Jogo do Bahia ganhou bandeiras arco-íris de escanteio em ato contra homofobia Resposta

O Esporte Clube Bahia foi o protagonista no último fim de semana de uma campanha de promoção dos direitos humanos. O time baiano fez uma manifestação pública no último domingo (15) contra a homofobia durante uma partida contra o Fortaleza.

A ideia da campanha é combater o preconceito e discriminação contra a comunidade LGBTQe diminuir a agressividade, sejam elas físicas ou verbais nas arquibancadas. Diversas bandeiras do arco-íris estiveram presentes nas linhas de escanteio durante a partida, que terminou empatada (1 a 1 ), válida pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Bahia também usou uma hashtag de promoção à campanha nas redes sociais, além de produzir um vídeo e divulgar um manifesto coletivo. Os torcedores puderam acompanhar online toda a preparação para o evento seguindo a hashtag #LevanteBandeira.

No vídeo, um torcedor homossexual expõe os preconceitos que vivencia devido à sua orientação sexual. Ele relata sua história enquanto costura uma bandeira arco-íris para ser usada em campo.

Em seguida, explana sobre a importância da igualdade e do respeito mútuo. “Sempre que alguém disser onde acaba meu campo, eu levantarei bandeira”, diz o rapaz no vídeo. O vídeo termina com a frase “Não existem linhas que limitem o amor. Diga não a homofobia”.

Homofobia nos estádios

Neste ano, vários clubes brasileiros têm organizado campanhas de repúdio e combate aos gritos homofóbicos disparados nos estádios.

Reações preconceituosas são punidas com desconto de pontos no campeonato. O Vasco, por exemplo, está sendo investigado por conta de músicas que a torcida cantou durante a partida contra o São Paulo em 25 de agosto.

Para acompanhar a mudança, o Bahia fez uma reestruturação do departamento de marketing e realizou diversas ações nos últimos meses em defesa de temas direitos humanos. Ele já se manifestou contra o racismo ao lado do Grêmio.

Altivo, o clube também fez ações contra a violência no futebol, em favor da demarcação das terras indígenas e contra a LGBTfobia. Também tornou mais acessível ao público torcedor denunciar o assédio sofrido nos estádios após saberem de um caso através das redes sociais. E fez uma ação em sua loja oficial oferecendo a realização de exames de DNA em campanha sobre abandono paterno.

Fonte: Meia Hora e Razões para acreditar.

Casal é vítima de ataque homofóbico em shopping de Fortaleza Resposta

LGBT-MAOS-DADAS.jpg
Um casal foi vítima de ataque homofóbico em shopping de Fortaleza nessa sexta-feira, 12. Em publicação no Facebook, a vítima que estava com a companheira, relatou ter sido abordada por dois homens enquanto as duas passeavam pelo local de mãos dadas.

“Atravessávamos a alameda do shopping, de mãos dadas, como sempre fizemos e fazemos, quando dois homens na faixa dos 40 anos esbarraram em mim e um deles disse: ‘Sapatona tem que morrer’”, lembrou.

A vítima que diz ser delegada afirmou ter sido a primeira vez que sofreu uma agressão lesbofóbica desde que se assumiu quando tinha 15 anos.

“Eu já contribuí tanto e contribuo diariamente com esse País, já coloquei na cadeia pedófilos, feminicidas, estupradores, tirando da sociedade uma escória de criminosos que poderiam estar nas ruas colocando em risco a vida de inúmeras famílias, inclusive a desses criminosos cretinos que me ameaçaram hoje!”, desabafou.

Por meio de nota enviada pela sua assessoria ao portal O Povo Online, o shopping afirmou que “repudia qualquer ato de preconceito”, além de tratar em “posição de respeito à diversidade“. Informando ainda que nestes casos, a administração recomenda que se procure a equipe de segurança para que seja dado o suporte necessário.

