Marília Gabriela desmente ser lésbica: “Sou doida por homens” Resposta

gabi

A jornalista, atriz, cantora e apresentadora Marília Gabriela desmentiu um boato de um suposto envolvimento dela com outra mulher, em entrevista à revista “Brasileiros”.

Marília disse ser heterossexual, mas que não possui nenhum preconceito. Ela disse que muitas vezes teve que passar por certos tipos de insinuações de que ela é lésbica.

“Tudo começou quando me separei do meu ex-marido, lembro que tinha uma jornalista cruel que postou uma manchete dizendo que eu tinha me separado e ido embora para a Europa com uma mulher. Quando li essa notícia fiquei surpresa, mas nunca em minha vida tive interesse por alguém do mesmo sexo, afirmo que sou doida por homens e sempre serei.”

Daniela Mercury: “O Brasil não é tão conservador quanto a gente imagina” Resposta

DanielaMercury

Em entrevista à jornalista dada ao programa Gabi Quase Proibida (SBT), comandado pela jornalista Marília Gabriela, a cantora Daniela Mercury deu declarações polêmicas. A baiana disse que não assumiu sua bissexualidade, pois isso nunca foi segredo para ninguém, apenas comunicou algo que ela sentiu que sairia em veículos de “quinta categoria” e que ela não gostaria de ver o seu nome associado a eles.

Daniela também disse que “o Brasil não é tão conservador quanto a gente imagina”. Que em seus shows, metade da plateia é de gente de “50, 80 anos” e que sempre que ela aborda o tema da bissexualidade é aplaudida. A cantora disse que recebe calorosos cumprimentos também nos aeroportos. Marília Gabriela questionou se isto não se deve ao fato de ela ser famosa.

Daniela Mercury disse na entrevista, também, que “pior do que o preconceito contra bissexualidade, homossexualidade, seja lá o que for, o machismo é atroz, é cruel, é inaceitável, é uma doença social.” E a homofobia não é?

Ao ser questionada se não estaria usando a superexposição da mulher, Malu Verçosa, para se promover, Daniela disse que tem uma carreira sólida e considera esta pergunta ofensiva, pois não precisa disso.

Ex-dançarina de Latino diz que sofreu abuso e se diz bissexual Resposta

Andressa Urach com Marilia Gabriela (Carol Soares-SBT)

Andressa Urach com Marilia Gabriela (Carol Soares-SBT)

O SBT exibiu uma entrevista com a modelo Andressa Urach, que já foi dançarina do cantor Latino e ficou no segundo lugar no concurso de Miss Bumbum.

Um dos momentos mais emocionantes foi quando ela diz que sofreu abuso sexual na infância. “Quando era pequena sofri abuso sexual dos 2 aos 8 anos de idade”, disse a modelo que agora é a promoter oficial do Miss Bumbum no Brasil e na Europa.

+ Entrevista com Silas Malafaia não teve razão de ser

Entre outros assuntos, a ex-dançarina de Latino disse que teve a primeira relação bissexual durante o concurso de Miss Bumbum e também do relacionamento dela com uma das participantes. “Foi a minha primeira relação bissexual, eu estava carente!”, justifica.

Depressão, virgindade, gravidez precoce, tudo isso esteve na pauta do “De Frente com Gabi” que foi ao ar nesta quarta-feira (3/4), à meia noite, no SBT.

Sobre Feliciano e Joelma Resposta

Há tempos, quando postei frases que o hoje presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias e da Câmara dos Deputados, Pastor Marco Feliciano, muitos leitores do blog ficaram indignados, a pergunta que me faziam era: por que dar visibilidade a um deputado de quinta?

Bom, primeiro porque ele é um deputado e como tal, deveria representar os brasileiros e segundo, porque eu não posso fechar os olhos para nenhum cidadão que atente contra os direitos humanos. Não falo só dos que falam mal de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais, mas os que discriminam por raça, etnia, procedência nacional e religião, estes todos, menos os LGBTs, protegidos pela Leia 7.716 de 1989. Sim, até os religiosos e parte deles, os evangélicos fundamentalistas, não querem incluir os LGBTs nessa Lei. Por quê? Se não são preconceituosos, por que não deixar que um grupo que ainda é muito perseguido em nossa sociedade, seja protegido nacionalmente por uma lei que criminalize a homofobia? Vai ferir a liberdade de expressão de alguns religiosos? Mas se eles não discriminam os LGBTs, não irá ferir a liberdade de ninguém. Simples assim.

