Alexandre Borges, sobre vídeo com travestis: “Ali ninguém está fazendo mal a ninguém” Resposta

Alexandre Borges

Foto: Keny Andrade/Folhapress

Em entrevista à jornalista Mônica Bergamo, Alexandre Borges falou sobre o vídeo em que ele aparece com duas travestis.

“Não entendi muito bem uma coisa assim ser um escândalo, vamos dizer assim. Era uma coisa de pessoas tomando uma cerveja. Eu estava me divertindo, me descontraindo, uma coisa supernatural. Nada pesado.”

Ali ninguém está fazendo mal a ninguém. Não tem desrespeito. Foi chegando gente, de repente tocou uma música, uma menina começou a dançar e gravaram”, diz. “Não me preocupei em saber que gênero era, que raça era, que partido era… Não tem isso”, emenda.
Lido com pessoas de todos os tipos. O que me interessa é o bem estar. É eu não criar um conflito, uma coisa que me deixe arrogante.”

Não me privo de nada. Vivo a minha vida normalmente”, afirma o ator. “Quero descobrir o que eu tenho de autêntico, o que é meu. Para o bem e para o mal.”

O episódio ocorreu em 2016, desde então, Alexandre não teve mais nenhum papel em novelas.

Alexandre estreia na sexta (16) a temporada paulistana do espetáculo “Palhaços”, no Centro Cultural Banco do Brasil. É a sua terceira peça como diretor desde que ele “meteu as caras” na função, em 2014.

Com o ex-Trapalhões Dedé Santana no elenco, “Palhaços” conta a história de um bufão que se encontra com um espectador em seu camarim. Os dois começam a refletir sobre a vida.

Para ler a entrevista completa, clique aqui.

Rubens Ewald Filho pode ser vetado da TNT após comentários transfóbicos em transmissão do Oscar Resposta

Rubens Edwald FIlho

Comentários transfóbicos complicam vida de crítico de ciema.

Além de interromper e ser grosseiro com a sua colega, Domingas Person, na apresentação do Oscar, Rubens Ewald Filho indignou o público da TNT ao fazer comentários machistas e transfóbicos durante a apresentação da festa.

Ao comentar sobre Daniela Vega, primeira atriz transexual convidada a apresentar um musical na premiação, o crítico disse que “essa moça, na verdade, é um rapaz”. Mais tarde, quando Frances McDormand subiu ao palco para receber o prêmio de Melhor Atriz, Rubens a chamou de feia e citou rumores de que ela estaria bêbada em uma premiação anterior. “Acho interessante que essa senhora não é bonita, deu um show de bebedeira no Globo de Ouro e, de repente, o filme é um sucesso”, disse.

Muitos internautas reclamaram da postura do veterano e o acusaram de preconceito. A TNT também não gostou nada dos comentários, e chegou a repudiar o ocorrido através de uma nota:

“Rubens Ewald Filho é um dos mais respeitados e conceituados críticos de cinema do país e há anos leva informação, conhecimento e sua paixão na cobertura das premiações pela TNT. Rubens se desculpa pelos termos que possam ter ofendido ou provocado mal-estar. Em nenhum momento, houve a intenção de endossar qualquer posicionamento preconceituoso”, finaliza. Ainda durante a premiação, o canal usou as redes sociais para se retratar, embora não tenha conseguido dispersar as críticas. “Sim, a Daniela Vega é uma mulher. E que mulher!”, dizia a publicação da TNT.

A emissora discute o afastamento dele.

“Não sou sexista ou transfóbico”

Em entrevista à revista Veja, o crítico se defendeu:

“O que aconteceu com relação à atriz Daniela Vega, foi, no fundo, uma confusão minha de termos técnicos de expressão, mas nunca, em hipótese alguma, uma atitude sexista e transfóbica”, afirma o crítico ao site de VEJA. “Que tudo isso que aconteceu sirva para se falar ainda mais sobre o assunto, para se promover ainda mais esta causa. Que pessoas leigas aprendam os termos técnicos, e me coloco neste caso, aprimorem seu vocabulário nesse sentido.”

Então tá…

*Com informações do TV Foco

Facebook censura vídeo postado por filho de Bolsonaro, a pedido de Alckmin, onde tucano aparece com movimento LGBT Resposta

CHUVA / CAOS EM SP

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), moveu uma ação contra o Facebook para retirar do ar um vídeo postado pelo perfil atribuído ao vereador Carlos Bolsonaro (PSC), filho de Jair Bolsonaro (PSC-RJ) do Rio de Janeiro. Na ação, Alckmin pede que o vídeo seja excluído da rede social e que o Facebook quebre o sigilo dos dados de quem fez a postagem.

Na última sexta-feira (2), a Justiça Estadual de São Paulo negou, em caráter liminar, os pedidos de Alckmin. Mas, após Alckmin recorrer, o vídeo foi banido.

O vídeo que a Justiça excluiu, a pedido de Alckmin, foi postado em 25 de dezembro de 2017. Nele, Alckmin aparece celebrando a criação do secretariado de diversidade tucana, uma instância dentro do PSDB voltada para a discussão de políticas públicas voltadas para a comunidade LGBT. O vídeo foi editado e mescla momentos em que Alckmin aparece discursando com fotos de manifestações promovidas por integrantes da comunidade LGBT.

Junto ao vídeo, o perfil, claro, critica Alckmin. “Como se não bastasse estar metido na Lava-Jato e tantos outros escândalos de corrupção, mais esta do candidato que querem induzi-lo (sic) a acreditar que é de centro-direita, mas em conluio com a militância que você já conhece. Este que a mídia diz que ganhará as eleições de 2018”.

Para o advogado Fábio de Oliveira, que defende Alckmin, o vídeo dele com ativistas tucanos LGBTs ridicularizaria o candidato à Presidência do Brasil.

O Facebook retirou o vídeo, alegando que ele fere os padrões da comunidade. A decisão aconteceu, mesmo depois de a Justiça de São Paulo negar, em caráter provisório, ter liberado o vídeo.

Na tarde da última segunda-feira, Carlos Bolsonaro utilizou sua conta no Twitter para acusar o Facebook de retirar o vídeo do ar. Ele aproveitou a postagem para publicar o vídeo novamente.

Informações: UOL

Quatro travestis são atacadas em dez dias em Salvador Resposta

Transfobia

Em apenas 10 dias, quatro travestis foram atacadas em Salvador. Um número assustador.

Três vítimas foram esfaqueadas no rosto e uma quarta foi espancada com barra de ferro. Os golpes foram todos na região da face.
Segundo o jornal Correio, as travest estavam em seus pontos quando foram atacadas por um homem em dias distintos o bairro da Pituba, região nobre da capital baiana, Salvador. Os ataques ocorreram de madrugada.

O agressor seria um homem alto, moreno, com cavanhaque e em todas as ações usava a mesma roupa: boné azul, casaco e calça jeans.

As vítimas são jovens entre 18 e 22 anos. Os crimes ocorreram entre os dias 21 de fevereiro e 3 de março.

A Polícia Militar (PM) informou ao que atuou em duas ocorrências nas madrugadas do dia 28 de fevereiro e 3 de março. Nelas, há o relato de um agressor que vitimou duas pessoas com golpes de lâminas no rosto.

O primeiro ataque foi contra Luana, que estava sozinha quando foi golpeada por trás, por uma barra de ferro. “Quando ela caiu, ele correu. Desde então, Luana sumiu, com medo de ser novamente agredida ou até morta”, contou outra travesti, de nome Celine.

Outra vítima foi Bianca – ela foi esfaqueada e socorrida a uma unidade médica. “Ela disse que ele falou quando saiu: ‘Só vou parar quando matar uma’”, contou Celine.

A terceira vítima foi Rafaela. Ela também foi esfaqueada.

Pânco

O medo fez com que as vítimas não procurassem a polícia. Nenhuma delas registrou queixa em delegacia. “Elas achavam que se denunciassem, esse bandido poderia voltar para terminar o que começou. Mas já estávamos adotando medidas cabíveis: na próxima segunda-feira (12/03) iremos à Defensoria Pública”, contou Celine.

O pânico está instalado entre as profissionais do sexo que atuam na Pituba. “Todas estão apavoradas. Então, estamos pedindo para todas ficarem mais juntas, não se afastarem uma das outras, já que a maioria dos ataques acontece quando a vítima está sozinha”, declarou Celine.

Transfobia

Para a psicóloga Ariane Senna, transfeminista e vice-presidenta do Conselho Estadual dos Direitos da População LGBT do Estado da Bahia, os ataques na face são casos típicos de transfobia. “É quando o cidadão quer desfigurar, ele quer dizer que o rosto de mulher não pertence ao corpo de um homem. Geralmente, são crimes com requinte de crueldade. Isso falando psicologicamente”, disse.

