Manifestantes não poderão acompanhar reuniões da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, ordena pastor Feliciano 1

ABr030413DSC_1374

É inacreditável, mas a Câmara dos Deputados, que deveria representar o povo, está censurando a voz do povo.

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da (CDHM) Câmara aprovou hoje (3/4) requerimento para restringir o acesso às reuniões do colegiado a deputados, assessores, convidados e à imprensa. De autoria do presidente da comissão, deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), a iniciativa visa a impedir as manifestações durante as sessões da comissão.

Na quarta reunião da comissão sob o comando de Feliciano, mais uma vez manifestantes defensores dos direitos dos homossexuais, dos negros e das mulheres foram impedidos de entrar no plenário. Na semana passada, eles não puderam acompanhar os debates dentro da sala da comissão. As duas primeiras reuniões da CDHM tiveram que ser canceladas devido aos protestos contra o presidente da comissão, que é acusado de homofobia e racismo.

Na noite de terça (2/4), Feliciano encaminhou ofício à presidência da Câmara informando que o acesso ao plenário na quarta seria “aberto, entretanto, com acesso restrito”. “Usei o Regimento Interno, o Artigo 41, Parágrafo 2, em que cabe ao presidente da comissão manter a ordem, e a ordem precisa ser mantida”, disse o presidente da CDHM ao final da reunião de hoje.

Ele argumentou que na semana passada algumas pessoas se machucaram em meio aos protestos contra a sua permanência no cargo. Feliciano negou que a reunião tenha sido fechada, apesar de não contar com a presença de representantes da sociedade.

“Não é a portas fechadas, vocês [da imprensa] estão aqui. Isso aqui não foi reservado, a reunião não foi reservada, não tentem colocar palavras na minha boca. A reunião foi aberta, com restrições. Na semana passada houve tumulto, pessoas acabaram se machucando. Então, cabe a este presidente [tomar providências]”, declarou o pastor.

Feliciano confirmou que pretende participar da reunião do Colégio de Líderes, na próxima terça-feira (9), que vai discutir o futuro dele na comissão. “Fui convidado ontem, porque até então não havia sido convidado formalmente. Estarei junto com o Colégio de Líderes, quero ouvir o que eles têm a falar e vou levar a pauta propositiva que nós temos. Mostrar que a comissão não está parada. Estou feliz demais de poder colocar a pauta da Comissão de Direitos Humanos na pauta do Brasil”, disse.

Perguntado se estaria sensível aos argumentos dos líderes que querem convencê-lo a deixar a presidência da CDHM, pastor Feliciano declarou: “Desde que não seja para eu renunciar, estarei [sensível].”

Na quarta, as manifestações pela saída de Feliciano atrapalharam os trabalhos de outras comissões próximas à CDHM. O diretor-geral da Câmara, Sérgio Sampaio, foi acionado pelos presidentes para tomar providências no sentido de viabilizar as reuniões de outros colegiados. Sampaio informou à Agência Brasil que pretende se reunir com o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), para discutir o assunto.

Opinião

Em recente entrevista à Folha de S. Paulo, o pastor Marco Feliciano deu a seguinte declaração:“Eles [o movimento LGBT] colocam 20, 50, 200 pessoas na rua. Se é público que eles querem ver, nós temos 50 milhões (de fiéis) no país”.

Em primeiro lugar, esta é mais uma mentira do pastor racista, misógino e homofóbico que tomou conta de uma importante comissão, de DIREITOS HUMANOS, tão valorizada no passado pela esquerda, hoje esquecida pela mesma, que tem outros interesses. Ele tomou conta da comissão, porque o partido dele, cheio de pastores fundamentalistas, apóia o governo da presidenta Dilma Rousseff, calada sobre o caso até agora, assim como o ex-presidente Lula, até Fernando Henrique Cardoso se manifestou contra feliciano. A mesma presidenta que suspendeu kits educacionais contra a homofobia duas vezes em seu governo. Voltando à mentira, todos sabem, por exemplo, que a Parada Gay de São Paulo leva milhões de pessoas às ruas.

E mesmo que seja verdade que o rebanho do pastor seja bem maior que os LGBTs, ele é presidente da Comissão de Direitos Humanos e MINORIAS da Câmara, a mesma minoria que ele quer calar. Minoria que ele manda prender e agora censura, impede de ter acesso as reuniões da comissão.

Não podemos aceitar a presença nefasta deste pastor presidindo uma comissão relevante para nós, para as mulheres, para os negros, para os índios, só para citar alguns exemplos. Temos que continuar protestando. A Câmara há de nos ouvir.

