Bruna Linzmeyer participa de manifestação lésbica no Rio Resposta

Bruna e Namorada

Bruna Linzmeyer participou de uma manifestação pelo Dia Internacional da Mulher na noite desta quinta-feira (8), no Rio. A atriz, que namora Priscila Visman, publicou registros de uma passeata que aconteceu nas ruas do Centro e deu ênfase ao lema da manifestação: “O corpo é da mulher, ela dá pra quem quiser. Inclusive pra outra mulher”.

Nas imagens publicadas por Bruna no Instagram, é possível ver um grupo de moças segurando uma faixa que diz: “Lésbicas resistem e existem. Nenhum direito a menos”. Bruna ainda completou: “Eu vou dar pra quem quiser. Inclusive para outra mulher”.

A atriz, desde que assumiu a sua homossexualidade, bissexualidade ou “liberdade”, se transformou em uma das pessoas mais influentes entre os LGBTs brasileiros.

Parabéns, Bruna!

Mulheres que inspiram: Laura Cardoso: Gosto mais de ser chamada de inteligente que de bonita Resposta

Laura Cardoso

“Sempre fui muito determinada e não me permiti ser prejudicada por ser mulher”. (Reprodução/GShow/)

“Gosto mais de ser chamada de inteligente que de bonita. O tempo passa. Se a mulher for inteligente saberá aceitar todas as idades, dos 15 aos 100. A vida é maravilhosa, nos traz oportunidades e encantos, ela não para nunca. É preciso caminhar com o tempo, independente da idade.”, diz a atriz Laura Cardoso (90), uma das mais queridas e talentosas do Brasil.

A atriz soma quase 80 títulos entre novelas, minisséries, séries e teleteatros. No ar como a cafetina Caetana em “O Outro Lado do Paraíso” (Globo), Laura afirma não poder fazer planos futuros, mas se tiver vida, ressalva, fará um filme com as cineastas Tereza Aguiar e a Ariene Porto após finalizar as gravações da novela de Walcyr Carrasco, em maio. Diz que atuou com as cineastas no filme “O Crime da Cabra”, ao lado do Lima Duarte, e que tem um novo convite.

“É bom que fico empregada. Fico bem. É sempre um presente e uma sorte estar trabalhando. Um bom papel depende do ator. Com inteligência é possível fazer de qualquer personagem um grande papel. Mas precisa ser ator, não pode ser enganação.”

Laura Cardoso

Laura Cardoso interpreta a divertida Caetana em O Outro Lado do Paraíso (Foto: Raquel Cunha/Globo)

Pioneira na teledramaturgia brasileira, Laura Cardoso começou a carreira aos 15 anos em radionovelas da Rádio Cosmos e migrou para a televisão quando a nova mídia surgiu, na década de 1950. Ao longo da carreira, diz, nunca se sentiu prejudicada por ser mulher. “Sempre fui muito determinada, na minha carreira e na vida, e não me permiti ser prejudicada.”

A atriz conta ter crises de choro ao ler jornais e se deparar com mães cujos filhos passam fome, ou que têm que deixar os filhos sozinhos em casa para trabalhar. “Ser mulher no Brasil não é fácil. Mas se pensarmos nas classes sociais, é pior para a classe pobre. Para a mulher que não tem alimentos para dar para o filho, cuja criança não tem acesso a escolas e hospitais.”

Com 75 anos de carreira e diversos prêmios no currículo, Laura Cardoso diz se inspirar na obra da poetisa Cora Coralina (1889-1985), da antropóloga Ruth Cardoso (1930-2008), e da psiquiatra Nise da Silveira (1905-1999), que dedicou à vida ao combate aos tratamentos agressivos, como eletrochoque, insulinoterapia e lobotomia.

“Muitas mulheres que me inspiraram. Nise fez um trabalho magnífico sobre as pessoas, sobre a mente, sobre a loucura. O trabalho dela esclarece a vida. Já Ruth Cardoso foi um exemplo de pessoa e de mulher.”