Segundo Ariane, estes casos não são isolados. “Já soube de outros casos entre profissionais do sexo, mas não deu em nada, por que as vítimas tiveram medo de denunciar. É preciso ter coragem para tentarmos mudar esse cenário”, disse.

Ainda de acordo com Ariane Senna, se a vítima não se sentir confortável em ir a uma delegacia, ela pode procurar o Conselho Estadual dos Direitos LGBT, a Defensoria Pública ou grupo de ativistas, a exemplo da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra).

As vítimas dos ataques na Pituba serão encaminhadas para a Casarão da Diversidade, onde todas terão acompanhamento psicológico, jurídico e social.

Delegada promete busca implacável

A Polícia Civil já investiga o ataque, apesar de as vítimas não terem prestado queixa.

“O que aconteceu é inadmissível. Vamos atrás dele”, afirmou ao Correio, a delegada Maria Selma, titular da 16ª Delegacia (Pituba).

Vulnerabilidade

“Qualquer ato violento a gente reage com indignação. As travestis estão renegadas a sua própria sorte. Estão vulneráveis”, declarou a presidenta da Antra, Keila Simpson. Segundo ela, há razões para que as vítimas não tenham prestado queixa em nenhuma delegacia. “Por duas razões: a primeira, por causa do processo de vulnerabilidade. Elas não têm ninguém que possam ampará-las de fato e temem que o agressor possa voltar de forma mais violenta. A segunda é que não são tratadas como cidadãs, são desrespeitadas quando chegam nas delegacias”, declarou Keila.

As vítimas já começaram a receber o apoio de entidades ativistas. “Consegui localizar Rafaela e daremos todo o apoio necessário. Vou ao encontro dela”, disse Millena Passos diretora da União LGBT do Estado da Bahia (Una), coordenadora do Grupo Gay da Bahia (GGB) e da Associação de Travestis (Atras).

Millena quer encorajar as vítimas a prestarem queixa na delegacia. “Isso não pode ficar impune. O Brasil é o país que mais mata travesti no mundo. De hoje em diante a gente não sabe quem é quem. Esse criminoso é uma pessoa transfóbica. Elas não fizeram nada a ele e mesma que tivessem feito, isso não justifica”, declarou.

Em nota, a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social ( SJDHDS), condenou e repudiou veementemente todos os casos de agressão, violência e ataques aos direitos humanos e à população LGBT.

“Os últimos episódios, registrados no bairro da Pituba, apresentam características típicas de transfobia, uma violência brutal que precisa ser investigada e combatida. A SJDHDS atua em favor dos direitos da população LGBT, do respeito à diversidade e as pessoas, oferecendo acolhimento às vitimas, com orientação psicológica, social e jurídica, através da Coordenação LGBT, pertencente a esta secretaria. Para reforçar esse trabalho de acolhimento e enfrentamento às violações dos direitos e aos atos de agressão, desrespeito e violência contra essa população, está em fase final de estruturação Casarão da Diversidade, onde funcionará o Centro de Promoção e Defesa dos Direitos LGBT, com equipe especializada e focada no combate a essas e demais práticas de violação aos direitos da população LGBT”, destacou o órgão. A Coordenação LGBT da secretaria informou ainda que está em contato com as vítimas, desenvolvendo o trabalho de acolhimento, além de encaminhamento no que se refere as orientações e demais providências cabíveis.”

O Casarão está localizado no Centro Histórico e sua inauguração está prevista para ocorrer até o mês de abril.

Travestis e Transexuais reivindicam mundo sem preconceito e discriminação Resposta

Representantes das associações LGBT em evento na Casa das Nações Unidas no Brasil Foto: Katherine Judd/PNUD Brasil

Representantes das associações LGBT em evento na Casa das Nações Unidas no Brasil Foto: Katherine Judd/PNUD Brasil

Os 8 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), compromisso firmado entre 189 líderes mundiais no ano 2000, têm seu prazo final em 31 de dezembro de 2015. Após esta data, os desafios continuam com uma nova agenda de desenvolvimento, que já vem sendo formulada. A base para esta formulação é a Consulta Pública Pós-2015, feita em mais de 50 países  – entre eles o Brasil -, a fim de mapear as demandas prioritárias dos mais variados segmentos da sociedade.

Já foram realizadas consultas gerais nas cinco macrorregiões do país, e ainda estão acontecendo consultas específicas para agregar as reivindicações de jovens, indígenas, pessoas com deficiência, centrais sindicais, entre outros setores. Também foram aplicados 3.500 questionários on-line, cujos resultados serão agregados ao documento final da Consulta. A síntese deste trabalho, que será apresentada à Secretaria-Geral da Presidência da República e demais parceiros, integrará um relatório a ser entregue às lideranças mundias na próxima Assembleia Geral da ONU.

Dentro das atividades da Consulta Pública Pós-2015, o PNUD organizou em março uma audiência com representantes de associações brasileiras de travestis e transexuais. Os travestis e transexuais, que sempre foram estigmatizadas no Brasil e vítimas constantes de vários tipos de violência e intolerância, são rotineiramente excluídos do exercício de seus direitos fundamentais. Em 1993, com a criação da primeira organização trans no país (ONG ASTRAL) e a realização do I Encontro Nacional de Travestis e Transexuais na Luta contra a Aids (ENTLAIDS), o movimento social começou a se organizar para levar suas demandas ao poder público.

Durante a Consulta, realizada na Casa da ONU em Brasília, estiveram presentes representantes da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA), da Rede de Pessoas Trans (REDTRANS), Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Travestis e Transexuais (ABGLT) e da Associação Nacional de Homens Trans. Como prioridade para a agenda pós-2015 foi selecionada a eliminação de todas as formas de preconceito e discriminação. No Brasil, travestis e transexuais são assassinados com requintes de crueldade todos os dias, sem registro oficial. Eles também são excluídas do acesso à educação, trabalho e previdência social em razão da discriminação.

Na audiência, foram levantadas as prioridades de desenvolvimento para esta população, especialmente:

  • A eliminação de todas as formas de preconceito e discriminação;
  • Acesso à educação  e estrutura para  permanência das travestis e transexuais nas escolas; e
  • Acesso ao trabalho.

A principal questão refere-se à identidade de gênero, presente em todas as prioridades citadas. Este conceito diz respeito à  vivência interna e individual do gênero tal como cada pessoa o sente, a qual pode corresponder ou não com o sexo atribuído após o nascimento, incluindo a vivência pessoal do corpo. O exercício do direito à identidade de gênero envolve o uso do nome social em documentos oficiais,  a modificação da aparência ou da função corporal através de meios farmacológicos, cirúrgicos ou de outra índole, desde que isso seja livremente escolhido, e outras expressões de gênero, inclusive vestimenta, modo de falar e maneirismos.

A questão do não reconhecimento da identidade de gênero dessa população leva a uma série de violências institucionais,  que limitam suas oportunidades. Por exemplo, durante sua vida escolar, os travestis sofrem com o preconceito dos colegas e a falta de preparo dos professores, o que provoca sua evasão escolar precoce. “Para nós, (a educação) não é uma realidade. O ir à escola é muito complicado”, diz Cris Stefanny, Presidenta da ANTRA. O tema educação foi a segunda prioridade apontada pelas participantes. Sem estudo, essa população sofre restrições no mercado de trabalho . Entretanto, mesmo quando possuem estudo, travestis e transexuais são  vítimas de preconceito por não poder exercer sua identidade social. Para Leonardo Tenório, Presidente da Associação Nacional de Homens Trans, “ter escolaridade não é suficiente porque depois (travestis e transexuais) não têm acesso ao trabalho. Homens trans se assumem mais tarde, estudam mais e, quando chegam ao mercado de trabalho, ninguém quer dar emprego”.

Houve avanços na área da saúde, com a aprovação da  Portaria 1.707 do SUS, que traz orientações sobre o processo transexualizador pelos serviços públicos de saúde, além das agendas afirmativas dos Planos de Enfrentamento à Epidemia de Aids. Entretanto, o estigma causa a invisibilidade dessas populações nas outras áreas de politicas públicas. “Na prática, eu acabo não existindo”, diz Liza Minelly, Presidenta da REDTRANS.

Por outro lado, “na hora da ‘limpeza social’, para ‘limpar’a cidade e deixá-la bonita para a Copa, as travestis são reconhecidas”, destaca Fernanda Benvenutti, presidente-fundadora da Associação dos Travestis da Paraíba (ASTRAPA) e Secretária de Relações Institucionais da ABGLT.