+ Âncora do ‘SBT Brasil’ agora afirma que não apoia Feliciano

+ Evangélicos, aliados do PT, impõem no Brasil o conservadorismo, diz Le Figaro

Feliciano se sente traído pelo PT, critica presidenta Dilma e volta a atacar LGBTs

+ Feliciano é ‘tapa na cara dos direitos humanos’, diz Marta Suplicy

+ Yasmin Brunet e Antonia Morais dão selinho em protesto contra Feliciano

+ Contra pastor Marco Feliciano, Bruno Gagliasso posta foto beijando o ator Matheus Nachtergaele

+ Deputada Iriny Lopes pede abertura de processo contra deputado Pastor Marco Feliciano

+ “Destino de crianças adotadas por gays é o estupro”, diz assessor de Feliciano

+ Deputada diz que atendeu pedido do PSC para ficar em Comissão de Direitos Humanos e Minorias

+ Vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos diz que vai renunciar

+ Eduardo Cunha sai em defesa de Marco Feliciano

+ Manifestante preso após protestar contra pastor Feliciano diz ter sofrido violência; polícia vai apurar se houve ‘abuso’

+ Grupo Copacabana Club protesta contra deputado Pastor Marco Feliciano no Lolla Palooza

+ Presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, Marco Feliciano, pede prisão de manifestante que o chamou de racista

+ Pastor Marco Feliciano causa debandada de servidores da Comissão de Direitos Humanos, dos 19 só sete ficaram

+ PPS entra com processo no Conselho de Ética contra Feliciano por quebra de decoro e sugere renúncia coletiva de Comissão

+ Câmara paga advogado que defende pastor Feliciano em inquérito por homofobia, que pode deixá-lo em cana por três anos

+ E melhoraria? Olha o que viria quando Feliciano saísse

+ PSC anuncia que Feliciano fica na Comissão de Direitos Humanos

+ Feliciano diz que só sairia de comissão se morresse

+ Presidente da Câmara dos Deputados quer resolver impasse sobre Feliciano até terça-feira

+ Para ministra da Secretaria de Política de Promoção Social da Igualdade Racial, PSC deve avaliar se escolha de Feliciano é ‘coerente’

+ Procurador-geral da República diz que Feliciano não é adequado para presidir comissão de Direitos Humanos

+ Em novo ato contra Feliciano, deputados pressionam por sua renúncia

+ PSC mantém Feliciano em comissão, mas promete solução ‘respeitosa’ nos próximos dias

+ Marco Feliciano é intimado pelo Supremo a prestar depoimento

+ Marco Feliciano diz que direitos das mulheres atingem a família

+ Foto de Marco Feliciano no Instagram vira motivo de chacota nas redes sociais

Nem os evangélicos aguentam Marco Feliciano

+ Nova frente por direitos humanos será lançada na Câmara

+ Rio de Janeiro e São Paulo têm novas manifestações contra deputado Pastor Marco Feliciano

+ Grupo LGBT em Maceió faz protesto contra deputado Pastor Marco Feliciano

+ Deputado Feliciano cancela gravação de programa de TV após protestos

+ Acreanos fazem ‘velório’ em protesto contra deputado Marco Feliciano

Grupo faz protesto contra deputado Marcos Feliciano na sede da ALE/AM

Em vídeo, Feliciano diz que ‘Satanás está infiltrado no governo brasileiro’

+ Pastor Marco Feliciano não pode suspender processo no STF e pode ser preso por discriminar gays

+ Conselho de Combate à Discriminação diz que Feliciano não tem “perfil e história” para presidir Comissão

+ Presidente da Câmara critica tumulto em comissão, mas Feliciano permanece no comando

+ Feliciano pede ‘desculpas’ a quem se sentiu ofendido por declarações

+ Marta Suplicy se diz ‘indignada’ com eleição de Feliciano para CDHM

+ Pastor tira ‘homofobia’ da pauta na 1ª reunião à frente dos Direitos Humanos

+ FHC critica nomeação de Feliciano para Comissão de Direitos Humanos

+ Ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, diz que eleição de Feliciano é ‘assunto interno’ do Congresso

+ Líder do PT diz que fez apelo ao PSC para substituir Feliciano de comissão

+ Grupo de deputados do PT, PSB e PSOL, decide ir ao STF para tentar anular eleição de Feliciano

+ Em culto, deputado Pastor Marco Feliciano prega combate a projeto que criminaliza a homofobia

+ Marco Feliciano usa mandato em benefício de suas empresas e igreja

+ Abaixo-assinado reúne 340 mil assinaturas a favor da destituição de Feliciano

+ Presidente da Câmara não está disposto a rever a escolha do pastor para Comissão de Direitos Humanos e Minorias

+ Pastor Marco Feliciano, eleito para comissão, responde por estelionato e homofobia no STF

+ Marco Feliciano é eleito presidente da Comissão de Direitos Humanos

+ Deputado Marco Feliciano: “Não aceito as atitudes homossexuais em espaço público”