Sou contra, sim, a darem visibilidade a seres como Malafaia, que deveria estar restrito à sua igreja e a Joelma, mas se as entrevistas aconteceram, a repercussão foi grande, o que fazer? No caso da Joelma, ela falou no meio de uma entrevista. O Bruno Astuto nem deu projeção intencionalmente a um ser que incita o ódio a um determinado grupo social, como a Marília Gabriela deu. Você pode me dizer que a entrevistadora foi incisiva, mas quem me garante que Joelma não disse o que disse, incentivada pela entrevista do Silas?

Depois que as entrevistas aconteceram, o que eu, escritor de um blog que trata do universo LGBT devo fazer? Me calar? Jamais? Rebater com informações científicas, sim. Mas me calar seria fingir que o mal não existe, quando ele está do nosso lado, nos pontos de ônibus, na nossa vizinhança, no nosso ambiente de trabalho. É preciso combater o mal e não viver uma vida alienada, como se nada estivesse acontecendo.

Grupo Gay da Bahia elege “inimigos” e “amigos” dos gays. Você concorda com a lista? Confira no blog 5

grupo_gay_da_bahia_ggb_logo_220x220

O prefeito de São Paulo Fernando Haddad, o tucano José Serra e o ministro da Educação Aloísio Mercadante, encabeçam a lista dos inimigos dos homossexuais e serão agraciados com o Troféu Pau de Sebo, em sua 23ª edição. O prêmio é promovido pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), mais antiga entidade do gênero registrada no Brasil. Os três foram escolhidos por terem condenado, no ano passado, o kit anti-homofobia. Para a versão do próximo ano, o GGB já antecipa que o deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), eleito presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados é o grande “candidato” ao título de inimigo número 1 dos homossexuais. Como a “regra” da comenda não prevê que um mesmo personagem seja escolhido mais de uma vez, o Pastor Silas Malafaia escapou de levar o “Pau de Sebo” 2012.

Triângulo Rosa

O Troféu Pau de Sebo foi criado denunciar os inimigos dos LGBT e o Triângulo Rosa, para homenagear os amigos. Entre os amigos dos gays, que receberão o Troféu Triângulo Rosa,  estão o prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes, pela criação de um centro de referência para atendimento de LGBT; as Corregedorias Geral da Justiça da Bahia, São Paulo, Distrito Federal, Alagoas, Sergipe e Espírito Santo pela legalização do casamento homoafetivo igualitário; o Arcebispo Primaz da Igreja Anglicana do Brasil, o cantor Roberto Carlos, as cantoras Daniela Mercury e Sandy e a apresentadora Marília Gabriela, “pelo apoio à cidadania LGBT”.

O Triângulo Rosa é uma alusão ao distintivo imposto pelos nazistas nos campos de concentração para identificar os prisioneiros homossexuais. Atualmente, o Triângulo Rosa tornou-se o símbolo internacional do Orgulho LGBT. Já o Troféu Pau de Sebo aproveita uma tradição irreverente  do folclore brasileiro “para mostrar o ridículo de ser inimigo dos LGBT: por mais que queiram espezinhar os gays e destruir o movimento de libertação homossexual, nunca chegam a seu objetivo, caindo  e se lambuzando no pau de sebo da intolerância”, define o GGB.

O fundador do GGB e criador do prêmio, o antropólogo Luiz Mott, lembrou que “no ano passado, infelizmente, coube à Presidenta da República o primeiro lugar dentre os que pisaram na bola da cidadania LGBT. “Nunca antes, na história deste país, um presidente da república havia recebido o Troféu Pau de Sebo. Lula e FHC foram homenageados com o Triângulo Rosa, e até Collor, por ter sido o primeiro presidente a falar em cadeia nacional no Dia Mundial da Aids”. Neste ano, prossegue Mott, “Haddad, Serra e Mercadante receberam o troféu pau de sebo pelo mesmo motivo da Presidenta: condenaram o kit anti-homofobia, que deixou de capacitar mais de seis milhões de jovens contra o bullying escolar”.

Mott diz que o Brasil continua  ocupando o primeiro lugar mundial no ranking de assassinatos de LGBT:  338  homicídios (qualificados de”homocídios”) em 2012, um assassinato a cada 26 horas.