Lei de Identidade de Gênero

Na sequência da reunião sobre a agenda pós-2015, ocorreu um debate sobre a Lei de Identidade de Gênero, em um intercâmbio de conhecimentos entre Brasil e Argentina. O avanço dos direitos da população de travestis e transexuais depende da organização e participação política, acredita Marcela Romero, Coordenadora da Rede Latino-americana de Travestis e Transexuais. Para ela, este é o primeiro passo para demandar a  aprovação de leis específicas pelo Legislativo e a atuação efetiva do Estado na estruturação das politicas públicas.

A América Latina tem observado avanços recentes nesse tema. Em maio de 2012, o Congresso Argentino aprovou a Lei n° 26743, que trata da Identidade de Gênero e atenção integral à saúde das pessoas trans. Para a Deputada Maria Rachid, que liderou a iniciativa, a sociedade argentina mostrou um apoio à lei que surpreendeu inclusive os movimentos sociais. Por ser um país regido pela igreja católica, esperava-se muita rejeição à proposta, entretanto, não foi o que as consultas públicas demonstraram. Segundo a Deputada, ficou evidente que “as pessoas não concordam com tudo que os dirigentes da igreja determinam, elas têm relações antes do casamento, elas usam preservativo para evitar doenças” e, por isso, viram que a lei era um importante passo para cessar o ciclo de violência contra travestis e transexuais e garantir o pleno exercício dos direitos humanos.

Inspirado pela iniciativa no país vizinho, um Projeto de Lei de Identidade de Gênero foi apresentado ao Congresso em fevereiro de 2013. “As pessoas devem poder definir sua própria identidade, dizer quem elas são”, afirmou a Deputada Érika Kokay, autora do projeto de lei juntamente com o Deputado Jean Wyllys.

Para o movimento social de travestis e transexuais a proposta é de extrema relevância e pode ajudar a erradicar a transfobia – aversão à presença de travestis e transexuais. “É a aversão à existência, que não é permitida nem tolerada”, destaca Marcelo Caetano, da Associação de Homens Trans.

Após adiamento, curso de inglês para prostitutas e travestis começa em BH 2

Os cursos de idiomas destinados a prostitutas e travestis de Belo Horizonte começaram nesta segunda-feira (11/3), após uma semana de adiamento. O objetivo é educar os profissionais do sexo para recepcionar turistas estrangeiros durante os jogos da Copa das Confederações, este ano, e da Copa do Mundo de 2014. Com as aulas, cerca de 400 pessoas vão poder aprender espanhol, francês, inglês e italiano.

De acordo com a Associação das Prostitutas de Minas Gerais (Aprosmig), 800 garotas e garotos de programa trabalham no Centro da capital, principalmente na Rua Guaicurus, onde 22 hotéis oferecem os serviços. Onze professores voluntários vão dar aulas na sede da Aspromig.

O patrocínio para as aulas é do empresário Elias Tergilene, ex-camelô e dono de um shopping popular em frente à Rua Guaicurus.

ABGLT vai ao STF para criminalizar a homofobia 1


Aproveitando a maré favorável aos LGBTs na Justiça, a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) acaba de levar ao Supremo Tribunal Federal (STF) sua principal demanda: a criminalização da homofobia.
A criação desse crime, em tese, deve ser feita pelo Congresso, que por resistência da bancada religiosa cristã (católicos e evangélicos fundamentalistas) até hoje não conseguiu decidir sobre um projeto que tramita desde 2001. Enquanto isso, a Justiça concedeu o direito à adoção, à união estável.
“Estamos depositando a esperança no Supremo, porque no Congresso está difícil”, argumenta Toni Reis, presidente da ABGLT.
No mês passado, e sem alarde, a entidade apresentou um mandado de injunção, usado para pedir que o tribunal declare a omissão do Legislativo em aprovar uma questão.
Para a ABGLT, ao dizer que o Estado deve punir a “discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais”, a Constituição determina que a discriminação e a violência contra gays sejam criminalizadas.
Esse é o primeiro pedido da ação: que o STF reconheça que o Congresso tem o dever constitucional de aprovar lei nesse sentido, explica Paulo Iotti, advogado da ABGLT.
A associação também pede que o tribunal fixe um prazo razoável para isso e sugere que seja punida como o racismo a discriminação baseada em orientação sexual ou identidade de gênero – o que incluiria a “heterofobia”.
  
O terceiro pedido solicita que, caso o Congresso ignore a decisão, o próprio Supremo entenda a homofobia como uma forma de racismo, aplicando a lei que já existe. 


Iotti antevê questionamentos nesse ponto devido ao princípio segundo o qual “não há crime sem lei anterior que o defina”, o que demandaria, necessariamente, o aval do Congresso.

O advogado acredita, porém, que o Supremo possa se inspirar em decisão que adaptou artigos da Lei de Greve dos funcionários privados para aplicação à greve de servidores públicos, em 2007.

O último pedido da ação é que, enquanto a homofobia não for criminalizada, o Supremo determine a responsabilidade do Estado no cenário atual e o dever de indenizar as vítimas.

*Com informações de Nádia Guerlenda, da Folha de São Paulo.

Inédito: Secretaria de Justiça da Bahia empossa ativista travesti nesta quinta (15) 1

Paulete Furacão (Foto: Genilson Coutinho/Dois Terços)
Paulete Furacão é militante do movimento LGBT e será a primeira a assumir cargo no órgão.

Pela primeira vez uma travesti tomará posse de um cargo na Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos da Bahia (SJCDH). A ativista do movimento LGBTT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais), Paulete Furacão, deverá ser uma das promotoras dos direitos da comunidade gay do estado. Ela foi escolhida pela atuação à frente da Associação Laleska de Caprid, no bairro do Nordeste de Amaralina.
“Até hoje nunca houve uma oportunidade para uma travesti dentro de um órgão do governo na Bahia, principalmente para um cargo com tamanha importância. Uma das minhas primeiras missões é a criação de um campo de trabalho para trans e travestis, criando dessa maneira novas oportunidades de inclusão das minhas amigas e companheiras de lutas”, explicou Paulete. 
A Secretaria foi criada oficialmente em 1966. Atualmente, o órgão é chefiado pelo secretário Almiro Sena Soares Filho.
*Com informações do site Dois Terços.

Sul e Sudeste lideram ranking de homofobia no Brasil, aponta relatório Resposta

O Grupo Gay da Bahia (GGB), que anualmente divulga relatório sobre o número de assassinatos de homossexuais no Brasil, acaba de finalizar o primeiro levantamento sobre homofobia não letal em todo o País. Conforme o banco de dados coordenado pela entidade, obtido com exclusividade pelo portal Terra Magazine, em 2011, foram contabilizadas 282 ocorrências de discriminação com base na orientação sexual.

Os casos vão de insultos e ameaças até agressões físicas, semelhantes à que aconteceu na segunda-feira (13/02), com um casal de gays, espancado por taxistas (ilegais, em táxi pirata) no Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, no Rio de Janeiro.

Os registros foram compilados a partir de informações coletadas na imprensa, segundo o antropólogo Luiz Mott, fundador do GGB, que critica a falta de estatísticas, produzidas pelo poder público, sobre violência contra os LGBTs (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros).

– Considero que o governo comete o crime de prevaricação na medida em que o Plano Nacional de Direitos Humanos, aprovado em 2002, previa a criação de um banco de dados em nível federal, assim como políticas públicas para erradicar a homofobia, e nada foi feito – opina.

De acordo com o levantamento do GGB, gays foram os mais vitimizados pela homofobia, com 219 casos, o que corresponde a 77,6%. Na sequência, estão as travestis, com 12,7%, e as lésbicas, com 9,5%.
As regiões com mais registros de homofobia não letal são Sudeste e Sul (67%), seguidas do Nordeste (18%) e Centro-Norte (14%). O relatório ressalta, entretanto, que o maior número de meios de comunicação no Sudeste e no Sul faz com que os casos tenham mais visibilidade.

Considerando os números absolutos, São Paulo figura no primeiro lugar em denúncias de violação dos direitos humanos dos homossexuais, com 72 registros, seguido do Rio de Janeiro (35), Minas Gerais (22), Bahia (18) – que há seis anos é o Estado onde mais se mata LGBTs -, Paraná (11) e Goiás (10).
Já em termos relativos, levando em conta o total de habitantes, o Rio de Janeiro assume a ponta, liderando o ranking de casos de homofobia não letal. Distrito Federal, São Paulo, Paraíba e Goiás aparecem na sequência.