+ Deputado e pastor Marcos Feliciado, chama Aids de doença gay, compara ativistas LGBT com propaganda nazista e diz que é coisa do diabo

Pastor racista e homofóbico pode presidir Comissão de Direitos Humanos da Câmara 3

Imagem

O deputado e pastor Marco Feliciano poderá ser o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Divulgação

A possibilidade de o deputado e pastor evangélico fundamentalista Marco Feliciano, do Partido Social Cristão (PSC-SP), vir a presidir a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados gerou reação e críticas de parlamentares de outras legendas e com tradição de atuação nessa área. Conhecido por suas posições radicais e conservadoras em relação a homossexuais, negros e a qualquer prática do aborto, Feliciano é um dos favoritos da legenda cristã para assumir a comissão, o que será definido na próxima terça-feira. O deputado fala abertamente que, se vier a comandar o colegiado, pretende quebrar a “hegemonia” da comunidade LGBT na comissão.

– Dentro da comissão só vejo a comunidade LGBT. Só se fala disso ali. Há um privilégio indevido para esse grupo. Se tiver a felicidade de ser presidente, vou cuidar da pauta da família. Sei o que é certo e errado. Agora, o pessoal que se acha dono da comissão não me quer lá. Que mistério é esse? O que não querem que eu descubra lá? – disse Marco Feliciano.

Um dos fundadores dessa comissão, o deputado e ex-ministro dos Direitos Humanos Nilmário Miranda (PT-MG) diz que qualquer partido pode presidi-la, mas não qualquer um. Sem citar o nome de Feliciano, Nilmário diz que alguém com seu perfil não deve estar à frente da comissão.

– Qualquer partido pode assumir a comissão, que é suprapartidária, vinculada aos preceitos da Constituição e da Declaração Universal. Não pode ter preconceito contra ninguém, nem deve. Agora, não pode ser uma pessoa que não comunga com os valores dos direitos humanos, que tenha preconceitos e discriminação. Essa comissão funciona há vinte anos como um espaço dos movimentos sociais e das minorias. Não se pode cortar isso – disse Nilmário Miranda, que citou um parlamentar do PSC que poderia ocupar o cargo.

– Tem o Hugo Leal (PSC-RJ). Me falaram bem dele, que é um deputado muito sério, muito respeitado e muito querido.

Feliciano passou a sexta-feira rebatendo críticas à sua indicação para a comissão na rede social.

“Perseguição religiosa? Marco Feliciano sofre retaliações da comunidade LGBT para não assumir a Comissão de Direitos Humanos por ser Pastor” – disse o deputado sobre ele mesmo em seu twitter.

O parlamentar já disse que o amor entre pessoas do mesmo sexo leva ao ódio, ao crime e à rejeição. Em 2011, criou polêmica ao escrever que “os africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé” e que essa maldição é que explica o “paganismo, o ocultismo, misérias e doenças como ebola” na África.

Feliciano atribui a “perseguição” a ele ao deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), que tem entre suas bandeiras as causas dos movimentos LGBT.

– Foi o Jean Wyllys quem me lançou presidente da comissão, que postou na internet que meu nome é o mais cotado. Mas para depois me esculhambar. A comunidade LGBT me acusa de racista e homofóbico, mas eles que demonstram ser intolerantes – disse Feliciano.

Jean Wyllys não esconde seu descontentamento e, ao contrário de Nilmário Miranda, acha que a comissão nem deva ir para as mãos do PSC.

– É um partido que, em suas campanhas, deixa claro ser contrário à cidadania LGBT. Defende a família tradicional, conservadora, que só tem o pai, a mãe e o filho. Desconsidera famílias homoafetivas, ou de casais que não podem ter filho ou que não querem ter filho. Se esse cara for indicado, o problema só se agrava. É racista e um homofóbico confesso. Que chama a Aids de câncer gay. É assustador – disse Jean Wyllys.

A Comissão de Direitos Humanos é tradicionalmente ocupada pelo PT, que dessa vez, não a considerou prioridade. A bancada do partido optou por presidir a Comissão de Seguridade Social, além de ter o comando da Constituição e Justiça e de Relações Exteriores. Jean Wyllys acha que o PT deveria, então, ter articulado um nome mais palatável de outra legenda, do PSB ou do PCdoB.

– O PT deixou a comissão ir parar na mão do PSC. Isso leva a crer que houve um acordo de bastidor. Na véspera de uma eleição presidencial, em que há candidatos (da oposição) que não são favas contadas, o governo precisará dos evangélicos. A reeleição (de Dilma) não pode correr risco – disse Jean Wyllys, que pode não integrar a comissão se Feliciano for confirmado.

– Não me sentiria à vontade de estar na comissão. Cada proposição que eu fizesse viraria polêmica, ele iria barrar.

Fonte: O Globo