Grupos protestam pelo país contra deputado federal Marco Feliciano 6

Manifestantes de São Paulo protestam contra a permanência do deputado Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara (Foto: Cris Faga/Estadão Conteúdo)

Manifestantes de São Paulo protestam contra a permanência do deputado Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara (Foto: Cris Faga/Estadão Conteúdo)

Milhares de pessoas saíram às ruas na tarde deste sábado (9) em várias cidades do Brasil para protestar contra a eleição do deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) para a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados.

+ Pastor Marco Feliciano, eleito para comissão, responde por estelionato e homofobia no STF

+ Deputado Marco Feliciano: “Não aceito as atitudes homossexuais em espaço público”

+ Deputado e pastor Marcos Feliciado, chama Aids de doença gay, compara ativistas LGBT com propaganda nazista e diz que é coisa do diabo

Em São Paulo, a concentração foi marcada para as 14h na esquina entre a Avenida Paulista e a Rua da Consolação, na região central de São Paulo. Munidos de cartazes, os manifestantes caminham pela Rua da Consolação, ocupando faixas da rua no sentido centro.

Em Brasília, a manifestação começou na Rodoviária do Plano Piloto, organizada em redes sociais por membros dos movimentos LGBT e da Federação Umbanda e Candomblé de Brasília e Entorno. Os manifestantes chegaram a interditar quatro faixas do Eixo Monumental.

Houve manifestação, também, em Curitiba (PR).

Grupo do Espírito Santo protesta contra decisão dos deputados da Comissão de Direitos Humanos(Foto: Aubrey Effgen/VC no ESTV)

Grupo do Espírito Santo protesta contra decisão dos deputados da Comissão de Direitos Humanos
(Foto: Aubrey Effgen/VC no ESTV)

Já em Vitória (ES), mais de 200 pessoas se reuniram na Praça do Papa para protestar contra a nomeação do novo presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara.

De acordo com o organizador do evento no Espírito Santo, Guilherme Rebelo, a mobilização é nacional e começou pelas redes sociais. “O pastor não é a pessoa mais indicada para reivindicar o direitos humanos, ele é um dos primeiros a fazer discursos homofóbicos e racistas. Queremos sensibilizar a pessoas que desconhecem esse fato”, explicou Rebelo.

O organizador disse ainda que o grupo vai sair em caminhada até a Assembleia Legislativa com cartazes. A ideia é enviar uma nota de repúdio pela nomeação do parlamentar à Comissão de Direitos Humanos do Espírito Santo para que chegue a Câmara dos Deputados em Brasília.

Eleição criticada

A escolha de Feliciano para presidir a comissão gerou protestos de entidades de direitos humanos e de parlamentares. O deputado é alvo de dois processos no Supremo Tribunal Federal: um inqúerito que o acusa de homofobia e uma ação penal na qual é denunciado por estelionato. A defesa do parlamentar nega as duas acusações.

Pastor da igreja Assembleia de Deus, Feliciano causou revolta em 2011 por causa de mensagens publicadas no twitter. “Sobre o continente africano repousa a maldição do paganismo, ocultismo, misérias, doenças oriundas de lá: ebola, Aids, fome… Etc.”, escreveu na época. Ele também publicou que “a podridão dos sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime e à rejeição.”

Para Rafael Moreira, diretor da Federação, que organizou o protesto em Brasília, Feliciano não pode presidir comissão que atende direitos de minorias.

“Você quer uma pessoa dessas para atender o meu interesse ou dos LGBT? Se ele permanecer na presidência da comissão, a gente vai provar que a comissão é do povo, não dele. Como a gente dá um voto de confiança a um cara que ataca negros, gays e ligados às religiões de matrizes africanas?”, disse Moreira.

A publicitária Malu Rodrigues vê incoerência na eleição do pastor.

“É uma incoerência absurda ele ser eleito para presidir essa comissão. Ele é claramente racista e homofóbico. Não tem nada a ver com ele ser evangélico ou pastor, mas com ele mesmo”, disse.

