Homofóbica? (relembre os casos lendo a postagem), Joelma anuncia apresentação em boate LGBT. A casa está quase lotada 2

Joelma

Joelma, a cantora homofóbica (?), que já tentou mudar a orientação sexual de um fã (veja vídeo abaixo) e se disse contra o casamento gay, se apresentará em uma boate LGBT em Recife.

A rede social não perdoa:

Joelma Homofobia

No Instagram, os perfis dos fãs-clubes de Joelma que anunciam o show bloquearam os comentários. Apesar das manifestações contrárias, os ingressos para a apresentação estão quase esgotados. Pelo palco da boate, já passaram nomes como Gretchen, Pabllo Vittar, Lia Clark, Karol Conka e Valesca Popozuda, entre outras musas do público LGBT.

Joelma Homofóbica

Para quem não se lembra, Joelma havia declarado, em entrevista ao programa “Roberto Justus +” que acredita na recuperação dos homossexuais, comparando esse processo ao dos drogados: “É como um drogado tentando se recuperar”.

O que esses fãs LGBTs têm na cabeça? Será que a fofa vai tentar converter todos eles? Eu, hein…

Na época, Joelma se defendeu:

Então tá…

Aslan Cabral, gay assumido do ‘BBB13’, mora com namorado em Recife. Veja fotos! 3

Aslan1

O divertido Aslan Cabral, artista plástico pernambucano que estará na casa do Big Brother Brasil 13, é o único gay assumido do reality show. Ele namora o cirurgião pediátrico Arthur Aguiar e os dois moram juntos em Recife, capital de Pernambuco. Aslan completa 33 anos no dia 12 de janeiro, sendo o primeiro aniversariante já dentro do confinamento, que começa na próxima terça-feira (8) na Rede Globo.

Aslan6 Aslan5 Aslan4 Aslan3 Aslan2

Aslan e Arthur estão juntos há mais de cinco anos e dividem um apartamento em Boa Viagem, bairro nobre de Recife, desde 2012. Antes, o casal morava junto com mais um amigo e duas amigas.

Segundo um amigo próximo ao artista plástico ouvido pelo Purepeople, o carisma do pernambucano conquista a todos e ele tem grandes chances de levar o prêmio. “Ele é só alegria, muito festeiro e muito inteligente. É bem politizado e consciente do que acontece ao seu redor. Aqui em Recife todos gostam muito dele”, disse a fonte, que preferiu não se identificar.

Um fato curioso de Aslan é que ele tem um jeito diferente de se divertir nos dias de chuva, entregou o amigo: “Às vezes, quando chovia, eu olhava pela janela e ele estava correndo de cueca, tomando banho de chuva pelo prédio”. Imagina nas festas do BBB?”

Aslan14 Aslan13 Aslan12 Aslan11 Aslan10 Aslan8

Acostumado a fazer performances artísticas, Aslan fez um enorme sucesso na praia do Arpoador, no Rio de Janeiro, neste Réveillon. Com um megafone nos braços, o pernambucano brincava com quem passava por lá, desejando a todos um “feliz ano-novo”, sempre ao lado do namorado, com quem trocava beijos apaixonados e carinhos. O artista plástico chegou a cantar a música “Adeus Ano-Velho, Feliz Ano-Novo” no aparelho, e gritava dizendo que iria ficar por lá até o nascer do sol.

Em um momento, o novo BBB fez uma brincadeira com a multidão que curtia a festa por lá, já quase na manhã do dia 1º de janeiro, dizendo que uma marca de chocolates estava patrocinando toda a festa e que tinha escondido notas de R$ 100 pelas areias da praia. Muitos caíram na brincadeira e procuraram o dinheiro.

Policia Civil afirma: Lucas Fortuna não foi vítima de homofobia 1

Lucas Fortuna foi vítima de latrocínio, segundo a Polícia Civil.

Lucas Fortuna foi vítima de latrocínio, segundo a Polícia Civil.