– Coincidentemente, a imprensa está noticiando a agressão violenta sofrida por um casal gay em um aeroporto do Rio, o que confirma a gravidade da homofobia em nosso País e a urgência para que o governo proponha uma campanha, cientificamente elaborada por uma equipe multidisciplinar, garantindo a sobrevivência da comunidade LGBT – destaca Mott.

Casos subnotificados

Das 282 ocorrências compiladas, 87 foram referentes à violência física. Mais uma vez, os gays foram o grupo mais vitimado, abarcando 65% dos registros.

– A maioria do segmento LGBT vítima de violência homofóbica não registra Boletim de Ocorrência nem realiza exame de corpo de delito nos IML de suas cidades, temerosos, com razão, de serem vítima da homofobia policial ou de ter revelada por jornalistas policiais sua orientação sexual muitas vezes secreta. Tal omissão, além de subnotificar as estatísticas de crimes de ódio, indiretamente, estimula a repetição das mesmas agressões – afirma no relatório, o presidente do GGB, Marcelo Cerqueira.

Entre as formas de discriminação mais recorrentes, destacaram-se, em 2011, conforme o levantamento, a praticada por órgãos e autoridades governamentais (19,5%); seguido da discriminação religiosa, familiar e escolar (10%). 
”Agressivas sessões de exorcismo e ‘cura’ de homossexuais praticados por igrejas evangélicas fundamentalistas constituem grave violência contra a livre orientação sexual dos indivíduos LGBT, sem falar na divulgação na TV e na internet de discursos que demonizam a homoafetividade, tendo sobretudo parlamentares e pastores evangélicos seus principais opositores”, frisou o relatório.

Assassinatos

Em janeiro, segundo adiantou a Terra Magazine, o Grupo Gay da Bahia informou o número de assassinatos de LGBTs registrados em 2011, dado que será apresentado no relatório anual de assassinatos de homossexuais no Brasil, cuja divulgação está prevista para depois do Carnaval. Foram 251 homicídios, nove a menos do quem em 2010, quando houve recorde histórico com 260 mortes.

O País, de acordo com a entidade, é o primeiro lugar no ranking mundial de assassinatos homofóbicos, uma média de um homicídio de LGBT a cada um dia e meio.

Simpósio discute inserção de travestis e transexuais no mercado de trabalho de Maceió Resposta


Na última sexta-feira (3/07), no auditório da Secretaria Municipal de Educação (Semed) de Maceió (AL), representações de movimentos sociais ligados à causa dos LGBT e poder público municipal e estadual estiveram reunidos em um simpósio. A ação organizada pela ONG Pró-Vida, em parceria com a Associação de Travestis e Transexuais de Alagoas (ASTTAL), marcou a passagem do dia 29 de janeiro, data que celebra nacionalmente a Visibilidade Travesti e Transexual.

A inserção dos travestis e transexuais no mercado de trabalho foi a abordagem principal do simpósio. Segundo os transegêneros, o preconceito ainda é uma barreira para conseguir emprego e viver de forma digna na sociedade. Mas essa realidade vem mudando. A Prefeitura de Maceió já abriu espaço para a causa, a exemplo da transexual Cris Madri, que atualmente faz parte do quadro da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas).

Segundo o secretário de Assistência Social, Francisco Araújo, o município está empenhado em promover dignidade a toda a população. Para a questão LGBT, a proposta é diminuir o preconceito, através de ações de participação dessas pessoas de forma comum, como acontece com qualquer individuo, que tem acesso ao trabalho, ao conhecimento e à capacitação, ou qualquer outra espécie de avanço na sociedade. “Esse é um trabalho feito de forma integrada entre as áreas, de assistência, saúde, educação, enfim, as pastas do município que atuam com o social”, ressaltou.

A abertura do encontro contou com apresentação de uma performance artística, da travesti Melissa Vogue.

Conivência com a homofobia

Na semana passada, o presidente do PT alagoano,  Joaquim Brito, questionou o número de assassinatos contra homossexuais, que continuam sem solução no estado, lembrando o caso do estudante Fábio Acioly, que foi assassinado há dois anos, de forma brutal. Brito disse que a partir da mudança estatutária do PT, os homossexuais terão o mínimo de representação na política.

“O governador Teotônio Vilela é conivente com a homofobia, por permitir que os 30assassinatos contra gays ocorridos nos últimos dois anos continuem sem solução. Não tem um bandido preso. É uma questão emblemática. Na época da morte do estudante, disseram que ele era homossexual e o governador não teve coragem até hoje de revelar o nome dos mandantes”, lamentou.

Rio de Janeiro: delegacias incluem nome social de travestis e transexuais em ocorrências Resposta

Delegada Marta Rocha

A chefe de Polícia Civil do Rio de Janeiro, delegada Martha Rocha, vai anunciar hoje a inclusão do nome social de travestis e transexuais nos registros de ocorrência das delegacias. A ação, que integra conjunto de medidas do Programa Estadual Rio Sem Homofobia, proporcionará a composição de dados oficiais sobre homicídios e outros crimes praticados contra transgêneros – população que mais sofre com a discriminação.
 

Atividades também serão realizadas em todo o Estado do Rio para celebrar o Dia Nacional da Visibilidade Trans (29/01), uma das datas mais importantes da comunidade LGBT. A Superintendência de Direitos Individuais Coletivos e Difusos da Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos e ONGs realizarão atividades para celebrar a data, como seminários, jornadas, exibição de filmes e espetáculos.
 


 Estado reconhece outros direitos de travestis e transexuais
 

Em 8 de julho de 2011, o governador Sérgio Cabral assinou o Decreto 43.065, que dispõe sobre o direito ao uso do nome social por travestis e transexuais na administração direta e indireta do Estado do Rio de Janeiro. Um dos destaques da justificativa para o decreto foi que as políticas governamentais devem se orientar na promoção de políticas públicas e valores de respeito à paz, à diversidade e a não-discriminação por identidade de gênero e orientação sexual.

*Com informações do jornal O Dia

Casal gay é destaque em outdoor do plano familiar da Unimed Blumenal 1


A foto acima foi compartilhada por milhares de pessoas como sendo da Unimed do Rio Grande do Sul, mas na realidade é da Unimed de Blumenal, no estado de Santa Catarina. É a propaganda do plano de saúde. O que dispertou o interesse foi a veiculação na região de um outdoor expondo um casal gay abraçado e com a seguinte frase: “De um jeito ou de outro, todo mundo precisa. Plano Familiar Unimed para todo o tipo de família.”

Segundo o superintendente da Unimed Blumenal, Dr. Jauro Soares, as primeiras peças da campanha iniciaram a veiculação no dia 15 de junho e é composta de material para a mídia impressa (jornais e revistas), mídia eletrônica (TV e rádio), mídia digital (internet) e exterior (outdoor, busdoor e front-light).

O presidente da Associação de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), Toni Reis, manifestou apoio à campanha: “Quando confirmado, fiquei extremamente feliz e contemplado pela publicidade. Senti-me cidadão, disse o especialista em sexualidade humana, Toni Reis que recebeu uma foto do outdoor pelo e-mail.

O presidente da Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo (APOGLBT), Reinaldo Damião, disse que não se trata de uma iniciativa pioneira, uma vez que outras campanhas publicitárias já abordaram a questão da homossexualidade. Segundo ele, o fato novo nessa campanha é que o outdoor retrata pessoas do mesmo sexo, fazendo uma menção explicita ao fato de serem um casal. Até então esse tipo de visibilidade era dirigida para o público gay e em meios de comunicação GLBT: “Embora não seja pioneira, vale ressaltar a coragem da empresa Unimed em assumir publicamente seu desejo de atender também a comunidade homossexual”. Toni Reis destacou que “a mídia brasileira é hetero-normativa e a propaganda sempre mostra um casal de homem com mulher, e não homem com homem, ou mulher com mulher”.


A idéia para a campanha surgiu a partir das últimas pesquisas do IBGE que indicaram diversas mudanças no perfil dos casais, sendo uma delas, o reconhecimento dos parceiros homoafetivos. De acordo com Soares, “a intenção do marketing foi fazer uma campanha ampla, para todo tipo (novo) de família, incluindo homossexuais. A abordagem da campanha foi amplamente aprovada pela classe médica dirigente da cooperativa”. 


O representante da Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV/Aids (RNP+) do Estado de São Paulo, Lucas Soler, disse que “quebrar o preconceito é muito complicado e não será um outdoor apenas que fará isso, mas sim, uma ação conjunta de toda a sociedade que, unida neste sentido, poderá iniciar um processo de crescimento e orientação para todas as gerações a fim de possibilitar uma maior orientação sobre a diversidade existente”. 