Confira a lista completa dos vencedores:

TROFÉU TRIÂNGULO ROSA

PODER PÚBLICO: Corregedoria Geral da Justiça dos estados da Bahia, São Paulo, Distrito Federal, Alagoas, Sergipe e Espírito Santo pela legalização do casamento homoafetivo igualitário; Defensor Público Marcus Edson de Lima, Desembargador Miguel Monico Neto, Corregedor-Geral do Tribunal de Justiça de Rondônia, e ao juiz auxiliar Rinaldo Forti, pelo apoio ao casamento de duas lésbicas de Porto Velho; Desembargadores da 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro por converterem em casamento a união estável de um casal homossexual; 2ª Vara de Ceres, GO, que acolheu parecer do Ministério Público autorizando a mudança de documentação civil de uma transexual; Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) por estabelecer celas especiais para travestis no Presídio Central de Porto Alegre, garantindo  sua integridade física e moral; Ministério da Previdência Social por conceder o direito à licença-maternidade a  um pai que vive em união homossexual estável no Rio Grande do Sul.

RELIGIÃO: Arcebispo Primaz da  Igreja Anglicana do Brasil, D.  Ricardo Lorite de Lima, pelo apoio declarado ao direitos humanos dos LGBT;  Pastor Sérgio Emílio Meira Santos, da Igreja Batista da Graça, Vitória da Conquista, BA, por ter prestado queixa de homofobia praticada por sua congregação contra gay adolescente.

ARTES: Daniela Mercury, pela inclusão de balé com temática homoerótica em seu trio elétrico no último carnaval; cantora Sandy pela declaração “Eu sou a favor do casamento gay”; Paulo Azeviche pela gravação de disco resgatando músicas homoeróticas da MPB com apoio da Secretaria de Cultura de S. Paulo; Casa de Criadores (de Moda) pelo lançamento “Homofobia Fora de Moda”, projeto de combate às injustiças contra o segmento LGBT em parceria com o  governo e a prefeitura de São Paulo.

POLÍTICA: Câmara Municipal de Betim, MG, pela declaração do Movimento Gay de Betim como Entidade de Utilidade Pública;

POLÍCIA E JUSTIÇA: Policia Federal pela “Operação Intolerância” e prisão de dois homofóbicos violentos, Emerson Eduardo Rodrigues, de Curitiba, e Marcelo Valle Silveira Mello, de Brasília, que propunham em seu site o enterro de gays vivos; Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos da Bahia  pela nomeação da Transexual Paulette Furacão Coordenadora do Núcleo LGBT;  Juíza Sônia Moroso, da 1ª Vara Criminal de Itajaí (SC), por ser a primeira magistrada do Brasil a casar-se no civil, tendo como consorte a servidora municipal Lilian Terres.

VIPS: Marília Gabriela, por seu posicionamento humanista contradizendo a homofobia do Pastor Malafaia; Serginho Groismman, por seus posicionamentos simpáticos à cidadania LGBT; Deputado e jogador Romário, por sua declaração a favor do casamento homoafetivo; Governo Japonês por conceder a um ex-militar o direito ao visto diplomático por ser casado com o cônsul-geral dos Estados Unidos em Osaka-Kobe.

TROFÉU PAU DE SEBO

POLÍTICOS: Fernando Haddad, José Serra e Ministro da Educação Aloísio Mercadante, pela condenação ao Kit antihomofobia na campanha eleitoral ; João Campos (PSDB-GO) pelo projeto contra a resolução do Conselho Federal de Psicologia contrário à cura gay; Silvio Barros II, Prefeito de Maringá, PR, pelo veto ao Dia Municipal contra Homofobia e fechamento de bar gay; Vereador Carlos Bolsonaro (PP-RJ),pelo projeto de lei proibindo a distribuição, exposição e divulgação de material didático que contenham informação sobre homossexualidade; Vereador Carlos José Gaspar (PTdoB), Osasco,SP por ter declarado:  “gays são doentes e dignos de dó!”;  Vereador Jadson do Bonsucesso Rodrigues (PDT), Caeté, MG, por ter insultado e discriminado o organizador da Parada Gay local; Administrador  do DF, Carlos Alberto Jales pelo veto à realização da 7ª Parada do Orgulho LGBT de Taguatinga

EDUCAÇÃO: Escola Estadual Onofre Pires, Santo Angelo, RS, por não garantir a segurança e se omitir nas agressões homofóbica contra um estudante gay de 15 anos, discriminado por alunos e professores; Diretora do Centro de Apoio Pedagógico (CAP) de Feira de Santana, Ba, pela discriminação contra professor gay.

