Rio sem homofobia capacita policiais para apoio à comunidade LGBT Resposta

Desde junho de 2013, mais de 3,2 mil policiais do Estado do Rio estão aprendendo a acolher melhor a comunidade LGBT tanto nas delegacias quanto nas ruas. O programa estadual Rio Sem Homofobia vem tentando mudar o perfil de atendimento a este público na Jornada Formativa de Segurança Pública e Cidadania LGBT. No total, até o fim do ano, cerca de 8 mil policiais vão passar pelo curso, que está sendo ministrado em todas as Áreas Integradas de Segurança Pública (AISPs), pelo coordenador do programa, Claudio Nascimento, além da equipe dos quatro Centros de Cidadania LGBT no Rio.

Esta é a segunda edição da jornada, que já foi realizada entre 2009 e 2011, e formou mais de quatro mil policiais. De acordo com Nascimento, a iniciativa pioneira no estado, que visa garantir os direitos dos homossexuais, surgiu da necessidade de melhorar a formação dos servidores públicos.

– Trabalhamos os direitos e a cidadania, as práticas respeitosas e cidadãs de atendimento, além das principais demandas do público – afirmou Nascimento.

São realizados, em média, seis encontros mensais da Jornada, nos batalhões e delegacias de todo o estado. Até dezembro, ainda serão realizados cerca de 70 encontros. Na Academia Estadual de Polícia (Acadepol), serão nove encontros. O aluno da Diogo Sobral Cunha acredita que o curso serve para ampliar e reforçar o conhecimento que os aspirantes a policiais civis já recebem nas aulas de direitos humanos durante seis meses.

– A minha turma tem 48 alunos e isso é unanimidade. Todos acham que essas aulas são muito importantes para garantir os direitos da comunidade LGBT. Nós já aprendemos muito nas aulas de direitos humanos – disse o aluno.

Fonte: O Fluminense

RJ: Policiais civis e militares serão capacitados para lidar com vítimas de homofobia Resposta

Perfilados no auditório Adauto Belarmino, no 7º andar do Edifício Central do Brasil, dezenas de oficiais da Polícia Militar e delegados de Polícia Civil acompanharam de pé, na tarde desta terça-feira, a execução do Hino Nacional, cantado pela travesti Jane Di Castro. Era o início da segunda edição da “Jornada Formativa de Segurança Pública e Cidadania LGBT”, que vai qualificar seis mil policiais civis e militares para lidarem com a diversidade e os direitos de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais.

O projeto pioneiro já capacitou cinco mil agentes que atuam em delegacias e batalhões da capital, e foi premiado pela União Europeia com a certificação de boas práticas de políticas públicas LGBT. Nesta nova edição, mais de seis mil PMs e inspetores de Polícia Civil que trabalham em unidades fora da capital serão treinados para o atendimento destinado ao público LGBT.

Durante 18 meses, esses agentes participarão de 40 encontros regionais com multiplicadores e especialistas formados pelo Programa Estadual Rio Sem Homofobia. Por dia, cerca de 200 policiais vão participar de palestras e debates. Um dos idealizadores da jornada, Cláudio Nascimento afirmou que este é o maior programa de capacitação de policiais sobre homofobia e cidadania LGBT já colocado em prática no país.

Ainda durante a cerimônia, Cláudio Nascimento, que é superintendente de direitos individuais, coletivos e difusos da secretaria estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, anunciou que, até o fim do ano, o estado irá dobrar o número de Centros de Cidadania LGBT, com a instalação de quatro novas unidades, sendo duas nos municípios de Queimados e Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, a terceira em Macaé, no Norte-Fluminense. O local da quarta unidade ainda não foi estabelecido.

De acordo com o secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira, a escolha das cidades que receberão os novos centros teve como critério a quantidade de casos de violência praticada contra gays, lésbicas e travestis. Ex-chefe de Polícia Civil, Teixeira diz empregar os registros de crimes de homofobia para nortear a implantação dos centros de cidadania.

Segundo Zaqueu Teixeira, até 2014 o estado contará com 13 unidades voltadas ao atendimento LGBT. Nesses locais, as vítimas de crime de homofobia e suas famílias recebem atendimento jurídico, psicológico e social.

Para se ter uma ideia da demanda por esse tipo de serviço, até março de 2012, 12 mil atendimentos foram prestados nos quatro centros de cidadania LGBT em atividade atualmente no estado e que funcionam no Centro, em Duque de Caxias, Friburgo e Niterói.

Ainda durante a cerimônia de abertura da jornada foram homenageados os delegados Monique Vidal e Márcio Mendonça, e os tenentes-coronéis Cláudio Costa de Oliveira e Luiz Octávio Lopes da Rocha Lima, considerados precursores da capacitação “Homofobia, Cidadania LGBT e Práticas Policiais”. O secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, ressaltou a importância da qualificação para que os policiais do estado possam lidar de maneira correta com todas as minorias.

Fonte: O Globo