O jornalista goiano e ativista dos direitos LGBTs, Lucas Cardoso Fortuna, 28 anos, encontrado morto na praia de Calhetas, no Cabo de Santo Agostinho, Litoral Sul de Pernambuco, foi vítima de latrocínio (roubo seguido de morte). Ele morreu afogado após ter sido espancado por dois homens que tinha conhecido na região. Depois das agressões praticadas numa área de pedras da praia, os suspeitos jogaram o jornalista desacordado no mar. O corpo dele foi encontrado na beira da praia no último dia 18 de novembro. As investigações sobre o caso foram reveladas pela Polícia Civil, na manhã desta quinta-feira (6), durante coletiva de imprensa na sede da corporação, no centro do Recife.

+ Leia mais notícias sobre o caso, inclusive sobre atos contra a homofobia, em homenagem ao Lucas, clicando aqui.

Segundo a delegada do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Gleide Ângelo, a vítima teria chamado os suspeitos para a pousada onde estava hospedado. “Ele conheceu os homens num bar, na noite do crime, e os chamou para a pousada. Eles preferiram levá-lo para as pedras, uma região deserta da praia. Lá, começaram a se relacionar sexualmente, mas deram uma gravata nele e pediram dinheiro. Depois, passaram e agredi-lo”, contou.

Após atirar o corpo do jornalista ao mar, os suspeitos fugiram levando um celular, uma sandália e R$ 24. Eles ainda voltaram à pousada para tentar outros roubar pertences da vítima. “Na entrada, usaram o cartão do quarto de Lucas. Os dois contaram ao recepcionista que queriam subir ao quarto para buscar bebida, porque eles estavam bebendo ali perto. Desconfiado, o recepcionista não permitiu a entrada deles”, relatou Gleide Ângelo.

Homofobia

A delegada também descartou a possibilidade de crime homofóbico, uma das hipóteses que vinham sendo investigadas pela polícia. “Não temos nenhum indício de que tenha algum viés desse tipo porque os rapazes não são homofóbicos. Eles queriam roubar, roubavam qualquer um, aí roubaram Lucas”, explicou Gleide Ângelo.

A delegada do DHPP acrescentou que os suspeitos confirmaram o crime em depoimento à polícia. “A intenção foi matar para encobrir o roubo. Os ladrões acharam pouco um celular, 24 reais e uma sandália. Eles não estavam drogados, estavam conscientes e achavam que Lucas tinha muito dinheiro guardado no quarto da pousada.”

Ainda segundo a polícia, os suspeitos tinham muitos amigos no Cabo e costumavam frequentar as praias para roubar. No dia do crime, o jornalista tinha ido jantar com outros árbitros em um restaurante da localidade. Voltou mais cedo para a pousada e foi visto saindo do local falando ao telefone para remarcar uma passagem aérea. Lucas Cardoso Fortuna era árbitro de vôleibol e militante de movimentos em defesa dos direitos dos homossexuais. Ele estava em Pernambuco para participar de uma competição.

O laudo do Instituto de Medicina Legal (IML) mostrou que não havia lesões de faca no cadáver, como chegou a ser divulgado pela polícia. O corpo possuía inúmeras lesões, típicas de agressão e escoriações profundas por causa da queda nas pedras.

Um dos suspeitos foi detido pela polícia em Escada, na Mata Sul do Estado, no dia 21 de novembro, quando tentava roubar uma loja. Ele foi identificado porque usava a mesma camisa que vestia no dia do crime. As câmeras de segurança da pousada filmaram a entrada deles no local. O rapaz foi encaminhado à Cadeia Pública de Escada. “Foi detido por causa do roubo cometido em Escada. Mas mesmo que ele se livre desta acusação, deve permanecer preso pelo latrocínio”, disse o delegado Alfredo Jorge, que também participou das investigações.

O outro suspeito foi pego na noite de quarta-feira (5) na mesma cidade. A polícia não revelou detalhes da prisão. Ele foi conduzido na tarde desta quinta (6) ao Centro de Triagem (Cotel), em Abreu e Lima, na Região Metropolitana do Recife.