Para o superintendente do plano de saúde, Jauro Soares, a campanha “provoca reflexões em relação aos modelos e conceitos de família nos dias atuais e remete a discussão de preconceitos contra os homossexuais em nossa sociedade”. Ele acredita também que a campanha joga luz sobre o debate atual da união civil entre homossexuais e seus reflexos em nosso país. 

Apesar de a união civil de homossexuais ainda não ser reconhecida pela legislação brasileira, a Unimed tem aceito sem restrições a inclusão em plano de saúde familiares de casais homoafetivos. Segundo o superintendente da Unimed Blumenau, é solicitado um documento (declaração de convivência) feito em cartório e que serve como comprovante para aceitar o companheira/companheiro como dependente. “Legalmente tem-se como base a decisão confirmada pela 6ª turma do TRF da 4ª Região, no dia 27 de julho deste ano. Por unanimidade a sentença obriga ao INSS a considerar os companheiros homoafetivos, como dependentes preferenciais dos segurados de Regime Geral da Previdência Social. Esta sentença ratifica decisão original de primeira instância proferida em final de 2001. A decisão é válida para todo território nacional”, esclareceu Soares.

*Com informações do Ministério da Saúde

Travestis do Rio de Janeiro vão poder usar nome social em documentos Resposta

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral.
(Foto:Reprodução)
O governador Sérgio Cabral decretou que travestis e transexuais vão poder usar o nome social nos procedimentos da Administração Direta e Indireta no Estado do Rio. O decreto foi publicado no Diário Oficial. 

Com isso, todos os registros de informação e cadastros, assim como documentos importantes como formulários e requerimentos terão que, obrigatoriamente, possuir um campo onde os travestis e transexuais possam explicar o nome social. A Secretaria da Casa Civil tem até 120 dias para se adequar ao novo modelo. 

O Rio de Janeiro está, sem dúvidas, se tornando um exemplo de cidadania a ser seguido por outros estados. Pelo menos, por parte do governo, que vem lutando para garantir os mesmos direitos aos gays e heterossexuais.

A frente gay no paredão do Congresso Resposta

Deputado Jean Wyllys (Foto: Reprodução)
Vencedor do programa BBB, o deputado Jean Wyllys tenta criar uma bancada em defesa dos direitos dos homossexuais, mas esbarra na resistência dos parlamentares com aversão ao tema.

A chegada do deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), primeiro gay assumido a levantar a bandeira do movimento, provocou agitação no Congresso. Liderado pelo deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), um grupo começa a se alinhar em uma bancada informal antigay. Ela é formada por deputados da Frente Evangélica, somados aos da Frente da Família e a outros que compartilham a contrariedade em ver a discussão sobre direitos homossexuais avançar.

Wyllys começou seu mandato na ofensiva. Ele vai propor um projeto de lei que institui o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, em vez de insistir apenas na regulamentação da “união civil” – termo adotado por alguns integrantes do movimento gay, para evitar a discussão no campo religioso. “Tem de ser casamento civil porque é o mesmo direito para todos”, afirma. “Quando um cônjuge morre, o parceiro da união estável só tem direito a herança se não houver nenhum herdeiro direto. Já no casamento, ele é herdeiro direto.” Sua primeira ação, como deputado, foi recolher assinaturas para a Frente Parlamentar pela Cidadania GLBT (Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros).
Na semana passada, Wyllys sentiu uma pequena demonstração do incômodo gerado por sua movimentação. Menos de 24 horas depois de ter começado a percorrer a Câmara pedindo assinaturas para a Frente, sua página no Facebook foi bloqueada. Isso ocorreu porque uma série de usuários da rede fez uma ação coordenada para denunciar a página como falsa. Wyllys diz que sabia que sua presença iria provocar reação e que está preparado para o embate. Jornalista e professor universitário, ele demonstrou habilidade para o debate público quando ganhou o programa Big Brother, em 2005, contra um grupo de participantes que tinham em comum o orgulho da masculinidade. Na arena política, porém, vai enfrentar opositores mais experientes.
A principal voz na Câmara contra a discussão sobre direitos dos homossexuais é a de Bolsonaro, deputado no sexto mandato e capitão do Exército. Enquanto os representantes da Frente Evangélica e os da Família medem as palavras ao tecer críticas aos projetos que combatem a homofobia, Bolsonaro é desabrido e promete enterrar os projetos do colega (leia as entrevistas de Wyllys e Bolsonaro abaixo).
Segundo João Campos (PSDB-GO), líder da bancada evangélica, o grupo respeitará as posições de Wyllys e de sua Frente. Um dos pontos de atrito entre eles é o material contra a homofobia, a ser distribuído pelo Ministério da Educação nas escolas. “Somos contra discriminação, mas não queremos que o governo faça apologia da homossexualidade”, diz Campos.
No Senado, a Frente Parlamentar pela Cidadania GLBT é liderada pela senadora Marta Suplicy (PT-SP), que desarquivou o projeto de lei que torna a homofobia crime. Marta e Wyllys começam a procurar parlamentares simpáticos a seus projetos. “Vamos atrás dos que se inclinam a nos apoiar, mas não têm coragem por questões eleitorais”, diz Marta. Não foi difícil mapear o inimigo. Wyllys precisa, agora, encontrar os aliados para o dia do paredão.
Jean Wyllys: “O movimento GLBT chegou”
O deputado estreante pretende propor o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, uma evolução da união civil.
ÉPOCA – Qual é a pauta da Frente GLBT?

Jean Wyllys – Primeiro, a defesa do projeto Escola Sem Homofobia. Depois, também vou protocolar o projeto de casamento civil [entre pessoas do mesmo sexo]. Vou propor e protocolar no dia do lançamento da frente. Existe um projeto tramitando de união estável, nós vamos propor outro. Não é “casamento gay”. Quando a imprensa coloca assim, provoca um equívoco quanto à noção do sacramento do casamento. Não estamos tratando disso, mas de um direito civil. O Estado é laico e o casamento é um direito civil, ele tem que ser estendido ao conjunto da população, independente da orientação sexual e identidade de gênero. Se os homossexuais têm todos os deveres civis, então têm que ter todos os direitos. É assim que funciona uma república democrática de verdade. 

ÉPOCA – E o projeto que criminaliza a homofobia?

Jean Wyllys – O projeto que criminaliza a homofobia foi desarquivado agora pela senadora Marta Suplicy, que faz parte da Frente no Senado. Esse projeto altera a lei do racismo e inclui discriminações por identidade de gênero e orientação sexual. Essa lei não vai proibir ninguém de continuar odiando homossexual, para aqueles que odeiam. Quem quiser que continue alimentando seus ódios, privadamente. É um direito. Agora, publicamente ela não pode impedir um homossexual de acessar um direito e nem de expressar publicamente a sua sexualidade. E quase sempre o homossexual é impedido de acessar um direito e expressar sua homossexualidade de maneira violenta.
ÉPOCA – Como é a reação a suas ideias?

Wyllys – Meu Facebook foi tirado do ar em uma ação orquestrada. É natural que minha presença na Câmara provoque uma reação. O movimento GLBT chegou ao Congresso. Por enquanto, não tive muito contato com os deputados da bancada evangélica e cristã. Vou ter esse contato porque estou reestruturando a Frente Parlamentar pela Cidadania GLBT. Ela existiu com o nome Frente Parlamentar pela Livre Expressão Sexual, mas como a maioria das frentes aqui, não tinha uma agenda de atividades e ação concreta. A primeira decisão que tive, depois de uma conversa com a Associação GLBT, é que a frente vai funcionar de verdade. Acho que há condições de criar um ambiente propício. Mesmo no contato com a bancada evangélica, embora muitos deputados tenham se colocado publicamente. Eu acredito no meu papel pedagógico, de sentar e explicar as questões que merecem ser explicadas para que os preconceitos sejam derrubados. Eu não sei se vai haver terreno fértil do outro lado. Mas para mim o exercício da política é esse.

ÉPOCA – Como vê a reação contra o programa que combate a homofobia na escola?

Wyllys – É uma ignorância que persiste por má-fé. O material não ameaça os valores cristãos. Pelo contrário, ele assegura algo que é valoroso para os verdadeiros cristãos: o valor da vida e o respeito ao outro. Quem fala o contrário fala por má-fé, porque não quer ver seus espaços de poder ameaçados. Bolsonaro é a caricatura de um deputado nostálgico de tempos sombrios de ditadura e repressão às liberdades. Às vezes penso que nem ele acredita no que diz.

ÉPOCA – O deputado Bolsonaro diz que o material incentiva a homossexualidade.