ARTES, LAZER E ESPORTES: Torcida e diretoria do Palmeiras por sua oposição homofóbica a contratação de Richarlyson por ser gay assumido; Casa noturna Studium, Corumbá, MS, por impedir transexuais usar o WC feminino e agredir uma trans; Funkeiras do Concurso Miss Bumbum de Salvador, por protestarem contra presença de uma transexual na disputa; Artista plástico Moacir Andrade, Manaus, por declarar na  Assembléia Legislativa do Amazonas, que  “homossexualismo é uma aberração da natureza”.

RELIGIÃO: Tradição Família Propriedade (TFP) por sua cruzada nacional contra o casamento homoafetivo; Bispo de Assis (SP), D.José Benedito Simão, por declarar que a  ministra da Secretaria de Política para as Mulheres, Eleonora Menicucci, “é uma pessoa infeliz, mal-amada e irresponsável e não devia dar mau exemplo ao elogiar  sua filha lésbica”.

JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA: Superior Tribunal Militar (STM) pela condenação do sargento Laci Araújo e do companheiro  ex-militar Fernando Figueiredo, que denunciaram ser vítimas de perseguição homofóbica no Exército; Desembargador do Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul, Sergio Martins, por comentário homofóbico na internet sobre dois gays assassinados em Alagoas; Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC), pelo espancamento de homossexuais na ala evangélica e por leiloar travestis em troca de favores sexuais; Secretário de Defesa Social de Pernambuco, Wilson Damázio, por negar a existência de crimes homofóbicos.

Não concordo

Eu, particularmente, não concordo com os premiados desta edição. Achei, por exemplo, a entrevista da jornalista Marília Gabriela com o pastor Silas Malafaia péssima e acho que o Fernando Haddad, apesar da dificuldade de implantar o kit anti-homofobia nacionalmente, é um aliado dos LGBT e isso ficou muito claro na campanha à Prefeitura de São Paulo.

Feliz com a audiência, SBT pensa em entrevistar Silas Malafaia novamente 1

1silas-malafaia-negou-a-marilia-gabriela-que-seu-patrimonio-seja-de-us-150-mi.jp

Silas Malafaia e Marília Gabriela

A lastimável entrevista do pastor da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, Silas Malafaia à jornalista Marília Gabriela continua repercutindo de maneira intensa em todas as mídias. Contente com a repercussão e com o alto índice de audiência, a direção do SBT cogita uma segunda entrevista, no semestre que vem.

Apesar de algumas pessoas comentarem que a entrevista teria sido feita para desmascarar o pastor, parece que ele ficou satisfeito. Silas Malafaia disse à jornalista Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, que a apresentadora “é educada, uma pessoa bem bacana”.

+ Entrevista com Silas Malafaia não teve razão de ser

A média de audiência foi recorde em São Paulo, 6,3 pontos. No Rio de Janeiro, a média foi de 12 pontos, contra 13 da Globo e 2,6 da Record, por isso o SBT estaria planejando um novo convite ao pastor Silas Malafaia, para ser novamente entrevistado por Gabi.

Vou reproduzir as palavras de um participante de uma pessoa no Facebook, que refletem muito sobre o que eu penso a respeito da tal entrevista:

Quando Marília Gabriela, enquanto jornalista e detentora de um espaço privilegiado na mídia, uma formadora de opinião pública; abre espaço em seu programa de entrevistas para dar guarida ao discurso de um reconhecido nazifascista fundamentalista religioso, contumaz atentador contra os Direitos Humanos e incitador do ódio homofóbico contra a toda a comunidade LGBT brasileira como Silas Malafaia; ela está sendo conivente, cooptando e se alinhando com tudo aquilo que esse terrorista nazievangelista prega, assim como corrobora aberta e explicitamente com todas as mazelas que esse meliante mercenário representante da mafiosa indústria da fé e da credulidade consegue impingir aos LGBT’s brasileiros; dando um respaldo totalmente descabido ao fazer caixa de ressonância com todo o discurso de intolerância desse meliante fanático, em troca de questionáveis “pontos” na audiência, pela via de um expediente tão degradante, baixo e sórdido