Para as mulheres, Laura Cardoso aconselha a serem guerreiras, corajosas e “mulheres na verdadeira concepção da palavra: a mola que move o universo”.

Para ler a reportagem completa, clique aqui.

Rubens Ewald Filho pode ser vetado da TNT após comentários transfóbicos em transmissão do Oscar Resposta

Rubens Edwald FIlho

Comentários transfóbicos complicam vida de crítico de ciema.

Além de interromper e ser grosseiro com a sua colega, Domingas Person, na apresentação do Oscar, Rubens Ewald Filho indignou o público da TNT ao fazer comentários machistas e transfóbicos durante a apresentação da festa.

Ao comentar sobre Daniela Vega, primeira atriz transexual convidada a apresentar um musical na premiação, o crítico disse que “essa moça, na verdade, é um rapaz”. Mais tarde, quando Frances McDormand subiu ao palco para receber o prêmio de Melhor Atriz, Rubens a chamou de feia e citou rumores de que ela estaria bêbada em uma premiação anterior. “Acho interessante que essa senhora não é bonita, deu um show de bebedeira no Globo de Ouro e, de repente, o filme é um sucesso”, disse.

Muitos internautas reclamaram da postura do veterano e o acusaram de preconceito. A TNT também não gostou nada dos comentários, e chegou a repudiar o ocorrido através de uma nota:

“Rubens Ewald Filho é um dos mais respeitados e conceituados críticos de cinema do país e há anos leva informação, conhecimento e sua paixão na cobertura das premiações pela TNT. Rubens se desculpa pelos termos que possam ter ofendido ou provocado mal-estar. Em nenhum momento, houve a intenção de endossar qualquer posicionamento preconceituoso”, finaliza. Ainda durante a premiação, o canal usou as redes sociais para se retratar, embora não tenha conseguido dispersar as críticas. “Sim, a Daniela Vega é uma mulher. E que mulher!”, dizia a publicação da TNT.

A emissora discute o afastamento dele.

“Não sou sexista ou transfóbico”

Em entrevista à revista Veja, o crítico se defendeu:

“O que aconteceu com relação à atriz Daniela Vega, foi, no fundo, uma confusão minha de termos técnicos de expressão, mas nunca, em hipótese alguma, uma atitude sexista e transfóbica”, afirma o crítico ao site de VEJA. “Que tudo isso que aconteceu sirva para se falar ainda mais sobre o assunto, para se promover ainda mais esta causa. Que pessoas leigas aprendam os termos técnicos, e me coloco neste caso, aprimorem seu vocabulário nesse sentido.”

Então tá…

*Com informações do TV Foco

Famosos protestam contra ‘cura gay’ 26

Foto: Arquivo MBPress

Foto: Arquivo MBPress

Na terça-feira (18/06), a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputadis aprovou um projeto batizado de “cura gay”. De autoria do deputado João Campos (PSDB-GO), a proposta veta o direito do Conselho Federal de Psicologia de proibir tratamentos que se proponham a reverter a homossexualidade.

A aprovação gerou protestos pelas redes sociais. A atriz Thammy Miranda, homossexual assumida, não se calou e publicou no Instagram um texto bem irônico sobre o assunto.

Ela alega que está “doente” há 30 anos:

“Venho por meio deste comunicar que estou impossibilitada de trabalhar. Tô doente desde que nasci e aos 30 anos ainda não consegui minha cura! Preciso da ajuda do governo para pagar minhas contas e sustentar os meus luxos. Me coloco também a disposição do Deputado em questão a me curar, pois não sei mais o que vou fazer da vida com essa minha doença que já dura 30 anos! Peço a ele também, bolsa desemprego, bolsa alimento, bolsa gasolina, bolsa balada, bolsa cabeleireiro, bolsa imposto. Porque tô muito doente e não posso nem sair na rua, da que eu passo isso pra alguém? Vai que é contagioso e todo mundo ‘fica’ gay por minha culpa? ‘FICA’, né? Porque se é doenças, eu não sou gay e sim ‘ESTOU’ gay… Enfim, DEPUTADO, estou ansiosamente no aguardo do seu contato, pois quero muito me curar! Não sei se consigo viver mais 30 anos com essa doença!”