Wyllys – Bolsonaro é a caricatura de um deputado nostálgico de tempos sombrios de ditadura e repressão às liberdades. Às vezes penso que nem ele acredita no que diz. É mais para produzir um efeito midiático e despertar o que há de pior nas pessoas para ter ganho eleitoral. Ele faz uso da ignorância popular e dos preconceitos que são reproduzidos e dos quais as pessoas não se livram exatamente porque não há um projeto sério que radicalize na defesa dos direitos humanos no país.

ÉPOCA – Como avaliou o material do kit Escola Sem Homofobia?

Wyllys – O material cumpre a função a que se propõe. Ao contrário do que alguns deputados de orientação evangélica têm falado, cumpre muito bem o que se propõe sem ferir brios, sem ferir a moral. É um material muito bem elaborado que contribui para construir uma cultura livre de direitos humanos e diversidade na orientação sexual nas escolas, que é hoje o espaço privilegiado de reprodução da homofobia.

ÉPOCA – Como o material vai mudar essa realidade?

Wyllys – Ele é destinado aos formadores de opinião dos alunos, aos monitores e professores. Hoje o bullying e a homofobia são praticados largamente pelos alunos, mas também pelos professores que não reconhecem outras sexualidades que a heterossexualidade. Quando reconhecem, é sempre numa perspectiva de discriminação, de algo menor. Por exemplo, os professores de ensino médio tem uma dificuldade enorme de lidar com as transexuais e travestis. Não deixam que usem o nome social e, quando usam, transformam em objeto de injúria – o que faz essas alunas abandonar a escola. Os professores não sabem lidar com os alunos afeminados, que fogem dos papéis de gênero definidos pela sociedade. 
Eu fui um menino que fugia das normas. Não curtia futebol, das brincadeiras de briga. Eu gostava de desenhar e de ler e por isso eu sofria muito e não era protegido pelos meus professores. Muito pelo contrário, eu era constrangido a me enquadrar naquele modelo ali.

ÉPOCA – Alguma vez o senhor sofreu violência por parte dos professores?

Wyllys – Violência física não, mas simbólica constantemente. Os professores sempre me constrangeram. Eles diziam ‘tome jeito de menino’. Só não sofria mais porque era um excelente aluno. O material do projeto Escola sem Homofobia incide no imaginário desses professores, sensibiliza-os para outras realidades. Principalmente os vídeos que dramatizam as histórias de vida. Em um país como o nosso, em que a telenovela tem papel preponderante na formação das mentalidades, a dramatização das histórias das vítimas da homofobia é fundamental para sensibilizar o professor para essa outra existência violentada permanentemente. Além disso, tem um material escrito que explica o que é identidade de gênero de maneira didática. Para que as pessoas compreendam, por exemplo, que existem pessoas como as transexuais e que a maneira delas se perceberem não está de acordo com o que a natureza lhes deu. A saúde psíquica dessas pessoas depende da aceitação do outro. O professor tem que entender que existem diferentes orientações sexuais e que o papel de gênero do menino pode ser dilatado. Quem foi que recebeu um fax dos céus dizendo que menino se comporta dessa e não daquela maneira? Que tem que gostar dessa ou daquela cor? A escola tem que ser um campo aberto para a pluralidade de comportamentos e existências. 
————————————————————————————————–

Jair Bolsonaro: “Vamos fazer de tudo para enterrar”
Capitão do Exército, o deputado não reconhece a legitimidade da discussão sobre direitos dos homossexuais

ÉPOCA – Como vê a criação da Frente Parlamentar pela Cidadania GLBT? 
Jair Bolsonaro – O primeiro passo para desgraçar um país é mexer na célula da família. Eles vão atacar agora o ensino fundamental, com o “kit gay”, que estimula o “homossexualismo” e a promiscuidade. Tem muito mais violência no país contra o professor do que contra homossexuais. Quando eles falam em agressões, é em horário avançado, quando as pessoas que têm vergonha na cara estão dormindo. A regra deles é a porrada e querem acusar nós, os normais, os héteros.

ÉPOCA – O senhor não teme estimular a violência com essa retórica? 

Bolsonaro – Negativo. Só quero que a opção sexual se revele na intimidade do quarto, não obrigar um padre a casar um gay. O bigodudo vai dar um beijo na boca do careca, na frente dos convidados, e isso é legal?

ÉPOCA – Como vai ser o diálogo com o deputado Jean Wyllys? 

Bolsonaro – Vou ter atrito com ele no campo das ideias e dos projetos, que vamos fazer de tudo para enterrar nas comissões. Se depender de mim, e de muitos outros, não vai para a frente. Em nome da família e dos bons costumes. Eles vão querer o quê? Vamos colocar um espanador na orelha? Vão vender os serviços de “homossexualismo” deles, é isso? 

ÉPOCA – Se a homofobia virar crime, o senhor vai parar de criticar os gays? 

Bolsonaro – Tenho imunidade para falar. Não vou medir palavras. Eu defendo a pena de morte, que é mais grave que criticar homossexual. O pessoal me chama de retrógrado, dinossauro, mas a verdade é que o Brasil está piorando desde o fim do regime militar.

ÉPOCA – O kit contra homofobia nas escolas não é importante para reduzir a violência contra os alunos gays?

Bolsonaro – Não tem nada a ver. Ele está é estimulando o homossexualismo e a promiscuidade. Dependendo do público que você permite a informação, vai deturpar. Nesse kit, consta três filmetes, um deles é o “Encontrando Bianca”. A história é esquisita. É um menino, que pinta as unhas, que quer ser chamado de Bianca, que quer frequentar o banheiro feminino. E no final ele passa a ser uma referência na escola. Eles alegam que é da 5ª série em diante, mas não tem como você botar uma linha porque os prédios são de 1ª à 9ª série, como vai dizer que aqui só pode ver quem está na 5ª série para cima?

ÉPOCA – Qual é o problema do filme?

Bolsonaro – É um estímulo ao homossexualismo. É uma porta aberta para a pedofilia. Você vai aguçar a curiosidade dessa molecada numa idade muito precoce. Acho que a garotada vai para escola para aprender matemática, língua portuguesa, história e, se possível, um pouquinho de educação moral e cívica, que hoje não existe mais.

ÉPOCA – Em discurso, o senhor disse que “se um garoto tem um desvio de conduta (de orientação sexual), ele tem que ser direcionado para o caminho certo. Nem que seja pelas palmadas”. O senhor não teme estimular casos de violência dentro de casa, que podem levar a agressões físicas graves e até a morte?

Bolsonaro – Essa política de defender o coitadinho já está aí desde que o Figueiredo saiu e olha como está a situação da educação no país hoje em dia. O professor tem preocupação de dar nota baixa porque ele pode apanhar do aluno. No meu tempo, os meus colegas tinham medo de comentar nota baixa com os pais. Eu não quero abrir mão de dar umas palmadas na minha filha se preciso for. Tem um projeto de lei criminalizando isso aí. O espancamento, que é uma lesão física, está previsto em lei que você não pode, é crime. Mas, quando um filho nosso começa a ter desvios, ter comportamento violento, você pega uma cinta, dá três lambadas e ele se endireita. E se você pode direcionar o comportamento agressivo, porque não o comportamento delicado demais? Eu tenho pavor, Deus me livre um filho meu começar a entrar para esse lado de ser delicado demais.

ÉPOCA – O senhor acha que falar mal de gays publicamente é um direito?

Bolsonaro – Qual o problema? Eu vou continuar criticando porque eles querem ser uma classe de primeira categoria. É o plano do Projeto de Lei 122 [que criminaliza a homofobia] que está no Senado. Se aprovar aquele projeto e um dia eu tiver que aprovar alguém comissionado, eu já nem pego o funcionário se perceber que joga no outro time. Isso porque, na hora de ser mandado embora, você nunca sabe o que ele vai alegar. Olha que absurdo, numa escola, dois moleques de 16 anos começam a trocar beijos e, se o diretor advertir, começa com três anos de detenção. Quer dizer, começa com “kit gay” na escola, uma proibição como do PL 122, mais a lei da palmada, esse país vai virar terra de ninguém.
*Com informações da Revista Época

Primeira escola de samba gay de SP luta contra o preconceito Resposta

Luana Campos: rainha de bateria (Foto: Bruno Martins)
“Uma escola de diversidade, feita para todos, desde que não tenham nenhum tipo de preconceito”. Assim o Grêmio Recreativo Cultural e Escola de Samba Arco-Íris é definido por Eduardo Corrêa, de 28 anos, presidente da agremiação. Fundada em 25 de janeiro de 2008, essa é a primeira escola de samba gay da cidade de São Paulo.

