvagemente agredido na frente das suas duas filhas.
O casal que passeava calmamente de carro por uma rua da capital francesa de tarde foi abordado por dois homens numa outra viatura. Sabiam que eram canadenses e que Marie-Eve era uma mulher trans (um “homem que tinha retirado as bolas”, segundo eles) e que eram um casal.
No carro iam também dois cães, um pit bull e um rotweiller, aos quais foi aberta a janela do carro para que as atacassem ou intimidassem. Depois de as ameaçarem com violência decidiram passar das palavras aos atos.
Saíram do carro, retiraram-nas da sua viatura e atiraram Marie-Eve ao chão, pontapeando-a e tentando estrangulá-la com o colar que usava. Em seguida dirigiram-se a Claire e puxaram-na pelos cabelos, dando socos e pontapés dirigidos ao rosto. Claire ficou com hematomas num olho e no pescoço.
Pessoas que presenciaram os fatos, acontecidos frente às filhas que não saíram da viatura, não se mexeram para ajudar e, pior, diziam que as duas “deviam era regressar ao seus países”. Depois dos agressores terem fugido, a tarde foi passada no hospital, separadas.
Tratou-se de uma clara agressão transfóbica, homofóbica e xenófoba.
Foi feita queixa às autoridades locais que receberam a queixa com desinteresse, sendo que até ao momento não há notícia de qualquer diligência feita neste caso.
Liberté, egalité, fraternité. Vraiment? 

Parada Gay de Paris leva manifestantes que celebram NY e pedem que país siga exemplo americano Resposta

Pessoas se banham na fonte durante a Parada de Paris
 (Foto:  Thibault Camus/AP) 
Milhares de pessoas participaram neste sábado da parada do orgulho gay em Paris, muitos deles celebrando a legalização do casamento gay em Nova York e exigindo que a França siga o mesmo exemplo. 

Os manifestantes, vestidos de drag, sutiãs ou roupas de marinheiro, desfilaram sob um mar de bandeiras do arco-íris e músicas eletrônicas que vinham dos trios. 

Ativista gay é detido depois de protesto na
Rússia. (Foto:  Dmitry Lovetsky/AP)
No resto da Europa, no entanto, a polícia russa prendeu 14 ativistas dos direitos gays tentando manter uma passeata em St. Petersburg, que exigiam direitos iguais para gays – um sinal de que a resistência continua a ser elevado em muitos lugares. 

A parada de Paris atraiu muitos líderes políticos da esquerda da França, que têm se reunido em torno de direitos iguais para gays, principalmente o casamento e a adoção, e colocar a questão em sua plataforma para a corrida eleitoral presidencial de 2012. 

Muitos manifestantes celebraram a decisão de New York de se tornar o sexto e maior estado dos EUA a legalizar o casamento gay, decisão que aconteceu ontem depois de um voto no Senado de 33 contra 29. Algo que mostra como a França está atrasada no progresso da igualdade de direitos em alguns lugares. 

Outros disseram que a legalização de Nova York deve ser apenas o começo.