O deputado Marco Feliciano (PSC-SP) presidiu a sessão que aprovou o projeto. A iniciativa tenta extinguir dois artigos de uma resolução de 1999 do Conselho Federal de Psicologia: um impede a atuação dos profissionais da psicologia para tratar homossexuais. O outro proíbe qualquer ação coercitiva em favor de orientações não solicitadas pelo paciente e determina que psicólogos não se pronunciem publicamente de modo a reforçar preconceitos em relação a homossexuais.

Apenas os deputados Simplício Araújo (PPS-MA) e Arnaldo Jordy (PPS-PA) votaram contra o projeto. Há cerca de um mês, Feliciano comentou sobre o assunto nas redes sociais: “A mídia divulga um projeto de lei como ‘cura gay’ quando na verdade ele não trata sobre isso, até porque homossexualidade não é doença. Esse projeto protege o profissional de psicologia quando procurado por alguém com angústia sobre sua sexualidade.”

Antonia Fontenelle contou no Twitter que é bissexual

Antonia Fontenelle contou no Twitter que é bissexual

A atriz Antonia Fantonelle foi às redes sociais protestar contra a aprovação na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da proposta que permite o ‘tratamento’ psicológico da homossexualidade.

Em seu twitter, Antonia revelou sua bissexualidade e postou uma mensagem indignada. “Eu nao sou gay, as vezes bi, mas uma coisa eu prometo se essa lei criada por esse doente do Feliciano for adiante, vou convocar pessoalmente…  meus amigos gays e poderosos e todos os gays desse país pra invadir o Congresso aí sim, vocês verão quem vai precisar de cura”, escreveu atriz, citando o presidente da CDHM, Marco Feliciano (PSC-SP).

“É o cumulo do absurdo, com tanta coisa importante acontecendo nesse momento, um bando de intolerantes, fichas podres, reunidos criando leis”, continuou Antonia na mensagem seguinte.

Rodrigo Andrade

Rodrigo Andrade

O ator Rodrigo Andrade , no ar em “Amor à Vida”, entrou na onda de protestos e apoiou a colega na rede social. “Senhor Dep. @MarcoFeliciano e demais, vcs deveriam tentar achar cura da imbecilidade de vcs isso sim!”.

“Sou a favor da fé, do amor e tenho Deus acima de td em minha vida. Mas,o momento historico q estamos vivendo e eles preucupados c cura gay?”, completou Rodrigo.

Bruno Gagliasso - ator encabeça lista de artistas contra a 'cura gay' /Foto: Reprodução Instagram

Bruno Gagliasso – ator encabeça lista de artistas contra a ‘cura gay’ /Foto: Reprodução Instagram

Depois de participar da passeata que reuniu 100 mil pessoas no Rio de Janeiro, nessa segunda-feira (17/06), Bruno Gagliasso começou uma campanha na tarde desta quarta-feira (19) contra o projeto de ‘cura gay’ proposto pelo deputado e pastor Marco Feliciano, que foi aprovado pela Comissão de Direitos Humanos nessa terça-feira (18). O ator foi logo seguido pela atriz Leandra Leal, cujos cartazes convidam os fãs a participarem de uma passeata contra Feliciano nesta quinta-feira (20), no Largo de São Francisco, no Centro da Cidade.

Leandra Leal - atriz também aderiu ao movimento /Foto: Reprodução Instagram

Leandra Leal – atriz também aderiu ao movimento /Foto: Reprodução Instagram

A foto dos dois atores está sendo compartilhada em toda a rede. O jornalista Bruno Chateaubriand, casado com o empresário André Ramos há 15 anos, pensou muito antes de postar a foto segurando o cartaz. “Fiquei muito transtornado com o projeto, mas não queria sequer citar o nome dessa pessoa, porque para mim ele é como o Lord Voldemort (de Harry Potter, Aquele-Que-Não-Deve-Ser-Nomeado), mas não podemos ficar calados porque o Brasil está passando por um momento de insatisfação geral. Estamos vivemos um momento catártico e essa é a hora”, diz Chateaubriand à coluna, afirmando que a ‘cura gay’ vai contra a resolução da ONU, da Organização Mundial de Saúde, que não considera a homossexualidade uma doença e ainda baseado na Declaração Universal dos Direitos Humanos, que promete um mundo livre e igual. “A maioria dos deputados não apresenta o que o povo quer ou precisa na saúde, educação e coisas tão importantes para o país. Falar desse cara é uma cosia horrível, mas não tem como ficar calado”, desabafa Bruno.

