Ex-BBB Ariadna fez história como primeira rainha de bateria transexual 1

19029--620x0-1

Ariadna Arantes passou pela Marquês de Sapucaí quase sem nada na fantasia no posto de rainha de bateria da Unidos da Vila Santa Tereza, escola de samba do Grupo A, na madrugada de sábado (9/2). A ex-‘BBB’ usou apenas a parte de baixo do biquíni e purpurinas para cobrir parcialmente os seios.

19028--620x0-1

Ariadna disse que estava um pouco nervosa para participar do desfile das escolas de samba pois considerava uma grande responsabilidade ocupar o cargo de rainha da bateria. Além disso, o fato de ela ser a primeira transexual a ocupar o posto também pesou muito!

Usando pedrarias em tons de azul e verde, a modelo representou Iemanjá. A sandália chegada da Itália da marca Loriblu, feita com cristais Swarovski, que compôs a fantasia, foi avaliada em mais de R$ 10 mil. “Foi feita exclusivamente para mim”, contou Ariadna.

19026--620x0-1 19025--620x0-1 19021--620x0-1 19023--620x0-1 19024--620x0-1 19022--620x0-1 19020--620x0-1Fonte: Purepoeple

SP: transexual se inspira em Ariadna (ex-BBB) para se tornar rainha de bateria 1

Flayra Fleck

Flayra Fleck

Destaque de chão da primeira escola de samba a desfilar domingo (10/2), pelo grupo de acesso de São Paulo, a bela transexual Flayra Fleck (23) sonha em seguir os passos da ex-BBB Ariadna e, como ela, ser rainha de bateria algum dia. Enquanto o dia não chega, ela capricha no samba e encara uma “maratona” de desfiles na capital paulista – foram quatro participações, no total.

“Eu sonho sim em ser rainha de bateria. Se a Ariadna conseguiu, por que eu não teria chances?”, disse Flayra, que foi destaque de chão do segundo carro alegórico da escola Unidos de Santa Bárbara, grupo que conquistou uma vaga no grupo de acesso do ano passado e abriu os desfiles na noite de hoje, abordando o tema paz, amor e diversidade.

Esse é o quinto ano que Flayra desfila no carnaval de São Paulo que, segundo ela, tem dado cada vez mais espaço aos transexuais e à diversidade. “No carnaval, não sofro nenhum preconceito. As escolas de São Paulo têm valorizado cada vez mais a diversidade e a nossa presença ajuda a quebrar o preconceito”, afirmou.

Experiente na avenida, a transexual disse que, ao contrário de suas colegas do sexo feminino, nunca perdeu o tapa-sexo desfilando, e diz não ter medo dessa saia-justa. “Tenho meu truque para não cair”, disse.