Participando pela primeira vez de uma manifestação, a advogada Fabiane soube por meio de redes sociais da manifestação. Ela afirmou estar descontente com o cenário político brasileiro, mas disse ver a escolha de Feliciano para o cargo como “a gota d’água”.

“Eu me senti ultrajada. Não me sinto representada por uma presidência que fala de direitos humanos olhando só para uma parte. Que não representa as minorias, que na verdade são a maioria no país.”

Em Fortaleza, houve protesto de um grupo com cartazes e faixas. O ato de repúdio à nomeação do deputado teve concentração, às 14 horas, no aterro da Praia de Iracema e seguiu até o Jardim Japonês, no Meireles.

Grupo protesta contra Marco Feliciano em Fortaleza(Foto: Pedro Marques/Arquivo Pessoal)

Grupo protesta contra Marco Feliciano em Fortaleza
(Foto: Pedro Marques/Arquivo Pessoal)

De acordo com um dos organizadores do evento, Michell Barros, cerca de 400 pessoas estiveram presentes no protesto. O estudante de teatro criou o evento nas redes sociais. “Eu vi o exemplo do pessoal de São Paulo e resolvi criar a página e convidar a pessoas em Fortaleza”. Na página do ato, 2.865 pessoas haviam confirmado presença.

Um grupo de baianos também protestou na tarde deste domingo (10/3), contra a eleição do deputado Pastor Marco Feliciano para a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados.

A ação aconteceu em um dos principais pontos turísticos de Salvador, o Farol da Barra. De acordo com informações dos organizadores, cerca de 600 pessoas gritaram palavras de ordem e levantam cartazes com dizeres como “Fora Feliciano”, “Feliciano, respeite os seres humanos”, “Mais liberdade, Menos Feliciano”, “Nós somos agora a sua maldição” e outros.

O encontro foi organizado através de redes sociais e por volta das 17h25, o grupo seguiu sentido Ondina e deve parar nas proximidades da estátua do Cristo. Ao chegar no local, por volta das 18h, o grupo vestiu a estátua com a bandeira gay.  O Grupo Gay da Bahia estava presente no local.

O ator Lelo Filho da Companhia Baiana de Patifaria, esteve no protesto e disse que não quer o deputado representando a Comissão. “O meu pensamento é o mesmo das muitas pessoas que estão no protesto. Independente da religião, ele [o deputado] é a pessoa mais equivocada para assumir a Comissão de Direitos Humanos. O discurso dele sobre negros, África e gay vai na contramão de todas as lutas de classe no país. Esse protesto é completamente legítimo, e isso mostra o quanto a população está insatisfeita com essa escolha”.

Baianos realizam protesto contra o deputado federal Marco Feliciano (Foto: Carol Morena / Arquivo Pessoal)

Baianos realizam protesto contra o deputado federal Marco Feliciano (Foto: Carol Morena / Arquivo Pessoal)

protesto

Travesti baleada no Rio Grande do Norte pode ter sido vítima de homofobia, diz polícia 1

José Maria da Silva, baleado na perna, foi socorrido ao hospital (Foto: Marcelino Neto)

José Maria da Silva, baleado na perna, foi socorrido ao hospital (Foto: Marcelino Neto)

Uma travesti de 25 anos, natural da cidade de Fortaleza, no Ceará, foi vítima de um atentado com arma de fogo na noite desta segunda-feira (11) no município de Mossoró, na região Oeste do Rio Grande do Norte. Baleada na perna por suspeitos que estavam em um Gol de cor preta, José Maria da Silva (não consegui achar o nome social dela) foi socorrido ao hospital e não corre risco de morte. O crime foi registrado pelo Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp), órgão que auxilia as ações da Polícia Militar no estado.