Bruno Chateaubriand - jornalista está inconformado com o projeto /Foto: Reprodução Instagram

Bruno Chateaubriand – jornalista está inconformado com o projeto /Foto: Reprodução Instagram

O projeto conhecido como ‘cura gay’ tem recebido várias críticas por pedir a extinção de dois artigos de uma resolução de 1999 do conselho que impedem a atuação de profissionais de psicologia para tratar homossexuais e a ação coercitiva em favor de orientações não solicitadas pelo paciente. Para que o projeto se torne lei, ele ainda terá que passar pela Seguridade Social e Família e a Constituição e Justiça, o plenário da Câmara e o Senado. Se sobreviver a tudo isto, ele ainda terá que ser aprovado pela Presidência da República.

As redes sociais estão em rebuliço com famosos e anônimos se manifestando, como o ator Alexandre Nero: “O negócio é o seguinte: se rolar manifesto contra esse lance de ‘cura gay’, se não puder rolar violência não me chamem”; além de tantos como Marcelo Tas, Susana Pires, Marcos Mion…

Às vésperas de voltar à TV, Rogéria diz que vive em um país sem preconceito 1

RogeriaPrestes a entrar em Lado a Lado (Rede Globo), Rogéria está radiante. Atriz, a loira, de 69 anos, dará vida à diva do teatro Alzira Celeste – mãe da personagem de Maria Padilha, Diva Celeste – na novela das 18h, como não poderia deixar de ser.

O humor sutil e irônico de Rogéria entra em cena no capítulo 136 (que vai ao ar no dia 12 de fevereiro) e ela ainda não sabe nem quando começa a gravar nem quanto tempo vai durar na trama de João Ximenes Braga e Cláudia Lage. Sentada em seu apartamento no Leme, bairro da zona sul carioca, a artista deixou o primeiro texto de lado para falar com o Purepeople contando que, apesar de ainda não saber detalhes sobre a personagem, está feliz de voltar à TV. Sem medo de polêmica, Rogéria, que se apresenta como a travesti da família brasileira, diz que o Brasil não é um país preconceituoso:

“Sempre faço shows, mas televisão é televisão. Estou feliz da vida porque meu país querido não tem preconceito. Vou fazer 70 anos. Tudo isso é um presentaço”, comemora. O aniversário, em maio, segundo ela, será intimista. Coisas da maturidade. Hoje, ela preza pelos poucos e bons. “Queriam fechar o Leme, mas cansei. Foram muitos aniversários, muitas festas”, recorda.

No bairro que escolheu, Rogéria optou por viver só. A atriz só viveu o casamento uma vez, aos 19 anos, com seu único grande amor. “Não conto o nome porque pode dar processo, sabe como são essas coisas. Mas para mim, só teve um… Só teve um porque a junção de sexo com amor, só consegui com ele. Os outros foram amantes”.

Sobre sua identidade de gênero, Rogéria diz: “Sou homem. Para homem, nada pega mal, meu amor. Sou um artista. A arte é independente do sexo”, afirma.

O interesse na mudança de sexo nunca existiu. Nesse ponto, prefere continuar sendo “ele” e se abster do efeito que denomina “buraco negro” advindo da cirurgia. “Rogéria é uma artista, não sou trans. Respeito elas, mas para mim, ser uma boa artista sempre foi suficiente”, afirma.

Por isso, o nome na identidade prevalece no masculino. “Deus me livre de mudar!! Sou Astolfo Barroso Pinto – Pinto que ainda tenho”, dispara.