Instalada na Rua Marquês de Itu, no Largo do Arouche, a agremiação tem como principal objetivo a luta contra o preconceito em relação aos homossexuais e, apesar de ser gay, não é composta somente por integrantes cujas opções sexuais são por pessoas do mesmo gênero. “Na verdade, a escola é contra o preconceito em geral, como étnico, de classe social, orientação, etc”, disse Luana Santos, 24 anos, rainha da escola e do Carnaval de São Paulo.
A Arco-Íris, que está em seu terceiro ano de vida, nasceu da junção de alguns amigos “todos gays, lésbicas, bissexuais e transexuais”, contou Corrêa. Hoje, são mais de 12 mil inscritos no mailing, interessados em participar da escola e desfilar por ela.
Por enquanto, a escola ainda é um bloco. Fará seu terceiro Carnaval de rua dia 27 de fevereiro, tendo como concentração o Largo do Arouche, mas os planos para o futuro são ambiciosos. “Estamos seguindo o que a tradição manda. Todas as escolas que estão hoje no grupo de acesso passaram por esse mesmo processo no passado. Se tudo correr bem, dentro de uns cinco anos completamos todas as etapas do grupo. Temos que ir lá disputar e ganhar o Carnaval”, afirmou o presidente.
Quanto às fantasias e alegorias, por enquanto a Arco-Íris não tem nada disso. “O Carnaval de rua é sem compromisso. Sem aquele compromisso do integrante da escola ser julgado, sem o compromisso de ser avaliado. É isso que forma a escola de samba. Tem que começar fazendo o Carnaval de rua para que a comunidade cresça com sustentabilidade. Então, não tem fantasia, é todo mundo livre, todos podem participar”, disse Eduardo Corrêa.
Mas, para aqueles que têm interesse em participar da escola, só que sem a necessidade de se comprometer com algum departamento da agremiação, existe a Torcida Frenética do Arco-Íris. “É para o integrante que torce pelo crescimento da escola. É ele que vai para a arquibancada torcer com a gente, levantar a nossa bandeira. Esse é o objetivo da torcida organizada. Visitar as escolas de samba para passear, visitar as escolas do Rio de Janeiro. Esse é o espírito da torcida organizada”, afirmou Corrêa.
“A comunidade é muito grande e precisa desse espaço. O Carnaval é feito pela comunidade gay. Em todos os barracões que você for, você vai ver carnavalesco gay, aderecista gay, diretores gays. Dentro dessa comunidade ainda existe preconceito e aqui não. Aqui a gente vem do jeito que quer, do jeito que gosta, é bem-vindo e sai feliz”, disse Ioiô Vieira de Carvalho (30), passista de ouro e uma das co-fundadoras do Grêmio.
Rio de Janeiro

Não é só em São Paulo que o público GLBT tem uma escola para chamar de sua. Fundada em 7 de julho de 2007, o Grêmio Recreativo Escola de Samba Arco-Íris de Amor nasceu como um tributo. “A minha intenção foi prestar uma homenagem aos verdadeiros artistas do Carnaval que são os carnavalescos, o pessoal do barracão que faz realmente a festa. Não só com a arte, mas com a alegria”, explicou Rhichahs, 50 anos, presidente e fundador da agremiação.
Com três anos de vida, a Arco-Íris de Amor ainda não desfila. De acordo com o presidente, a escola ainda está se estruturando para, no Carnaval de 2012, entrar na avenida bem preparada. “Enquanto eu não puder colocar um carnaval a altura, a gente não vai desfilar. Não criei uma escola para fazer homenagem e colocar qualquer coisa na rua. Afinal de contas, o povo não é qualquer coisa e não merece qualquer coisa.”
*Com informações do site Terra.

Mais de cem homossexuais são presos por realizarem festa ¨depravada e decadente¨, em Bahrein Resposta

Cerca de centro e vinte pessoas, em sua maioria homossexuais, foram presos na cidade de Manama, em Bahrein, por causa da realização de uma festa tida como ¨depravada e decadente¨.

Os organizadores alugaram um centro esportivo de Al Hidd, uma aldeia conservadora na ilha de Muharraq, no norte de Bahrain, e realizaram uma festa que trouxe vários homens gays dos países do Golfo Pérsico.
A maioria dos gays tinham entre 18 e 30 anos. Os vizinhos reclamaram do barulho noturno que vinha da festa e alertaram a polícia, que enviou uma patrulha para verificar as reivindicações dos moradores. Um agente disfarçado pagou 20 dinares e entrou na festa, onde viu dezenas de travestis bebendo e fumando narguile. Outras patrulhas foram chamadas e mais de cem pessoas foram presas.
As investigações iniciais revelam que os gays eram cidadãos do Golfo, que foram para Bahrein por causa da festa e pessoas que já viviam lá. Os organizadores foram presos separadamente. Os responsáveis pelo clube disseram que vão analisar o caso.
A homossexualidade é proibida em Bahrein, como nos outros cinco países do Conselho de Cooperação do Golfo (Omã, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Qatar e Kuwait), e os estrangeiros presos por conta das atividades homossexuais são deportados após cumprirem penas de prisão.

Relatório Rio sem Homofobia mostra raio-x do preconceito Resposta

Eleito em 2009 melhor destino gay do mundo pelo site TripOutTravel e pelo canal americano Logo, da MTV, o Rio tem estatísticas que em nada combinam com a imagem descolada e liberal que ganhou o mundo: estudo inédito feito entre julho de 2009 e novembro de 2010 contabiliza 48 registros por mês de crime presumidamente motivado por homofobia no estado todo.
Ao todo, são 776 registros. A capital lidera, com 485 casos (62,5%), e justo a Zona Sul, onde estão concentradas boates voltadas ao público LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) e onde é promovida anualmente a Parada LGBT de Copa, o topo do ranking.
O levantamento, feito pelo Programa Rio Sem Homofobia, mostrou que a delegacia recordista de boletins de agressão contra LGBT é a 14ª DP (Leblon). Lá estão concentrados 7% dos casos da cidade do Rio. A delegacia da Penha teve menos de um terço desse número e a de Bonsucesso, por exemplo, também não chegou à metade.
A 35ª DP (Campo Grande) e as Delegacias de Atendimento à Mulher estão na segunda posição, com 6,8% dos registros cada, seguidas pela 9ª DP (Catete), que engloba o bairro da Glória — onde há conhecido calçadão de prostituição — com 6,4% das ocorrências.
“A Zona Sul é onde há mais lugares com diversão para o público gay. O que preocupa é que, se há grande procura nas delegacias de lá, a vítima pode estar se sentindo inibida de fazer o registro no seu bairro de origem”, disse o superintendente estadual de Direitos Individuais, Coletivos e Difuso, Claudio Nascimento.
O mapa da homofobia no estado aponta que, dos 92 municípios, 42% tiveram alguma ocorrência de violência contra homossexuais notificada. Depois da capital, a Baixada Fluminense, com 15,1% dos casos, é onde há maior número de registros. Nessa região, Comendador Soares está no alto da lista, com 21,3% das situações levantadas.
“Esses dados mostram que a homofobia está presente em todo o estado. Esses números poderiam ser ainda maiores, se não fosse o medo. Queremos transformar um ciclo vicioso de impunidade num círculo virtuoso de cidadania”, explicou Nascimento.
Segundo o estudo, homens entre 30 e 39 anos são os que mais sofrem preconceito. Entre as lésbicas, as estudantes, donas de casas e comerciantes são os principais alvos. A maioria das ocorrências ocorre por injúria, ameaça e furto.
Alvo e autor de agressões são, na maioria, homens 
Os homens não são só as principais vítimas de homofobia, eles também são os principais agressores. O estudo mostra que pelo menos 50,6% dos autores de delito são do sexo masculino — só 16% são mulheres e 33,4% não tiveram sexo identificado — e a maioria tem entre 30 e 39 anos.
A travesti Rafaela Muniz, 25 anos, reconhece, nas estatísticas, o retrato de seus algozes no dia a dia. No final do ano passado, ela foi barrada na porta de uma casa noturna na Lapa. Primeiro, informaram a ela que não poderia entrar por causa da roupa curta. Ao voltar de calça jeans e camiseta, dois seguranças informaram que o lugar não aceitava travestis.
“Passei por um constrangimento horrível. As pessoas olhando e os funcionários falando que não poderia entrar por causa da minha orientação sexual. Me senti pior que um animal”.
Estudantes e cabeleireiros são principais vítimas
Foi justamente na recordista de registros de homofobia, a Zona Sul do Rio, que o estudante Douglas Igor Marques, de 19 anos, viveu momentos de terror, em novembro. Com um grupo de amigos homossexuais no Arpoador, em Ipanema, ele foi baleado por um militar do Exército e quase morreu.
O que Douglas não sabia é que estudante são algumas das principais vítimas deste tipo de crime. Pelo menos 13,5% dos agredidos têm a mesma ocupação do jovem agredido do Arpoador, segundo a pesquisa do Rio Sem Homofobia. Os cabeleireiros, com 6,5%, aparecem em segundo lugar como vítimas que mais procuram as delegacias para registrar boletim. Em seguida, vêm os aposentados, com 6%, funcionários públicos, com 4%, e militares, com 3,5%. 
“Assumi minha homossexualidade aos 12 anos e nunca pensei que o preconceito levaria uma pessoa a atirar na outra. Achei que iria morrer. Enquanto a lei que criminaliza a homofobia não for aprovada, nós, homossexuais, nunca teremos paz”, diz o jovem, que foi atingido ao sair da passeata do Orgulho Gay.
Jovem morto estava com gays
Nesta quinta-feira, a assistente administrativa Angélica Vidal Ivo, 40 anos, vai à terceira audiência do que ela chama de “causa da sua vida”. No processo, estão os últimos passos do filho, o estudante Alexandre Ivo Rajão, 14, morto, em São Gonçalo, por ser considerado homossexual.
A luta da mãe é para provar que o filho foi uma vítima porque estava com gays. “Estive com o investigador no Instituto Médico Legal (IML) e ele não me disse que se tratava de um crime de ódio. A Justiça, na minha condição social, não existe. Só acontece para quem pode bancar um advogado”, diz Angélica Vidal Ivo.
Apesar das dificuldades enfrentadas, o caso de Alexandre é uma exceção. Dos 776 registros de homofobia, apenas 8,5% estão em andamento. A maioria, 33%, encontra-se no Juizado Especial Criminal, por ser considerada crime de menor potencial ofensivo.
*Com informações de O Dia.