A polícia acredita que José Maria pode ter sido vítima de homofobia. Segundo relatório, o travesti foi alvejado quando fazia ponto na Av. do Contorno, BR 304, nas proximidades da entrada do Hotel Vitória. De acordo com a própria vítima, o veículo parou de repente e um indivíduo, que estava no interior do carro, puxou a arma e efetuou um disparo. A bala atingiu a perna esquerda de José Maria, que disse não ter tido condições de reconhecer o suspeito.

Agentes da Ronda Ostensiva da Guarda Municipal de Mossoró prestaram os primeiros atendimentos à vítima e acionaram o Samu. José Maria foi socorrido ao Hospital Regional Tarcísio Maia e passa bem. A PM ainda realizou diligências nas imediações do hotel, mas não localizou os suspeitos.

Em Fortaleza, 5% dos casos de homofobia ocorrem entre familiares 1

Luanna Marley - Coordenadora do Centro de Referência LGBT

Luanna Marley – Coordenadora do Centro de Referência LGBT

No município de Fortaleza, 5% dos casos de homofobia registrados pelo Centro de Referência LGBT ocorrem dentro da casa das vítimas e são praticados pela própria família.

Segundo informações da coordenadora do centro de referência, Luanna Marley, a maioria dos casos tem como agressores a mãe, irmã ou padastro. Grande parte das denúncias ocorre entre adolescentes de 14 a 16 anos. “Fazemos um trabalho articulado com conselhos tutelares, serviço social, centro de referência e o setor de psicologia”, explica Luanna.

Outro grande fator que tem preocupado o centro de referência são as denúncias relacionadas ao ambiente de trabalho. “São atitudes preconceituosas de colegas de trabalho e pelo chefe. Há casos de demissão de pessoas por serem LGBT, mas que são camuflados por outras justificativas. Quando ocorre uma investigação acaba sendo constatado por meio de testemunhas que foi homofobia”, ressalta a coordenadora.

União estável

Mais de 30% dos atendimentos do centro são referente a união estável e casamento civil. Segundo a coordenadora houve um crescimento considerável entre os ano de 2011 e 2012, quando a Prefeitura, por meio da Coordenadoria da Diversidade Sexual realizou o primeiro mutirão da união estável juntamente com a defensoria pública.

Jovem gay diz ter sido proibido de beijar namorado em bar de Fortaleza 1

Homofobia em Fortaleza

Uma denúncia de homofobia em um bar de Fortaleza repercutiu nas redes sociais esta semana. De acordo com relato do estudante Tel Cândido, de 25 anos, ele e um grupo de quatro amigos, estavam no bar na noite do sábado (15) e foram advertidos pela garçonete de que não era permitido troca de beijos e outras formas de carinho no estabelecimento. Questionada se a regra valia para todas as pessoas, a garçonete disse, segundo Cândido, que nas “normas da casa” a proibição se restringia aos casais do mesmo sexo. O post escrito pelo estudante em seu perfil no Facebook teve centenas de compartilhamentos durante a semana.

+ Brasil é criticado por não citar homofobia e nem tratamento de Aids em documento sobre Direitos Humanos na ONU

+ Paulo Paim é novo relator de projeto que criminaliza a homofobia

+ Suspeitos de agredir André Baliera não responderão por tentativa de homicídio

+ BA: Jovem sofre ataque homofóbico em Camaçari

+ Criminalize já

Por telefone, uma das proprietárias do bar, o Suvaco de Cobra, Sheila Nogueira, disse ter havido um mal-entendido. Segundo ela, aconteceu foi um certo “exagero” na troca de beijos do casal e que de maneira nenhuma teve a intenção de cometer um ato de homofobia. “Depois do acorrido, conversei com o rapaz, pedi desculpas e expliquei que o que estava sendo questionado era a intensidade das carícias e até pedi que eles tivessem um pouco de bom senso, já que estávamos em um ambiente frequentado por pessoas de todas as idades. Se um casal heterossexual tivesse se comportado da mesma maneira, nós também os teríamos abordado”. Engraçado que os donos de estabelecimentos homofóbicos sempre usam a mesma justificativa: carícias excessivas.