Entrevista com Silas Malafaia não teve razão de ser 20

Silas Malafaia e Marília Gabriela

Silas Malafaia e Marília Gabriela

A entrevista com do pastor Silas Malafaia ao programa De Frente com Gabi (SBT), na noite deste domingo, movimentou as redes sociais. O líder religioso, que nas chamadas de divulgação do programa afirmava que amava “os homossexuais e os bandidos”, foi alvo de críticas de internautas, celebridades e até político. Único parlamentar com orientação gay assumida, o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), acusou o dirigente da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo de “semeador de ódio” e  ser um “falso profeta”.

“Levantai-vos mulheres e homens das ciências! Não se calem ante a estupidez fundamentalista e o cinismo dos exploradores comercias da fé! Juntem-se a nós no enfrentamento dessa estupidez: ela ameaça a própria ciência!”, bradou o parlamentar em seu perfil no Facebook.

O deputado baiano também questionou a “importância” da fala do religioso em programas de televisão. Para ele, se Silas não tivesse acesso a estes canais de comunicação, merecia ser ignorado. “Gostaria de poder ignorar o mentiroso contumaz e falso profeta… Mas não posso: preciso saber quais as mentiras para poder desmascara-las. Se esse vendilhão do templo homofóbico e semeador de ódio não tivesse horário na tevê aberta nem falasse à grande mídia, poderia ignorá-lo. Muita gente com preconceitos arraigados e presa a dogmas religiosos vira terra fértil para as mentiras e o ódio que o vendilhão semeia…”, completou.

A entrevista também repercutiu entre os famosos. A ex-funkeira Perlla, que se converteu ao evangelismo e agora ministra cultos, se emocionou com as palavras do pastor. “A Marília Gabriela está quase chorando já. Pastor Silas Malafaia só na palavra. Meu Deus. Demais! Me espelho muito”, escreveu Perlla no Twitter. Logo depois, a cantora recebeu uma resposta de Adriane Galisteu. “Você odeia homossexuais igual ao Malafaia, Perlla?”, perguntou a apresentadora.

Receitas milionárias

O líder religioso não fugiu de qualquer pergunta da jornalista Marília Gabriela. Entre as polêmicas da entrevista foi a reportagem da Revista Forbes que o coloco como um pastor mais rico do Brasil, com um patrimônio de US$ 150 milhões. Mas, o pastor rebateu, com veemência, os homossexuais. “Eu não acredito que dois homens e duas mulheres tenham a capacidade de criar um ser humano” e “Se tiver pastor homossexual, ele perde o cargo”, disse.

Sem razão de ser

É lamentável que uma jornalista conceituada como a Marília Gabriela desça tão baixo em busca de audiência. Entrevistar o Silas Malafaia? Que vergonha. Fico indignado em saber que uma emissora como o SBT deu voz a um homem que prega e estimula o ódio contra um grupo social (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) que ainda sofre preconceito de uma parcela considerável da sociedade. Mas foi o SBT colocou o Guilherme de Pádua no Programa do Ratinho, não foi? Está explicado: alguém na emissora tem uma paixão arrebatadora por psicopatas. É o SBT, também, que no Programa Raul Gil coloca crianças pregando nas tardes de sábado em troca de dinheiro que vai para os bolsos dos seus pais e depois, naturalmente, para o bolso do pastor das inúmeras igrejas que surgem por aí.

O que mais me deixa admirado é que a Marília Gabriela deve saber o que é homofobia, pois ela já teve a sua orientação sexual questionada inúmeras vezes e o seu filho também. Mas o que importa é faturar.

E não me venha falar em liberdade de expressão, uma pessoa que prega o ódio não deve ter liberdade para se expressar em rede nacional. Por questões ética eu jamais daria voz a um cara como o Silas Malafaia. Aliás, o que motivou a entrevista? Claro que quiseram causar bochicho nas redes sociais, ainda mais depois de divulgarem foto dos dois, pastor e jornalista, com a frase “eu amo os homossexuais e os bandidos”.

Pensei muito antes de escrever o que escrevi, porque admiro a trajetória da jornalista Marília Gabriela. Vai ver ela sofreu alguma pressão da direção da emissora. Mas não pude deixar de registrar o meu protesto. Lamentável.

*Com informações do Diário de Pernambuco