Catro (CE): manifestantes protestam contra homofobia de empresário Resposta

Foto: Wagner Pereira

Uma manifestação aconteceu na noite do último domingo (15), na cidade de Crato, interior do Ceará, contra o proprietário de um restaurante que disse palavras homofóbicas. A mensagem foi dita em áudio transmitido no WhatsApp e tomou conta das redes sociais no último final de semana. Ao todo, 26 organizações, a maioria de apoio às causas LGBT, participaram do ato. Segundo os organizadores, 2 mil pessoas estiveram presentes.

No áudio, o empresário diz o seguinte: “O que o Bolsonaro faz aqui em oito meses, se o Lula ficasse mais trinta não ia fazer. Ele ia virar isso aqui em uma Venezuela, numa Bolívia, como tá acontecendo lá (…) Tem que acabar com ‘viados’, matar esses safados, esses ‘viados’ ‘tudinho’“.

A mensagem causou revolta dos movimentos sociais que retransmitiram o áudio durante a manifestação em um carro de som, em frente ao estabelecimento do empresário. Com cartazes, faixas e gritando palavras de ordem, o ato aconteceu após a missa e durou duas horas. “Muitos heterossexuais participaram dando apoio, solidariedade”, enfatiza André Lacerda, representante da Associação em Defesa e Cidadania dos Homossexuais de Crato (Adacho)

“Os nossos inimigos estão bem unidos contra nós, os LGBTs caririenses. Infelizmente, ainda estamos desorganizados. Precisamos compreender que a homofobia é agradável para os ‘heterossexista’. Eles esquecem as diferenças raciais, étnicas, religiosas e políticas, por quê? Porque eles colocam o identitarismo heterossexual hegemônico acima de tudo. Eles se unem para acabar com os LGBTs  e para fazer das nossas vidas um inferno”, desabafou André.

O representante da Adacho espera que este ato, que foi pacífico, sirva para fortalecer a identidade LGBT no Cariri. “Não há espaço para ser moderado, há espaço apenas para ser radical e lutar para dizer LGBTfobia é crime. Apenas uma identidade radical consegue viver em tempos difíceis. Radicalize-se para viver”, enfatizou.

Crime

No último dia 13 de junho, o Supremo Tribunal Federal determinou que a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero passe a ser considerado um crime. A conduta passou a ser punida pela Lei do Racismo (7716/89), que prevê delitos de discriminação ou preconceito por “raça, cor, etnia, religião e procedência nacional”. Inafiançável e imprescritível, a pena pode ser de um a cinco anos de prisão e, em alguns casos, multa.

O protesto mobilizou toda a comunidade LGBT da cidade (FOTOS: Reprodução/Facebook)

Empresário agride menino de 12 anos e é denunciado por homofobia no Paraná Resposta

Imagens do sistema de monitoramento de um posto de combustíveis no centro de Ponta Grossa registraram o que pode ser mais um caso de homofobia na cidade. Um adolescente de 12 anos foi agredido e ofendido e, supostamente, o motivo seria a cor do cabelo do menino. O fato aconteceu no último dia 17 e foi comunicado ao portal aRede nesta terça-feira (26). A Polícia Militar registrou boletim de ocorrência, mas o homem não chegou a ser preso.

Luiz Henrique da Silva Divardim, advogado da família do adolescente, conta que os pais do garoto estavam jantando num local próximo e o menino andava de bicicleta com os amigos. “Eles pararam no posto para comer um salgadinho e um refrigerante quando este homem chegou, desceu da caminhonete e foi direto até o menino”, relata. A caminhonete foi estacionada fora da vaga, como é possível verificar na imagem.

O vídeo mostra o homem puxando o cabelo e dando tapas no rosto do adolescente. “A todo momento, ele fazia comentários homofóbicos e falava do cabelo dele, que está pintado de loiro”, comenta Divardim. Assustado, o garoto entra na loja de conveniência, mas o empresário continua indo atrás do menino. Neste momento, uma frentista percebe que há algo de errado, intervém na briga e expulsa o homem do estabelecimento.

“Vamos entrar com ação cível e criminal contra ele por conta do trauma causado num garoto de 12 anos”, explica o advogado. A defesa do empresário ainda não foi encontrada para comentar a situação e dar sua versão dos fatos. 

Veja o vídeo clicando aqui: https://bit.ly/2EeH4rB

Fonte: ARede