Para o estudante, houve um clássico ato de preconceito por parte da administração do bar. “É isso que dói, mesmo quando um pedido de desculpas vazio tenta mascarar os preconceitos que sustentaram esse episódio. É mais do que um beijo, é mais do que o direito a consumir, é, sobretudo, ver-se julgado como inferior, como anormal, como imoral, sujo. É isso que nenhum pedido de desculpas repara”, disse.

Festival For Rainbow começa hoje em Fortaleza (CE) Resposta

Festival For Rainbow exibe filmes de 7 a 13 dedezembro

Festival For Rainbow exibe filmes de 7 a 13 de
dezembro

A sexta edição do For Rainbow – Festival de Cinema e Cultura da Diversidade Sexual, começa nesta sexta-feira (7) em Fortaleza. A mostra de filmes é a única do país com a temática e o universo LGBT, e segue até 13 de dezembro, sempre às 18h, na Casa Amarela Eusélio Oliveira, no Bairro Benfica. As exibições são gratuitas.

No primeiro dia, o For Rainbow apresenta o longa cearense “O voo da beleza”, dirigido por Alexandre Câmara Vale. Um show acústico do grupo “Veronica decide Morrer” também está marcado para a noite de abertura do festival.

Além de filmes, a programação do For Rainbow traz apresentações de teatro, dança, música, oficinas e exposição multimídia de artes visuais. Em 2011, o Festival percorreu 150 cidades do Brasil com a mostra itinerante. O encerramento do evento com terá a premiação e entrega do Troféu Arthur Guedes no dia 13 de dezembro, a partir das 20h, também na Casa Amarela.

Confira a programação da 6ª edição do Festival For Rainbow

Sexta-feira – 7 de dezembro
19h – Cerimônia de abertura – Casa Amarela
19h30 – Mostra Competitiva
Longa: O voo da beleza (CE 2012 doc 80 min), direção de Alexandre Fleming
21h – Show acústico como o grupo “Veronica decide Morrer” – Casa Amarela

Sábado – 8 de dezembro
16h – Mostra retrospectiva
Filme: Estamos Juntos (RJ – Brasil\Argentina – 50” – ficção), direção: Toni Venturi
19h30 -Mostra Competitiva – Curtas: Quenda (2010, RJ, documentário, 15 min), direção de Alexandre Bortolini. Boto Lovers (2012, SP, serie, ficção, 8min por episodio), direção de Caroline Fioratti e Rui Pires. A Life together (2010, USA, documentário, 18min, em inglês), direçao de Michel Chen e Paul Dtwiler. Diálogos Lésbicos (Bolívia), direçao de Coca Guerrero.
Mostra competitiva de longa: Olhe para mim de novo (2011, SP, documentário, 77min), direçao de Claudia Priscilla e Kiko Goifman.

Domingo – 9 de dezembro
16h – Mostra retrospectiva – filme: Boneca (Muñeca – Cuestión de Sexo), de 2008 (Santiago/Chile, ficção, 83min), direção de Sebastían Arrau.
18h – Apresentação do grupo CEM Silvia Moura.
19h30 – Mostra Competitiva – Curtas: Além das 7 Cores (2012, SP, documentário, 19min30seg), direção de Camila Biau. Tambores de Safo (2012, Fortaleza, documentário, 13min22seg), documentário de Joao Henrique. Parede Branca do que poderia ser (2011, SP, ficção, 16min50seg), direção de Pedro Paulo Andrade. 5 Razones (Equador, animação), direção de Santiago Rojas.
Mostra Competitiva – longa: Eu vos Declaro (2012, SP, documentário, 40min), direção de Alberto Pereira Jr.