São Paulo e Brasília vão comemorar Dia da Visibilidade Trans Resposta

Instituido em 2004 pelo Ministério da Saúde, 29 de janeiro ficou marcado como o dia para ressaltar a importância da diversidade e do respeito a travestis, transexuais e transgêneros. Em São Paulo e Brasília haverão debates, mostra artística e seminário. Confira a programação a seguir.

São Paulo:
– 27/01, 16h – Vídeo-debate sobre transexualidade (CRD)
– 28/01, 16h – Lançamento do livro “Diversidade Revelada” e exposições de fotos de travestis e transexuais da cidade de São Paulo (CRD)
– 29/01/2010, 19h – Exposição de Artes Multimídias Sobre Travestis e Transexuais no Brasil. Show Performático com a Marcela Volpe homenageando o ícone Dalida(*Casarão Brasil)
– 01/02/2010, 19h. – Exibição do filme “O T da questão” (CRD)
– 02/02/2010, 19h. Terças Trans Especial – Os caminhos da Cidadania de Travestis e Transexuais de SP – Resolução 208/2009 Cremesp / Decreto n.º 51.180 (CRD)
– 03/02/2010, 19h. – Roda de conversa. Tema: Homens Trans Exibição Filme Surpresa (Casarão Brasil)
– 04/02/2010, 19h. – Peça Teatral “Um Dia, Um Cisne” (Casarão Brasil)
– 05/02/2010, 19h. – Encerramento com a exibição do filme “Meu amigo Cláudia” (CRD)
Serviço:
CRD – Centro de Referência da Diversidade
Endereço: Rua Major Sertório, 292,294 – República. 
Telefone: (11) 3151-5786
Casarão Brasil
Rua Frei Caneca, 1057
Tel.: (11) 3171.3739
E-mail: contato@casaraobrasil.com.br
Brasília:
A capital do país vai receber no próximo dia 28 o 3º Seminário da Visibilidade de Travestis e Transexuais do Distrito Federal. Começa às 19h, no auditório da Central Única dos Trabalhadores do Distrito Federal (CUT-DF). O evento faz parte das comemorações do Dia de Visibilidade das Pessoas Trans, 29 de janeiro, e vai girar em torno da realidade dessa população em Brasília e seu entorno.
O foco do debate será o fim da transexualidade como doença e a transfobia que essas pessoas enfrentam na região. A CUT fica na SDS Edifício Venâncio V subsolo – lojas 4,14 e 20. Mais informações pelos telefones (61) 8424-3878 e 8487-1315.
*Com informações da Agência de Notícias da AIDS

Viradouro reinagura banheiro gay e coroa Boneca G Resposta

Suellen Pinheiro
A Viradouro foi a primeira escola de samba a ter um banheiro especial para o público gay. No próximo sábado (29/01), a partir das 22h, será realizada a reinauguração do espaço, que completa três anos, renovado e decorado pelo designer Joåo Calheiros. 

A festa terá inicio com a coroação da Boneca G 2011, Suellen Pinheiro, a madrinha do evento será a atriz Suzana Pires, da novela Araguaia, da “TV Globo”.
– Será uma grande festa, conto com a presença de todos os amigos em nossa quadra, faço queståo que a atriz Suzana Pires, seja a madrinha da festa e corte a faixa para reinaugurar nosso Banheiro Gay, que foi o pioneiro no mundo do samba – disse o promoter da escola Toni Lemos.
A festa segue com o show da bateria Furacão Vermelho e Branco, sob o comando de Mestre Pablo, embalada pela voz dos cantores da agremiação, comandando a apresentação das baianas, passistas e o bailar do primeiro casal de mestre sala e porta bandeira da escola, Robson e Ana Paula. Tudo isso ao som do samba enredo que a agremiação levará para a Avenida no carnaval 2011, com o enredo “Quem Sou Eu Sem Voce?” do carnavalesco Jack Vasconcelos.
Serviço:
Data: 29 de Janeiro
Local : Av. do Contorno, nº 16 – Barreto – Niterói
Horário: 22h
Entrada: R$ 5 Damas
R$ 10 Cavalheiros
Informações: (21) 2628 7840

Banheiro exclusivo para gays da Unidos da Tijuca causa polêmica entre militantes Resposta

Um banheiro voltado para o público LGBT, foi criado na escola de samba carioca Unidos da Tijuca e já é motivo de revolta entre alguns militantes gays. O banheiro, que vai ser inaugurado no próximo sábado (08/01) na nova quadra da escola, foi criado com o objetivo de atender os pedidos dos próprios gays que frequentam a escola, que eu como grande conhecedor e frequentados de escolas de samba, posso afirmar que a Unidos da Tijuca é uma das escolas que mais tem gays entre os foliões.

Segundo os componentes, eles estão felizes porque agora terão um banheiro só para eles poderem dar pinta e se maquiarem, sem ter que esbarrarem com heterossexuais que adoram fazer piadas discriminatórias com os homossexuais.

Porém, militantes do movimento LGBT acharam tal atitude um absurdo e homofóbica. Cláudio Nascimento, coordenador do Programa Rio Sem Homofobia, do governo do estado, disse que ¨essa proposta é uma sinalização de preconceito que pode chegar à violação dos direitos humanos. Além de estigmatizar, a criação deste banheiro gay extrapola o bom senso e estimula a homofobia¨.

Cláudio abriu um manifesto com críticas à iniciativa da escola de samba Unidos da Tijuca, mas não deve saber que esta não é a única escola que possui o banheiro gay. A Unidos de Vila Isabel e a Grande Rio já fazem isso há algum tempo.

Concordo com ele quando diz que os banheiros devem ser apenas de homens e mulheres e que homossexuais possam frequentar normalmente, mas o que eles também não devem saber é que em uma quadra de escola de samba dá gente de todos os tipos, inclusive marginais, criminosos e também homofóbicos. E gay de escola de samba gosta de ser alegre, gritar, pintar a cara, e muitas vezes sofrem com preconceitos por conta de sua alegria. E sem falar nos travestis que passam por constrangimentos quando vão a banheiros masculinos ou femininos.

Os militantes também disseram que ¨se as pessoas começarem a achar normal construir espaços exclusivos para homossexuais, isso vai abrir precedentes para outras formas de discriminação, que podem ser perigosas¨. Sugiro, então, que fechem todas as boates e bares gays do país, e que casais homossexuais passem a frequentar boates heterossexuais, aí sim, vão ver o que é preconceito.

Acho muito louvável o trabalho que alguns militantes fazem, mas às vezes esquecem que nossa política é errada e a homofobia existe. Isso é um pedido dos próprios gays frequentadores das escolas de samba. Bruno Tenório, diretor de comunicação da Unidos da Tijuca, disse que este é um pedido dos gays da escola, e que não existe homofobia, e sim, proteção.