Segunda-feira – 10 de dezembro
14h – Palestra Tônio Carvalho – Sala Casa Amarela
16h – Mostra retrospectiva – filme: Volta da pauliceia desvairada (2012, SP, documentário, 01h33min), direção de Lufe Steffen – Casa Amarela
19h – Peça Bagaceira – cinema Casa Amarela
20h15 – Mostra Competitiva – Curtas: Tchaka em Transe (2012, São Bernando-SP, documentário, 23min), direção de Livia Marques. Home for a Golden Gays (2010, Filipinas, documentário, 15min, inglês), direção de Nola Gracegaardman. Assunto de Familia (2011, SP, ficção, 12min38seg), direção de Caru Alves. Isso é Natural (2011, CE, 1min30seg), direção de Adriano Morais. Preguntas (2012, Bolívia, ficção, 5min), direção de Coca Guerrero.

Terça-feira – 11 de dezembro
16h – Mostra retrospectiva – filme: Como Esquecer (RJ, Ficção, 100min), direção de Malu de Martino
19h30 – Mostra Competitiva – Curtas: Joelma (2011, Salvador, ficção, 20 min), direção de Edson Bastos. Au commencement (2011, Belgica, animação, 06 min, em frances), direção de Laurent Leprince. Homem Completo (2012, SP, ficção, 15min), direção de Rui Calvo. Meninos brincam de Bonecos (2012, Fortaleza, animação, 09min48seg), direção de Yuri Yamamoto e Bruno Gomes. Sob Plumas e Véus (2001, RJ, 03min03seg).
Mostra Competitiva – longa: Lengua Marterna (2010, Argentina, ficção, 78min), direção de Liliana Paolinelli.

Quarta-feira – 12 de dezembro
14h – Oficina Silvia Moura.
16h – Mostra retrospectiva – Brinco de Estrela (2008, ficção, 19min, RJ), direção de Marcela Bertoletti. Depois de tudo (2008, ficção, 12 min, RJ), direção de Rafael Saar. E agora luke? (2010, Animação, 04min. RJ), direção de Alan Nóbrega. Ensaio de Cinema (2009, 15min. RJ), direção de Allan Ribeiro. Eu não quero voltar sozinho (2010, Ficção 17min. SP), direção de Daniel Ribeiro. Felizes para sempre (2009, documentário, 07min. SP), direção de Ricky Mastro. Glossário (2008, 02min. CE) direção de Fabinho Vieira. Homofobia, Lesbofobia e Transfobia (2008, documenrtário, 09min. DF), direção de Felipe Fernandes. Sem purpurina “Realidade na baixada santista” (2009, ficção, 15min. SP), direção de Fernanda Balbino, Lara Finochio, Lívia Carvalho e Xenda Amici. On my own (2008, 04min. CE), direção: Yuri Yamamoto
19h30 – Mostra Competitiva – Curtas: Donaléo (2012, Fortaleza, documentário, 15min), direçao de Rodrigo Paulino. Maça (2012, SP, ficção, 10min), direção de Pedro Paulo de Andrade. Na sua companhia (2011, SP, ficção, 22min), direção de Marcelo Caetano. Desvelo (2012, Bahia, 15min10seg), direção de Clarissa Rebouças.
Mostra competitiva de longa: Katia (2012, Piauí, 74min), direção Karla Holanda.

Quinta-feira – 13 de dezembro
16h- Lançamento do Livro “Fortaleza de todos os amores: um arco-íris de poemas”. – Promoção: Coordenadoria da Diversidade Sexual da Secretaria de Direitos Humanos.
17h – Lançamento do CD “Fortaleza de todos os amores: musicalidades do arco-íris”- Promoção: Coordenadoria da Diversidade Sexual da Secretaria de Direitos Humanos.
19h30 – Premiação e Cerimônia de Encerramento

Serviço:
For Rainbow – Festival de Cinema e Cultura da Diversidade Sexual
Dias: 7 a 13 de dezembro
Local: Casa Amarela Eusélio Oliveira (Av. Da Universidade, 2591. Benfica)